Carlos Fernandodos santos lima

O apagão do combate à corrupção

01.04.22

O Brasil vive um completo apagão institucional, ético e jurídico desde a reação do Congresso Nacional em 2018, comandada por Rodrigo Maia, contra as revelações da operação Lava Jato, especialmente no que diz respeito ao combate à corrupção. Não há mais, principalmente por alguns dos ministros do STF e parlamentares, qualquer pejo em decidir contra as leis e a Constituição. Vivemos um tempo de insegurança jurídica, perseguições e puro exercício de poder político, mesmo que contra a própria Constituição.

Assim, quando perguntado sobre a existência de mais ou menos corrupção no atual governo, a única resposta honesta que posso dar é a de ser impossível saber, pois, se na época dos governos Lula/Dilma havia instituições independentes, capazes de jogar luzes sobre o que acontecia dentro do governo de coalizão PT/Centrão, hoje quase todas as luzes foram apagadas, restando uma penumbra em que apenas vislumbramos sombras do que acontece.

Essas sombras, entretanto, não podem ser minimizadas. Se o lugar comum que nos diz que “onde há fumaça, há fogo” é verdadeiro, não há como negar a existência de corrupção no governo Bolsonaro diante de tantos espectros na escuridão. Basta lembrarmos o escândalo das vacinas, envolvendo o líder do governo na Câmara dos Deputados, o deputado federal Ricardo Barros, do PP — em plena pandemia, com mortes de milhares de brasileiros, noticiou-se haver uma organização criminosa agindo diretamente no governo federal para a aquisição por preço superfaturado de vacinas de fornecedores indianos.

A corrupção noticiada no governo Bolsonaro não envolve apenas as políticas de saúde pública, mas agora também outras áreas, como vimos com a exigência de um pastor de recebimento de barra de ouro para abrir portas no Ministério da Educação. O mandamento do “não roubarás” para esses religiosos parece não valer quando a vítima é a “viúva” – se bem que não posso dizer que não haja essa mesma conduta de pastores inescrupulosos com fiéis mais incautos. De qualquer modo, para quem paga, conseguir uma verba do Ministério da Educação é mais garantido que um lugar nos céus. Lord Hailsham, veterano político britânico, já ensinava que “a introdução da paixão religiosa na política é o fim do político honesto, e a introdução da política na religião é a prostituição da verdadeira religião”.

Diante dessas sombras e da ausência completa das instituições, é perfeitamente compreensível que tenhamos uma piora significativa da expectativa da população a respeito do crescimento da corrupção, como comprova a pesquisa do Datafolha divulgada nesta última terça-feira, dia 29, segundo a qual 53% dos brasileiros afirmam que haverá mais corrupção daqui para a frente. Como sabemos, expectativas sobre o futuro são baseadas na percepção do passado recente, e, nesse quesito, o governo Bolsonaro se assemelha aos escândalos dos governos Sarney e Collor, com sua corrupção atomizada em diversas organizações criminosas compostas por pequenos patifes aproveitadores.

Evidentemente não se trata da corrupção organizada e tabelada que o Mensalão e a operação Lava Jato encontraram no governo petista, e nem mesmo a corrupção dirigida por grandes caciques partidários em seus feudos em ministérios e estatais, mas sim de uma corrupção de pequenos aproveitadores organizando-se com outros aproveitadores elevados à condição de líderes ou ministros. Trata-se de uma corrupção pequena e disseminada do baixo clero, sem o DNA das altas cúpulas partidárias.

Hoje em dia, os líderes do Centrão nem precisam mais dessa corrupção desorganizada e canibalesca da Nova República, pois conseguiram legalizar o poder que o acesso ao dinheiro público lhes dava, antes pelo uso de práticas corruptas, agora com o controle do orçamento e do sigilo do apadrinhamento das destinações de verbas. A corrupção noticiada nos Ministérios da Saúde e Educação é a corrupção das rachadinhas e dos pastores, e não a dos tesoureiros dos partidos e dos caciques partidários como na era PT.

Mas isso não torna a situação de hoje melhor do que a anterior. O que fica certo é que estamos diante de um descontrole sem igual do uso do dinheiro público no país. O governo Bolsonaro esconde-se no sigilo dos seus cartões corporativos, o Congresso Nacional distribui dinheiro sabe-se lá como e toda uma malta de pequenos ladrões e estelionatários orbita nos gabinetes de Brasília, à procura de oportunidades de roubar mais. E não se espere que a situação melhore agora, pois não há interesse real em se coibir esses esquemas em pleno ano eleitoral.

Entretanto, se não podemos saber se a corrupção atual é maior que nas gestões Lula/Dilma, a situação de hoje é infinitamente pior no que se refere ao seu combate. Naquele tempo tínhamos instituições que se demonstraram corajosas no enfrentamento do poder político. Talvez tenha sido uma coragem vã de centenas de policiais, promotores e procuradores, juízes e outros funcionários públicos, que acreditaram que o Brasil vivia um período de estado de direito pleno, onde a lei, apesar de nosso passado patrimonialista e dos interesses complexos a envolver o público e o privado, valeria para todos. Infelizmente isso se demonstrou falso, o que resultou no atual estado de coisas, com a polícia instrumentalizada, o Ministério Público violentado e o Judiciário em crise diante da vexaminosa atuação de alguns ministros nos Tribunais Superiores. As luzes que a Constituição Federal de 1988 acendeu para proteger o patrimônio público e o cidadão estão apagadas.

Nesta escuridão institucional e social em que vivemos, uma verdadeira “Idade das Trevas” em que a ignorância repetida mil vezes tem mais valor que a ciência, em que “mecanismos de busca” substituem a busca pela educação e pelo conhecimento e em que a imprensa deixou de ser crítica e investigativa da verdade, mas se tornou em repositório acéfalo de versões em conflito, pouca esperança se tem em uma mudança de curto prazo. Além disso, a mecânica maniqueísta da disputa Bolsonaro/Lula para a presidência da República não traz qualquer indicativo de melhora, pois aos dois não interessa o retorno da institucionalidade.

Primeiro, porque o atual presidente nunca teve qualquer apreço pelo combate contra a corrupção. Bolsonaro foi apenas um arrivista que vislumbrou a oportunidade de se fantasiar de um outsider da política e surfar na onda de indignação contra a corrupção descoberta nos governos petistas. Mas Bolsonaro, com seus quase trinta anos de vida parlamentar, com os filhos encarapitados em outros cargos parlamentares, é tudo exceto um outsider.

Toda a sua família é de pequenos políticos que viveram suas vidas nas bordas do sistema, seres marginais dentro dos parlamentos, cuja única fonte de receita, além das honestas, parece ser a rachadinha do salário de seus servidores, fantasmas ou não, e uma relação muito próxima com milicianos. Além disso, não bastasse seu desprezo pelas instituições, hoje Bolsonaro é refém do Centrão, que encontrou nele o candidato perfeito para transformar nosso presidencialismo de coalizão em um parlamentarismo de cafetões.

Com Lula não será diferente. O que ele pretende certamente é reinstituir uma coalizão, como no seu governo anterior, em que os partidos periféricos que o apoiavam mendigavam verbas/propinas rigidamente controladas, distribuídas ou autorizadas pelo Partido dos Trabalhadores. Entretanto, hoje, Lula certamente verá que sua prática de cafetão dos parlamentares do Centrão não vai mais ser aceita facilmente. Acostumados a mandar e desmandar no estabelecimento chamado governo Bolsonaro, o Centrão buscará que sua assembleia de caciques, ou cáftens, como se prefira chamar, continue sendo o real governante, tendo as verbas, mas não o desgaste da presidência.

Resta a esperança em um candidato da terceira via que venha a mudar essa situação. Uma esperança tênue, mesmo porque nem todos os candidatos da chamada terceira via estão igualmente interessados em mudar o status quo e fortalecer as instituições e muito menos possuem um plano coerente para isso. Cabe a esses candidatos dizer a que vieram: como pretendem fazer frente ao problema chamado Centrão; qual são as propostas para revitalizar nossa democracia, com o enfrentamento dessa corrupção estrutural que beneficia candidatos prostituídos protegidos dos caciques; e qual o projeto para restaurar o estado de direito, com o fortalecimento e a independência das instituições.

Certo é que não podemos aceitar mais esse ambiente libertino em que se transformou nossa política, nem essas cortinas que escondem a luxúria dos poderosos dos olhos da população. Se continuarmos nesse caminho, aquilo que é mera prostituição moral de alguns indivíduos acabará se tornando em gangrena moral de toda uma nação.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Carlos Fernando parabéns! Perfeita a sua análise, mas, se as pessoas de bem não voltarem às ruas nada mudará e o populismo autoritário extremista acabará destruindo a nossa democracia.

  2. Grande escritor que sempre ajudou o pais ,suas observacoes sao certissimas ,pena que apenas poucas pessoas podem apreciar seus comentarios, que voce continue sempre nos ajudadndo a conhecer nossos defeitos e mostrando com evidencia as manobras de um governo decadente,e promiscuo, bravo FERNANDO,

  3. Excelente retrato dos dois governos. A convergência em um terceiro candidato é uma necessidade urgente, embora, se eleito, a chance de funcionar com esse legislativo também será difícil.

  4. Acrescentaria ao brilhante artigo, que mediante o sucesso das forças contra Sergio Moro, fica muito fácil institucionalizar o repasse de verbas públicas para partidos e correligionários, além dos seus dirigentes, verdadeiras eminencias pardas por trás de todas as tramas, articulações e transações palacianas. Ao cidadão resta bater palmas e agitar bandeirinhas por meia dúzia de lanches.

  5. Quem irá mudar esse "Ambiente"? Partindo da Premissa: 1) Lula se ganhar, volta com a podre "coalizão"; 2) Se for Bolsonaro, continua refém do "Centrão" em 2023; 3) Se for a 3a via, vai ser a refém da vez. Conclui~se: Não há salvação! O "Sistema de Poder" foi montado, funciona assim mesmo. Agora mais forte após o ocorrido com a Lavajato, Jámais haverá outra "Força Tarefa", o recado pedagógico já foi dado, quem vai se atrever? Seja quem for o Presidente, ou se compõem ou será impichado!

  6. Parabéns, que reflexão precisa e clara do ambiente que nos governou, governa e se nada mudar, governará. Quem sabe o Brasil precise passar por mais um período obscuro para dar valor à luz.

  7. Comentários precisos sobre o bordel que chamam de congresso. Os cafetões fazem um verdadeiro bacanal com o dinheiro público.

  8. Suas palavras são cortantes como navalha e verdadeiras como a pobreza de nossas instituições… Espero que você, Dr. Carlos Fernando, tenha feito sua filiação a algum partido político e definido seu domicílio eleitoral para ser eleito ao congresso nacional em outubro. As mudanças de que o Brasil precisa têm que ser gerais. O presidente SÉRGIO MORO vai precisar de você e de mais gente decente no parlamento!

  9. Se voltar o pt, vem surfando na onda da impunidade: caminho livre. Já que deu tudo certo pro mito. Ninguém mais é punido.Estamos roubados!

  10. Dr Carlos Fernando,ainda pudemos mudar o Paìs ,veja o Presidente da Ucrânia,está lutando contra o perverso Putin,logo os brasileiros têm que lutar por um Brasil perfeito com boa educação,sem corrupção,sem gente como o Lula,Bolsonaro,Geddel,que està mandando no MDB da Bahia junto com o Pt,um ACManaozinho que só sabe lidar com cimento,e populismo aprendeu que assim a corrupção fica às escondidas.

  11. Texto esclarecedor, muito bem elaborado. Mas ,triste por nos mostrar a prostituição politica a que estamos submetidos. Um tunel escuro sem o vislumbre da luz no final dele! Lamentavel!

  12. 🔝👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻🔝🔝🔝🔝👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻🔝🔝🔝🔝👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻🔝🔝🔝🔝👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻🔝🔝🔝👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻🔝🔝🔝🔝

  13. Que ótima análise,o difícil será mudar esta realidade.O câncer da imoralidade tomou os três poderes PGR e parte das forças armadas.

  14. Fazer a coisa certa, do jeito certo, sempre! A opacidade das instituições de combate à corrupção não pode prevalecer ou se perpetuar! A sociedade brasileira necessita acordar, não podemos ficar a mercê dos dois polos que estão na dianteira das pesquisas, caso se concretizem, já sabemos os resultados que colheremos no futuro!

  15. Só vejo uma solução: redescobrir o Brasil Ruptura já Estado mínimo Parlamentarismo Privatização total Voto aos 21 anos Fim das bolsas-voto Lei da ficha limpa plena Foro privilegiado restrito Fim dos cargos vitalícios Prisão em segunda instância Fim da estabilidade do funcionalismo Fim das indicações monocráticas de servidores Candidato a qq cargo político acima de 50 anos Perda dos direitos politicos por 2 legislaturas se renunciar Quarentena de 1 ano após fim da legislatura p nova candidatura

  16. Claro como água: solução é Ciro Gomes Presidente. Capaz, competente, trabalhador e honesto. Testado e aprovado serviço público e privado. Injustificado ranço contra sua candidatura, provavelmente porque sabem que ele resolve. Chance Brasil sair da monotonia desde sempre, dando um passo para frente, dois para trás. Acabar com o "muda-se algo, para tudo permanecer igual".

    1. procure material da Veja sobre a corrupção do Ciro Gomes. E as ideias heterodoxas sobre economia, destempero...

  17. Com a impugnação do Moro no União Brasil, é o golpe de misericórdia para acabar com ele. A terceira via infelizmente não vai vingar. Não há mais ética nem moral no conjunto total do povo brasileiro, que na verdade em sua história nunca se revelou, como já se caracterizou um programa de comédia brasileira antigo - "o povo brasileiro é tão bonzinho...", que somado à "lei do Gerson" de "tirar vantagem em tudo, e sempre...", o resultado é esse que estamos vendo, beco sem saída.

  18. Sem dúvida vivemos, ou melhor, a população brasileira é refém do crime organizado, da corrupção. Parece que o Moro caiu numa arapuca ao se filiar no União Brasil, nome pomposo, mas antro da corrupção que ele combateu. O pior é que a Saúde, a Ciência e a Educação e a Segurança estão sendo destruídos, por causa da corrupção e a roubalheira desenfreada, graças à perpetuação da impunidade, do Foro privilegiado, garantido pela legislação criada por eles mesmos no Congresso da Vergonha e da Bandidagem

    1. Ricardo, exatamente o que vc explana, e como bem disse o Dr. Carlos, a imprensa verdadeira e combativa se transformou em em jornalistas que usam de mera e bem trabalhada retórica para instigar o "fla-flu", denegrir personagens que não lhes "agradam". A Globo sempre foi assim e nesse caminho seguem com louvor Jovem Pan e CNN. Na midia digital grassam as fakes, que o povo brasileiro gosta e propaga! Lula e Bolsonaram dão IBOPE, já os demais... Que triste esse nosso País!

    2. O pior CÂNCER que um País pode ter é o da CORRUPÇÃO. Ironicamente todos os meios jornalísticos que tenho visto, saia GloboNews, BandNews, JPNews, CNN Brasil etc., não enfatizam isso como o principal problema a ser resolvido. Ao mesmo tempo fazem análises comentários que depõe contra a imagem do Moro, ajudando portanto em destruí-lo. Não promovem debates em seus jornais sobre o combate efetivo corrupção como pauta central para as Eleições. Porque será? Não seria o cerne da 3a Via ou VIA CENTRAL?

    3. A única política que persiste ao longo dos anos e em especial nos últimos 12 anos, pior ainda nos últimos 4 anos, é a da deseducação, da desinformação, da anti-ciência, da anti-cultura. Dessa forma se cria uma população rica em ignorância e de semianalfabetos, incultos e deseducados, com crescente perda de valores etc. Dessa forma são facilmente manipulados e com perda na capacidade raciocinar, dominados pelas sucessivas mentiras e perda da realidade, viram robôs, ou gado como dizem. Sem futuro.

    4. Estamos vivendo a era da Ditadura dos Corruptos, disfarçada numa dita democracia, do estado de direito, na qual os 3 poderes convergem e se acomunam, numa forma nunca antes vista e vivida, tão explícita e escancarada. Esse é o País paraíso dos corruptos numa rede fortemente integrada e mafiosa.

  19. Perfeita a análise, tempos sombrios. E enquanto a democracia é erodida, bolsonaristas ficam preocupados com o "fim da democracia" por conta do processo do STF contra figuras como o "ilustre" Daniel Silveira.

  20. Sem Política não há solução. Porque não dar visibilidade aos poucos bons exemplos vindos do Congresso? Sugestão: Partido Novo ...

    1. Eu li antes de almoçar, meu estômago embrulhou, acho que não irei conseguir comer... Pobre povo brasileiro! E o pior: muitas almas achando que estamos sendo governados por um cara íntegro e inteligente!!

  21. Cirúrgico,em tudo,inclusive na pouca esperança de que a mudança virá dos políticos…Terá que vir da sociedade explorada pela corrupção!

    1. 👏👏👏 texto esclarecedor. citações ótimas, direto ao ponto, como uma navalha cortando esse órgão fétido que representa governos Lula e Bolsonaro.

  22. 👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏 Parabéns pelo texto. Disse tudo. Hoje minha esperança foi para o brejo e morreu afogada. Nem daqui a 45 mil anos, o Brasil muda. Lamentável.

  23. "...a paixão religiosa na política é o fim do político honesto." Disse tudo. Basta ver BOZO e seu slogan que usa o nome de Deus para roubar e ainda sair bem na foto. Viva os terrivelmente evangélicos !!!!!

  24. MEU LIVRO “O INROTULÁVEL”. Link de acesso: https://www.amazon.com.br/dp/B09HP2F1QS/ref=cm_sw_r_wa_awdo_PQSA5Z6AXXH2SX16NH87 ..............................................……. o ACORDÃO dos DEGENERADOS MORAIS para EVITAR o IMPEACHMENT do BOLSONARO e TIRAR LULA da CADEIA! os EXEMPLOS EXECRÁVEIS que uma SOCIEDADE tão CORRUPTA é capaz de produzir! Em 2022 SÉRGIO MORO “PRESIDENTE LAVA JATO PURO SANGUE!” Triunfaremos! Sir Claiton

  25. Gosto de seu pensamento, mas como mudar um mecanismo sem mudar as pessoas? mesmo que tenha uma pessoa na terceira via honesta,em prol dos brasileiros,justo etc, sozinho como mudar? Saibamos que hoje a justiça e o legislativo está pai para filho ou filhos,genros,esposas,amigos etc, basta olhar o Brasil hoje quem vais conseguir fazer alguma mudança em prol dos brasileiros? STF,OAB,grandes empresários,legislativo.MPF,STJ,Tribunal de Contas? todos são de partidos dos amigos, primeiro nós

    1. Acredito que já o é. ... Nossa única esperança de vida digna no bananão.

  26. Retrato fiel do pântano podre em que nós brasileiros estamos atolados.REAJA BRASIL! VOTEM PARA TIRAR ESTA CORJA QUE NOS ASSALTA E DESTRÓI!

  27. Passado, presente e previsão de futuro muito bem postos num articulista que tem bagagem e estilo irretocáveis. Parabéns, Carlos Fernando por levantar, sustentar e alertar -nos para tais preocupantes situações

  28. 3.via prá mim só tem um nome que não se cola a tudo o que vc falou, e que vemos acontecer desde sempre. O ÚNICO que é DIFERENTE é #MoroPresidente2022. Não votarei em outro, pago a multa e não perderei meu tempo, é o meu PROTESTO contra os políticos profissionais de mãos dadas com a corrupção.

  29. A origem da corrupção esta no congresso, afinal sao eles que tem a função de fiscalizar e criar as leis. Os protestos tem que ser contra o congresso, se tivéssemos uma maioria de deputados decentes, Bolsonaro teria sofrido impeachment e ja teriamos resolvido a questao da segunda instancia e Lula nem seria candidato...

    1. Concordo com sua opinião. Precisamos muuuito de renovação no congresso, mas também conseguir expurgar esses cafetões como colocou o Carlos Fernando. Não é impossível mas desalentadora essa situação do país!!!

  30. Caro amigo, creio que você foi muito brando com o governo Bolsonaro. Todas as medidas anti-investigação que ele tomou, me soam como suspeitas e me levam a crer que há muito a ser escondido. Pode ser que não seja igual à roubalheira do PT, mas pode ser tão grave quanto ou mais.

Mais notícias
Assine agora
TOPO