Reprodução

A invasão da Ucrânia e a chance de uma Terceira Guerra Mundial

24.02.22 13:25

Com a invasão da Ucrânia pela Rússia na madrugada desta quinta, 24, cresce a apreensão de que o conflito possa dar início a uma Terceira Guerra Mundial, com armas nucleares (foto).

A chance é baixa. Mesmo iniciando ações arriscadas, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, tem evitado cruzar algumas linhas vermelhas, para não escalar o conflito.

Um dos cuidados tomados por Putin é não tomar qualquer iniciativa contra um membro da Organização do Tratado do Atlântico Norte, a Otan, que foi criada em 1949 para conter a Rússia. O Artigo 5 do Tratado estabelece que um ataque a um de seus membros deve ser considerado um ataque a toda a aliança, que então deveria responder militarmente. A Ucrânia não é parte da Otan, e a Rússia não fez qualquer ação contra um de seus membros.

Em um comunicado divulgado na manhã desta quinta, 24, a Otan prometeu ajudar aliados, mas dentro das suas regras. Alguns de seus membros estudam acionar o Artigo 4, que permitiria prestar assistência militar, como o envio de mísseis e baterias antiaéreas, a um país aliado. “Hoje, realizamos consultas sobre o Artigo 4 do Tratado de Washington. Decidimos, de acordo com nosso planejamento defensivo para proteger todos os aliados, tomar medidas adicionais para fortalecer ainda mais a dissuasão e a defesa em toda a aliança. Nossas medidas são e permanecem preventivas, proporcionais e não escaladas“, diz o comunicado. A última frase do comunicado não diz respeito à Ucrânia: “Nosso compromisso com o Artigo 5 do Tratado de Washington é rígido. Estamos unidos para defender uns aos outros“.

O risco seria que, caso seja bem-sucedida em subjugar a Ucrânia, a Rússia se sinta confiante para avançar contra um membro da Otan, como um dos países bálticos. Ou, então, que a guerra atual acabe se espalhando para países limítrofes da Ucrânia que são membros da Otan, como a Polônia, a Eslovênia, Eslováquia e Hungria. Se isso ocorrer, o conflito ganharia uma dimensão muito maior.

Outro limite que não deve ser ultrapassado é o uso de armas militares. Além das bombas nucleares, que hoje são muito mais potentes que as utilizadas em Hiroshima e Nagasaki, em 1945, os países hoje contam com armas nucleares táticas, que podem ser usadas para destruir alvos menores. Esse tipo de armamento nunca foi usado em um conflito e não há sinal de que isso possa ocorrer. A Rússia tem 2 mil dessas armas nucleares táticas, e não as disparou nas guerras anteriores na Geórgia e na Síria.

Atualmente, a Rússia é o país com o maior arsenal nuclear do mundo, com 5.977 ogivas. Os Estados Unidos têm um pouco menos: 5.428. Os nove países que contam com essas armas evitam usá-las por causa da doutrina da Guerra Fria, a de “destruição mútua assegurada“. O conceito implica que, se um país iniciar um ataque nuclear contra outro, ambos serão destruídos e não haveria vencedores.

Mas esse conceito tem sido gradualmente revisto pela Rússia. Em 2015, logo após invadir a Crimeia, o país alterou sua doutrina nuclear, preocupado com o avanço da Otan. A nova doutrina estabelece que a Rússia poderia usar armas nucleares táticas caso sofra um ataque militar convencional que ameace sua existência.

Ao final, a decisão de usar ou não uma arma nuclear em um potencial conflito com a Otan caberia principalmente a Putin, que tem se mostrado bastante instável nos últimos dias.

A chance de Putin usar armas nucleares táticas deveria ser zero. Mas não é zero. É perto de zero. Afinal, quem sabe o que passa com Putin?”, diz o cientista político canadense Duane Bratt, especialista em questões nucleares. “Considerando o tabu sobre o uso de armas nucleares desde 1945, acredito que seria um passo longo demais a Rússia usar qualquer forma de bomba nuclear. Caso isso aconteça, a Otan teria de responder com retaliação nuclear, ou a dissuasão seria nula. Não acho que vamos chegar a isso, mas só o fato de estarmos falando sobre essa possibilidade já é um tanto perturbador.”

Em um comunicado divulgado pelo Kremlin na madrugada desta quinta, 24, Putin fez uma ameaça velada sobre o uso de armas nucleares: “Quanto aos assuntos militares, mesmo após a dissolução da União Soviética, URSS, e a perda de uma parte considerável de suas capacidades, a Rússia de hoje continua sendo um dos estados nucleares mais poderosos. Além disso, tem certa vantagem em várias armas de ponta. Nesse contexto, não deve haver dúvidas para ninguém de que qualquer potencial agressor enfrentará a derrota e consequências nefastas caso ataque diretamente nosso país“.

Ao anunciar a invasão na televisão, Putin também disse que, se os países ocidentais caíssem na tentação de se intrometer nos eventos em andamento, isso levaria a “consequências nunca vistas na história“.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. O louco ameaça destruir o mundo se houver intervenção. Fazer o que? Deixa-lo matar inocentes e ampliar seu império? Essa mensagem será música para outros ouvidos ditatoriais e seus sonhos imperiais. Se as sanções não funcionarem logo, algo diferente será exigido. E não é tapinha nas costas. Loucos desvairados têm de ser contidos em camisa de força.

  2. Esse Putin é um FDP. Fogo nele, antes que se repita a aventura de Adolf Hitler. Só que dessa vez o mundo corre o risco de desintegrar-se.

  3. Falar de Brasil numa hora dessas é ridículo. O país de Luladrão e Bozo não tem a menos relevância. Centremos nossas atenções no que realmente importa. Como segurar Putin e evitar uma guerra nuclear.

  4. Os ucranianos estão abandonados. Serão escravos dos russos. De novo. Em verdade, a população vai resistir, como sempre se fez. Terrorismo. Criaram uma polícia política para caçar estudantes, políticos, intelectuais, etc. E o CRETINO pela manhã, falando de futebol.

  5. Putin e cópia do Hittler, se não tiver reação de bomba ele vai continuar as invasões, a história da 2a guerra mostra isto.

  6. Cadê o FAMILICIA BolsoNero, seus asseclas e crias degeneradas que foram visitar Putin e alardearam aos sete ventos que a Terceira Guerra Mundial que não haveria pois o Sociopata negociou o seu fim .

    1. Está negociando com Luladrão sua saída do governo sem ser preso. Ladrões se protegem.

  7. 1- O mundo passa por uma mudança substancial neste momento. Veja o q um aloprado com poderio nuclear, depois de dominar o seu povo, ameaça fazer com o mundo em que todos habitam. Depois que o capitalismo venceu o socialismo, a Rússia continuou sem se desenvolver economicamente, dependente da venda de commodities, e continuou investindo no poderio bélico. Agora o Putin, quer fazer valer, pela sua força militar, a sua vontade perante o mundo.

    1. 2- Isso não vai acontecer jamais. Putin já perdeu essa guerra, pois só os velhos carcomidos, enxergam lógica nisso. MORO PRESIDENTE 🇧🇷

  8. Putin só entende uma linguagem, a do porrete. E, se continuarem a não fazer nada além de bla-bla-blá, ele vai usá-lo não só contra a Ucrânia!

  9. O ditador russo, blefando ou não, tem um enorme porrete nas mãos e parece disposto a usá-lo se for preciso. É terrível essa posição porque não se sabe o grau de insanidade do tirano, e é de admirar que se veja saindo vivo de algo dessa magnitude. Putin só teme que a Rússia não tema ficar sem Putin...

  10. A tecnologia nuclear deveria estar sempre sendo utilizada para fins pacíficos, que engrandeça a humanidade, como, a medicina, a engenharia ee a energia elétrica.

    1. Cada usina nuclear a mais na Europa faria o Putin deixar de vender 50 trilhoes de metros cubicos de gas...

Mais notícias
Assine agora
TOPO