AlexandreSoares Silva

Os abomináveis conservadores das neves

21.01.22

Não se deve gostar de políticos, eu sei. Ninguém precisa falar isso pra mim. Durante anos repeti isso como um papagaio anarquista e, apesar de sempre falar isso sem pensar muito, agora que pensei continuo achando a mesma coisa.

Mas o Boris Johnson.Ah, que tem, não vai me falar que você gosta do Boris Johnson.” Meio que sim, meio que gosto. Gosto do jeito tropeçante, do cabelo cor de palha dançando ao vento mesmo quando não tem vento nenhum na sala. Aquele vídeo dele jogando rugby com crianças e jogando um infante brutalmente no chão, caindo com todo o peso em cima, e comemorando depois, é magnífico. E ele é capaz de recitar Homero de cabeça durante longos minutos. Tem um vídeo no Youtube mostrando isso.

A maior parte dos conservadores que leio o odeiam, no entanto. Acusam Boris Johnson de não ser aquela figura do folclore chamada “um conservador de verdade”. Mas acredito mais na possibilidade de avistamentos de abomináveis homens das neves do que na de alguém, algum dia, encontrar um conservador de verdade em algum lugar.

De qualquer forma, eis o que escreveu o jornalista Peter Hitchens:

“A mente de Mr Johnson não é conservadora. Ele é um boêmio do norte de Londres. É rico o suficiente para não entender o quanto as escolas públicas são ruins, e o quanto estão cheias de doutrinação. Desde que era prefeito de Londres, ele se cercou de assistentes que encorajam todo tipo de pensamento vago de esquerda que esteja na moda. Não há nada conservador em Al ‘Boris’ Johnson. É o novo Tony Blair, que sacrificou o país para salvar o Partido Conservador.”

Neste momento, muitos deles estão um pouco menos infelizes, agora que Johnson anunciou o fim da obrigatoriedade das máscaras e do certificado de vacinação. “Vamos restaurar nossas antiquíssimas liberdades. Vamos confiar no julgamento do povo inglês,” disse Boris Johnson. “Somos os primeiros a emergir da onda da Ômicron.”

Boris Johnson talvez só esteja fazendo isso para sobreviver, depois de ter a sua posição abalada pelo escândalo das duas festas de que fez parte. Talvez caia de vez. Por mim, tanto faz. De vez em quando vou pegar aquele vídeo dele recitando Homero para me inspirar a estudar grego. Não preciso que ele esteja em Downing Street. Minha simpatia por ele não vai até o ponto um pouco tolo de torcer por ele como político.

Mas o meu espanto é se ele cair por essas festas mesmo. Pessoalmente estou sofrendo aqui pensando que em breve não vou ter mais desculpa para recusar convites, e Boris Johnson vai em duas festas quando toda a sua sobrevivência política depende de não ir a festas. Não era melhor ir pra casa mais cedo, ler Homero, ver um filme, beber Jerez vendo MasterChef? Deve ser muito bom estar tão à vontade no mundo em que você arrisca a sua carreira pra ir a uma festa, porque estar vestido formalmente na frente de semidesconhecidos é mais agradável pra você do que ir pra casa botar uma calça de moletom.

Nunca entendo o motivo de as pessoas saírem de casa. Suponho que tenham casas ruins. Aquela multidão de pessoas na avenida, paradas, vendo teatro de rua ou coisa que o valha, todas com casas ruins. Aquelas pessoas paradas no shopping vendo a tevê que fica na vitrine, o que diabos é aquilo? Amundsen e Scott e sei lá mais quem atravessando o polo norte de lá pra cá – só porque tinham uma biblioteca ruim em casa. Se tivessem as obras completas de Simenon não fariam isso. Na verdade um simples site de compartilhamento de torrents teria evitado o afundamento trágico do Shackleton.

***

Sobre o artigo do Antônio Risério na Folha desta semana, que causou tanta celeuma, bulha, alarido, banzé, matinada, barafunda, zaragata e quiproquó, com carta aberta contra, carta aberta a favor (assinei, embora ache cartas abertas sempre um pouco bregas), o que me pergunto é: por que tanta vontade de defender que uma opinião negativa sobre uma raça específica não pode ser racismo? Não seria mais fácil voltar a não enxergar cor de pele, como fomos ensinados a fazer quando crianças? Não seria mais fácil dizer “sim, pode haver racismos de todos os lados; isso é ruim, e devemos combater isso“?

Seria facílimo. Difícil é manter o oposto. Imagine a quantidade de energia mental necessária para se enfiar em explicações convolutas do tipo “racismo reverso”, “racismo estrutural” etc, que só enganam de verdade alguns poucos ingênuos. A energia mental dispendida por uma única pessoa para acreditar que racismo só existe se for cometido por um opressor contra um oprimido seria capaz de manter uma cidade iluminada por 50 anos. Mas mesmo assim muita gente está lutando com grande tenacidade pelo direito de as pessoas continuarem vilipendiando uma raça específica.

Por quê? Por que não abrir mão de todos os racismos? Esse apego ao direito a um racismo específico quase dá a impressão, em alguns momentos, de que o racismo deve ser muito agradável para a pessoa que o sente, e que abrir mão dele custa tanto quanto abrir mão de carboidratos.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Essa parte de não sair de casa me identifiquei, é muito chato esse exibicionismo vazio de quem considera lugares o máximo de uma vida.

  2. Boris Jonhson fez lembrar a juventude quando se faz algumas “artes” e hoje me indago: fiz aquilo mesmo? A diferença é que ele fez bem mais velho.

  3. Excelente texto! Finas ironias! Há um ponto de conexões em suas e as do Diogo (janela com vista). Sair de casa para quê? Mainardi disse que ocupa só 40 metros quadrados de sua casa com vista para o Canal Grande! E que nem sai de casa há cerca de 40 anos! 40 anos de quarentena. Acho que tenho mais tempo de “não-rua” do que ele. De modo geral, não gosto de gente. Gostar é criar expectativas que nos frustram. Melhor ficar olhando pela janela, onde o poente é mais certo que o nascer!

    1. A palavra DISPÊNDIO gera essa confusão. Até fui conferir no dicionário e você está certo.

  4. 👏👏👏👏👏👏👏👏👏 Brilhante, como sempre! A Crusoé é mais que uma ilha, é um oásis nesse mundo em frangalhos!😍

  5. Quando se souber que um desses racialistas perderia seu emprego, seu nome ou sua história se mudasse suas teses, é hora de desconsiderá-lo. Não é amigo da verdade. É apenas mais um vaidoso.

  6. Muito bom texto. Para um país que tem um cretino como o Paulo Freire como Patrono da Educação, só poderia dar nisto, dividir a sociedade em opressores e oprimidos. Mas precisamos mudar. Oh sim porra, precisamos mudar. Mas não nos enganemos. ISSO NÃO. Nem toda mudança é boa. Michael Jackson por exemplo. Quis ficar branco e ficou pior.

    1. Prince Rogers Nelson - PRINCE -, foi o Michael Jackson com talento. Em suas 'mudanças', nunca o vi pela cor. O mesmo também não se coloriu. Usou cabelo Black Power etc.

  7. Pergunta, quem quer derrubar o Boris Johnson? Ninguém é perfeito, agora vamos encarar política sem radicalismos da era pandêmica. Monte de analfabeto na TV falando em ciência!

    1. Por ter tirado a inglaterra da uniao europeia? As coisas estao complicadas desde o Brexit

Mais notícias
Assine agora
TOPO