Reprodução

Por que os italianos preferiram manter Sergio Mattarella como presidente

01.02.22 09:45

Em uma eleição indireta no sábado, 29, deputados, senadores e delegados regionais da Itália mantiveram no cargo de presidente o jurista e advogado Sergio Mattarella (foto). Apesar de ter completado 80 anos e ter espalhado que não gostaria de permanecer no posto, Matarella assumiu esse compromisso por mais sete anos. O outro candidato, o economista Mario Draghi, um ex-chefe do Banco Central Europeu muito popular entre os italianos, foi preterido no processo.

A escolha pela continuação de Mattarella como presidente, um cargo bastante simbólico no parlamentarismo italiano, ocorreu, em primeiro lugar, porque ele não está vinculado a um partido político. Também por isso, ele não é odiado por nenhuma sigla. “Como nenhum dos blocos tinha maioria entre os que votaram na eleição, um candidato não partidário seria naturalmente a melhor opção“, diz Matthew Bergman, professor de política comparada na Universidade de Viena, na Áustria. O bloco de direita, formado pelos partido Liga, Força Itália e Fraternidade da Itália, tinha 40% dos que votaram. O Movimento Cinco Estrelas, 23%. O grupo de centro-esquerda, 15%.

Caso Mario Draghi, quem de fato comanda o país como primeiro-ministro, assumisse a Presidência, outro problema seria criado. Seria necessário encontrar outro nome para preencher o posto de primeiro-ministro, que ficaria vago.

Assim como não havia uma maioria clara para escolher o presidente, também não há uma inclinação geral para selecionar o próximo primeiro-ministro. Sem um acordo, o resultado seria a convocação de novas eleições“, diz Bergman.

Autopreservação

Deputados e senadores trabalharam então para evitar essa alternativa. Eles temem perder os seus lugares. Em um referendo de 2020, os italianos optaram por reduzir em um terço o número de cadeiras de deputados e senadores.

Além disso, se novas eleições fossem convocadas, o partido Fraternidade da Itália, o único de fora da atual coalizão, seria um dos três mais votados. Segundo as pesquisas de opinião, o Fraternidade, na eventualidade de fazer um acordo com a Liga, ficaria muito perto de conseguir maioria absoluta no Parlamento. Com essa perspectiva em vista, deputados e senadores acharam melhor adiar a eleição enquanto podem. O prazo limite para realizar um novo pleito é junho de 2023.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Se fosse aqui no Brasil, tanto Mattarella quanto Draghi seriam acusados de genocidas, negacionistas, nazistas, obscurantistas entre outros adjetivos que os esquerdopatas aprenderam a usar. Mas, a Italia, um país menor que o estado de Goiás, desenvolvido, rico, 59 milhões de hab. e 43 mil mortes por covid,19. Na proporcionalidade por milhão de hab., tem o mesmo nº de mortes que o Brasil. Mas como lá o povo é culto e a imprensa não vive do cascalho público, os mandatários foram isentados.

    1. José, eu notei que vc entra nos comentários de diversos leitores com msgs ofensivas e malcriadas. Vc não consegue respeitar a opinião alheia? Vai trabalhar, vagabundo.

    2. Burrice de Bozista. Morreu muita gente por lá por causa da incompetência do governo. Durante a pandemia, a Itália viveu em crise política. Em 2021, o primeiro-ministro foi chutado e substituído por um nome mais técnico. Sobre as razões do fracasso do governo italiano no combate a pandemia, aqui está uma análise técnica e isenta [https://hbr.org/2020/03/lessons-from-italys-response-to-coronavirus#:~:text=The%20Italian%20government%20dealt%20with,applied%20to%20the%20entire%20country.].

Mais notícias
Assine agora
TOPO