Bolsonaro pode ser obrigado a pagar a conta da pandemia

17.12.21

A ação em que o Ministério Público Federal pede que o governo indenize em 100 mil reais as famílias de cada um dos brasileiros mortos na pandemia de Covid-19 pode resultar em um problema de dimensões astronômicas para Jair Bolsonaro. Caso a Justiça acolha o pedido dos procuradores e determine os pagamentos, ao menos teoricamente a União será obrigada a entrar com um processo para que o presidente e seus auxiliares da área sanitária – responsáveis pelas políticas oficiais de combate ao vírus – restituam o valor aos cofres públicos, na medida do possível. A conta total chegaria a impressionantes 62 bilhões de reais. A chamada “ação de regresso”, que deve ser movida pela Advocacia-Geral da União contra autoridades e funcionários públicos responsáveis por causar prejuízos ao Erário, é uma obrigação prevista na jurisprudência do Supremo Tribunal Federal.

Edu Andrade/Fatopress/FolhapressEdu Andrade/Fatopress/FolhapressAs omissões do presidente ainda podem lhe custar caro

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Ainda que o governo responda e perca esta acao, com certeza absoluta o beicola ate onde sabemos e dito pelo proprio Bozo, permanecem em lua de mel, apos recente casamento, obvio que o beicola vai pra cima de beicos e unhas para defender, pois esta em jogo a continuidade do casamento.

  2. isso só não basta, CADEIA é o lugar deles, basta ver a posição do desgoverno, forma como o Neumanne se refere, está se posicionando em relação a vacinação de crianças

  3. Se prosperar, pouco provável, a conta seria da sociedade. Quanto ao Pangaré Sociopata sua prisão e demais aloprados já seria alguma justiça.

  4. Está ação do MPF é risível. Nem nos EUA, com Trump como modelo deste estúpido tupiniquim, ocorreu tal ação. E observe-se que naquele país todo mundo processa todo mundo por alegado prejuízo. MPF só serve para se omitir em tudo que é importante, perseguir, por meio do CNMP, seus poucos procuradores competentes que processaram políticos e empresários corruptos.

    1. E nos países europeus, então, onde também morreu gente de monte? Os governos de lá também terão que pagar?

  5. NEGACIONISMO, GENOCÍDIO, CRIME CONTRA a HUMANIDADE, RACHADINHAS, CORRUPÇÃO nas VACINAS e MANSÕES para o 01 e 04! BOLSONARO é um DEGENERADO MORAL que IMPEDE o BRASIL de AVANÇAR! Em 2022 SÉRGIO MORO “PRESIDENTE LAVA JATO PURO SANGUE!” Triunfaremos! Sir Claiton

  6. Bolsonaro não pagará nada pois o dinheiro não é dele, é dos contribuintes, duplamente atingidos pelo seu desgoverno insano.

    1. Quando o Estado paga por prejuízo causado por ele, o faz evidentemente com dinheiro público. O artigo fala da ação de regresso: o Estado move ação para que os agentes públicos responsáveis pelo prejuízo façam, com dinheiro deles, o ressarcimento aos cofres públicos.

  7. Piada, né? Quem vai acabar pagando serão os sobreviventes e seus dependentes até o fim dos tempos. Num país onde justiça só existe para os ricos - nada mudou desde a descoberta - o povo sempre paga o pato. Maldito Cabral! Podia ter errado o caminho.

  8. Tem que pagar mesmo. E ainda é pouco diante das políticas nefastas desse desgoverno na pandemia. Elas foram é ainda são um PESADELO.

Mais notícias
Assine agora
TOPO