Alan Santos/PR

Com escolha de Mendonça, Bolsonaro acena à base e aposta em um ministro para chamar de seu

13.07.21 09:25

Desde o estreitamento de laços entre Jair Bolsonaro e os partidos do Centrão havia fortes dúvidas em Brasília de que o chefe do Planalto honraria sua promessa de indicar um ministro “terrivelmente evangélico” ao Supremo Tribunal Federal. As concessões cada vez mais frequentes de cargos e emendas aos aliados fisiológicos ajudaram a livrar o presidente da República do impeachment e não abalaram de maneira expressiva sua popularidade entre os eleitores mais fiéis e devotados. Mas a pouco mais de um ano das eleições e diante das incertezas sobre o futuro do casamento com o Centrão, Bolsonaro resolveu voltar à sua gênese. A escolha do advogado-geral da União, André Mendonça, para uma cadeira no STF representa o grande aceno do capitão da reserva ao “bolsonarismo raiz”.

O escolhido do presidente enfrenta resistências no Congresso, mas a aposta é de que o nome de Mendonça será aprovado. Pastor de uma igreja presbiteriana em Brasília, ele se cacifou para a vaga por ser evangélico, mas, principalmente por ter embarcado na defesa incondicional do chefe. No Ministério da Justiça, o advogado sacou do bolso com frequência a Lei de Segurança Nacional, criada na ditadura militar, para inibir a atuação de críticos do presidente da República, como jornalistas, escritores e influenciadores digitais.

A atuação alinhada ao autoritarismo de Bolsonaro fez André Mendonça ganhar espaço no Planalto. A fidelidade do advogado foi mais determinante do que sua religião – e, claro, contou mais do que os atributos constitucionais para a vaga. A despeito das objeções no Centrão, que desejava um nome 100% “confiável” como Kassio Marques, o presidente preferiu ter um ministro para chamar de seu.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
    1. Exato, será excelente Ministro tem sólida formação , notável saber jurídico e reputação ilibada

    2. Mendocinha foi escolhido por cultuar o mito e principalmente, por ser TERRIVELMENTE CRETINO.

  1. Nos Estados Unidos jamais seria aprovado pelo Senado. Lá o povo participa protestando quando o nome indicado tem comprometimentos ideológicos que o deslegitima. Data vênia, O Dr. aí defendeu o governo de plantão que termina em 2022 em causas flagrantemente inconstitucionais e só isso já é suficiente para não ser aprovado.

  2. Faz de conta que está caindo mas mantém o “seu exército” “ seus ministros “ seus presidentes da câmera e do senado, ele está com tudo muito bem preparado. O país que se cuide

  3. Uma vergonha ! Nosso país sendo entregue por esse presidente corrupto para o dogmatismo da religião. Retrocesso sem tamanho. Na nossa constituição o estado é laico. Regrecao para a idade média.

  4. Depois do Kassio, indicado a desembargador pela Dilma, vem Mendonça, ex assessor de Dias Toffoli! Nem o PT sonhava com tais nomes... Bolsonaro traiu o país!

  5. Não adiana esperar até 2022, a maioria do povo brasileiro não sabe votar. POVO NA RUA‼️, solicitando 1° ajuda das FFAA do bem - 2° Impeachment de JB - 3° fechamento dos STF e senado - 4° reconduzir Sérgio Moro à PJS, já que ele não tinha mais apoio de JB, envolvido c/familiares na jutiça, só lhe sobrando demissão. JB não prometeu lutar contra a corrupção?

    1. Em tese Bolsonaro está em baixa no Congresso, então o no me e teria que ser vetado... MAS... vai que as excelências precisam dele né... não podem votar contra...

Mais notícias
Assine agora
TOPO