Reprodução

Biden: ‘É o fim da era das grandes operações militares’

31.08.21 17:25

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden (foto), deu mais uma declaração sobre a retirada do Afeganistão nesta terça, 31 de agosto. A decisão, anunciada em abril, foi concluída na noite desta segunda, 30.

Esta decisão sobre o Afeganistão não é apenas sobre o Afeganistão. É sobre o fim de uma era, a das grandes operações militares para reconstruir outros países“, disse Biden.

Segundo Biden, enviar contingentes de soldados para outros países em grandes missões não garante a segurança americana, uma vez que o terrorismo está espalhado por várias nações. O presidente defendeu o uso de outros recursos, como a diplomacia, sanções econômicas e bombardeios aéreos.

Este é um mundo novo. A ameaça terrorista sofreu metástase para muito além do Afeganistão. Nós somos ameaçados pela Al Shabab na Somália, pelas filiais da Al Qaeda na Síria e na Península Arábica. O Estado Islâmico está tentando criar um califado na Síria e no Iraque e tenta estabelecer filiais nos países da África. A obrigação fundamental do presidente é proteger e defender os Estados Unidos não contra as ameaças de 2001, mas contra as de 2021 e as de amanhã“, disse Biden.

O presidente americano pediu uma nova estratégia para combater o terrorismo. “Temos outras capacidades, o que significa que podemos atacar os terroristas sem botar os pés no chão. Mostramos essa capacidade na semana passada, quando atacamos os membros do Estado Islâmico remotamente“, disse o presidente.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Pergunte a um morador de comunidades sob controle de traficantes ou milícias, como é a vida deles. Verão que a falta de liberdade é próxima daquela imposta pelo Talibã. Religiosamente falando é bem distinto, mas o domínio pela força das armas e pelo terror é igual. Não existe cidadania! Mas nesse caso, o estado tem que botar os pés no terreno. Não há outra maneira. Não há liberdade de opinião sob domínio de tráfico, milicias ou estado corrupto.

  2. A retirada foi negociada por Trump que, consciente da dificuldade da tarefa que prejudicaria ainda mais sua reeleição, deixou para o próximo governo esse desenlace… que deveria ter ocorrido há anos, quando desapareceu Bin Laden!

  3. Para os que criticaram o Biden, com a bunda pregada no sofá de casa, fica uma lição: não comente sobre o que não entende. E mesmo que pense entender alguma coisa, a verdade é que você não entende nada. Os desafios americanos de hoje, não comportam uma escalada armada no Afeganistão. Biden tinha duas opções: cumprir o acordo do seu antecessor, ou ir para a guerra com tudo contra o Talibã. Então sabiamente, o presidente americano resolveu retirar seus militares. Moro 2022 🇧🇷

    1. Sim, ele deveria cumprir o acordo firmado, não fazer o que fez!

  4. Grande Joe Biden! Se os EUA tivessem investido todo o dinheiro gasto nessa luta inglória contra o terror na inteligência interna a fim de manter terroristas longe das suas fronteiras, dezenas de soldados americanos estariam vivos.

Mais notícias
Assine agora
TOPO