Resistência da JBS a explicar caso Wassef ameaça acordo leniência de sua controladora

06.09.20 07:02

A resistência da JBS a esclarecer os pagamentos milionários a Frederick Wassef foi a gota d’água para travar, de vez, o já ameaçado acordo de leniência do Ministério Público Federal com a J&F. Após a resposta evasiva da empresa, procuradores da Operação Greenfield desistiram de novas audiências com advogados da holding. E ainda disseram à Justiça Federal que só vão retomar o diálogo quando os repasses ao escritório de advocacia de Wassef foram esclarecidos.

A última audiência sobre o caso ocorreu no dia 24 de agosto, e foi marcada pelo clima tenso entre procuradores e advogados da J&F. Nos últimos meses, o MPF tem alertado à Justiça para o descumprimento do acordo de leniência da holding – firmado em 2017, o termo prevê multa de 10,3 bilhões de reais.

Até então, os principais problemas eram o atraso na entrega de relatórios internos de investigação, além da destituição, pela J&F, de um comitê destinado a fiscalizar o cumprimento do acordo. Em meio a esse imbróglio, Crusoé revelou que Wassef recebeu 9,8 milhões de reais da JBS. A reportagem também mostrou que, com ajuda do presidente Jair Bolsonaro e do procurador-geral, Augusto Aras, Wassef foi recebido na PGR para tentar salvar os acordos de delação premiada dos irmãos Batista. A partir de então, a Greenfield deu cinco dias para a empresa se explicar.

No lugar de esclarecimentos, no entanto, a JBS deu uma resposta ríspida. Disse que os procuradores tentavam violar seu sigilo na relação com advogados, e ainda fez questão de livrar Bolsonaro e Aras da história, sob a justificativa de que a maior parte dos pagamentos foi feita em 2017, com Temer na Presidência e Raquel Dodge na PGR.

Se fora dos autos não houve resposta, os procuradores recorreram à Justiça Federal para que obrigue a J&F a apresentar contratos, petições e outros documentos que comprovem a prestação de serviços do advogado Frederick Wassef à JBS e a outras empresas do grupo. “Outrossim, o MPF manifesta-se contrariamente à realização de nova audiência enquanto as informações acima listadas não forem apresentadas pela J&F e pela JBS ao MPF e a este juízo”.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Quando se tem um Augusto Aras dando as cartas (a mando de JB )a favor da J&F a palavra JUSTIÇA é devaneio! A Indicação para STF não tem preço,imoralidade não tem limite! maria elisa alves de lima

  2. Seguindo a risca os compromissos com seus patrões criminosos o Procurador Geral, apoiado por Bolsonaro, Gilmar e outras figuras sinistras, vai destruir a operação Greenfield. Se der ainda vão botar os procuradores na cadeia e calar a imprensa que denunciar. É aquele filme em que os bandidos prendem o xerife. Tudo é culpa do Ano do Rato no horóscopo chinês.

    1. é uma vergonha! não confiamos em muitos do STF, em nenhuma corte nesse país são todos políticos e advogados de bandidos estamos no mato sem cachorro. Lena

  3. Kkkkkkkkkk. Desmatamento = Grileiros = JBS = Wassef = Bozo. Será que ainda preciso desenhar as relações? Investiguem que vocês encontrarão!

Mais notícias
Assine agora
TOPO