Isac Nóbrega/Presidência da República

Milton Ribeiro pede ao Supremo anulação de operação da PF

05.07.22 18:30

A defesa de Milton Ribeiro (foto) ingressou nesta terça-feira (5) com uma ação no Supremo para tentar anular a Operação Acesso Pago da Polícia Federal, que mirou a ação de pastores lobistas no Ministério da Educação.

Ribeiro chegou a ser preso na operação e foi liberado pelo TRF-1 no dia seguinte. Segundo a defesa do ex-ministro, a ação policial determinada pelo juiz Renato Borelli, da 15ª Vara Federal do DF, foi baseada em atos ilegais, como a obtenção de conversas de Ribeiro que não foram autorizadas pelo Judiciário.

Em um dos diálogos, o então ministro da Educação afirma que vinha atendendo a pedidos de reunião com pastores evangélicos como Gilmar Santos e Arilton Moura, também presos na operação, por solicitação de Jair Bolsonaro.

A manifestação dos advogados de Ribeiro foi encaminhada a Cármen Lúcia. A ministra também é relatora no Supremo de uma outra apuração, relacionada à possível interferência de Jair Bolsonaro na investigação da Polícia Federal.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Perda de tempo coleta de provas de forma ilegal na verdade criminosa só se aplica em benefício do ladrão descondenado patrono de quase todo STF ... quem viver verá.

Mais notícias
Assine agora
TOPO