Adriano Machado/Crusoé

“Não sou contraponto a Bolsonaro”

É o que diz a senadora Ana Amélia, escolhida vice de Geraldo Alckmin. Seu nome ganhou força dentro do PSDB graças à defesa da Lava Jato e a simpatia de um público que orbita entre o tucano... e Jair Bolsonaro. Filiada ao PP, partido atingido pela operação da Polícia Federal, ela afirma a sua independência e defende a aliança com o Centrão
24.08.18

Aos 73 anos, a senadora Ana Amélia, do PP do Rio Grande do Sul, abriu mão de uma reeleição quase certa para ser vice de um candidato que, embora tenha a maior coligação de partidos, está estacionado em quarto lugar nas pesquisas. Se a sua chapa for eleita, ela pretende ser uma vice diferente da nossa breve tradição democrática, de figuras discretas ou decorativas. Não mede palavras e não tem medo de se posicionar em assuntos que, em toda eleição, causam arrepios nos políticos, sobretudo na ala mais conservadora. Ana Amélia, por exemplo, acha que a mulher que fizer aborto não deve ser presa e é favorável ao casamento gay. Ela já tem a resposta pronta: quer ser vista como conservadora, sim, mas da ética política e no trato do dinheiro público. Nesse campo, Ana Amélia não vê como erro, por exemplo, ter sido jornalista da RBS na década de 1980 e, ao mesmo tempo, ocupar um cargo no Senado.

Ana Amélia recebeu Crusoé em seu gabinete no Senado, onde fez questão de exibir fotos de personalidades que entrevistou nos últimos 40 anos como jornalista. Entre eles, o ex-ditador cubano Fidel Castro e o ex-governador Leonel Brizola. Eis a entrevista:

Por que a senhora aceitou ser candidata a vice do tucano Geraldo Alckmin?
Porque compreendi que a minha omissão poderia significar arrependimento por não ter contribuído para o Brasil recuperar a sua esperança, autoestima, confiança e credibilidade interna e externa. Seria imperdoável para mim.

A senhora tem sido muito criticada pela aliança com Alckmin, que é investigado pela Lava Jato e outros casos de irregularidades.
Natural. As respostas que ele deu para mim foram muito claras. No caso da merenda, houve uma irregularidade praticada por uma cooperativa em conluio com outras que, lamentavelmente, mancharam um sistema pelo qual tenho enorme respeito. Meu estado é onde nasceu o cooperativismo, na cidade de Nova Petrópolis. A explicação dada por ele tanto sobre a questão da merenda escolar, quanto sobre a do Rodoanel,foram satisfatórias do ponto de vista da comprovação do que o estado agiu corretamente nesses processos.

Mas o partido dele, o PSDB, tem lideranças investigadas pela Lava Jato que a senhora tanto defende…
Sem dúvida nenhuma, mas não só no partido dele. No meu partido, um grande número de parlamentares esteve (envolvida na operação). Aliás, foi o primeiro partido a surgir na Lava Jato. Mas isso não significa dizer que eu compactue com corrupção. E também fui uma senadora que apoiou o Aécio Neves em 2014. Ganhamos a eleição, muito disputada no Rio Grande do Sul. Ganhamos de Dilma Rousseff. E quando ouvi o que o Aécio havia dito naquela gravação com o Joesley (Batista) e vi que o Supremo Tribunal Federal havia decidido pelo afastamento dele do cargo, fui uma das poucas senadoras que subiu na tribuna para dizer que eu estava de acordo com a decisão do STF. Isso significa dizer que a minha régua moral é a mesma para Dilma, Aécio, Temer e também para o Alckmin.

Mas, como vice-presidente, caso eventualmente haja irregularidades no governo, o que vai fazer? Vai romper?
Você não pode, de cara, condenar uma pessoa. Estamos num estado democrático de direito. Pressupõe-se que a denúncia seja objeto de  investigação, análise pelo Ministério Público e julgamento pela Justiça. Quando tudo estiver encerrado, confirmada a culpa ou a inocência, é que a gente tem de se manifestar. É preciso exigir uma investigação rigorosa. Em todos os casos. Não só no âmbito da Lava Jato, mas em todas as questões de irregularidades no setor público brasileiro.

Adriano Machado/CrusoéAdriano Machado/CrusoéÉtica: “Minha régua é a mesma para Dilma, Aécio, Temer e Alckmin”
Não lhe causa desconforto estar num partido com tantos investigados pela Justiça?
Se na minha família, como nas famílias brasileiras, existisse um irmão que tivesse cometido um crime, que pergunta você faria? Você se sente confortável nessa família que tem uma ovelha negra?

Mas família a gente não escolhe, partido, sim…

Pois é, meu querido. E partido a gente escolhe. Mas partido não é feito de anjos. Partido é feito de pessoas, de seres humanos, que têm suas virtudes e têm os seus defeitos. Grande parte dos partidos que estão nessa aliança ampla para apoiar Alckmin andaram apoiando o Lula, apoiando a Dilma…

E isso não lhe causa desconforto?
Não tenho desconforto nenhum. Sabe por quê? Porque eu trabalho com responsabilidade. Eu preciso responder pelos meus atos.

Mas, em caso de vitória, a senhora também responderá pelo governo.
Vou responder pelos meus atos. Mas confio plenamente na responsabilidade, na ética, no grau de maturidade, de equilíbrio do governador Alckmin na condução de um governo sério. Foi o que aconteceu em São Paulo, como você pode ver pelos resultados em todas as áreas, seja de saúde, educação ou infraestrutura. É um estado que, comparado aos demais, está numa situação bastante mais avançada.

Como é a relação da senhora com o presidente do seu partido, o senador Ciro Nogueira, investigado pela Lava Jato? Durante as negociações com Alckmin, ele dizia nos bastidores que a senhora era “independente demais”.
Muito respeitosa. Você não sabe, talvez, mas eu presido a Fundação Milton Campos, que é o braço institucional do partido. Essa fundação é fiscalizada pelo Ministério Público Eleitoral. E, desde que eu assumi, disse à executiva: não quero sujar minha ficha com a fundação. Portanto, tudo que sai da fundação – e não é pouca coisa, financio projetos relevantes – , é objeto de um grande zelo. Eu sou demandada por todos os deputados, todos. Agora, por exemplo, época de pesquisas qualitativas, todos são atendidos. Mas faço o controle: olha, para essa pesquisa tem que fazer três orçamentos e por aí vai. Eles têm de se adaptar à exigência que nós nos impomos.

Mas e a relação política?

Ele (Ciro Nogueira) é respeitosíssimo. É assim que a gente tem que agir: com independência, mas com respeito. Eu não sou juíza, não sou promotora, nem sou policial para fazer julgamento e juízos sobre as pessoas. Tenho que agir de acordo com o que me compete fazer, para ter a consciência tranquila.

A senhora tem um discurso conservador e de defesa da Operação Lava Jato…
(Interrompe) Conservador: conservador da ética, conservador da responsabilidade, do respeito do dinheiro público. Conservador no sentido desses valores.

E em temas como aborto, como pretende se posicionar?
Até seria mais confortável dizer: olha, deixa o Supremo Tribunal Federal decidir. A legislação já protege as mulheres que fazem aborto em algumas circunstâncias. Acho que esse é o limite aceitável pela maioria da sociedade brasileira, embora também respeite a posição de quem esteja defendendo o contrário. Mas penso que hoje, com, digamos, a forma e as crenças da sociedade brasileira, o limite que temos na lei é bastante protetivo.

Concorda com a prisão como penalidade para mulheres que fizeram aborto?
 
Nessa matéria, penso que as penas alternativas para a mulher são mais adequadas do que a prisão. A penalização deve ser na forma de educação, de pena alternativa.

Que tipo de pena alternativa?
Um processo de formação sobre o assunto, sobre os riscos. Porque há risco também em qualquer circunstância de aborto. Ele existe em todos os lugares. Legalizado ou não.

Alguns apoiadores de Alckmin, como FHC, defendem algum tipo de legalização das drogas. Qual é a sua posição?

Fui relatora de uma subcomissão criada na comissão de Assuntos Sociais. E ali chegamos à conclusão de que, quando os especialistas, sejam toxicologistas, psiquiatras, médicos especializados nessa área, não entram numa convergência sobre o tema, como é que uma leiga, parlamentar, vai entrar nisso, a não ser sendo opiniática? Gostei muito quando José Mujica, ex-presidente do Uruguai, foi questionado sobre se poderia se repetir o que aconteceu na Suíça, em Zurique, onde havia uma praça para drogados e houve uma reversão do processo pelas consequências que aquilo acarretou. E ele, com a naturalidade de um ser pensante, de um ser pragmático e muito inteligente, disse: bom, se não der certo, a gente muda.

Casamento de pessoas do mesmo sexo, concorda?
Já está na lei isso. E o Rio Grande do Sul, aliás, é um dos estados mais avançados nesse campo. Então, essa é uma questão já pacificada.

Aliados de Alckmin dizem que a senhora foi escolhida como vice dele também para fazer contraponto a Jair Bolsonaro…

(Interrompe) Não sou contraponto a Jair Bolsonaro. Eu sou a Ana Amélia, candidata a vice. O Bolsonaro é candidato a presidente. Não vou ser contraponto a ninguém. Vou ser defensora de um programa moderno de governo, liderado pelo Geraldo Alckmin. Aliás, no que depender de mim, não haverá ataques, não haverá bate-boca com candidatos.

O que a senhora pensa do Bolsonaro e das declarações dele?
Quem tem que julgar o Bolsonaro e as declarações dele não sou eu. São os eleitores. Já fiz quando ele estava no meu partido. Em 2011, ele fez uma declaração contra a Dilma Rousseff (questionava a sexualidade da presidente). Eu era adversária da Dilma, mas a declaração foi muito deselegante, desrespeitosa às mulheres. E ela tinha acabado de ser eleita presidente da República. Você pode discordar, mas não pode desrespeitar nenhuma pessoa. Seja mulher, seja homem. Mas especialmente as mulheres porque, no Brasil, vemos atitudes machistas. Isso não constrói uma sociedade mais solidária, mais respeitosa, mais democrática. A violência contra a mulher é muito grande no Brasil, inclusive no meu estado, que é considerado politizado. Então, toda declaração que vier contra o princípio da defesa e da valorização das mulheres… A minha entrada na chapa de Alckmin também é uma forma empoderar as mulheres. E fiquei feliz de ver agora que mais duas candidatas estão também compondo chapas como vice-presidentes, a ex-ministra e senadora Kátia Abreu e a Manuela D’Ávila.

Adriano Machado/CrusoéAdriano Machado/CrusoéAborto: “Penas alternativas para a mulher são mais adequadas do que a prisão”
A senhora, aliás, já apoiou a Manuela na disputa pela prefeitura de Porto Alegre em 2012…
Apoiei a Manuela. Então, sou uma direita estranha, né? Porque apoiei o PCdoB. Contrariando o meu partido. Apoiei Manuela para urbanizar o meu partido, porque diziam que meu partido era um partido dos grotões, e eu queria mostrar que não era. Por isso eu decidi apoiar a Manuela. As propostas que ela fez para a cidade de Porto Alegre não tinham ideologia, levavam em conta o interesse da sociedade gaúcha.

Mas o que pensa de Manuela e Kátia Abreu?

São políticas que exercem o seu papel de acordo com as suas convicções e devem continuar fazendo exatamente o que gostam de fazer.

Como vê a insistência do PT em registrar a candidatura do Lula, mesmo com ele inelegível?
É direito do partido fazer o que quiser. Porém, precisamos ter cuidado, porque estamos num estado de direito e, no estado de direito, a Justiça deve prevalecer. Ele já foi julgado em segunda instância e a suprema corte já em 2016 entendeu que a prisão em segunda instância deve ser mantida para que você tenha segurança jurídica. Eu não gostaria que Lula estivesse preso. Mas ele está pagando pelos erros cometidos. Assim é a lei e ela é igual para todos. Não podemos tergiversar ou passar a mão na cabeça porque foi Lula, porque foi um líder muito importante, carismático, que teve um papel relevante na política brasileira e no mundo todo. Mas, se cometeu erros, eles têm de ser pagos, como os meus correligionários também pagaram. A régua é uma só.

O que achou das declarações do ex-presidente FHC, que admite aliança com o PT em um eventual segundo turno contra o Bolsonaro?
Em nenhum momento entendi as declarações do ex-presidente FHC na direção de uma aliança com o PT. O voto não pertence ao partido, mas ao eleitor. O que ele disse, na minha percepção, é que, chegando ao segundo turno, precisaremos conquistar os eleitores que votaram nos candidatos que não conseguiram alcançar a reta de chegada. Para ser eleito, o candidato terá que ter 50% mais um. Vale para o Alckmin e para qualquer candidato que for ao segundo turno.

A senhora põe a mão no fogo por Ciro Nogueira, que também é alvo da Lava Jato?
Enquanto o processo de Ciro Nogueira não tiver transitado em julgado, ele é presumidamente inocente. É assim para todos os réus. Mas por que você quer colocar essas questões dessa forma? Enquanto não houver julgamento das questões relacionadas a ele, existe a presunção da inocência. É assim.

Na década de 1980, a senhora recebeu salário do Senado, mesmo trabalhando na RBS. Considera que esse foi um erro?
Na década de 1980, não havia lei de nepotismo. A nossa atividade não é burocrática, de ficar sentadinho. Nos anos 80, em grande parte das empresas, e aí não faço juízo de valor da minha empresa, havia acúmulo de função. Muito mais tarde, bem mais tarde, as empresas passaram a exigir contrato exclusivo com os profissionais. Esse processo é uma tentativa vazia de tentar macular a minha imagem.

Mas foi um erro?
Não. Naquela época, era permitido fazer isso. Se fosse crime, corrupção, os próprios jornalistas teriam denunciado.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Acho Ana Amelia direta, franca, não tem medo de cara feia entende do que fala e responde com convicção todas as perguntsas , a melhor detodos esses candidatos.

  2. Li até a sétima pergunta. Dali desisti de continuar. A senadora diminuiu-se muito e demonstrou a "velha moral elástica e relativista". Decepção!!!

  3. Quando penso em Bolsonaro, o vejo como uma cebola; você tira a primeira capa e em baixo tem mais cebola e tira outra e mais cebola em baixo. Quer dizer: Ele é isso desde sempre. -- Já quando penso na Sra. Ana Amélia a melhor imagem que me vem à mente é a de um camaleão. Na tribuna era uma verdadeira ariranha na defesa da ética e dos bons costumes e agora a vejo totalmente cinza como um camaleão da caatinga, de braços dados com o pior que existe na política. Costumo chamá-la de Gleisi cover!

  4. Eu já achei que ela era uma das poucas pessoas no congresso que prestam. Mas depois de eu ficar sabendo do apoio dela à Manuela, dela se unir ao centrão e muito especialmente depois de ler esta entrevista, chego a conclusão que eu estava tremendamente enganado e ela é mais um do políticos podres que infestam o congresso. Perdi todo o respeito que tinha por ela.

  5. Que pena. Uma mulher tão honrada foi se ligar justo ao Centrão !!! Pior se fosse petista, diria um amigo. A senadora só está errando em ser vice do candidato errado.

    1. A senadora Ana Amélia jamais iria com bolsonaro. Não escreva bobagens!

  6. Não creio nela. É como todos os outros que pulam para outro galho quando lhes convém. Está TUDO TOMADO, não tenham ilusões. A única alternativa possível é #bolsonaro ou vamos todos pra roça bolivariana. A ingenuidade dos laranjas me constrange.

  7. Que mulher HIPÓCRITA! Padrão AÉCIO NEVES. Acho que todos estão fazem parte da mesma farofa, com os mesmos objetivosque são: *enfraquecer as famílias oferece; *péssima educação; desfazendo sua cultura; introduzindo novas crenças( liberação do aborto; aceitação de pedofilia como doença; a questão de gêneros e até agora a proposta de incentivo a quebra do tabu do INCESTO, pregado por uma deputada sem pátria entre outros , destacando o enriquecimento através do esvaziamento os cofres públicos.

  8. Que decepção Senadora!!! Se ligar a essa corja?! E dizer que foi tudo (merenda e rodoanel) muito bem explicado??? A sua aura de coerência e ética vai ladeira abaixo e com velocidade!!! Na verdade a sua biografia foi para a lata de lixo da história. Parece pouco agora...

  9. Naturalmente, e bem naturalmente mesmo, uma legítima política de centro-esquerda! Não fez nenhum sentido quando ela disse "então sou uma direita estranha, né?" referindo-se ao apoio dado à Manuela, pois Ana Amélia é (repito) naturalmente uma política de centro-esquerda! Não é da direita!

  10. Decepcionante as respostas da Ana Amélia. Sem posicionamento, sem opinião, sem direcionamento, sempre em cima do muro durante a entrevista. Infelizmente, será uma senadora de qualidade que iremos perder no parlamento.

    1. Verdade! Quando a Senadora fica sem resposta e por estar traindo o seu eleitor. Pena ela se meter com petismo disfarçado.

  11. Péssimas respostas. Era minha última esperança pra votar no Alckmin. Voto PSDB desde a primeira do FHC (2 vitórias) e quatro derrotas pro PT. Mas não da mais...Alckmin e Centrão não da, e Ana Amélia está defendendo bandidos conhecidos de todos. Prefiro arriscar com Bolsonaro.

    1. Voce está certíssimo. Que decepção a Senadora Ana Amélia me causou. Eu a admirava muito, mas agora estou vendo quem realmente ela é. Diz-me com quem andas que te direi quem és. Quem anda com porcos farelo come.

  12. Não entendi o título da reportagem, nem por que o jornalista pediu a opinião de Ana Amélia sobre Bolsonaro, e somente sobre Bolsonaro.

  13. Não me convenceu a entrevista nem discursos proferidos por Ana Amélia,precisavamos dela no senado onde sua voz é forte.Quem sabe está esperançosa num impeachment de Geral,afinal estamos quase nos acostumando.

    1. Sr. Loucademia/Sirley, Como assim ‘tipo de gente que não gosta de tatuagem’? Isso existe? Isso é relevante? Isso é definidor de algum traço negativo da personalidade? Em alguns lugares do oriente médio existe a ‘sharia’ para isso. Essa é ordem inspiradora?

    2. Ana Amélia não é o tipo de gente que gosta de gente tatuada...foi só por isso...Tatuagem não tem nada é Ana Amélia é que é o problema

    3. Só uma pergunta: o que tatuagem tem a ver com isso?

    4. Não é de assustar,afinal elogiar Manuella é surreal e de profundo desconhecimento da vida pregressa da tatuadíssima candidata.

  14. Voto em Bolsonaro por tudo que se vê . Mais a Ana Amélia seria minha candidata. Quanto ao Alckmin, perdeu meu voto quando se juntou aos bandidos. Mais foi governador do estado com maior PIB da federação, e seu filho morreu trabalhando. Não ficou milhionario como do verme Lula, nem se valeu do pai pra virar político vagabundo como muitos outros.

  15. Sou fã da Ana Amélia e se ela fosse a candidata teria o meu voto com certeza, porém, continuo com o Bolsonaro. E isso não foi uma entrevista, foi uma propaganda. Ana Amélia a melhor vice da história do Brasil.

  16. A mulher que concedeu essa entrevista não se parece, nem de longe, com a senadora Ana Amélia. A transformação foi rápida, radical e surpreendente. Decepção total.

    1. Estou com a mesma sensação sua, Luciana. Só não sei distinguir qual é a verdadeira Ana Amélia. Se a da tribuna do Senado ou se a da Entrevista.

    2. É inacreditável que a Ana Amélia que já admirei um dia sofreu uma transformação radical...lamentável!

  17. Realnente não conhecemos ninguém!! Jamais imaginei essa "senhoura" fszendo essa escolha! Vice do picolé de chuchu! Direita estranha?? !!

  18. Parabéns ao Crusoé pela excelente entrevista, que expôs a verdadeira face da senadora. Resumindo tudo: é uma socialista disfarçada em direita que caiu no golpe do Ibope e Datafolha. Shame on you EX-senadora!

  19. Confesso que fiquei confusa com a aceitação da Senadora,mas, nessa entrevista puder perceber os dois lados; como pessoa de caráter e o político.Não pude deixar de notar a "forçação de barra do Gadelha". e é aí que surgia o lado político da Senadora. Ainda acredito no seu caráter íntegro, mas, ainda não "capitei a mensagem".

  20. Legal, Ana Amelia. Eh isso ai. Ninguem lhe poe cabresto. Personalidade eh tudo. Va em frente. "Os caes ladram e a caravana passa".

  21. Excelente entrevista. Apesar de apoiar o Jair Bolsonaro e ela ser candidata a Vice do Alckmin, continuo observando com muita atenção esta grande Senadora do Rio Grande do Sul e do nosso país. Muito sincera, muito honesta e firme nos seus posicionamentos, sempre mereceu e continua merecendo o respeito e a admiração de todas as pessoas de bem deste país. Parabéns, Senadora Ana Amélia !!!

  22. Como fomos enganados. Apontava o dedo no senado, tudo era "minha régua", graças a Deus não aceitou ser vice de Bolsonaro. O Alkimim continua no mesmo lugar. Bem feito, mais suja que pau de galinheiro.

  23. Estava com sua campanha para o senado praticamente ganha. Jogou no lixo sua trajetória.. Uma decepção.. admirava a Senadora.

  24. Ana Amélia, dá orgunho de analisar o tom elevado desta senhora, íntegra, honesta e quase perfeita, vai agregar muito ao Alckmin!!

    1. Se eles ganharem o amigo Claudio esta com a teta garantida.....

  25. Boa senadora. Que pena, vai ficar sem mandato. Decisão infeliz, que empobrece o Congresso tão desgastado. Na entrevista, tergiversou demais. Gosto de sim ou não à moda Bolsonaro.

  26. Engraçado, admirei muito essa senhora. Agora já não tenho tanta certeza. O tempo vai passando e a gente vai lendo, lendo, decantando....... É decantado!

    1. Você é irresponsável. Levanta suspeitas sem base nenhuma.

  27. Politica de carteirinha, não responde nada com nada, só Tergiversando. Uma grande decepção para os que a achavam diferenciada. É mais do mesmo infelizmente.

    1. Você não consegue analisar com inteligência as colocações da senadora. Sua cabeça é pequena demais para entender a senadora: honesta, firme, lutadora.

  28. Ana Amélia continua sendo uma profissional íntegra, destemida e firme nas suas covicções. Eu preferiria vê-la no papel de senadora onde podia atuar com mais liberdade do que na posiçao de vice-presidente onde as pressões partidarias e os acordos políticos lhe deixarão muito limitada para criticar o que não está certo. Perdi minha senadora favorita sem mesmo ter certeza de que a terei como vice-presidente.

  29. Evasiva em suas respostas.....Senso de justiça declinado em favor dos corruptos.....entre outras coisas; ou seja, mais um do "Paz e Amor" e que se dane o Povo Brasileiro. É lamentável ver uma mulher inteligente, realizando um desserviço para o País e ao contribuinte que lhe paga.

    1. Você não sabe ler, interpretar o que disse a senadora. Vá pra escola e aprenda.

  30. Gosto muito da Ana Amélia, foi infeliz em ter aceitado fazer parceria com Alckmin traiu seus ideais ao se aliar com essa classe de políticos que um dos objetivos e dar um cala boca na lava jato,e todo projeto apresentado terá que votar com sua bancada ou bancadas já que se comprometerem,melhor sozinho do que mal acompanhado assim você pode formar um governo coeso que trabalhe pelo Brasil e sem esse ranço do PSDB chega dos mesmo e as mesmas ideias precisamos arejar chega dessa esquerda caquética

    1. Verdade,mas todos os partidos são corruptos e pra você se eleger precisa se filiar a algum,ela escolheu vesse partido, sempre admirei seu trabalho no congresso , porém qdo aceitou ser vice do Alckmim pra mim foi uma decepção,pelo simples fato de ser um partido de esquerda ela que sempre se posicionou como de direita pra mim é muita contradição numa pessoa não dá pra acreditar simples assim.

    2. Mas ela eh do PP..Um dos partidos mais corruptos e fisiologicos que existe. Se vc achava ela ok assim mesmo, quando senadora , qual a diferenca agora? So pq ela nao faz sua vontade agora nao presta mais? Que raciocinio eh esse? Acho que o problema nao eh ela, se eh a vc me entende, rsrsrs

  31. A seriedade e a integridade da Senadora são indubitáveis. Decepcionante é ver o argumento da ‘presunção de inocência’ intrometer-se, cinicamente, em meio às suas qualidades, com o fim de aceitação de seu pano de fundo político. A moderação e o equilíbrio conservadores da Senadora talvez estejam lhe pregando uma peça nesse particular. Tudo isso pode ser visto também como tino político, qualidade que não se deve desprezar, contanto não descambe para a hipocrisia.

    1. Explicando isso gramaticalmente: ‘Intrometer-se’ = ser intrometido. No sentido de partícula apassivadora, na voz passiva sintética, não como índice de indeterminação do sujeito, como Jane/Nádia sugeriram.

    2. Quando concedo o benefício da dúvida de que seja o subconsciente da Sen. a agir é porque a considero com alguma reserva moral, sem traços dominantes desse animal maquiavélico descrito. É por essa razão que aponto o risco de a hipocrisia vir a corromper essa dignidade, em que pesem as conivências nas avaliações de conveniência.

    3. Argumento não tem vida própria para intrometer-se.... ora! Isso é o ela pensa e usa pra justificar o injustificável! Racionalizadora!! Nada confiável essa atitude!

    4. Puxa! O argumento tem vida própria agora para se intrometer??!!! Ora! Isso é o que ela usa pra justificar seu posicionamento nada confiável!! Está só mostrando a cara!!!

  32. Muito isenta, esse negócio de esperar julgar não funciona no BRASIL. O STF só solta bandidos em vez de prender, principalmente se for do PSDB. Ajudaria muito mais no Senado.

  33. Muito boa a entrevista com a senadora. Tem uma visão de política bem clara. Todos os seres humanos, tem seus erros e seus defeitos. Julgar é muito fácil.

  34. Eu li apenas a primeira pergunta e resposta. Parei nela pois já vi a incoerência/mentira. Querer dizer que com o psdb O BRASIL VAI RECUPER SUA ESPERANÇA, AUTOESTIMA. CONFIANÇA E CREDIBILIDADE INTERNA E EXTERNA”. Senadora, por favor, menos, né? O povo gaúcho não é imbecil e a senhora sabe disso. Eu sou nordestino e na minha região eu sei que, infelizmente, existe uma grande massa de analfabetos que são fáceis de manipular mas no sul eu penso que a população tem alguma capacidade de raciocínio.

    1. Sei. Kkkk. Tem uma boquinha garantida, né? O psdb e o pp junto com o pt são exemplos de honestidade e boa administração. Acertei?

    2. Exatamente por isso de ser da região sul, carrega em si uma herança de boa raça, de lutadora, de formação honesta, séria. Ela tem essa capacidade de raciocínio, exatamente concordando com você.

  35. Os verdadeiros motivos de Ana Amélia são os negócios de sua familia, ameaçados atualmente pelo CARF. O resto é blá, blá, blá!

  36. Perdeu, Ana Amélia! Quando a gente entra na contramão o resultado é um só: perder. Mesmo sendo do Partido da Propina, o povo acreditava que a senhora estaria disposta a combater a corrupção mas quando se uniu ao QUADRILHÃO todos perceberam suas intenções. A resposta será dada em outubro. BOLSONARO 2018!

    1. Ana Amélia adota o estilo tucano de ser: enrola muito bem. Falar em régua moral cercada de corruptos, que será independente, etc., é muito bonito mas não garante absolutamente nada; ela não será a presidente. O Brasil precisa de presidente assertivo e muito objetivo. O modelo tucano que Alckmin representa tão bem já está esgarçado por tantos arranjos, manipulação e despudor que unicamente objetivam assegurar o mando do país. Ana Amélia mudou de lado e lá deverá ficar. Optou pelo mesmo de sempre.

    2. Esqueci de dizer: estou votando em Bolsonaro mais por falta de opção do que por opção.

    3. Fernando, você espera do PSDB de Alckmim, Aécio, FHC, Serra, Gilmar Mendes... combate à corrupção? Parabéns pela sua esperança. Se você me dissesse que está com Amoêdo, Bolsonaro ou Álvaro Dias eu até poderia ter alguma esperança de combate à corrupção e retomada da Ordem no país mas achar que isso vai acontecer com esse QUADRILHÃO (PP, MDB, PSDB, etc), ou é inocência ou comprometimento com o MECANISMO.

    4. Seu candidato também estava bem feliz unido ao quadrilhão e saiu por motivos políticos, não éticos.

Mais notícias
Assine agora
TOPO