Flickr/Gage Skidmore

Guru em apuros

Steve Bannon, referência internacional do clã Bolsonaro em estratégia política, é detido nos Estados Unidos sob a acusação de desviar dinheiro de conservadores em benefício próprio
21.08.20

No início de 2017, Steve Bannon andava pelos corredores da Casa Branca com um envelope debaixo do braço cheio de decretos para o presidente Donald Trump assinar. Depois de ter contribuído para a campanha republicana em 2016, ele virou o estrategista da Casa Branca e orientou o governo em diversas medidas, como a que transferiu a embaixada americana em Israel para Jerusalém e a que barrou a entrada no território dos Estados Unidos de pessoas de alguns países de maioria muçulmana.

A aura de Bannon, contudo, esvaneceu-se ainda em 2017. Em agosto, ele foi saído da Casa Branca depois de implorar e chorar para ficar. Passou então a se dedicar a uma organização que acabara de fundar, a The Movement (O Movimento), para prestar consultoria a partidos nacionalistas e populistas de direita.

Na quinta-feira, 20, Bannon sofreu mais um revés. Quando estava em um iate de um bilionário chinês, ele foi detido por membros da guarda costeira, agentes de um serviço de investigação do Correio e da procuradoria dos Estados Unidos. Com outros três americanos, ele é acusado de conspiração para realizar fraudes e lavar dinheiro.

O caso remonta ao final de 2018, quando Bannon e um investidor, Andrew Badolato, foram chamados para ajudar em uma campanha de arrecadação de fundos pela internet. A meta era doar o dinheiro para o governo americano construir parte do muro na fronteira com o México. Vinte milhões de dólares foram levantados em pouco mais de uma semana. O site de crowfunding que tinha feito a campanha, porém, não sentiu segurança em repassar o dinheiro e disse que só faria isso para uma ONG legítima. Do contrário, a dinheirama seria devolvida aos seus doadores.

ReproduçãoReproduçãoBannon ao lado do 03: Eduardo é líder do The Movement na América do Sul
Nessa época, Bannon já tinha criado o The Movement e estava oferecendo seus serviços de consultoria a partidos em campanha para as eleições do Parlamento Europeu, que ocorreram em maio de 2019. Requisitado, ele ofereceu a ONG que já tinha criado para receber as doações. Os fundos passaram a ser transferidos para a ONG de Bannon.

Uma empresa foi criada, a Nós Vamos Construir o Muro, mas com um objetivo um pouco diferente: em vez de doar os valores ao governo, eles mesmos construiriam o muro, de forma privada. Ao consultar os possíveis doadores, incluindo aqueles que já tinham feito sua colaboração, os quatro organizadores asseguraram que o dinheiro seria todo investido na obra. Nenhum centavo ficaria para eles. “Eu fiz isso como voluntário”, disse Bannon em uma entrevista.

Os crimes ocorreram em seguida. Contrariando a promessa de não sacar o dinheiro dos doadores, mais de 25 milhões de dólares, os envolvidos montaram um esquema para embolsar a verba de maneira secreta. Ainda que algum dinheiro tenha sido gasto na construção do muro, a ONG de Bannon transferiu uma parte do valor de diferentes maneiras, alegando a prestação de serviços de comunicação. Para tanto, apresentaram ordens de pagamento e recibos falsos. Bannon, segundo a investigação, tinha o controle de tudo.

Entusiasta: assessor de Bolsonaro, o sorocabano Filipe Martins ganhou o apelido de “Sorocabannon”
Com os cerca de 350 mil dólares que recebeu em 2019 da ONG de Bannon e de outras empresas que também foram usadas no esquema, um dos envolvidos fez reformas em sua casa, comprou uma SUV de luxo, um carrinho de golfe, joias, fez cirurgias estéticas, pagou faturas do cartão de crédito e um barco, o Warfighter, usado em uma parada a favor de Trump no dia 4 de julho. Outra parte do dinheiro dos doadores foi gasta, entre outras coisas, com viagens, hotéis e produtos de consumo. Estima-se que Bannon ficou com 1 milhão de dólares.

Se forem condenados, Bannon e os outros três acusados podem pegar até 20 anos de prisão em cada uma das duas acusações. Ainda que o ex-estrategista venha a ser inocentado, o constrangimento deve afetar sua influência internacional, que já vinha em declínio. A hipótese de que ele tenha enganado centenas de milhares de americanos conservadores em benefício próprio pode atrapalhar sua ambição de arrebanhar mais adeptos.

No Brasil, Bannon ganhou projeção em 2018. Segundo Mischael Modrikamen, cofundador do Movement, Bannon deu conselhos para a equipe de Jair Bolsonaro na campanha presidencial. Em janeiro de 2019, quando o esquema de fraude e de lavagem de dinheiro na “Nós vamos construir o muro” estava sendo montado, Bannon visitou a casa de Olavo de Carvalho no estado americano da Virgínia. No mês seguinte, ele nomeou o deputado Eduardo Bolsonaro para ser líder do Movement na América do Sul. Em março, quando Jair Bolsonaro jantou na residência oficial do embaixador brasileiro, Sergio Amaral, Bannon esteve à mesa como convidado de honra. Sentou-se ao lado do presidente. O sorocabano Filipe Martins, assessor internacional de Jair Bolsonaro, articulou esses encontros e ganhou o apelido de Sorocabannon.

Nesta quinta-feira, conduzido a um tribunal de Manhattan, em Nova York, Bannon alegou inocência. Ele pagou uma fiança de 5 milhões de dólares e responderá ao processo em liberdade. Nas redes sociais, os bolsonaristas silenciaram sobre o assunto.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Diga-me com quem andas que eu te direi quem tu és. A corrupção está entranhada no clã Bolsonaro, banon e Olavo são os professores.

  2. Alem da roubalheira pura e simples típica dessa gente que influencia as ovelhas, o mais curioso nessa historia é que estava num iate de um magnata chinês, a quem a família lunatica e seus seguidores combatem com tanto ódio.

  3. Deve ter um monte de beócios aqui no Brasil que mandou dinheiro pro pliantra. O triste é que parte do mesmo, certamente, saiu dos nossos impostos, mesmo que por meio do pagamento de salários de cabos eleitorais e militontos empregados em cargos confiança.

  4. Se roubou, cadeia nele . Eu votei no Bolsonaro e votaria mil vezes novamente pois era contra o Haddah , se vcs não se lembram, da maior quadrilha da história da humanidade , e vcs votaram em quem antas ? , no Haddad , no PT ?

    1. boa, silvana! concordo totalmente! apesar de não ter votado nesse maluco!

    2. Estúpido acha que só existe escolha entre o vermelho e o preto. Como nós estádios. Continue na sua torcida organizada então e feche os olhos pra não ver todas as porcarias do seu falso mito!

    3. Claro, votamos - eu, em segundo turno - no bozo. Claro, reconhecemos que o pt é insuperável em matéria de corrupção, apenas não vamos achar que isso é suficiente ou normal. Está gostando de ver o desmonte da lava jato? O incrível, inimaginável, negacionismo na condução da COVID? Nós não. Vamos atrás de coisa melhor.

  5. Essa eminencia se vale de métodos "pouco"ortodoxos para atingir seus objetivos,,,manipula informações, cria rede de apoio profissional, e se apoia no que há de mais escroto nesse cenário atual de intensa utilização das mídias sociais como fonte de informação em detrimento aos veículos tradicionais , a disseminação das chamadas " Fake News ". Mas no final o "projeto"político se mostrou uma grande fraude, tudo indica se resumindo a um golpe,,,,Surreal...Pobre Brasil que dá palco para essa gente.

  6. Seja de esquerda ou de direita, em defesa do meio ambiente ou dos direitos humanos, ONGs são organizações criminosas altamente rentáveis no mundo inteiro.

  7. Semelhante atrai semelhante .. já dizia minha vó na sua simplicidade . A corrupção está amalgamada nas hostes deste governo como esteve nos outros . Dá nojo ...

  8. aguardem...daqui a pouco ele e olavo vão fazer um video exigindo de luciano hang (no papel de sacatrapa da republica) um dinheirinho.

  9. Duda, você um convicto trumpista, já percebeu quantos parceiros de primeira hora de Trump foram presos ou respondem a processos criminais? Consegue notar um certo padrão?

  10. USA não são Brasil. O processo vai andar e se Bannon for culpado, vai ficar décadas preso. Enquanto isso, na República de Aras e Gilmar Mendes...

  11. Bannon esteve envolvido no escândalo de captura de dados comportamentais da Cambridge Analitics e Facebook. Ele era vice-presidente da C.A. enquanto dirigia a Breibart. É um manipulador de informações diretamente envolvido com fake-news em muitas eleições de reacionários e Brexit. Ele tem vínculos com o ocultismo da Chaos-Magik. Leiam The Dark Star Rising de Larry Lachman e vejam o documentário Privacidade Hacheada de Karim Amer (NetFlix). A história desse cara é mais assustadora do que parece.

    1. Assim com Jeffrey Epstein enganou ou compactuou com muita gente de “alto nível”, por muito tempo. Obrigada pela dica do documentário (The Great Hack) vou assistir hoje mesmo.

Mais notícias
Assine agora
TOPO