Nada de bunker contra fake news

24.08.18

Como forma de evitar que a Polícia Federal se afunde em serviço com a quantidade de notícias falsas que se espera para as eleições deste ano, um grupo de policiais elaborou um conjunto de regras para apurar os crimes. Não haverá monitoramento nas redes sociais e muito menos um bunker montado para atuar em tempo real contra fake news. As apurações serão espalhadas pelas 27 superintendências e feitas sob ordens da Justiça Eleitoral. Em outras palavras: a principal fonte de trabalho deverá vir das reclamações apresentadas à Justiça pelas campanhas. A derrubada dos sites também será feita por ordem de um juiz, diretamente entre o tribunal e os servidores. Na PF, uma das principais preocupações é “preservar” os dados das fake news, de forma a ter, de uma vez só, todas informações e conexões de usuários que interagiram com aquela notícia, mesmo que a página seja excluída.

DivulgaçãoDivulgaçãoA apuração de crimes eleitorais sobre fake news será feita por delegados espalhados pelo país

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
Mais notícias
Assine agora
TOPO