AlexandreSoares Silva

A direita burra

18.03.22

Por patético que seja, esse episódio da indignação contra o filme do Danilo Gentili, Como se Tormar o Pior Aluno da Escola, serviu pelo menos para que eu parasse pra pensar em uma coisa na qual geralmente não presto atenção nenhuma: a direita burra.

Nunca comentei o assunto “direita burra” antes, porque não tem custo social nenhum. Não vou perder o emprego por falar mal da direita burra, nem ninguém nas festas que frequento vai me atirar um copo de espumante na cara. Como não tem custo social nenhum, é um pouco covarde fazer isso.

Mas hoje, neste momento, sei lá. A tentação é grande demais.

Grande parte da própria direita fica o tempo todo apontando para a parte mais burra da direita e zombando dela. “A direita é burra.”

Claro que a direita é burra. A burrice da direita é justamente o seu charme. Sempre foi. A direita sempre foi o comum da humanidade, a ralé, os simples, os simplões, os simplicíssimos. Sempre foi o ser humano que justamente por ser bem pouco instruído não cometia os erros dos apenas levemente mais instruídos, e, pelo contrário, era guiado pelo mesmo instinto natural infalível que guia os rabanetes e as chicórias, e impede as hortaliças de cometerem tolices e os nabos de aderirem a ideias evidentemente absurdas.

Deus protege os realmente burros das ideias venenosas, do mesmo jeito que protege os cavalos marinhos do socialismo fabiano ou os texugos da identidade de gênero. Olhar para a direita com zombaria e chamá-la de burra é a mesma coisa que ir ao zoológico, parar na frente da jaula do leão marinho e ficar chamando ele de burro, na frente da família de leões marinhos. Imagine alguém que se sentisse feliz por ser mais inteligente que uma lontra. Imagine alguém que risse de uma pomba porque ela não consegue conjugar os verbos do português direito. Que espécie de degenerado faria isso? De modo que até hoje me recusei a zombar da direita burra.

Meu cachorro às vezes rosna para os cachorros que vê na tevê. Ele confunde, portanto, a representação de algo com esse algo, exatamente como o secretário especial de Cultura do governo federal Mario Frias e o pastor Marco Feliciano. Mas existe algo pouco natural na burrice desses dois do qual o meu vira-lata caramelo é incapaz. Depois de algum tempo rosnando para o cachorro na tela, o meu cachorro relaxa e deixa de prestar atenção. Ele não fica dias inteiros indignado com a presença de um cachorro num filme. Mas a burrice da direita brasileira é reforçada por fingimento: são burros, mas também fingem que são burros. Eles acham que o filme do Danilo Gentili tem uma cena pró-pedofilia, mas ao mesmo tempo estão fingindo por motivos políticos que acham isso. É um paradoxo, mas eles realmente acham e fingem que acham ao mesmo tempo. São hipócritas sinceros. É um fenômeno estranho, uma nova mutação da burrice na natureza, o burro que acha que precisa fingir que é burro para sobreviver no seu habitat.

É engraçado ver os pecados mais abominados por cada lado ideológico. Cada um escolheu um pecado específico para odiar mais. Ou talvez não tenham escolhido, sortearam. Tiraram o resultado de um saquinho de estopa. Mas o fato é que a direita abomina a pedofilia acima de tudo, e a esquerda o que ela considera uma heresia no momento.

A direita abomina a pedofilia. Está certa nisso, obviamente, e só a impossibilidade total de dizer com a cara séria que a esquerda abomina a pedofilia já é uma condenação contra a esquerda. Se eu dissesse que a esquerda se caracteriza por odiar a pedofilia, tem alguém que não riria?

Mas a consequência disso é que a parte burra da direita (praticamente todo mundo menos eu e uns amigos) vê pedofilia em todo lugar, inclusive e principalmente na representação artística ou piadística da pedofilia. Já a esquerda, que às vezes parece condenar a pedofilia de modo perturbadoramente ambíguo, e só parece ser capaz de condenar de modo descomplicado o relacionamento de mulheres de 20 ou 30 anos com homens mais velhos, também confunde a representação artística de algo com esse algo. Mas não no caso de pedofilia, isso jamais; isso seria filistinismo. Só no caso de racismo e sexismo.

Para eles, um filme que tenha um personagem racista é um filme racista; e se, em um livro, um autor colocar na boca de um personagem racista as palavras que um personagem racista usaria, esse autor é racista. São Marios Frias do racismo, e Marcos Felicianos do sexismo.

São um pouco (muito, muito pouco) mais instruídos que a direita burra. Fazem mestrado, doutorado etc., ou pelo menos pensam em fazer. Mas esse muito pouco a mais de instrução que recebem só serve, afinal, para que aceitem com facilidade e mansuetude ideias tão loucas e cretinas que não enganariam a direita burra nem por um segundo.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Aliás, esse problema da arte fingida, isto é, fingir que é arte que se passa por ruim (quando de fato é ruim) mas aí se satiriza e se infiltra no mundo das artes, por meio da falta de talento fingindo que está fingindo que não tem talento, como quem saberia pintar o que de fato não sabe, ou da pedofilia se disfarçar na comédia, ou da violência se passar por gratuita para ocultar a intenção de implantar a passividade do mundo frente à violência, ... enfim, não vi o filme do Gentili e não gostei.

  2. Caro Alexandre, esse governo e seus asseclas são estúpidos e boçais. Mas é bom reforçar que foi a arrogância e a soberba dos intelectualóides de esquerda uma dos fatores motivadores do antipetismo. Quem corre o risco de tomar uma "taça de espumante na cara" não se preocupa muito com a maioria que toma um gole de pinga no "buteco do Tião". Burrice, meu caro, é não levar o conhecimento a uma sociedade democrática e, com isso, padecer com suas escolhas. a direita é burra, mas a esquerda é arrogante

  3. Alguns comentários aqui demonstram a qualificação intelectual de quem opina. SÃO BURROS SECTÁRIOS. MORO NA PRESIDÊNCIA, já.

  4. EM RESUMO, O COLUNISTA APOIA A PEDOFILIA PRECONIZADA PELO DANILO GENTILI E PELO ATOR QUE PROPÔS AOS GAROTOS BATEREM UMA PUNHETINHA PARA O TITIO?

    1. Vc que tem filho menor em idade escolar de primeiro e segundo grau, poderia aproveitar a grande oportunidade de colocá-lo para estudar com Danilo Gentile e Marcelo Adenet . "PROFESSORES SUPER DECENTES"! Este é o Brasil que queremos?

  5. Natural Born Killers, do Quentin Tarantino, dirigido por Oliver Stone, não mudou nada em minha burrice. ... Basic Instinct, com a Bela Sharon Stone, não me transformou num Michael Douglas. ... Tenho NOJO de todos esses "nobres" de todos os lados, cheios de clichês, iChics. ... Pare de rir, Anne Frank !!

  6. Essa polêmica criada pelo secretário da cultura só me fez querer assistir o filme do Gentili. Antes nem sabia que existia. O tiro saiu pela culatra

  7. "São burros e também pensam que são burros". Eu pensei em algo assim, mas não teria a capacidade de expressar essa observação com mestria com que você expressa. No máximo consegui rosnar e latir como o Caramelo. Parabéns pela coluna.

  8. Sem dúvida tem a direita burra,principalmente essa q aí esta,q defende esse governo q aí esta ,como sendo de "direita"(tipo a direit do FHC),a direita da tucanadado partido "social,a unica bandeira da direita ainda de pé desse governo é a armamentista(na qual sou solidário);de resto é um governo com as mesmas pautas,cacuetes e nuances do socialismo!Ah,tem a questão da religião também,mas essa é como da esquerda,só hipocrisia e oportunista,como os muitos afrente as igrejas!KkkkEsse Brasil,sei não

  9. Texto excelente! Resume muito bem o papel em que cada ator se insere em qualquer contexto ou época, a cada marola ou onda da história (cada indivíduo é um artista, bom ou ruim de arte, em busca de um método de representação ou atuação que o torne aceito em algum grupo, ou gangue, no sentido do terceiro degrau de Maslow, e pode ser banqueiro, ou sem-teto, ou sexista, ou filmógrafo, ou celibatário, esse último o modo mais confortável de viver a vida), enfim, voei alto com esse texto!

  10. A direita é burra por ser a pessoa de direita burra. O problema é a esquerda burra com mestrado, doutorado q se acha superior aos demais mortais. Defende a melhor distribuição de renda porém sem q se mexa na renda dela É só ver os doutos professores das IFs. Q defendem um estado socialista. Mas sem lhes tirarem quaisquer dos seus privilégios. Até mesmo nos próprios titulos. O reitor é o magnífico. E ser doutor ou mestre é o mesmo q ser general ou Coronel.

  11. Eleições no Brasil de 2022: Putin X Putin. Os dois candidatos mais votados nas pesquisas apoiam Putin. A burrice chegou pra ficar.

  12. Será assim até as eleições. Carluxo como marqueteiro fazendo todo o absurdo para defender seu Paipai, e garantir a continuidade da mamata.

  13. Baseada neste caso do filme eu imagino o que estará por vir ainda. A máquina do Estado e o Carluxo como marqueteiro, vamos ver uma baixaria atrás da outra nessa campanha da direita burr.a. Pior, e os fanáticos? Vão apoiar?

Mais notícias
Assine agora
TOPO