Reprodução

Como será o embate entre esquerda e direita na eleição presidencial da Colômbia

15.03.22 08:40

A Colômbia terá eleições presidenciais em maio, com o segundo turno marcado para junho. Uma boa ideia de como será a disputa pode ser obtida a partir dos resultados da eleição legislativa que ocorreu no último domingo, 13. Os números mostram que o país, que em toda a sua história foi governado pela direita, tem um candidato de esquerda como favorito.

A coalizão esquerdista Pacto Histórico, do candidato presidencial Gustavo Petro (foto), foi a que mais recebeu votos: 2,3 milhões. Foi a primeira vez na história do país em que um grupo de esquerda alcançou essa façanha. Mas a coalizão não terá a maioria em nenhuma das casas do Congresso. O Pacto Histórico só terá 13% dos deputados e 15% dos senadores.

Com isso, caso Gustavo Petro seja o vencedor da próxima eleição, terá dificuldades para aprovar projetos de lei.

Por outro lado, os partidos tradicionais de direita — liberais e conservadores — também aumentaram sua participação no eleitorado. Sendo assim, não haverá uma grande mudança no equilíbrio de poder entre esquerda e direita.

Mas a última eleição legislativa teve dois grandes perdedores: o centro e o uribismo, um movimento da direita mais radical que tem o ex-presidente Álvaro Uribe como sua inspiração.

Gustavo Petro está à frente das pesquisas com mais de 30%, mas terá dificuldade para vencer no primeiro turno. No segundo turno, seu rival mais provável é Frederico Gutiérrez, conhecido como Fico Gutiérrez, um ex-prefeito de Medellín que é de direita, mas não é uribista. Outro que pode ir para a disputa final é Sergio Fajardo, também ex-prefeito de Medellín, mas de centro.

O resultado do segundo turno dependerá principalmente de como os eleitores de centro e os uribistas irão se posicionar“, diz o sociólogo Ricardo Vargas Meza, pesquisador da Universidade Nacional, em Bogotá.

Com mais de dois meses de campanha, Petro pode ajustar seu discurso e conseguir os votos necessários para ser presidente.

Muitas pessoas na Colômbia dizem que ele quer acabar com a propriedade privada, coisas do tipo. Se ele quiser atrair mais eleitores, terá de moderar o discurso e não poderá cometer erros“, diz o cientista político colombiano Fernando Giraldo, da Universidade Javeriana.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
Mais notícias
Assine agora
TOPO