LeandroNarloch

A elite contra a internet

29.05.20

A internet foi a notícia da semana:

1.       Na quarta-feira, o STF mandou policiais federais à porta de blogueiros bolsonaristas e supostos financiadores de “redes de difusão de notícias falsas”.

2.       Na quinta, depois de ter duas mensagens classificadas como falsas pelo Twitter, Trump assinou uma ordem executiva para regular as redes sociais e tentar eliminar o viés político dos serviços de verificação de publicações.

3.       O Congresso brasileiro discute uma lei que limita a cinco os compartilhamentos de mensagens por usuário do WhatsApp e obriga as redes a verificarem e alertarem quanto a notícias falsas.

Por coincidência, justamente esta semana topei com o livro The Revolt of the Public, de Martin Gurri. Escrito antes da vitória de Trump e Bolsonaro, do Brexit ou da ascensão do movimento italiano Cinco Estrelas, o livro diz que as mudanças políticas causadas pela internet estão só começando. As fake news são só um efeito mais evidente e polêmico de toda uma revolução do modo pelo qual as pessoas se informam e votam.

O livro considera uma velharia do século 20 o modelo tradicional de informação – aquele centralizado, de cima para baixo, em que editores de grandes empresas escolhiam para o público o que era importante. “O público de massa dócil, tão facilmente convencido por anunciantes e políticos, foi uma fantasia de monopolistas que se desintegrou no primeiro contato com alternativas”, diz Gurri. “Quando a mágica digital transformou os consumidores de informação em produtores, uma ordem estabelecida – grandes hierarquias de poder, dinheiro e conhecimento – entrou em crise.”

Ex-funcionário da CIA, encarregado da análise da imprensa internacional, Gurri acredita que a ruína da mídia tradicional levará à ruína de outras instituições – entre elas, até mesmo a democracia liberal.

Concordando ou não com a profecia, é interessante analisá-la. No século 20, diz Gurri, a autoridade das instituições se nutria do controle do fluxo de informações. Quando perderam esse controle, perderam também a legitimidade.

No sistema de informações disperso e descentralizado de hoje, o tema predominante é o fracasso das elites. “Desmoralizadas, sabendo que cada falha, cada um de seus erros será exposto sem fim na internet, as elites que tocam o sistema vivem um sonho reacionário de voltar ao século 20”, diz o autor.

Parece que ele está falando do STF, não?

O problema é que, enquanto destrona as instituições tradicionais, esse novo público convertido em protagonista político não mostra soluções ou alternativas. Só o repúdio ao sistema o motiva. Por isso é uma fonte de votos para populistas, para quem faz do ressentimento popular sua força eleitoral.

Se Martim Gurri estiver certo, a “Lei das Fake News”, que deve ser votada semana que vem no Congresso, é ingênua, para dizer o mínimo. Tenta ressuscitar um sistema de informação centralizado, de cima para baixo, anterior à internet. Não vai nem chegar perto de pôr ordem no caos das discussões políticas nas redes sociais.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Você Leandro, me parece o único sensato que restou no grupo Crusoe / Oantagonista . O que passou por aí? Todos odiando o Bolsonaro, único que peitou o SISTEMA que manda desde 1988! Pqp!

  2. os "defensores" midiáticos da liberdade de expressão so a defendem quando a ideia externada coincide com a que compartilha A dissidência virou heresia. Além disso, há nítido propósito de que apenas os "especiais" podem livremente expressar opiniões, ainda que ofensivas ou deletérias à sociedade. Basta ver a FSP trazendo suposta entrevista com pessoa sequer identificada que representaria o grupo sleeping giants, ou Gilmar mendes dizendo a Luis Barroso que fechasse seu escritório de advocacia...

  3. É, grande Narlock, quase nada ‘aproveito’ mais da Crusoé. Aliás, minha assinatura vence próximos dias. Claro, não renovarei.

    1. Bem lembrado amigo. Tão pouco eu, alimentarei essa tentativa de alienação.

  4. Excelente artigo! No entanto, se o STF se ativesse a suas atribuições, e de fato contribuísse com julgamentos aos participantes do foro privilegiado, acho que sim, teriam espaço até nessa mídia informal. As mídias alternativas são na realidade uma resposta ao descrédito que as mídias tradicionais colheram por sua falta de neutralidade. Sim, todos estamos meio perdidos nessa macabra dança de desinformação e tentativas de manipulação!

  5. Sinceramente? Vc escreve muito bem e eu tenho os seus livros. Esse seu artigo, como sempre, é real e sincero. Mas, muito cuidado em continuar nessa revista Crusoé, e não comprometer a sua imagem de crítico sério e analista fundamentado. A minha assinatura acabando, eu não renovarei.

  6. O fato de a internet ter mudado radicalmente a relação até então hierarquizada entre produtores e consumidores de notícias não autoriza que se produzam sistematicamente mentiras de maneira a parecerem verdades e com isso se destruam as instituições garantidoras das "regras do jogo democrático". E é por isso que o projeto de lei sobre as fake news é necessário. Espalhar, deliberada e sistematicamente, mentiras como fazem as redes olavo-bolsonaristas não é liberdade de expressão. É crime.

    1. Concordo plenamente. Seria bom o repórter se pronunciar ( após se aprofundar na questão) sobre a avalanche de crimes que a CPI das fake news trará à tona. Confundir criminalidade sistemática com liberdade de expressão é pra lá de estranho.

  7. Fake News sempre existiram , mesmo na época dos comícios políticos. Cansei de ouvir barbaridades. Mas o jornalista está correto ao dizer que as instituições estão cada dia mais vulneráveis porque não escapa nada nas redes sociais. É o medo da verdade e da retirada do manto do anonimato. Filtre as informações e pronto, não precisa de policiamento.

    1. Verdade. Faje News sempre existiram Como a Corrupção sempre existiu nessa terra de muitos espertalhões e otàrios. O PT do lula transformou a Corrupção de emdemica que era em um Sistema Istitucionalizado. O mesmo esta fazendo essa outra quadrilha desse tal de mito, com as Fake News. Transformando--las em um Sistema estruturado. E os gados que se enfilem mais una vez! Povinho idiotas que sempre gosta defender bandidos.

  8. Fake News também são produzidas por Grandes empresa, como no caso da Folha de SP que disse ter provas de disparos de mensagens nas últimas eleições, causou um alvoroço e não apresentaram nada. Hoje, as pessoas se informem por diversas fontes na web e as grandes empresas que dominavam este mercado e influenciavam o público não mais conseguem enganar tantos quanto antes. Isto preocupa o GRANDE SISTEMA CORRUPTO que ataca influenciadores digitais para defender o seu monopólio.

  9. Caro Leandro, cada vez melhor! que continue vencendo a lucides da isenção! liberdade, de opinião, isenta de outros interesses, como o da imprensa corporativa que luta pela hegemonia da noticia verdade. internet não é noticia, não é imprensa, é opinião que deve ser pessoalizada, apenas. é necessário responsabilidade, contra apocrifia. parabéns por ser o único bastião da verdadeira liberdade neste momento.

  10. Leandro penso que você deveria sair da Crusoé como fez a Ana Paula. É como ela mais inteligente que o resto da turma. Siga as mudanças como apresenta o livro e o texto. Antagonista e Crusoé já vivem desconectados da realidade. Fazem um "jornalismo virtual pontual". E ultimamente têm focado em asneiras e fofocas.

  11. Lei das fakes news. Isso parece uma piada de mau gosto. Por acaso a imprensa tradicional não vivia - e assim vive - produzindo fake news? A mídia tradicional determinando o que o público devia saber segundo suas conveni

  12. O principal problema do nosso pais não são estas ditas fake News, que estão sendo investigadas de maneira ilegal e com abuso de autoridade, nem mesmo políticos corruptos ou Juizes que rasgam a Constituição. O que existe de mais grave numa democracia é a imprensa corrupta com jornalistas desonestos que manipulam noticias de acordo com os seus interesses obscuros, encobrindo arbitrariedades de juízes e corrupção de políticos deixando o povo desinformado e sem perspectivas de dias melhores.

  13. Conhecereis a verdade e a verdade vos fará vomitar... O povo já está no modo "vomitar" e o STF ainda na Inquisição medieval. E pur si muove !!!

  14. Leandro: concordo com suas análises e prognósticos. Eu acrescentaria que isto está nos levando para uma situação muito ruim, pois estaremos, cada vez mais, vivendo num ambiente cheio de fakes que nos farão duvidar das verdades. Nem mesmo a grande imprensa servirá para tirarmos as dúvidas, uma vez que ela estará tentando definir no que devemos acreditar. O único caminho é investir na educação e na disponibilização de meios, para ensinar o povo a pesquisar para ele mesmo descobrir a verdade.

  15. É meu caro Narloch, a intrernet é um caminho sem volta e que ninguém - muito menos as instituições advindas do século XX - porá freios. Enfim, para o bem ou para o mal a internet é imune à censura de qualquer espécie. Só nos resta acompanhar e observar, com muito bom senso, civilidade, respeito e mente aberta, o curso da história.

  16. Quando se quer mudar um sistema, usando no que o antigo tinha de pior, é somente e tão somente um desejo de poder e não de mudança....

  17. Com o advento da Internet tudo mudou. O que era doce está acabando. Os jornalistas-oráculos se desmancharam, a outra face das comunicações apareceu. Surgiu o jornalismo independente. (copiado de outro jornal)

    1. Criatividade zero. Jornalismo de hoje todo plagiado o futuro negro nos aguarda.

  18. Faltou dizer que a “Lei” proposta por partidos de centro-esquerda brasileiros quer simplesmente sufocar e controlar a internet e a mídia - para implantar uma ditadura completa do judiciário que não é eleito pelo povo mas acha que está acima de todos. Qualquer decisão de um prefeito ou governador é bloqueada por qualquer juiz em primeira instância. Basta visitar a China e a Rússia e tentar usar Google, WhatsApp, LinkedIn ou Facebook - fica a dica: lá é proibido. A quem interessa essa lei?

  19. Ótima reflexão ! Caminho sem volta. Esses reacionários acostumados com a vida de gado do povo não admitem que seus privilégios estejam por um fio. Na idade média os romanos (igreja católica no apoio) NÃO ADMITIAM o uso dos algarismos indo arábicos, em detrimento ao inútil sistema romano de numeração. Quase mandaram à fogueira o genial Galileu que pôs fim ao sistema geocentrismo. Contra ao tsunami da voz do povo com o advento da internet, a elite soberba esperneia e volta à idade média.

  20. Sua coluna é a única razão do não cancelar (ainda) minha assinatura. A Internet hoje está protuberante de especialistas de ocasião com palanque virtual. Uma linha tênue se traça entre opinião e ofensa, alegremente explorada pelos censores democratas. O Brasil de hoje precisa de algo além da discussão inócua desta parcela (minoritária) da população, que pode deliberar sobre os necessitados e desvalidos no conforto de seus "Home Offices", e anuência pacífica dos povo prejudicado nesta crise.

  21. Análise rasa... me parace que o Sr. Narloch só sabe escrever sobre o óbvio... Os assinantes da Crusoé merecem um texto melhor.. Tá bom, a Internet mudou a comunicação... e aí? O que vc tem a acrescentar? Qual sua análise para o futuro? Não sabe... não consegue... uma pena...

    1. Achei muito interessante, porque não li o livro do Gurri. O objetivo é induzir a reflexão. Quais mudanças provocará na sociedade e esta nas estruturas de poder? Mais isso é para quem gosta do exercício do pensar...

  22. Assunto hiper complexo para ser simplesmente votado e virar lei. Precisa de amplo debate para que o remédio não tenha consequências piores do que a doença.

  23. As redes sociais acabaram com o monopólio da manipulação da opinião pública pelos grandes órgãos de comunicação. Agora, muitos, como o senhor Narloch, podem desinformar e levar no bico os desavisados, ganhando um toquinho no processo. A disputa pelos corações e mentes nunca foi tão acirrada e lucrativa. Pobre gado.

    1. Parabéns, Leandro, você fez o simples: informou sem engajamento e nem viés e pôs seus leitores para pensarem... e se digladiarem. Muitos revoltados e enviesadamente. Mas isso é problema deles. Isso é jornalismo.

  24. Pois é, isso me faz lembrar de FMB uma vez que era uma promessa para esses novos tempos e por orgulho se perdeu no caminho. Já Mário e Diogo ficaram velhos de vez, diferente do menino Modesto Cavalhosa.

  25. Muito bem posta a situação atual da comunicação na internet. Não será por Lei castradora e retrógrada que se dará rumo nas atuais redes. Tudo muda e estes antigos tabloides tem se adaptar. O início vai ser meio tumultuado. Porém o tempo os fará saber separar o trigo do joio.

  26. A investigação das fake news interessa a que não quer ouvir e tem medo da voz do povo. Quem está acostumado a mamar nas tetas de um sistema corrupto, apoiado por uma imprensa ideológica de esquerda que mama do mesmo jeito nas tetas do povo. A qualidade da imprensa, de um modo geral, é muito ruim.

  27. Excelente artigo! Vou procurar o livro. Compartilho dessa visão e certamente encontrarei lá mais informações interessantes sobre o tema.

    1. Laura, vou também procurar o livro. Tomara q já tenha versão em português. Leandro também escreveu " Guia do Politicamente Incorreto". Vale a pena ler, analisa nossa sociedade c seus valores, cultura e história. A! excelente artigo, Leandro!

  28. O bom é ver bolsonaristas adulando um teórico que escreveu seu livro venerando movimentos como "occupy Wall Street" e "primavera árabe", que não eram nada mais que "utopias comunistas da luta do povo contra as elites" e escrevia com ojeriza ao "establishment" e desdém de figuras como o Trump. Se agarram em qualquer coisa com o intuito de defender o indefensável.

  29. Vários bolsonaristas ouriçados nos comentários... Convenientemente ignoram o trecho: "[...]Por isso é uma fonte de votos para populistas, para quem faz do ressentimento popular sua força eleitoral". O fato do inquérito do STF ser ilegal não anula a realidade que o Bolsonaro, Carluxo e seu gabinete do ódio são os maiores promotores de fake news do cenário político brasileiro. Só um ignorante político pra não perceber que o "Terça Livre" é a versão bolsonarista do "Brasil247". Ambos esgotosfera.

    1. Gabinete do ódio é aquele instalado pela esquerdalha maldita que não se conforma com a derrota nas eleições.

  30. Vamos defender o aperfeiçoamento da lei das fake news e não se limitar a criticá-la. Sabemos que a desinformação proposital, em massa, causou muitas mortes evitáveis nessa pandemia. Muitos acreditaram em relatos “ científicos” sobre a inutilidade do isolamento social e posteriormente - quando até as borboletas já sabiam do fracasso da cloroquina - foi divulgado benefícios do seu uso em ampla escala. Nada a ver com liberdade individual de expressão que, óbvio, é incontestável.

    1. O jornalista além de fazer uma análise pra lá de superficial, ainda me fez lembra ( com o seu título) uma época em em era comum culpar “ as zelites “, por quaisquer mal feitos.

  31. O caso é grave. Vi uma entrevista hoje do presidente da CPMI das fake news, onde ele falou sobre as penas para os possíveis condenados por fake news e fiquei horrorizada. Não vejo o mesmo empenho para penas contra corrupção.

  32. Disparadamente, LN é o melhor colunista da Cruzóe, fala o que estamos querendo ouvir. Quando assinei a revista era para ter reportagens desse teor. Tenho uma pergunta que não quer calar: será que a carapuça vai servir para Cruzoé/Antagonista pois, ao replicar notícias da velha mídia, eles estão nada mais, nada menos, defendendo-a?

    1. Você só gosta de ler o que lhe agrada? O problema é que existem os fatos. A CRUSOE não vai tapar o sol com a peneira pra agradar a seu ninguém.

  33. Perfeito, Leandro. Vou correndo ler o livro. E pensar q alguns do STF insistem nessa tentativa inútil de tentar controlar o que se comenta todo o tempo nas novas mídias nesse século. Parabéns e espero que muitos possam ler esse seu artigo.

  34. Leandro Narlock, você está representando a " Ilha de Robinsom Crusoé". ao seu redor, a Península está naufragando!! Mais um bom texto. Parabéns!!

    1. Aprovado! Será uma pena perder a oportunidade de lê-lo aqui: se você não for ejetado por não se coadunar com a e$tranha reviravolta da revista (de expositora desapaixonada a pasquim antigoverno), a partir de setembro (quando ocorreria minha renovação), seguimos caminhos diferentes. Você, uma ilha perdida entre chicaneiros e distorções mal intencionadas dos fatos e nós, ex-leitores assíduos, em busca de jornalismo de verdade, o que está cada vez mais difícil...

  35. Os senadores estao preocupados com uma suposta guerra cibernética e esquecem que as epidemias irao surgir cada vez mais frequentes

  36. Fake news e Covid: análises e opiniões de jornalistas e especialistas são iguais. Mudam-se palavras, estilos. Será que não tem um filho de Deus que questiona um único "artigo da lei"? Ex: a culpa da situação da Covid no Brasil é o mal exemplo de Bolsonaro. Ah, o presidente influencia mais que a imprensa? Nelson Teich, em entrevista na Globo News (fantástica) refutou a culpa de Bolsonaro. Pensei: não estou TÃO "ruim da cabeça e doente do pé". Seu artigo me permite deletar o TÃO.

    1. Qual o motivo da saída do Nelson, após apenas 1 mês de trabalho ? Parece que disso, ele não quis falar. Botou panos quentes pra lá e pra cá e não falou do essencial.

    1. Você que devia fazer o mesmo, já que não admite pluralidade no ambiente.

  37. como sempre Leandro o único a enxergar o que está acontecendo no mundo com a transformação digital. os Antas deveriam ler esse artigo e pensar no que estão fazendo. a mesma merd. que a imprensa tradicional faz.

    1. A Crusoé tem o Leandro porque mostra, prova que todas linhas de pensamento tem lugar aqui!!! Diferente da imprensa chapa branca como é a Oeste.

  38. Na mosca!!!! Esse é o panorama político atual. A imprensa tradicional está agonizando e destilando ódio e desinformação na triste e equivocada percepcão de que ainda influencia o pensamento e atitude. Não deixe seus chefes lerem este artigo. obrigado pela dica literária, vou comprar o livro aqui descrito.

  39. Excelente texto, Narloch! Sem destilar bile nem ressentimentos! Apenas uma abordagem objetiva do assunto! pena que nas últimas edições só posso dizer isso de você!

  40. As leis no Brasil, são propostas e aprovadas para resolverem incômodos momentâneos de quem as propõem. Lá na frente, Sr for conveniente, eles mesmos proporção a sua extinção ou simplesmente, ela será esquecida.

  41. Assinei a Crusoé por causa da coluna do Diogo, já tinha decidido a cancelar a assinatura. Mas sua coluna me lembra as colunas do Diogo antigamente. Talvez renovo a assinatura.

    1. Fui eleitor do Amor do no primeiro turno e pretendo ser do Moro em2022. Mas entre Bolsonaro, PT, PSDB. Fico com Bolsonaro.

    2. Papo furado de bozomerda. Vocês não vivem sem O Antagonista

  42. o pior do modelo tradicional de informação é o uso de informantes,de fontes . indivíduos traidores que não mostram a cara.

    1. fontes murmurantes, como dizia Carlos Heitor Cony, detetives de bastidores, como se diz hoje...

  43. Enfim uma matéria relevante e isenta na Crusoé...quanto ao tema, faltou dizer que o fake news da net é diferente daquela propagada pela mídia oficial. Enquanto a primeira é ingenua e bem humorada a segunda trás o ranço da manipulação forçada e violenta.

  44. Caro Narloch: tenho te acompanhado na CNN. E tua palavra é de respeito aqui e lá. É de respeito é uma expressão gauchesca. Hoje parece que escreveste a minutos antes da 109 nascer. Mas o tema é consistente. Eu penso a internet como como uma revanche do rádio. E as fake news como um derivado do encantamento pelas máscaras. E a megalomania humana alimenta a fantasia de que possa controlar tudo. Um bom dia. Abraço

    1. Um adendo só para justificar a idéia de que nada muda: o símbolo maior associado ao uso das redes é o celular. O celular é um radinho de pilha metido à besta.(Olha a crase aí sugerida pelo corretor). P. S. O radinho de pilha persiste com altivez nos cafundós do mundo e nas Arenas de futebol.

Mais notícias
Assine agora
TOPO