Tereza e os liberais

14.08.20

Os remanescentes da “debandada” liberal desta semana no Ministério da Economia nutrem, digamos, certa inveja do cacife político da ministra da Agricultura, Tereza Cristina. Dias atrás, Carlos Costa, secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade da pasta de Paulo Guedes, deixou escapar em uma conversa reservada que adoraria ter o poder de Tereza para segurar certas iniciativas do governo. Em tom de desabafo, ele lembrou que basta a ministra dizer que certas iniciativas não seriam bem digeridas pelo Congresso, para o Planalto dar meia-volta, volver. O lamento ocorreu em meio à tensão com o desejo do governo de furar o teto de gastos e pouco antes de Jair Bolsonaro ter que vir a público, ao lado de Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre, para dizer que está comprometido com a responsabilidade fiscal. Carlos Costa é um dos poucos liberais puro-sangue que restaram no entorno do ministro da Economia.

Ministério da EconomiaMinistério da EconomiaCosta: os liberais da Economia se queixam do poder limitado

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Alberto (Belém_Pa). A ficha demorou mas parece q já caiu para Paulo Guedes e sua equipe. Bolsonaro nunca foi liberal e nem reformista, passou 27 anos no baixo clero da Câmara Federal votando contra reformas e a favor de corporações, principalmente as militares. Atualmente, tudo o que ele faz no governo é sempre visando à reeleição em 2022. Portanto, dificilmente defenderá reformas estruturantes como a Ref. Administrativa porque não quer desagradar os eleitores do setor público. É um populista.

    1. Concordo plenamente! Estelionato eleitoral total! E tem gente ainda acreditando nesse Minto na terra encantada da Bozolandia! Afe...haja estômago e humor...

    2. continuando... não precisa aguardar até 2030. Em 2026 já dá!!!

  2. Em 2022 SÉRGIO MORO “PRESIDENTE LAVA JATO PURO SANGUE” é nossa resposta ao ACORDÃO de BOLSONARO com o ESTABLISHMENT! Não seremos LUDIBRIADOS com o “velho plano de MELHORAS NA ECONOMIA”! Triunfaremos!

    1. Qual será o partido quem tem a mesma reserva de caráter e valores que Sérgio Moro. É preciso equipe e muita firmeza. Poderemos ajudar, renovando o Legislativo inteiro, da federação aos municípios. Moro é como um vinho de rara safra, precisa aguardar a ocasião para ser aberto. Moro, senador 2022. Presidente,para 2030.

Mais notícias
Assine agora
TOPO