Palácio do Planalto

EUA são rebaixados em mudança na nomenclatura do Itamaraty

02.05.22 18:40

Uma mudança que passou despercebida no Itamaraty mostra com clareza quais são os novos rumos da política externa brasileira.

No dia 31 de março, pouco mais de um mês após a invasão russa da Ucrânia, o presidente Jair Bolsonaro publicou um decreto alterando a estrutura do Ministério das Relações Exteriores.

Na nova organização, o Departamento de Estados Unidos, Canadá e Assuntos Interamericanos foi extinto. Esse gabinete foi chefiado pelo diplomata Ernesto Araújo, até ele ser nomeado ministro, em 2018.

No seu lugar, criou-se o Departamento de Caribe, América Central e do Norte.

Na nova nomenclatura, o nome “Estados Unidos” nem aparece e ainda fica para o final da fila, apenas como “América do Norte“.

Após a derrota de Donald Trump nas eleições de 2020, Bolsonaro tomou distância dos Estados Unidos e de seu novo presidente, Joe Biden.

Na direção oposta, Bolsonaro se aproximou do presidente da Rússia, Vladimir Putin (na foto, com Bolsonaro). Dias antes da invasão da Ucrânia, o brasileiro esteve em Moscou e disse que era solidário à Rússia.

Na nova estrutura do Itamaraty, o país de Putin é contemplado com o Departamento de Rússia e Ásia Central.

Pobre Brasil, tão longe dos Estados Unidos e tão perto da Rússia.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Mais um artigo feito por estagiário q não estudou nem história e nem geopolítica, tirando conclusões apressadas e inocentes num assunto complexo. Minha nota pra esse artigo é zero

  2. o Brasil rico de tudo não precisa se alinhar a ninguém mas fazer os acordos que nos interessam pois qualquer sabe que política internacional é via de mão dupla acabou o beija mão e a submissão ... se vier vai assim deve ser e está sendo.

  3. É impressionante a ilimitada capacidade de estupidez desse broncotudo!!!! Onde a gente jamais imaginaria que pudesse ser feita uma mega-estupidez, esse néscio consegue adentrar com a sua ignomínia generalizada!!!!

    1. Correto. Temos que voltar aos antigos alinhamentos com CHINA, VENEZUELA, CUBA, IRÃ, NICARAGUA, ETC E DITADURAS AFRICANAS...

  4. Antes Bolsonaro não gostava dos EUA, gostava de Trump, arrogante, com passado de negócios escusos e que tentou distorcer o resultado da última eleição americana. Para mostrar descontentamento com Biden, aproximou-se de Putin quando este já estava finalizando o início da invasão da Ucrânia. É uma criatura birrenta que não está nem aí com os interesses nacionais.

    1. Pois sim, não deixamos nós, brasileiros! Os então EUA de Trump teriam alegremente aceito um deslumbrado, um submisso que serviria mais aos interesses deles do que a nós...

  5. Total falta de assunto, o Brasil sempre teve ótimas relações com os Estados Unidos, muito mais que com a Rússia. Esse Duda Teixeira deve estar querendo agradar ao chefe, Diogo MaisNada.

  6. E a manada bestial segue o capitão capeta da extrema direita em direção a extrema esquerda. Capaz do genocida cortar o dedinho e deixar a barba crescer até o começo do pleito presidencial...

  7. Além de ser o pior presidente que o Brasil já teve, Bolsonaro é covarde. Por capricho e ignorância, mudou o nome, descaracterizando o Departamento completamente. E ainda criou um Departamento de Rússia e Ásia Central, confirmando sua submissão a Putin, que ele tanto admira. Um verdadeiro capacho do ditador carniceiro, envergonhando o Brasil.

  8. Isso parece fofoquinha de quitanda, o repórter que fez essa matéria, poderia explicar melhor quais as consequências dessas mudanças de nomenclaturas, ou é fofoquinha com dor de cotovelo.

    1. Acho que, sem corruptos, jamais. Mas um cerco mais fechado contra maracutaias é possível.

    1. Correto: Bolsonaro tem 1,85 cm e Vladimir Putin tem 1,70 cm.

Mais notícias
Assine agora
TOPO