Reprodução

Cuba esquece ‘soberania tecnológica’ e adota combinação com vacina chinesa

30.08.21 15:43

A ditadura cubana se recusou a entrar no consórcio Covax para receber vacinas contra a Covid-19. Em vez disso, os governantes da ilha comunista, defensores da “soberania tecnológica“, anunciaram que a pandemia seria controlada com duas vacinas locais, a Abdala e a Soberana 02. No início do ano, a ditadura chegou até a negociar a venda de suas vacinas para a prefeitura de São Paulo, como anunciou a secretária de relações internacionais, Marta Suplicy. A campanha com a população começou em maio (foto). A meta era ter 70% da população imunizada com vacinas próprias em agosto.

Mas a ditadura acabou dando um giro de posição. Nesta segunda, cubanos da província de Cienfuegos começaram a receber uma combinação de vacinas. Serão duas doses da chinesa Sinopharm e, 21 dias depois, uma terceira dose de uma vacina cubana chamada Soberana Plus.

Foi uma surpresa porque, até a semana passada, o uso da Sinopharm não tinha sido divulgado na imprensa oficial. O anúncio inesperado gerou vários questionamentos. Em primeiro lugar, a Soberana Plus não foi autorizada pelo Centro para o Controle Estatal de Medicamentos, Equipamentos e Dispositivos Médicos de Cuba, o Cecmed. A que estava aprovada era a Soberana 02.

Além disso, não foram divulgados estudos clínicos com combinação de duas doses de Sinopharm e uma dose de Soberana Plus. Só o que se tem, e que foi aceito pela Organização Mundial de Saúde, é que a Sinopharm reduz as internações graves em 79%.

A corrida para usar a Sinopharm em cubanos de Cienfuegos pode ter uma explicação política. Após os protestos que ocorreram em dezenas de cidades cubanas desde o dia 11 de julho, ficou mais arriscado para a ditadura apostar nas candidatas a vacinas nacionais. Um dos motivos para os cubanos pedirem o fim do comunismo nas ruas foi justamente a incapacidade do regime em controlar a pandemia de Covid.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Cuba é muito insignificante para continuar aparecendo no noticiário. Mas, pelo menos, é uma piada e garantia de algumas risadas.

  2. O regime cubano, o governo do FUTURO PRESIDIÁRIO Bolsonaro e o governo do EX-PRESIDIÁRIO Lula, é tudo farinha do mesmo saco. O q os comunistas fizeram no país caribenho, Bolsonaro fez aqui com os medicamentos ineficazes. O petista corrupto, q governou o NOSSO BRASIL num período de prosperidade, fez como os ditadores, migalhas para o povo, enquanto enchia os bolsos dos corruptos aliados. Agora o corrupto quer voltar, contando com apoio velado do sociopata, q só engana os trouxas. Moro 2022 🇧🇷

    1. Amilton vai procurar o q fazer, seu parasita. Bolsonaro desde o 1° dia de governo, deveria ter respeitado os 57 milhões de eleitores que votaram nele. Quem o sociopata está peitando, e por quê? Peitou o Moro, objetivando interferir na PF, para proteger seus filhos parasitas e outros parasitas diversos. Peitou a repórter em Guaratinguetá. Peitou um monte de repórteres, protegido pelos seguranças e pelos idiotas úteis do cercadinho. Peitou o bom senso e a civilidade do brasileiro. Moro 🇧🇷

    2. Podem dizer o que quiserem de Bolsonaro, mas, venhamos e convenhamos, nunca se viu um presidente da república peitar o sistema como temos visto atualmente. De nada adianta termos um presidente cândido que governe de joelhos para a banda podre que desejamos banir da vida pública nacional. É preciso respeitar a vontade popular. Bolsonaro foi eleito por 57 milhões de brasileiros.

Mais notícias
Assine agora
TOPO