Reprodução e Luciano Claudino/FolhapressJoão Doria: sua pretensão de concorrer ao Planalto não deve sobreviver a esta semana

O vídeo da discórdia

Quase quatro anos depois, e em pleno ano eleitoral, a Polícia Federal ressuscita a gravação de uma orgia associada a João Doria. Pré-candidato à Presidência, o governador paulista reage acusando a corporação de tentar atingi-lo politicamente
11.03.22

João Doria havia reservado a última terça-feira, 8, para tocar uma agenda cheia em Brasília. Prestes a deixar o comando do estado de São Paulo para se lançar definitivamente na disputa pela Presidência da República, o governador embarcou cedo para a capital federal para uma série de encontros políticos relacionados às eleições deste ano. No meio do dia, o roteiro teve de ser interrompido. Doria foi surpreendido com o ressurgimento de um caso rumoroso que havia sacudido sua última campanha, às vésperas do segundo turno. Como revelou Crusoé naquela tarde, com um estranho atraso de quase quatro anos, a Polícia Federal dera um passo importante na investigação do vídeo com cenas de uma orgia sexual associado ao tucano, em 2018. Um inquérito instaurado naquele ano, a pedido do próprio governador, que queria a apuração do crime de “difamação eleitoral”, se transformara em um possível foco de problemas meses antes da corrida presidencial.

A reportagem mostrou que, em janeiro deste ano, a PF concluiu um laudo pericial no qual descarta ter encontrado “sinais de adulteração” no vídeo que viralizou nas redes sociais durante a campanha. A conclusão dos policiais se choca com a versão apresentada por Doria à época – ele havia dito que se tratava de uma montagem. Além disso, o delegado do caso chamou para depor uma assessora parlamentar apontada como uma das seis mulheres que aparecem no vídeo com um homem com feições semelhantes às de Doria. Inconformado com o ressurgimento do caso, o governador enviou a Crusoé uma dura nota acusando a PF de usar o caso para “propósitos políticos” às vésperas da campanha presidencial. “É revoltante que a Polícia Federal não tenha investigado os autores do crime em 2018. Agora, quatro anos depois do episódio, utiliza essa fake news não para elucidar o caso, mas para atingir a vítima desta armação sórdida”, afirmou. Procurada, a PF não quis se manifestar sobre as declarações do governador.

Enquanto Doria seguia em Brasília, onde teria encontros com parlamentares do Cidadania, partido que topou formar uma federação com o PSDB, em São Paulo o delegado encarregado do caso tomava o depoimento da mulher de 41 anos que seria uma das participantes do filme da orgia, gravado na noite de 11 de outubro de 2018 e vazado pelo WhatsApp cinco dias antes do segundo turno da eleição em que Doria derrotou por uma pequena vantagem de votos o então governador Márcio França, do PSB. A mulher em questão trabalha no gabinete de um parlamentar aliado de João Doria. O nome dela surgiu no inquérito depois de ser levado aos policiais pelo vereador paulistano Camilo Cristófaro, correligionário de Márcio França e desafeto do governador.

Divulgação/Governo de São PauloDivulgação/Governo de São PauloDoria acusa o ex-governador Márcio França de disseminar o vídeo, que, garante, é produto de fraude
Diante do delegado Leonardo Henrique Rodrigues, na sede da PF em São Paulo, a assessora parlamentar assistiu aos dois trechos vazados da gravação antes de responder às perguntas – basicamente, se havia participado da orgia e se conhecia o homem ou alguma das mulheres que aparecem nas imagens. Ela negou tudo. A mulher também foi indagada se sabia quem havia gravado o vídeo e, depois, distribuído as imagens nas redes sociais. De novo, respondeu que não e foi liberada. O depoimento durou cerca de trinta minutos. Caso confirmasse sua participação no convescote sexual, Doria estaria diante de um embaraço que iria bastante além das questões privadas do enredo rocambolesco: teria, no mínimo, que explicar por que uma das mulheres do vídeo está aboletada no gabinete de um aliado seu, com salário de 14,8 mil reais bancado pelo contribuinte.

O depoimento da assessora não foi suficiente para dirimir as interrogações que continuam cercando a trama – as dúvidas envolvem desde as razões pelas quais a PF ressuscitou o inquérito tanto tempo depois, e às vésperas da corrida presidencial, até suspeitas sobre a possível manipulação de testemunhas com a finalidade de esconder a história por trás da gravação. O próprio depoimento da assessora é um exemplo do quão tortuosa é a trama. Horas antes de depor, a equipe que a acompanharia no interrogatório foi trocada, e por circunstâncias ainda não esclarecidas. O novo defensor disse ter sido indicado por um colega cujo nome não quis revelar. Ele negou ter relação com políticos citados na história.

O delegado do caso pediu, e o setor de perícias da PF analisou o vídeo. No laudo, perito afirma que não encontrou sinais de adulteração
Com péssimo desempenho até agora nas pesquisas de intenção de voto, João Doria tenta se viabilizar como o candidato da terceira via para romper a polarização entre o presidente Jair Bolsonaro e o ex-presidente Lula. “Não me intimidei na época desse crime e não me intimidarei com essa tentativa rasa para prejudicar a minha pré-candidatura”, afirmou o governador. Embora tenha se perdido no caótico noticiário político brasileiro, em que uma confusão rapidamente anula outra, a acusação de Doria de que a Polícia Federal — subordinada a seu rival e inimigo político Jair Bolsonaro – está atuando para prejudicá-lo eleitoralmente se reveste de enorme gravidade. O silêncio da PF ante a declaração do governador contribui para alimentar as suspeitas. Uma das questões que carecem de resposta é exatamente por que o inquérito aberto em 2018 passou a ser conduzido com celeridade a meses da eleição presidencial.

O inquérito, ao qual Crusoé teve acesso, já passou pelas mãos de cinco delegados da Delinst, a delegacia que apura crimes eleitorais, de fake news a caixa dois de campanha. Trocas na condução de inquéritos costumam atrasar investigações. No início, a PF ouviu um agente de trânsito de São Caetano do Sul, na Grande São Paulo, que foi denunciado por compartilhar o vídeo da orgia em um grupo de WhatsApp de apoiadores do presidente Bolsonaro no mesmo dia em que as cenas viralizaram. Depois, os policiais chegaram a buscar informações, inclusive com os advogados de Doria, sobre quatro homens que foram presos colando cartazes com ataques a Doria em razão do filme. Alguns depoimentos – como o de Camilo Cristófaro, o vereador que levou para o inquérito o nome da assessora ouvida nesta semana – foram adiados mais de uma vez por causa da pandemia.

Em 2018, durante a campanha, Cristófaro explorou largamente o vídeo em suas redes sociais, para tentar minar a candidatura de Doria. O fato foi usado por Doria como argumento para acusar o ex-governador Márcio França, do mesmo partido do vereador, de estar por trás da suposta “fake news“. O governador disse ainda que França, seu ex-aliado, é um “desqualificado completo”. Em resposta, França, um dos artífices da filiação de Geraldo Alckmin ao PSB para ser vice na chapa de Lula, moveu um processo contra Doria por calúnia. Nesse vai e vem de acusações, o rumoroso vídeo da orgia tende a seguir movimentando o submundo da política.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Não é à toa q o Romeu Tuma Jr escreveu "Assassinato de Reputações - Um Crime de Estado". Exatamente disso é q se trata. O ser humano, principalmente o masculino (?), é nojento. Pelo poder mata, rouba, injuria, mente, acusa sem provas, livra bandidos da cadeia tb sem provas. As provas do q estou falando estão todas aí: Executivo na pessoa do Boçal, 99% do Congresso, 80% do Judiciário, 99% dos q querem ser como os antecessores na pessoa do Luladrão, o Putão russo, o balofo norte-coreano, King Kong

  2. Uma coisa é certa, João Dolar não é meu candidato. Mas, convenhamos, na edição passada a Crusoe mostrou como ex delegados da PF estão sendo congelados e substituídos por outros com interesses interligados ao JB. Sendo assim, não posso tirar a razão dos argumentos do Doria, de que tudo é armação

  3. Ué, os adversários vivem criticando o Dória pela calça apertada e agora o acusam de participar de orgias?! Não é meu candidato, mas estou certo de que sob sua administração nosso País daria um salto em desenvolvimento. Fora Lula / fora Bolsonaro! ...

  4. Lamentavel que assunto tao despresivel e particular seja explorado politicamente e sobretudo ser capa da Crusoe que sem duvida tem outro nivel, imagino. Isto nao passa de fofoca da rua do vai quem quer, existente em cidadezinhas pacatas dos interiores do Brasil, bregas por escelencia. Me entristece tal destaque sobre assunto tao vulgar. Vamos melhorar a qualidade do conteudo jornalistico, permita-me. MORO PR e Jair, Luladrao e sua quadrilha na cadeia ja.

    1. Só para mostrar que Crusoé também é cultura: aprenda a escrever "Desprezível" e "Excelência". Mas, voltando ao assunto principal, Os temas discutidos nem sempre podem interessar, mas você não é obrigado a ler.

  5. Uma matéria digna de horário nobre nas redes Record e TV. Que pena que uma revista como a Crusoé se preste a um papel desses! Lamentável! Me lembrarei dessa matéria na hora da renovação da assinatura.

  6. Uma critica construtiva a Crusoé e seus editores: a matéria não merece ser capa por sua irrelevancia. Gosto muito das matérias da revista, mas essa é totalmente sem sentido e importancia!

    1. O uso das instituições para perseguir candidatos a cargos eletivos não é relevante? Só esse ano foram três: Moro, Ciro e agora, Dória. A PF, em 2 casos (Três, se contarmos a "carta da PF" contra Moro).

  7. Submundo..escória..lama.moderna mundo enfrentando caos e guerra.me estes políticos de sarjeta jogando lama uns nos outros...VÃO TRABALHAR,VAGAMUNDOS!

  8. Crusoé cadê o meu comentário. Foi o primeiro por volta das 06 da manha! Não vou repetir mas apenas critiquei o baixa relevância da matéria para ser capa da revista.

  9. me esclareçam por favor...tinha algum ou alguma menor de idade neste video? se não tem não tem o por que a PF estar envolvida nesta investigação.. aliás tem muitos outros casos escabrosos que mereciam a atenção da PF, principalmente dos dois presidenciais que figuram no topo

  10. Esta é a face mais nojenta do submundo da política. Desviam as atenções dos eleitores para histórias criadas exclusivamente para denegrir a reputação dos adversários. Coisas da politicalha barata. E o pior é que tem gente que acredita nessas imundícies. VOTO FAXINA, minha gente! Precisamos implantar a decência no mundo político. Sem renovação não há solução! Moro Presidente e renovação no Congresso Nacional! Esse passo precisa ser dado agora, nas eleições gerais de 2022!

  11. o Doria tinha que ser muito burro para participar numa orgia dessse tipo. Acho que é tudo armação

  12. só idiotas ignoram que ao redor do poder existe o dinheiro, sexo e drogas em profusão e isto vem de longe ... no caso o patricinho vai adotar o pseudônimo João Bolsonaro ou João da Silva e tentar reeleição ou o Senado? sujeitinho medíocre ridículo.

  13. A atual PF não merece crédito nenhum, confiabilidade ZERO! Todavia, se for verdadeiro, me pergunto: E DAÍ?!

  14. Como dizia Platão: a função dos políticos é assaltar os produtores, desviar o máximo possível para si e distribuir as migalhas para o resto.

  15. Eu não vou votar em Dória, vamos no real. Meu voto é Morista, mas está campanha armada contra Dória é nojenta. Primeiro que mesmo que fosse ele o problema seria da família. Segundo, o fato do vídeo não ter sido adulterado não quer dizer nada. O vídeo é tão propositadamente de péssima qualidade que não dá para identificar nenhum dos participantes. Terceiro, ao contrário do que é sugerido no início da reportagem a assessora negou tudo. Típico caso de "framing".

    1. Também não voto em Doria, mais é lastimável que a PF, que tanto trabalhou pelo país na época de LavaJato, tenha deteriorado tanto.

    2. Concordo. a delinquência moral, parece não ter mais qualquer limite.

  16. A versão é sempre mais forte que a realidade. E o povo brasileiro gosta de barrado. Mas, mesmo considerando o vídeo verdadeiro, o máximo que conseguem dizer de Dória é que ele seria um devasso sexual? Melhor que ser um que roubou e outro que nada fez além de passear e gastar rolos de grana pública, além de "proteger" família e amigos.

    1. Maria, não seja ingênua, os políticos neste País estão o tempo todo com as mãos dentro dos nossos bolsos. Com raras exceções, não passam de uma súcia de canalhas que vivem às custas do roubo que perpetram 24 horas por dia contra os interesses do povo trabalhador pagador de impostos.

  17. A Crusoé precisa decidir se Doria é homo-calça apertada engomadinho ou o garanhão paulista! As duas coisas não dá! Por favor, menos!

  18. Acho q é + um caso da PF do Bolsonaro mesmo, muito difícil dar crédito. Em todo caso, se a história fosse verdadeira, mas o Dória tivesse feito um governo realmente bom, votaria nele c ou s vídeo (a alienada aki nunca viu, então, perdão se ele contém algo terrível...). Só q o governo dele é medíocre (e tem aquela pulga atrás da orelha c o escritório chinês, a alienada aki ñ sabe se essa história foi esclarecida...). Penso q são crimes bolsonaristas como foram os crimes lulistas. Mas Dória, ñ dá!

  19. Alberto (Belém-Pa). Doria deveria conter essa sua ambição de ser presidente, pelo menos por enquanto, e tentar a reeleição para o governo de São Paulo, que seria bem provável. Enquanto isso, trabalharia para minar a reeleição do famigerado mentecapto à presidência da República, para evitar que o Brasil corra o risco de ser desgovernado pelo pior presidente da República da história do Brasil por mais 4 anos. #BolsonaroNuncaMais #ForaBolsonaro

    1. A mesma sugestão de Bolivar Lamonier no Estadão. Seria mesmo Boa idéia, mas será que ele conseguiria isso, tendo em vista e rejeição que ele tem? em

  20. Pf está p investigar todos q forem contra Bolsonaro Empresário político quem for Bozo tem pf p ferrar a concorrência

  21. Isso parece o dossiê que o pt inventou contra o Serra! Pq Doria pediria investigação se o video fosse verdadeiro? A “moça” confirmou a sua participação na festa? Ela é garota de programa?

  22. A PF do B ainda vai atormentar muito a galera da terceira via. Aguardem. Huguinho, Zezinho e Luisinho Bolsonaro, ainda vão brincar muito sob os olhos do papai.

    1. Tem relevância sim. Mostra o uso da PF na política e deixa claro quem é o Márcio França que negociou com o PT para ter o Alkimim como vice.

    2. Relevantíssima a matéria. Mostra o submundo da política bananeira, envolvendo um órgão de Estado, outrora digno de orgulho e respeito.

    3. Você perdeu o ponto. Deixa soletrar para você: uso da PF para perseguir os inimigos. Tipo Gestapo. Hoje é o Doria, amanhã você. Entendeu agora?

  23. Que baixaria que fazem com o dinheiro do povo. Uma p de uma sacanagem. E esse Dória nao engana, é um grande oportunista; só se passou por defensor da ciência por causa do jumento que estava na presidencia combatendo a Ciencia dia e noite. Entao, bastou o Doria repetir "Ciencia, ciencia, ciencia" e acabou se passando, oportunamente, por arauto da ciência.

    1. Bozistas partilham do mesmo dna dos petistas, não é a toa que sempre votam juntinhos, tanto para atacar os inimigos comuns quanto para defender as causas que interessam somente aos corruptos.

Mais notícias
Assine agora
TOPO