Reprodução

A Rússia encontra o seu Vietnã

24.05.22 11:33

O Ministério de Defesa da Ucrânia publicou nesta terça, 24, um relatório com estatísticas sobre as perdas russas na guerra, que acaba de completar três meses.

O total de combatentes russos mortos chega a 29.350. O número não é reconhecido pelo governo de Vladimir Putin que, no final de março, falava em apenas 1.351 mortos. Segundo o relatório, mais de 1302 tanques (foto) foram destruídos.

Se confirmado, o número divulgado pelos ucranianos de baixas é o dobro do de 15 mil soldados russos mortos em dez anos de guerra no Afeganistão, de 1979 a 1989.

Na Guerra do Vietnã, que durou de 1954 a 1975, calcula-se que cerca de 60 mil militares americanos morreram ou foram dados como desaparecidos. Como o presidente John Kennedy enviou soldados apenas em 1961, o mais correto seria considerar que os 60 mil soldados teriam perdido suas vidas ao longo de catorze anos.

Que a Rússia tenha alcançado metade disso em apenas três meses é surpreendente.

Outra comparação possível é que a Guerra do Vietnã foi derrotada não no campo de batalha, mas “em casa“. Foi a oposição dos civis americanos que levou os presidentes a abandonarem a carnificina.

Na Rússia, a guerra só não foi perdida dentro de casa porque o governo tem repreendido fortemente a população. Segundo a ONG OVD-Info, 15.445 pessoas já foram detidas por protestar contra o conflito desde o dia 24 de fevereiro.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. O Brasil já passou por isso no século XIX, quando o atrevido ditador Solano Lopes teve a audácia de invadir o Brasil, e foi escorraçado de nossas terras, como a Grande Ucrânia está fazendo com esse outro ditadorzinho Putin.

  2. Claro que a Russia só admite 1.300, os outros 28.000 estão escondidos do país, dentro dos frigoríficos ucranianos que, descentes que são, não os enterram em valas comuns. Lavrov, hoje, está agitado. Rss

  3. "repreendido" é muito leve. Deram apenas uma admoestação? Seria mais correto "repremido". Outra coisa: e as baixas ucranianas, tanto militares como civis?

  4. Pensei que a Rússia fosse uma potência militar. Uma decepção. Uma guerra nuclear pode ocorrer, mas será a destruição da própria Rússia. EUA sozinhos dão conta do recado. Ocorre que tem Reino Unido e França Juntos(este último, depois de Napoleão, só leva peia). Numa Guerra nuclear, será destruida. A salvação serão os de sempre, EUA, Inglaterra.

  5. Que venha a paz e a reconstrução da Ucrânia com a volta de seus bravos cidadãos.crime de guerra para Putin e seus fanáticos

  6. Força, Ucrânia!! Com a 'pequena' ajuda dos USA e OTAN. ... Os robôs do Carniceiro não são páreo para os Defensores de suas próprias terras e Democracia, de sua Liberdade.

Mais notícias
Assine agora
TOPO