Reprodução

Cúpula pela Democracia de Biden vai pressionar Jair Bolsonaro

25.08.21 07:01

O governo dos Estados Unidos ainda não convidou Jair Bolsonaro para a Cúpula da Democracia, marcada para os dias 9 e 10 de dezembro. Em nota enviada a Crusoé, o Departamento de Estado não respondeu se o presidente brasileiro será convidado e fez questão de frisar que a Casa Branca espera dos países participantes que mostrem “compromissos significativos” com a democracia, com o combate à corrupção e com os direitos humanos.

Parece, à primeira vista, uma resposta trivial. Mas é um sinal eloquente de que a administração Biden, assim como fez na cúpula recente que discutiu providências de governos estrangeiros relacionadas ao meio ambiente, aproveitará o evento para cobrar de países como o Brasil manifestações explícitas de apreço a princípios que, por aqui, foram abandonados pelo governo nos últimos tempos — exemplo disso são os constantes ataques de Bolsonaro ao Judiciário e a cada mais vez explícita política oficial de desmontar a Operação Lava Jato.

Tudo indica que Bolsonaro deverá, sim, ser convidado. Mas, se participar, será instado a se manifestar claramente sobre o compromisso de seu governo com esses temas.

Diz a nota do governo americano: “A Casa Branca ainda não fez os convites para a Cúpula pela Democracia. Estamos começando a discutir os objetivos para a Cúpula com nossos parceiros bilaterais e principais atores da sociedade civil de democracias consolidadas e emergentes, representando os mais variados pontos de vista possíveis. Estamos pedindo aos países participantes que mostrem compromissos significativos que promovam a democracia, combatam a corrupção e incentivem o respeito pelos direitos humanos tanto em seu país quanto internacionalmente. Os Estados Unidos farão compromissos semelhantes“.

Continuaremos trabalhando com os participantes da Cúpula e com outros governos ao redor do mundo para tratar de retrocessos democráticos, promoção de direitos humanos e combate à corrupção em casa e em outros países — seja no contexto da Cúpula ou fora dela“, segue o texto.

A mensagem para o Palácio do Planalto está nas entrelinhas. No Brasil, seguidores do presidente Jair Bolsonaro marcaram para o feriado de Sete de setembro manifestações contra o Supremo Tribunal Federal. Os atos estão em linha com manifestações do próprio presidente, que vem atacando sistematicamente o Judiciário, a imprensa e o sistema eleitoral. “Esta é uma nota burocrática, mas que ao mesmo tempo emite um alerta. Bolsonaro é um caso preocupante para os americanos, que provavelmente vão querer esperar para ver o que vai acontecer no Sete de setembro“, diz o diplomata Paulo Roberto de Almeida.

Organizada para acontecer de maneira virtual, a Cúpula terá um caráter principalmente simbólico, sem grandes consequências práticas. Chefes de governo e de estado, empresários e líderes de organizações civis farão discursos por alguns breves minutos. Entre os diplomatas, ninguém acredita que exista a possibilidade de o Brasil ficar de fora. Mas a mensagem do Departamento de Estado insinua que o espaço dedicado ao governo brasileiro não deverá ser de destaque.

A mensagem dos americanos não demonstra qualquer senso de camaradagem ou de parceria. Ao dizer que os Estados Unidos estão conversando com parceiros bilaterais, o que isso significa é que eles não estão falando com o Brasil. É como se alguém perguntasse se será convidado para uma festa e o anfitrião respondesse que irá entrar em contato em breve ou que ele torce para que a pessoa possa ir“, diz o analista político americano Peter Hakim, do think tank Diálogo Interamericano, em Washington. “Se o Brasil for convidado mais tarde, provavelmente será como um país secundário.”

A ideia de uma Cúpula pela Democracia surgiu ainda no ano passado, quando Biden achou necessário isolar a China e mostrar ao mundo que os Estados Unidos seguiam no mesmo rumo, apesar dos ataques do ex-presidente Donald Trump contra as instituições. A invasão do Capitólio no dia 6 de janeiro deste ano expôs que a democracia americana ainda corria alguns riscos, e os planos foram adiados. No início de agosto, o assunto voltou com força após um anúncio de Biden.

Ao criar expectativas sobre quem vai entrar na lista de convidados da cúpula, Biden tenta influenciar outros chefes de governo que desejam ser aceitos no exterior e se preocupam com a própria imagem. “Essa sempre foi uma característica dos presidentes do Partido Democrata, em maior ou menor grau“, diz o embaixador Rubens Ricupero.

Para Ricupero, a organização de uma Cúpula pela Democracia pode ter algum efeito no Brasil, ainda que o país não estivesse no centro das atenções em sua origem. “Qualquer um que hoje esteja pensando em promover ou apoiar um golpe, seja das Forças Armadas, das polícias, do Congresso ou de setores da sociedade, sabe que os Estados Unidos não irão tolerar uma ruptura. É um cenário oposto ao que havia em 1964, quando os americanos estavam claramente encorajando um golpe“, diz Ricupero. “Acho que essa postura americana provavelmente fará com que muitos desistam de uma aventura.”

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Isso é piada? Defensores da Democracia e dos Direitos Humanos para quem? O que acabaram de fazer no Afeganistão desmascara essas intenções. E nós estamos em democracia e defendendo os direitos humanos, apesar da instituição "inominável"...

  2. Biden democracia 😄😂😁🐁. Corrupção 😄😂😁🐁. O cara está deixando o povo afegão morrer🐁. Parem de hipocrisia. Isso é a esquerda MALDITA.

  3. Esse é o chefe de verdade! Se eu fosse ele nem convidava quem não acrescenta nada, o bananal é irrelevante e o pangaré mais ainda

  4. Se for convidado, e comparecer, provavelmente, será como aqueles personagem do Chico Anísio, o "Rolandolero"! (o máximo que consegue!)

  5. Se for irá fazer como todos os seus antecessores: MENTIR. Mentir com vontade, mentir com fé, mentir com crença, mentir desavergonhadamente. É só o que sabem fazer.

  6. Camaradagem e parceria com essa gente? Perguntem aos afegãos como foi o resultado disso ao longo de 20 anos. Biden, o senil!

  7. Agora tudo é em nome da democracia ! Até as prisões inconstitucionais e a mordaça na imprensa livre ! Querem nos escravizar em nome da democracia ! Como o Antagonista pode ser favorável à isso ?

    1. João, concordo contigo. Um presidente louco e genocida, deve ser excluído, como estão Cuba e Venezuela.

  8. Iniciativas de “combate à corrupção” no Brasil: Aras indicado para a PGR, Ciro Nogueira na Casa Civil e cafezinho fora da agenda com Gilmar Mendes?

  9. Infelizmente, há algum tempo que o Brasil é um país secundário em várias frentes. Precisamos modificar isso, mas com boas práticas de cidadania e democracia.

    1. E pensar que comecei a assinar a revista em apoio a censura cometida pelo STF. O STF declara Moro suspeito, com 3 votos a favor e 2 contra, de Fachin e Kassio, e segundo a revista foi o governo Bolsonaro que acabou com a Lava Jata.

    2. Antagoniza cada dia pior! Chama o Xandão e o Barrosao para a cópula! Promotor, juiz e testemunha, novo modelo democrático de justiça.

Mais notícias
Assine agora
TOPO