Foto: Pixaby

Mia Couto tem razão sobre a fake news

06.08.22 16:33

Eu tenho uma birra danada de médicos que enxergam o paciente como se ele fosse apenas um fígado ou um baço. Não ligam para o ser humano à sua frente. Mas minha birra maior é em relação aos que enxergam o direito como se ele estivesse desconectado do tecido social que com ele interage e, na verdade, o origina. Por isso, apesar de ser advogado, sempre preferi Literatura e Filosofia à leitura de manuais e textos estritamente jurídicos.

Nesse sentido, quando comecei a ler a entrevista que o escritor moçambicano Mia Couto concedeu, recentemente, ao site Ijnet sobre jornalismo e fake news, tinha certeza de que vinha boa coisa pela frente. Não deu outra.

Em suma, o escritor explicou que as fake news são resultado do empobrecimento geral do debate de ideias, substituído pelo insulto. E que ninguém mais quer saber das verdadeiras causas dos fenômenos sociais, ou seja, ninguém mais se interessa pela tentativa – necessária, mesmo quando vã – de encontrar a verdade. Afirmou também que será difícil sair desta situação porque as fake news rendem ideológica, monetária e politicamente.

Mia Couto entendeu tudo, pegou a essência. As fake news não são um fenômeno exterior que ameaça o debate de nossa sociedade, não são uma doença maligna que orbita em torno de nosso corpo social. Na verdade, são o mais nítido sintoma de adoecimento do debate. Não ameaçam a saúde da sociedade moderna porque a sociedade não está saudável, e isso não se deve às fake news. Elas são resultado desse processo, não sua causa.

Se isso for compreendido adequadamente, teremos necessariamente que repensar as estratégias de como lidamos com as fake news. Não há como acreditar que a solução é combatê-las com a força bruta. O combate será um engano – naturalmente muito lucrativo a alguns –, se ignorado que o próprio debate que pretendemos salvar das fake news precisa ser repensado e reconstruído.

O fato de o pensamento ter deixado de ser crítico e produtivo para se tornar mera mercadoria barata é a nossa real ameaça. Não é à toa que o jornalismo tem sido tão atacado e passa por uma crise sem precedentes. Muito do que é produzido é precário e ruim, muito do que é bom não é consumido. Tornou-se economicamente vantajoso produzir e reproduzir tolices. Ninguém mais quer saber de nada com algum mínimo grau de profundidade.

Lidar com as fake news não é um combate do bem contra o mal, mas, antes de tudo, perceber que somos nós os agentes da ameaça e também da cura, desde que haja interação com o outro e interesse na construção de verdades coletivas que valem à pena mantermos para o futuro. Mia Couto tem toda razão sobre fake news. E quem se interessa pelo Direito tem mil e uma razões para ler Mia Couto.

André Marsiglia é advogado. Escreve sobre direito e mídias.

andremarsiglia.com.br

@marsiglia_andre

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. PARABÉNS por trazer esse pensamento de Mia Couto. Diz tudo e mostra que nada adiantará para encerrar as Fake News. O povo gosta, o povo quer e o povo acredita. Recebo quase diariamente Fakes de bolsonaristas enrustidos que se utilizam de pseudo textos para defender o MInTO. Falta inteligência até para pessoas que me surpreendem por terem formação superior.

  2. Uma síntese sensata e objetiva sobre esse mal ou doença social, que sempre existiu, mas nunca de forma pandêmica e tão agressiva. Se somos agente de propagação dessa precariedade de ideias e divulgações baratas de “achismos”, os quais consumidos freneticamente, diante ver que a cura depende de nós mesmos, não consigo ser otimista se haverá solução nas próximas décadas, ao perceber que há muito interesse político de poder e enriquecimento fácil, que nada produz, se não mais pobreza.

  3. Excelente, Caro André! Mas necessitamos ter leitores que tenham a habilidade de interpretar textos com algumas referências que exigem mais leitura. Incluindo-se jornalistas jovens e pretensioso. Penso que teremos lixo sendo produzido nas redes sociais e na imprensa por mais tempo do que gostaríamos. Estou fora do instabook e do facegram. Afastei o linksenger e adoto o wachtout por imposição social imperiosa. 😒

  4. Excelente, Caro André! Mas necessitamos ter leitores que tenham a habilidade de interpretar textos com algumas referências que exigem mais leitura. Incluindo-se jornalistas jovens e pretensioso. Penso que teremos lixo sendo produzido nas redes sociais e na imprensa por mais tempo do que gostaríamos. Estou fora do instabook e do facegram. Afastei o linksenger e adoto o wachtout por imposição social imperiosa. 😒

  5. Como dizia Saramago (se não me engano): "depois do tweeter o próximo passo será nos comunicarmos por grunhidos". E estamos chegando lé a passos largos. O debate se resume a opiniões em três linhas, pois ninguém lê mais do que isso ou ao infame "ad hominen". Pensar com um pouco mais de prufundidade "dá muito trabalho!!!".

  6. Parabéns, André Marsiglia! Que texto saboroso! Mia Couto tem que ser lido! O debate empobreceu porque a sociedade está doente!

  7. Estamos numa guerra da razão contra o obscurantismo. Milhões no Brasil e EUA principalmente estão sendo guiados de volta para a era medieval contra a ciência, com um sentimento religioso perverso que ressalta o medo, o preconceito e o ressentimento ao invés da inclusão, da serenidade e do amor ao próximo. Comandando tudo isso temos pessoas sem escrúpulos que conscientemente manipulam pessoas sem muito discernimento ou conhecimento para obter e manter o poder. A crise é grave.

  8. excelente artigo.... só não podemos esquecer dos maldosos e principalmente dos maldosos .... não ignorantes e sim de muita falta de caráter ... como os políticos

Mais notícias
Assine agora
TOPO