A Prisão de Cristo, do pintor Caravaggio: a leitura literal da palavra bíblica é quase sempre problemática.

O “Jesus armado” de Bolsonaro é uma blasfêmia

Por que o Concílio do Planalto está errado quando sugere que o armamentismo é um princípio fundamental do cristianismo
26.06.22 12:06

Fui cristão até os 16 anos. Já antes de eu entrar na escola, minha mãe, descendente de alemães protestantes, me ensinou o Pai Nosso e uma oração em alemão que eu adorava repetir mesmo sem entender uma só palavra. Só não fui protestante porque eram tempos patriarcais: meu pai era católico, e portanto fui criado católico. Membro de um movimento jovem da igreja, até servi galeto em uma quermesse promovida pela paróquia de Estância Velha, Rio Grande do Sul. No Segundo Grau (atual Ensino Médio), comecei a tomar contato com os previsíveis chavões de esquerda (ópio do povo etc.) e me afastei do altar. Detalhe que confesso com algum constrangimento: abandonei a fé de vez quando li A Náusea, de Sartre. Em idade madura, larguei também a cachaça existencialista, que dá uma ressaca dos diabos. Mas a crença em Deus já estava definitivamente perdida. 

De tudo fica um pouco: a religião simples e sóbria na qual fui educado deixou marcas na minha sensibilidade. A missa católica e o culto evangélico tradicional não guardam qualquer significado para mim, mas entendo e respeito o fiel que encontra transcendência nesses ritos. De outro lado, tenho aversão a quem manifesta sua crença de forma histriônica. Não consegui levar a sério o espasmo de glossolalia com que Michelle Bolsonaro comemorou, no ano passado, a confirmação de André “Terrivelmente Evangélico” Mendonça como ministro do STF. Dirão que demonstro intolerância ou preconceito contra os evangélicos? Ora, nem estou falando de uma cerimônia religiosa: foi apenas a celebração de uma vulgar vitória política. A Deus o que é de Deus, a César o que é de César.

Mais recentemente, o marido de Michelle – esse César pueril que brinca de cruzar o Rubicão quando passeia de moto com seus parças – recebeu um grupo de religiosos no Palácio do Planalto para discutir altas questões teológicas. O registro do encontro em vídeo mostra Jair Bolsonaro postulando que segurança pública depende do cidadão armado. Foi a deixa para que um dos presentes demonstrasse seu conhecimento da Bíblia: “Presidente, isso é recomendação do próprio Jesus. Antes de ser crucificado, ele mandou: ‘Quem não tem espada, venda a vestimenta e compre uma'”. O Espírito Santo manifestou-se então pela boca do Messias Bolsonaro, que pronunciou essas palavras de amor e luz: “Foi o Pedro… ‘Vendam suas capas’. Ele não comprou pistola porque não tinha na época”. 

A fala é meio desconjuntada (a acuidade verbal de Carlucho parece ter sido herdada do pai), mas supõe-se que foi Jesus, e não Pedro, quem só não comprou uma Smith & Wesson por que veio à Terra cedo demais. O presidente talvez quisesse dizer que Jesus recomendou a compra de uma espada a Pedro, o que não está de todo errado: o ensinamento era dirigida aos apóstolos presentes na Santa Ceia, entre os quais estava Pedro. Bolsonaro já invocara a mesma passagem bíblica para referendar a pregação armamentista na campanha eleitoral de 2018, e também confundiu-se: atribuiu ao “livro de Paulo” a frase que na verdade está no capítulo 22 do evangelho de Lucas. Naquele ano, falando a O Globo, o então candidato já dizia que Jesus teria usado armas de fogo se elas existissem em seu tempo.   

Eis a passagem pertinente de Lucas, na tradução do acadêmico português Frederico Lourenço: “’Quando vos enviei sem bolsa, sem alforje, sem sandálias, sentistes falta de alguma coisa?’ Eles [os doze apóstolos] disseram: ‘De nada’. Ele disse-lhes: ‘Mas agora quem tem bolsa que a tome, assim como o alforje, e quem não tem, venda a capa e compre uma espada”. Em seguida, os discípulos apresentaram duas espadas a Jesus, que respondeu: “Já é suficiente”.

Deduz-se desse diálogo, presente apenas no livro de Lucas, que Jesus foi um deus armado? Está correto o Concílio do Planalto quando sugere que o armamentismo é um princípio fundamental do cristianismo? O crente que tiver um terno Armani no armário deve vendê-lo para comprar uma Glock? 

Nada é tão simples assim. A leitura literal da palavra bíblica é quase sempre problemática. Jesus talvez só falasse em espadas para anunciar os duros tempos de perseguição que viriam adiante. A espada pode ser um exagero retórico empregado para compor o quadro do horror futuro. E como em outras passagens do evangelho, há aqui um intrincado jogo de referências ao Antigo Testamento. Em certo momento, Jesus cita um versículo do livro de Isaías que parecia anunciar que o Messias, quando viesse à Terra, seria considerado um transgressor da lei. Transgressores costumam andar armados.

Em qualquer hipótese, é tranquilo afirmar que Jesus não usaria uma revólver ou fuzil para se defender de seus perseguidores. Um Cristo que espalhasse balas a esmo pela Judeia, feito policial na Vila Cruzeiro, estaria em contradição com o espírito dos evangelhos. Tampouco seus discípulos aparecem decapitando infiéis nos Atos dos Apóstolos, livro que foi escrito pelo mesmo autor do evangelho de Lucas. 

Em seu sentido literal, o conselho sobre espadas sai esvaziado poucos parágrafos adiante, quando se narra a prisão de Jesus. Judas dá o beijo da traição, e os demais discípulos perguntam se devem usar a espada para defender o mestre. Antes que Jesus possa responder, um discípulo afoito – que permanece anônimo nos três evangelhos sinópticos e só é identificado como Pedro no evangelho de João – corta a orelha direita do escravo do sumo sacerdote. Jesus então pacifica os ânimos: toca na orelha ferida, que sai curada. Está claro que nunca fora sua intenção resistir pela força. Pois o Cristo que não fosse preso tampouco seria crucificado, e nem ressuscitaria no terceiro dia. Perder-se-ia assim o drama da salvação, sem o qual não pode existir a fé cristã. A sugestão de que Jesus Cristo teria se defendido se pusesse as mãos em uma AR-15 não é apenas uma idiotice: é também uma blasfêmia. 

O pequeno milagre da orelha aparece apenas em Lucas. Em Mateus e João, porém, Jesus admoesta Pedro por seu ato violento. A reprimenda mais expressiva está em Mateus: “Todos os que tomarem uma espada, na espada morrerão”. Eis aí uma frase de Jesus que Bolsonaro jamais lerá de maneira literal. A direita que recorre ao “venda a capa e compre uma espada” para amparar o armamentismo não é diferente da esquerda que cita o “eu vim trazer a espada” para sugerir que Jesus pregava a revolução: ambas descontextualizam e deformam passagens bíblicas para que sirvam ao proselitismo mesquinho. Não é preciso ser cristão para constatar que isso é coisa de mau cristão. 

***

Quando sugere trocar capas por espadas, Jesus fala indiretamente  da perseguição aos cristãos que ocorreria no futuro próximo. É por isso me sinto obrigado a falar das tribulações do pastor Milton Ribeiro. Eu ainda estava na metade do texto acima quando chegou a noticia de que Ribeiro havia sido preso pela Polícia Federal por suspeita de corrupção e tráfico de influência ao tempo em que comandava o Ministério da Educação. A reação imediata de Bolsonaro foi se distanciar do ex-ministro, alegando que não pode saber de tudo o que acontece no governo. Depois da libertação de Ribeiro, na quinta-feira 23, o presidente voltou a defendê-lo, mas com uma pequena dose cautela. Em março, o presidente  havia dito que botava “a cara no fogo” pela correção do seu ministro. Agora, ele diz que a declaração foi exagerada: botaria apenas a mão no fogo. 

No evangelho de Mateus, Jesus antecipa o que dirá, no Juízo Final, àqueles que serão condenados ao fogo eterno: “Eu tive fome e não me destes de comer, tive sede e não me destes de beber, eu era estrangeiro e não me acolhestes, estava nu e não me vestistes, estava doente e na prisão e não me visitastes. (…) Quando não fizestes a um destes mais insignificantes dos meus irmãos, a mim não o fizestes”. Ao presidente que gosta de tomar a palavra de Jesus ao pé da letra, fica o aviso: se o pastor Milton Ribeiro voltar a ser preso, é melhor visitá-lo no cárcere.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Entendo que muitas partes da Bíblia foram incluídas por pessoas com determinados interesses em cada período em que foi escrito, por exemplo, servia para justificar o machismo, e para justificar isso temos a parte em que fala que a mulher veio da costela do homem. E ao longo de toda à Bíblia, podemos notar que muitas coisas disseram que foram ditas por Deus, para dar mais força ao que se queria fazer-se cumprir. Ou seja, usaram Deus e Jesus com interesses escusos.

    1. Também penso, para mais ou para menos, nessa mesma linha. Que Deus nos ilumine a todos e abraços fraternos em agnósticos e ateus! Namastê!

  2. A leitura da Bíblia de forma literal se torna uma tragédia, em todos os sentidos. Devemos sempre procurar tirar o espírito da letra. Iremos encontrar tesouros inimagináveis. Bom artigo Jeronimo.

  3. Muito bem feita estas colocação. Da gosto constatar e ter acesso a comentários de quem sabe o que diz pois tem a cultura que falta a estes que se dizem “politicos” e apelam , dizendo todo tipo de besteira para ganhar votos dos menos avisados e menos intelectos

  4. Mahatma Gandhi foi muito mais Cristão do que muitos dos que assim apregoam. E se não precisou de armas para promover a independência da Índia, por que Jesus, o Cristo, que lhe foi muito maior haveria de precisar para cumprir sua missão de Amor? Que Deus nos ilumine a todos e abraços fraternos em agnósticos e ateus! Namastê!

  5. Texto impecável. literalmente. Aqueles que ficam chocados quando alguém afirma que não tem religião, seria prudente também refletir que ele, Deus, também não tem uma religião.

  6. EXCELENTE TEXTO!! Demonstrou que pesquisou/estudou os livros bíblicos, coisa que o mandrião sociopata não fez, quiçá sabe ler.... NUNCA MAIS BOLSONARO.... seu fim será na cadeia, sem foro privilegiado. O gado que se acostume.

  7. O escriba, como todo e qualquer esquerdopata é ateu declarado. Aborda passagens bíblicas e Já arrebanhou uma legião de jumentos(as), uns vinte só pra não ser injusto.

  8. A maior blasfêmia contra Cristo e tudo o que Ele ensinou que eu jamais em tempo algum ouvi. O pior são os pastorecos que incentivam seus fieis a votarem em Bolsonaro. Eu já discuti com vários. Daqui a pouco eles vão nos mostrar algum versículo que diga que roubar merenda de criancinhas é bíblico.

    1. Onde vocês estavam quando um ladrção assassino assaltava como queria ao povo idiotas? tenham mais dignidade e decência ignorantes algozes de si mesmos.

    2. Essa raça é o CANCER da NAÇÃO....Já extorquiam o pobre fiel,não satisfeitos se abraçaram com o lixo POLITICO.

  9. BRILHANTE, Jerônimo Teixeira. Texto admirável. Quem conhece pode abrir a boca. O resto..... é só proselitismo, de fato!

  10. Como é bom se "alimentar" de leituras sensatas de escritores ajuizados, competentes e equilibrados. Obrigado Crusoé por trazer a vedadeira informação.

  11. Perfeito. A análise cai como luvas para o momento atual que vivemos. Muito lúcido, Parabéns ao Jeronimo Teixeira.

  12. Uma blasfêmia aos que acreditam na paz, no amor ao inimigo...isso Cristo ensinou, dar a outra face...o resto é invencionice dos que querem usurpar "a palavra" em proveito dos seus anseios de poder e glória! Calai-vos, blasfêmios!

  13. Jerônimo Teixeira e Carlos Graieb são dois craques do jornalismo. Excelentes contratações de Crusoé para a felicidade da esmagadora maioria dos seus assinantes. Só uma coisinha: religião e Estado não podem se misturar. Sempre que isso acontece temos discursos demagógicos, práticas sectárias e, no limite, guerras ou terrorismo.

    1. Dá licença Cláudio? E não estamos na idade média?? Tramp, Bolsonaro o Lulaptista, Jim Jones... e mais infinito (e bota enes nisto) são seguidores dos Torquemadas da vida. O sapiens sabido, nesse quesito continuou e vestiu a máscara de profeta/mito. Seguiu a prescrição e a aperfeiçoou. E o povo analfabeto-analfabeto-funcional (como existem) lava o cérebro todo-dia-toda-hora pelas tais redes sociais; rádios; televisão. sinais-de-fumaça; sites; influencers. e que tais.

    2. Dá licença? Concordo plenamente, Ivan! O problema que essa aliança é consentida e até estimulada e muito divulgada pelos picaretas donos de igrejas (os tais "enviados"). Não livro ninguém, até o Papa (receber Lula direto da saída da cadeia condenado por 3 Tribunais é o fim da picada). Quanto ao Jerônimo (estou num computador e achei a cor^^^a- e estou abusando dela) e ao Graieb são craques mesmo! Obrigado.

    3. Sinto meu caro !! Mas religião e Estado são quase a mesma coisa desde idade antiga

  14. Projetinho de jornalista, totalmente esvaziado, verdadeiro zumbi ambulante. É isso o que a doutrinação faz, um idiota útil perfeito., Ah! me emocionei com aquela passagem pela vila cruzeiro, onde apenas os policiais distribuíram tiros naquelas vítimas da sociedade que não portavam espadas, mas as armas mais modernas e letais do mundo.

    1. Osny, seus informantes são mestres da mentira e enganação (fake news), nunca virão verdades dessa turma. Aposto q tem o nove dedos por trás do teu Minto. Xô gado! 🐄🐄🐄🐄🐄🐄🐄🐄🐄🐄🐄🐄🐄

    2. O palhaço bozo PTralha idiota apareceu d novo? ... Óh! tenho novidades pra ti, meus informantes já me repassaram um dossiê, que não é o "pelicano", fica ligado, palhaço!

    3. Xô gado! 🐄🐄🐄🐄🐄🐄🐄🐄🐄🐄🐄🐄🐄🐄🐄🐄🐄🐄🐄🐄🐄🐄🐄🐄🐄🐄🐄🐄🐄🐄🐄🐄🐄🐄🐄🐄

  15. Jerónimo, como ando com enorme antipatia do governo, dos candidatos e dos políticos, estou evitando o noticiário brasileiro. Por isso, quase perdia seu excelente artigo. Como você, fui criada lendo a bíblia ( católica) assim como as demais grandes obras literárias numa compulsão por ler de tudo em companhia de meus pais. Mas lá se vão décadas e foi bem interessante lhe acompanhar em tema já há muito esquecido. Crusoé é isto, além de informar, também nos faz pensar. Parabéns!

  16. achei ótimo seu texto, e gostaria muito que chegasse aos políticos que estão usando o nome de Deus como forma de se mostrarem cândidos. Realmente não tenho muito a acrescentar pois me considero agnóstica, ainda que católica por formação.

  17. E pedindo licença para completar este brilhante texto, Jesus em certa ocasião, adverte que "nem todo aquele que diz, Senhor, Senhor, entrará no Reino dos céus...e puxando a fila dos blasfemos da hora, apesar do Messias no nome...advinha quem não entrará no Reino dos céus...

    1. Considerando o ensino bíblico, quem aponta o felizardo que entra ou não no Reino é o juiz maior. Então, querer indicar quem fica de fora acarreta pontos negativos no caderninho celeste

  18. H0ipocritas e covardes querem um Jesus omisso e frouxo como são ... judeu esmagado por romanos Cristo foi crucifucado por ameaçar o poder dos césares ... ele foi claro NÃO VIM LHES TRAZER A PAZ MAS A ESPADA ... Jesus foi um homem digno do seu tempo não se dobrou a ditadores nem a ladrões como uma escória que se diz seus seguidores.

    1. .. Palhaço ... mas não derreteu minha dignidade e não me porto como uma vagabunda prostituta anônima covarde como você .. toma vergonha na cara canalha porte-se como homem e não como um lixo acovardado rabo arriado a criminosos .. canalha .. puta ridícula de quinta.

    2. Chico, a lavagem de porco bozista derreteu sua cuca. Nem vale a pena debater com vc.

    3. "Palhaço" ... Tristeza é ver alguém que se diz um homem comentar sob anonimato covarde e mentiroso a se contradizer na merda que diz ... Jesus foi na verdade crucificado pelos sacerdotes judeus corrompidos por Roma e várias vezes deixou claro que lutava por seu povo e só ao ver que era inútil a rebelião pelas armas optou por destruir o império por dentro e o seus seguidores o fizeram .. além de covarde você é um imbecil de rabo arriado a ditadores ... tome um chá de macho e volte.

    4. Quem estuda a sério as escrituras bíblicas nunca irá enxergar um Jesus covarde ou frouxo, mas sim um gigante de coragem e força na luta por um mundo melhor. Dar a vida pelo próximo não é um compartamento de pessoas covardes. É de enorme tristeza hoje vermos seus seguidores exaltando seu nome e ao mesmo tempo defendendo a crueldade típica dos Césares.

  19. Acho muita pretensão querer interpretar a Bíblia. Seja por cristãos, seja por ateus. Certamente há diversas possibilidades de leitura e de entendimento, além da leitura pela fé. O que não vale é usar passagens bíblicas de maneira descontextualizada e servindo a qualquer propósito político, à direita ou à esquerda. Quanto à glossolalia, isso chega às raias do ridículo! Estado e religião não devem se misturar e ponto.

  20. Ah! Jeronimo, muito obrigado pela foto da Prisão de Cristo, de Caravagiio. Seu texto, excepcional, enriqueceu mais minha leitura.

  21. Tive um pouco a iniciação cristã (católica) narrada pelo Geronimo (só os privilegiados robôs tem o circunflexo; desculpe-me). Li pouquíssimo a Biblia até romber com este credo ( o pacto com este credo foi imposto no meu nascimento, sem nada ter sido me oferecido pelo tal livre arbítrio). Tudo que sei da Biblia e’ por osmose das incontáveis interpretações que surgem ao sabor das personalidades (“santas” ou “diabólicas”) que a expressam. Tem opinião de todos os gostos e seitas de várias matizes.

    1. mentos que atuaram como gatilhos do seus crimes hediondos, sádicos. Temos um Bolsonaro que se interpreta um enviado mitico. Por tudo isto, respeitando os credos de todos (menos dos fanaticos…) estou fora. Para mim Deus (que são três, né?): é um delírio. Um excelente meio de negócio para a malvadeza e o medo da humanidade praticado pelos que teem apetite ao poder e aa riqueza material.

    2. O Jeronimo (que espero que o corretor idiota deixe pelo menos com J…), num texto muito inteligente, tenta o impossível: corrigir as características imbecilidades improperais do nosso terrivelmente presidente. Infelizmente, o próprio livro sagrado permite panos para manga. Temos verdadeiros assassinatos em massa conduzido por “profetas” acreditados por muitos que levaram a assassinatos em massa, serials killers justificando horrores praticados por “gatilhos” dispatados em suas mentes por entedime

  22. Sou evangélica. Li o texto como se estivesse caminhando numa corda suspensa: qdo algo soa como blasfêmia ou heresia eu abandono. Mas cheguei até o fim. Parabéns pela clareza. Nós, cristãos, precisamos ler + a Bíblia e pedir entendimento e discernimento p compreender o q, de fato, está escrito, estamos caindo em notas falsas. Mas, qdo titubear em alguma declaração, devemos lembrar dos principais ensinamentos: amarás a Deus sobre tds as coisas e ao próximo como a ti mesmo. Fugiu disso, falta luz.

    1. Prezada Juliana, sua escrita me estimula a acreditar que ainda existe lucidez e, portanto, equilíbrio neste mundo. Meus respeitos.

Mais notícias
Assine agora
TOPO