Adriano Machado/Crusoé, Gov. Estado de SP/Flickr, Eduardo Knapp/FolhaPress e MDB Nacional/FlickrMoro, Doria, Ciro e Tebet: superar as cizânias internas é um desafio extra para eles

Cavalos de Troia na terceira via

Antes de encarar a batalha eleitoral, os pré-candidatos que se colocam como alternativa a Lula e Bolsonaro precisarão lidar com os focos de resistência dentro de seus próprios partidos
14.01.22

Em política, toda vez que um candidato à Presidência é traído dentro do próprio partido diz-se que ele foi cristianizado. O termo remete a 1950, quando Cristiano Machado, então candidato do PSD à Presidência, acabou abandonado pela legenda em favor de Getúlio Vargas. Nas eleições deste ano, o fenômeno tem tudo para se repetir. Em especial, na chamada terceira via. Como ainda pairam dúvidas se muitas das candidaturas irão de fato deslanchar, a maioria dos pré-candidatos reúne, dentro de suas agremiações, figuras que já trabalham abertamente contra eles – ou que, nos bastidores, se articulam em favor de seus adversários. Há “cavalos de Troia” em quase todos os partidos. O que abriga o maior número de potenciais desertores é o PSDB, em razão, principalmente, dos sintomas de fragilidade da candidatura de João Doria.

Não é de hoje que o partido cultiva o hábito de cristianizar seus candidatos à Presidência. Em 2002, setores da legenda capitaneados por Tasso Jereissati preferiram apoiar Ciro Gomes, então no PPS, em detrimento de José Serra, cuja candidatura claudicava desde o nascedouro. De lá para cá, o partido jamais conseguiu alcançar a unidade interna em torno de um nome. Em 2018, a notória aliança informal Bolsodoria — João Doria para governador de São Paulo e Bolsonaro para presidente – contribuiu para que o partido amargasse o pior resultado eleitoral de sua história: o candidato Geraldo Alckmin, hoje cotado para vice de Lula, não teve nem 5% dos votos. Agora é Doria quem corre sério risco de ser abandonado à própria sorte pelos tucanos.

Na esteira da divulgação das primeiras pesquisas de opinião deste ano, setores do PSDB passaram a defender internamente que Doria componha como vice na chapa de Sergio Moro, do Podemos, hoje o nome mais bem colocado da terceira via, com cerca de 11% das intenções de voto. Por ora, no entanto, o governador de São Paulo nem cogita a hipótese de abrir mão da candidatura – no PSDB, dada a obstinação de Doria pelo projeto presidencial, muitos duvidam de que, em algum momento, o tucano irá considerar a possibilidade de desistir. De todo modo, as pressões internas se intensificam toda vez que uma nova pesquisa reforça a possível inviabilidade da candidatura.

Reprodução/Youtube/Jornal O GloboReprodução/Youtube/Jornal O GloboNo PSDB, já há quem defenda que Doria seja vice de Sergio Moro
As principais resistências estão nos diretórios de Mato Grosso do Sul, Pernambuco, Minas Gerais, Ceará e Rio Grande do Sul. Doria enfrenta barreiras para unir a sigla até mesmo no estado em que governa. Em São Paulo, tucanos mais refratários ao governador cogitam, inclusive, lançar um candidato para concorrer com o nome preferido de Doria ao Palácio dos Bandeirantes, Rodrigo Garcia“Não sabemos se ficamos quietos ou se montamos outra frente. Doria ganhou, mas não levou. A campanha das prévias foi muito agressiva e combativa, desproporcional para uma disputa dessas. Ele achou que era uma guerra”, avalia um tucano paulista, sob reserva.

Deputados federais que buscam a reeleição reconhecem a dificuldade em colar sua imagem à do governador paulista. “Será difícil andar o Brasil levando o nome de Doria. Faz uma boa gestão em São Paulo, administra o estado mais rico, maior PIB do Brasil, mas falta ele se comunicar melhor com boa parcela da população”, diagnostica outro parlamentar tucano, que pediu para não ser identificado por temer represálias. Caso a campanha não ganhe tração até março, quando será aberta a janela partidária para a troca de partido, o risco de debandada é real. Confirmada a cristianização, a tendência é que os dissidentes se dividam entre as candidaturas de Jair Bolsonaro e de Moro“Há, de fato, um momento de desânimo ideológico com o PSDB”, resume Orlando Faria, ex-secretário de Habitação de São Paulo e presidente do conselho de ética do partido no estado. Para o senador Izalci Lucas, integrante da executiva nacional tucana, “é natural que haja divisão”“Nunca há unanimidade. O nome já diz: partido. Não é inteiro.”

O PSD de Gilberto Kassab é outro partido que dificilmente marchará “inteiro” nas eleições. Lançado em outubro como pré-candidato à Presidência pela sigla, Rodrigo Pacheco faz até aqui uma campanha acanhadíssima. Seus índices eleitorais também estão muito longe de empolgar: o melhor desempenho é em Minas Gerais, seu estado, com apenas 2% das intenções de voto. No restante do país, seus números oscilam entre o traço e 1%. O desempenho pífio faz com que a legenda privilegie as composições regionais. As maiores defecções estão no Nordeste, sobretudo na Bahia, onde o PSD deve estar com Lula.

Roque de Sá/Agência SenadoRoque de Sá/Agência SenadoRodrigo Pacheco não conta com o apoio da seção baiana do PSD
“O grupo aqui é majoritariamente Lula. Se eu construo uma caminhada de aliança e os meus passos vão em uma direção, não posso mudar de uma hora para outra, não posso fazer mudança muito brusca. São mais de dez anos de aliança. Não são dez dias ou dez meses”, argumenta o senador Otto Alencar, do PSD baiano. “Não é de uma hora para outra que a população elege presidente no Brasil. Uma coisa é se tornar conhecido no circuito nervoso da política, outra coisa é estar na cabeça da população. O Pacheco tem feito um ótimo trabalho no Senado, é capaz. Mas ser presidente da República é outra história. Precisa ser conhecido, ter rodagem e cancha”, emenda Alencar. Nas regiões Sudeste e Sul do país, o PSD pode ir de Moro, Bolsonaro ou Lula, a depender do cenário eleitoral.

O PDT talvez seja o partido que melhor ilustra o contraste entre o projeto nacional e as alianças regionais. Apesar de o pré-candidato do partido, Ciro Gomes, tentar se apresentar como alternativa ao PT, importantes pedetistas de estados como Rio de Janeiro, Maranhão e Sergipe não escondem a preferência por Lula. Recentemente, o principal nome do PDT fluminense, Rodrigo Neves, ex-prefeito de Niterói, publicou uma foto ao lado do petista. “Conversamos sobre a importância de se construir uma ampla aliança regional para derrotar o bolsonarismo e reconstruir o nosso estado a partir das eleições”, disse. Para além do encontro e da manifestação nas redes, Neves tem costurado um robusto palanque para Lula no estado. As negociações são feitas com Washington Quaquá, presidente do partido no Rio e vice-presidente nacional do PT.

Joel Silva /Fotoarena/Folhapress)Joel Silva /Fotoarena/Folhapress)Cristianizado: o PDT maranhense já avisou que trocará Ciro por Lula
No Maranhão, o senador Weverton Rocha, que será candidato ao governo do estado, deixa ainda mais clara a preferência por Lula“Essa relação foi construída ainda no impeachment da Dilma. Não foi inventada agora por questão eleitoral. No Maranhão o palanque é duplo, com Ciro e Lula”, argumenta Weverton. Embora preocupado com as possíveis deserções, publicamente o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, procura minimizar o problema, que atinge pelo menos oito diretórios do partido pelo país. “Assim como o Rodrigo Neves e o Weverton, eu também elogio Lula. Fui ministro dele, né? Mas uma campanha nacional é maior que a estadual e tem fôlego próprio. Essa questão dos palanques duplos tem sido conversada, e as alianças regionais serão respeitadas”, afirma Lupi.

O presidente do MDB, Baleia Rossi, adota um discurso semelhante. A sigla, historicamente rachada, não se oporá a abrir palanques para vários candidatos caso a candidatura de Simone Tebet, ao fim e ao cabo, não emplaque. Hoje, o partido está mais próximo de Lula no Nordeste e de Bolsonaro no Centro-Sul do país. “Simone foi lançada com amplo apoio da Executiva Nacional. A característica do MDB é de respeito às decisões tomadas, sem ignorar as divergências e as minorias. As posições individuais sempre serão respeitadas”, afirmou.

A candidatura de Sergio Moro também está exposta às traições. No Podemos, partido ao qual o ex-juiz se filiou no fim de 2021, há grupos consolidados de bolsonaristas e lulistas que não abrem mão das conveniências regionais. Os principais rachas ocorrem na Bahia, em Mato Grosso e em Pernambuco. Em sua seção baiana, o Podemos compõe a base de apoio do governador Rui Costa, do PT. Líder do partido no estado, o deputado João Carlos Bacelar, embora diga concordar com as ideias econômicas e de combate à corrupção defendidas por Moro, já avisou: estará com Lula desde o primeiro turno. “Não vejo uma grande rejeição e nem entusiasmo em relação a Moro. O Podemos ainda não conseguiu apresentar uma proposta”, afirma. Já para José Medeiros, deputado pelo Podemos do Mato Grosso e aliado de Bolsonaro desde a campanha de 2018, é questão de coerência eleitoral manter o apoio ao presidente. “Ficaria muito difícil fazer uma manobra dessas, deixar de apoiar Bolsonaro e mudar. Meu público não entenderia. Senão, quem não se reelege sou eu”, justifica.

Daniel Medeiros/ O AntagonistaDaniel Medeiros/ O AntagonistaO Podemos, de Moro, rachou na Bahia, em Mato Grosso e em Pernambuco
Tradicionalmente, o principal antídoto para a cristianização dos postulantes ao Planalto é o fortalecimento das candidaturas. A história ensina que, quanto mais frágeis as campanhas, maior a dificuldade em construir alianças e mais complicado é unir o partido em torno de um único nome. Se o candidato não deslancha, a tendência é que os próprios correligionários priorizem seus interesses paroquiais em detrimento do projeto nacional. Na via oposta, se o aspirante à Presidência exibe musculatura eleitoral e demonstra capacidade para superar os concorrentes e vencer o pleito, o movimento é inverso: ele cria “perspectiva de poder” e acaba por unificar não apenas o próprio partido, como passa também a atrair políticos de outras legendas, como ocorreu em 2018 com Bolsonaro, em 2002 com Lula e 1994 com Fernando Henrique Cardoso.

“Hoje, o fator principal que fortalece uma candidatura é o desempenho nas pesquisas. Afinal, o que enfraquece a candidatura é a debandada interna ou a debandada interna é consequência do desempenho nas pesquisas? Para mim, está claro que é a segunda opção. Avalio que, na terceira via, a maior possibilidade é o crescimento de Moro como consequência da queda de Bolsonaro”, entende Geraldo Tadeu Monteiro, cientista político e professor da UERJ. Ou seja, se não quiser conviver com cavalos de Troia na campanha, cabe ao candidato, qualquer que seja ele, mostrar que realmente pode chegar lá.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. É muito claro que z terceira via é Sérgio Moro. Os demais pré-candidatos que querem ocupar esse espaço deveriam fazer um bem para o País e se juntarem a Moro!

  2. Não podemos insistir no erro. Terceira via é a única solução. Quem? Não sei ainda, mas espero que Moro seja o mais viável e haja um consenso sobre o seu nome assim que as candidaturas forem oficializadas…

  3. ao consultar a minha bola de cristal quântica 5G, vi os candidatos da 3ªvia serem cristianizados e crucificados, e o ex-detento cachaceiro, maior ladrão da história da humanidade, ser desossado pelo nosso PR. OGRO, SELVAGEM, BRUTO., ... kkk! _____ Quem quer alfafa novinha?

  4. Infelizmente uma grande parte dos brasileiros não cultivam valores éticos e ficam satisfeitos com migalhas, desde que trabalhar e ou estudar. Aceitar a volta do Lula ou a continuidade do Bolsonaro é não ter vergonha na cara.

  5. se o Brasil eleger Lula ou bolsonaro será infelizmente uma decida sem rumo . O único candidato em condições de unir o Brasil e termos ORDEM E PROGRESSO é Sérgio Moro.

  6. Porque será que todos estes partidos só se preocupam com politicagem!!! porque não orientam os seus candidatos a apresentar um plano de governo onde o objetivo maior é o bem da população???? dá tempo ainda de planejar, executar e apresentar um belo plano de governo!!!!!!!

  7. a verdade é que maioria dos políticos estão se lixando para a nação, e fazem tudo por conveniência, e como o brasileiro depois que adota seu político de estimação, venda os olhos e tapa os ouvidos , o país fica dividido em milhares de currais , onde o único prejudicado é o próprio povo sem futuro , sempre piorando, é triste a polarização e termos que decidir sempre entre o menos pior, nunca o melhor . heróis são transformados em vilões e os bandidos em vítimas, e o populismo sempre ganha.

  8. Não entendo ansiedade muitos definir quem ganha, quem perde eleições. Onde tiram isso? Talvez Lula nem chegue 2 turno, e Bolsonaro nem participe eleições. O jogo nem começou prá valer. Se Moro tem 11%, Ciro tem 9%, com grande chances passar Moro brevemente.

  9. Todo eleitor decente jamais votará em Lula (corrupto) ou Bolsonaro (mau-caráter). Também não será refém da opinião desses partidos fisiológicos. Temos que votar no candidato alternativo melhor colocado nas pesquisas na véspera da eleição. No segundo turno a estória é outra e só assim evitaremos o pior ...

  10. Concordo com o cientista Geraldo Monteiro: " Avalio que, na terceira via, a maior possibilidade de crescimento é de Moro ..." e penso também, que, neste momento ,é indispensável que os demais pré- candidatos se mostrem como políticos que se preocupam com o País, e aguardem uma oportunidade, pois se não fizerem isto que prometeram anteriormente, serão lembrados como políticos que não cumprem sua palavra, portanto, não merecem credibilidade; e que estão a serviço de si mesmos, jamais do País.

  11. Blá,blá,blá Sérgio morno! Kkk traíra já era! Perde tempo não seus malucos! O cara e porqueira. O morno vai acabar elogiando o Luladrao! Anota aí!

    1. Suzane, pra ser coerente ele deveria tirar o "Globo" do nickname.

    2. Você não tem coerência nem na vida pessoal! Se não gosta da revista, está fazendo o quê aqui?

  12. Tenho ouvido Dória. Ele me parece um candidato que dará trabalho e ira crescer. Faz um bom governo, é graças ao seu desempenho em relação às vacinas, que não temos mais de um milhão de mortos. Certamente, ele irá usar esse trunfo. Moro padece por ter ajudado os investigadores a prender o ladravaz. Ajudar os investigadores a prender o bandido, não pode. Roubar pode! Não há uma inversão nisso?

  13. Moro presidente e Tebet vice, sintonia perfeita. Outra combinação feliz seria Moro presidente e Mandetta vice. Tenho certeza que daria certo

    1. Simone Tebet parece ser uma pessoa maravilhosa, mas ela votou contra o afastamento de Aécio do Senado, na época em que ele foi grampeado pedindo propina pro Joeslley Batista! Então, ela não é confiável, pois protege os corruptos amigos... Moro merece um vice 100% comprometido com o combate à corrupção! #forasimonetebet

  14. Só no Brasil se divulga pesquisa eleitoral antes da definição legal de quem irá disputar as eleições. Moro sem o apoio de um partido grande não se elege, já se o União Brasil, por exemplo, lhe conceder a Vice vencerá as eleições. Por outro lado, penso que só existirão dois motivos para não se votar em Moro: ter um cargo em comissão no governo Bolsonaro ou ter perdido o seu no governo Lula. Que Deus nos ilumine a todos e abraços fraternos em agnósticos e ateus! Namastê!

  15. Só no Brasil se divulga pesquisa eleitoral antes da definição legal de quem irá disputar as eleições. Moro sem o apoio de um partido grande não se elege, já se o União Brasil, por exemplo, lhe conceder a Vice vencerá as eleições. Por outro lado, penso que só existirão dois motivos para não se votar em Moro: ter um cargo em comissão no governo Bolsonaro ou ter perdido o seu no governo Lula. Que Deus nos ilumine a todos e abraços fraternos em agnósticos e ateus! Namastê!

  16. As candidaturas de Simone, Ciro, Doria e que tais, são voos de galinha, só servem para embaçar a campanha do Moro. nao enxergam os índices rasteiros das intenções de voto em seus nomes.

  17. Política aqui no Brasil é negocio! Os "esquerdistas", em geral, na verdade, gostam de vida boa pra si mesmos e fazer populismo com dinheiro alheio seja dos impostos ou roubando mesmo.

  18. DORIA É UM VENCEDOR. Ele sabe analisar o cenário, e já percebeu que infelizmente o mesmo não é bom para ele. O governador de SP formou uma ótima equipe, que acredito, estejam formulando propostas que serão intercambiáveis com outros "players".  O caminho natural dele, será ir junto com o Moro. Bolsonaro já era. Lula será a vitória dos corruptos, dos advogados inescrupulosos e seus juízes comparsas, além de uma visão caquética do mundo e da economia. TEMOS QUE VENCER. Moro 🇧🇷

    1. Doria quando fez o bolsodoria abril espaço para alianças não alinhadas com o psdb , não podendo agora cobrar fidelidade partidaria . SÉRGIO MORO EM 2022 .

    2. Queria Doria por mais um mandado no Estado de São Paulo. As coisas estão complicadas no país, e penso que ele tem o pulso e a energia necessárias a esse momento.

  19. um louco na presidencia, um ex presidiário à frente das pesquisas. o razoável seria o Moro. Afinal, o politico corrupto tem medo do Moro?

  20. MORO FAZ O CORRETO COMO SEMPRE E NÃO ESTÁ INTERESSADO EM NOMES MAS EM IDEIAS PARA COMPOR A SUA CHAPA. SIMONE TEBET OU ALESSANDRO VIEIRA SERIAM ÓTIMAS OPÇÕES MAS ALGUMAS AMBIÇÕES PARTIDÁRIAS ESTÃO IMPEDINDO NESTE MOMENTO PORÉM ATÉ MARÇO ESTARÁ DEFINIDO O QUADRO POLÍTICO PARA OUTUBRO. SERIA BOM A UNIÃO BRASIL APOIAR ESSE PROJETO MAS DENTRO DO PARTIDO MUITOS AINDA ACOMPANHAM A POLARIZAÇÃO E NÃO SERÁ DIFERENTE EM RELAÇÃO A OUTROS ENTÃO OS MESES SEGUINTES SERÃO IMPORTANTES PARA DEFINIR A CHAPA🇧🇷⚖️

    1. Simone Tebet, não! Ele precisa de uma pessoa 100% comprometida com o combate à corrupção, e não alguém que defende corruptos amigos...

  21. Em resumo posso dizer que o Doria já se fudeu desde o começo. Entendo que a estratégia do PSDB deveria ser continuar s incluir o governador Leite nas pesquisas de intenção de voto para mostrar a força que tem. Aí, os números já falarão por si só. O Doria vai ter que desistir de vez, caso contrário i PSDB afunda de vez.

    1. Não se de onde tiraram que o milk boy seria uma boa alternativa, honestidade e bom caráter a maioria dos candidatos da terceira via tem. É preciso capacidade de administrar obstáculos de tamanho gigantescos, seja na campanha ou em um possível governo, com estomago muito forte. Dória tem porque tem um foco absurdo e capacidade gerencial, gostem ou não dele; Moro tem a coragem necessária para um momento como esse, demonstrou isso de forma clara desde o julgamento do petrolão e depois no ministério

  22. ter como opção um ex-presidiário e um futuro, dá bem a medida do povo que os idolatra. povo esse qie merece tudo que passa. lamentável.

    1. Isto me lembra aquela piada em que Deus colocou em cada local um povo que passaria por dificuldades naturais, tais como: terremoto, furacão, enchentes, deserto e pobreza em minerais e área agriculturavel! Porém colocava em cada região humanos competentes e resilientes. No caso do Brasil temos de tudo, porém Deus colocou um povinho de merda!

  23. Hoje estou de alma lavada, vi MORO definitivamente entrando na briga em sua entrevista na Veja e no seu Twitter. Artilharia ele tem de sobra.

  24. MORO e TEBET sem duvida a melhor opcao para uma chapa do Podemos para governar o Brasil e conduzi-lo para a mudanca que o Brasil precisa e merece. Ambos serios, eticos e competentes, certamente darao inicio a virada, tirando a nacao da humilhacao de sempre. NEM PASSADO, NEM PRESENTE, MORO PRESIDENTE SIM.

    1. Joel, procure no Google: "Veja como votou cada Senador na sessão que derrubou afastamento de Aécio". É uma matéria do G1. Você vai ver lá que Simone Tebet votou contra o afastamento dele, deixando-o impune até hoje. Pois, como ele não foi investigado, conseguiu se candidatar a deputado e está solto até hoje, mesmo que tenha sido flagrado pedindo propina a Joeslley Batista! Você quer uma vice que protege corruptos amigos? Eu não quero e creio que Moro também não queira!

  25. O conceito de Terceira Via se perdeu. A ideia era apoiar aquele candidato de melhor posição nas pesquisas. Mas infelizmente nem todos querem abrir mão de sua candidatura. Em especial Dória e Ciro Gomes.

  26. Moro é o meu candidato por representar os valores que prezo, principalmente a honestidade na vida pública, materializado no combate a corrupção que tanto sangra os cofres públicos!!

    1. William, o STF mudou várias jurisprudências que foram usadas na época da Lava-jato pra prender os corruptos e as aplicou retroativamente! Moro não errou em nada! Quem poderia adivinhar que fariam uma cachorrada dessas?

    2. Quem soltou os corruptos foram os ministros nomeados pelos réus. Moro não errou em nada. Precisamos dele na presidência pra recolocá-los na cadeia

    3. Errou em tudo, tanto é que já soltaram todos. juíz que não conseguiu nem sustentar a prisão do maior corruPTo do Brasil.

    1. William ....Bolsonaro ajudou a ressuscitar o Lula ....infelizmente

    2. William.....Bolsonaro ajudou a ressuscitar Lula......infelizmente.

  27. Voto em Moro independente quem seja o (a) vice, mas vejo com bons olhos 👀 uma mulher nessa empreitada. Cheguei a pensar em Janaína Paschoal, embora ela seja de posições fortes…

    1. Nem Janaína, nem Simone Tebet! A primeira é bolsonarista de ocasião e a segunda livrou Aécio de ser investigado! Moro merece um vice como Alessandro Vieira, Deltan Dallagnol, Eduardo Leite ou Santos Cruz. E daí que não usam saias? Vão me representar de todo jeito, pois são pessoas íntegras, honestas e competentes!

    2. É impressionante como a Janaína se apequenou! Ou não tinha caráter mesmo!

    3. Janaína é bolsonarista, uma grande decepção. Ela não.

  28. Os políticos que realmente querem o melhor para o país e principalmente para os brasileiros tão sofridos especialmente depois da pandemia 😷, deveriam se unir ao Sérgio Moro que é a alternativa que se apresenta e tocar o barco de forma unida. Isso sim seria uma união de terceira VIA.

    1. Eu por mim adoro a Janaína e não vejo nenhum mal de ela apoiar o Bolsonaro no que tem de ser apoiado! O problemas de vcs que usam viseira e que o Moro sem jogo de cintura e base parlamentar não vai fazer nada ! Tenho até pena imaginando! O Bolsonaro é um bruto mas com este pessoal que diz que apoia a luta contra a corrupção mas diz conversar com Lula só matando!

  29. Como Juiz, Moro se mostrou sério, honesto e justo. Infelizmente a política se mostra o contrário de tudo isso. Com certeza novos desafios se apresentam ao ex-Juiz.

  30. Políticos viciados mudam com facilidade suas ideologias em função de seus interesses. Dessa forma, se a sociedade tem alguma esperança de mudanças, pode desistir. Ouvi, que os brasileiros deveriam escolher seu candidato pelo Programa que apresentam. Mas parece que o Brasil não interessa ,não é a prioridade . Reclamar depois não resolve.

  31. Em 2022 SÉRGIO MORO “PRESIDENTE LAVA JATO PURO SANGUE!” O Brasil finalmente terá Um Governo Fundado no “IMPÉRIO DA LEI!” Não seremos LUDIBRIADOS com o “Velho Truque de MELHORAS na ECONOMIA!” Triunfaremos! Sir Claiton

  32. Gosto da de uma aliança Moro / Simone, mas também acho bastante viável uma chapa MORO / DÓRIA. O ex-juiz é menos beligerante do que o governador, tem mais condições de atrair votos. Eleitos, Moro nomearia Dória como Casa Civil pra coordenar o governo, alianças, reformas e FIM DA REELEIÇÃO com 5 anos pra Moro. Ao fim, Dória poderia tentar se lançar sucessor de Moro. Se tiver feito bem o seu trabalho estaria eleito. Ambos são novos, têm que pensar estrategicamente e ter paciência.

  33. Ao invés de procurar o melhor, o mais honesto, o mais probo, os presidentes de partido no Brasil fazem alianças tendo por base o desempenho de um candidato nas pesquisas. Jamais teremos um processo eleitoral digno de país desenvolvido. Seremos sempre essa republiqueta de bananas, que é a maneira como o mundo nos enxerga. O que importa é a grana!

  34. . já está claro que a terceira via deve ser Moro que representa o novo ante o desprestígio da pior politicalha do país na história mas erra feio ao atirar a esmo numa situação que sabe bem controlada pela quadrilha e seus tentáculos que darão sua última cartada ... cabe a Moro formatar um projeto de reconstrução nacional iniciando na economia para o mercado interno com uma revisão constitucional levada à aprovação do povo por plebiscito por ser a CF o mal que empodera criminosos contra o povo.

  35. Os partidos no Brasil são apenas gangs organizadas para saquear os cofres públicos. Esta é a única ideologia que os une. O resto é história para boi dormir.

  36. O brazil é tão pateticamente irrelevante que ninguém se interessa pelo que acontece aqui, para os gringos o brazil se resume à floresta Amazônica. O resto é um imenso cabaré de interior (e os gringos ESTÃO CERTÍSSIMOS).

  37. Gosto dessa dobradinha Mora-Simone, seria a mais ética e aumentaria muito as chances. Mas a que eu considero imbatível politicamente é se o União Brasil aderir e colocar o ACM Neto como vice do Moro, em vez do Bivar.

    1. A Simone Tebet livrou a cara de Aécio Neves e o ACM Neto, por melhor que tenha sido pra Bahia, ele é acusado de ter recebido 1,8 milhões da Odebrecht via caixa 2... Gente, antes de apoiar alguém publicamente, pesquisem! Moro merece um vice 100% honesto! Deltan, Alessandro Vieira, Santos Cruz, Amoêdo e Mandetta são boas opções.

Mais notícias
Assine agora
TOPO