Marcelo Camargo/Agência Brasil

De curso de culinária a gastos com suplente e querosene de aviação: a vida de Gurgacz, o senador condenado

09.08.20 15:10

Condenado em 2018 pelo Supremo Tribunal Federal a quatro anos e seis meses de prisão em regime semiaberto, o senador Acir Gurgacz, do PDT de Rondônia, já não precisa mais deixar as sessões do Senado para dormir na cadeia, mas ainda tem dado trabalho aos seus pares.

Mensalmente, integrantes da Mesa Diretora têm que atestar ao STF a presença de Gurgacz nas sessões remotas ou presenciais e precisam dar satisfações à corte sobre as atividades do senador.

O ofício mais recente relatando o dia a dia do parlamentar no Congresso foi protocolado na última segunda-feira, 3, no gabinete do ministro Alexandre de Moraes, relator do processo de acompanhamento do cumprimento da pena de Gurgacz.

Em dezembro, o Supremo concedeu liberdade condicional ao pedetista, mas o Ministério Público Federal ainda questiona o valor devido em multas pelo senador de Rondônia.

Para tentar acabar com o embaraço de ser um apenado da Justiça, Acir Gurgacz tem feito cursos até de culinária — ele também participa de aulas sobre direito constitucional. A iniciativa rendeu bons resultados e ele conseguiu abater parte da pena que ainda precisa cumprir.

Para ter direito à liberdade condicional, o senador fez acordo para o pagamento de uma multa de 626 mil reais, parcelada em doze prestações de 52,1 mil reais. Ocorre que esse montante ainda é questionado pelo Ministério Público Federal, que defende a cobrança no valor de 2 milhões.

A PGR entende que houve um erro formal no cálculo da multa, que desconsiderou o aumento da pena em três vezes, “tendo em vista a situação econômica do réu”. O levantamento patrimonial mais recente do senador, segundo o MP, mostra que ele tem bens que somam quase 11 milhões de reais.

A 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal condenou Acir Gurgacz a quatro anos e seis meses de reclusão em fevereiro de 2018, por desvio de finalidade na aplicação de um financiamento obtido junto ao Banco da Amazônia.

Preso em Brasília, ele obteve autorização para trabalhar durante o dia como senador. Em maio do ano passado, a Justiça autorizou a progressão para o regime aberto e, sete meses depois, concedeu a liberdade condicional.

Desde a sua condenação e a prisão, em 2018, Acir Gurgacz já gastou 790 mil reais em verba indenizatória do Senado. Durante a pandemia, o senador apresentou notas fiscais de 56,3 mil reais só para a compra de querosene de aviação destinado a abastecer o jatinho usado em suas viagens a Rondônia. Ele também paga mensalmente 6 mil reais do cotão ao seu próprio suplente, Gilberto Peselo, pelo aluguel de um imóvel no estado, onde funciona seu escritório político.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Somos uma republiqueta dos e das bananas mesmo. Fadados ao fracasso, qual nação próspera com um time de políticos desta natureza e por cima com a conivência da justiça?

  2. Alberto (Belem-Pa). É muita indignação para nós contribuintes q bancamos essa farra d gente safada com nosso dinheiro. É um misto de revolta, d desânimo, d asco dessa gente q continua com seus esquemas de corrupção nos poderes da República e nós, contribuintes, fazendo o papel de otários. Não aguento nem olhar para a cara desse ladrão safado. Como é q um mau-caráter desse naipe ainda tem legitimidade para representar um Estado da federação no Senado Federal ? E o q é pior : ele não está só.

    1. Apoiado! A sua indignação é a de muitos. Lembrando Rui Barbosa na frase “ ver os poderes agigantarem-se nas mãos dos maus”, o brasileiro “chega a rir-se da honra e ter vergonha de ser HONESTO”. Será que teremos que lavar a democracia brasileira? Álcool em gel não dará conta sozinho.

  3. Uma vergonha,um bandido condenado,continua como senador da República e torrando o dinheiro dos nossos impostos.Onde está a justiça nessa República de bananas?

  4. Vergonha nacional, mais uma. Grande número de apenado apodrecem nas cadeias por muito menos. Essa justiça que ai está é dos afortunados. STF em dois dias tirou o ladrão do secretário do Doria da cadeia, isto pq a prisão era temporária e de 5 dias.

  5. Se fosse um contribuinte (sim, porque as otoridades são, muitas vezes e além de tudo, sonegadoras de impostos) o desembargador-carteirada condenava a 30 anos de estupro em alguma prisão fétida.

  6. E a porcaria do nosso Legislativo é composto por desgraçados como esse, que deveria nem poder entrar no Congresso pelo simples fato de ter sido condenado. E fazendo leis de autoproteção...

    1. STF esta longe de ser uma Suprema Corte , já que seus integrantes , não são juízes e sim , cumplices desses bandidos de colarinho branco.

  7. Nossa... nossa, que bosta de CONDENAÇÃO é essa; Não vai pra cadeia, entra e sai do CONGRESSO NACIONAL, como se nada tivesse acontecido... Ah, ainda gasta milhares de reais, dos contribuinte.

    1. Tá difícil... A pressão arterial sobe lá pra cima! Quantos meses trabalhamos só pra pagar impostos!?

Mais notícias
Assine agora
TOPO