Adriano Vizoni/Folhapress"O país regrediu no processo civilizatório, graças ao ‘nós contra eles’ estimulado por Lula e à estridência da extrema direita, sob Jair Bolsonaro"

‘O Brasil está involuindo’

Coautora de um alentado diagnóstico sobre o Brasil que acaba de ser oferecido como sugestão à terceira via, a economista diz que o país não sairá do lugar se permanecer refém da polarização
15.04.22

O cenário de desalento em razão da perspectiva de o país passar os próximos quatro anos sob o comando de Lula ou de Jair Bolsonaro foi o que motivou a elaboração, pelos economistas Maria Cristina Pinotti, Affonso Celso Pastore e Renato Fragelli, de um meticuloso estudo com ideias a serem seguidas por um candidato alternativo, de fora da polarização que domina a cena política do país. O trabalho, intitulado Desenvolvimento inclusivo, sustentável e ético, foi iniciado para servir de base a um possível plano de campanha para o ex-juiz Sergio Moro. Como, nos últimos meses, as chances de ele disputar o Planalto foram praticamente reduzidas a pó, os autores o colocaram à disposição da autodenominada terceira via.

“Estamos indo para um caminho que tende a piorar. Não enxergamos nesse cenário atual nada que nos tire automática e milagrosamente dessa rota de trombadas nas quais nós estamos insistindo há tantos anos”, diz Cristina Pinotti nesta entrevista a Crusoé. Graduada em administração pública pela Fundação Getúlio Vargas, a FGV, e doutora em economia pela USP, Pinotti afirma que o “nós contra eles” semeado por Lula, de um lado, e a estridência da extrema direita comandada por Jair Bolsonaro de outro, levaram o Brasil a um retrocesso civilizatório. Como consequência, a economia estagnou, a indústria parou de crescer e a responsabilidade fiscal foi esquecida. A solução, defende ela, passa pela diminuição da desigualdade e pela recuperação do papel do estado como provedor de serviços públicos de qualidade. “Sem isso, a população permanecerá sendo usada como massa de manobra de governantes populistas”, afirma. “É uma contribuição para o país sem filtro político. Não é para atrair voto para ninguém. Não temos vontade de fazer política nem campanha”, prossegue. Eis os principais trechos:

O que os levou a fazer esse trabalho?
O ex-juiz Sergio Moro queria se inteirar sobre as grandes questões do país, como política fiscal, monetária e câmbio, e acabamos elegendo os principais temas. Começamos em meados de novembro. Foi prazeroso, e o trabalho mais extenso que fizemos. Antes, já tínhamos ajudado a elaborar o Agenda Perdida (diagnósticos e propostas para a retomada do crescimento feita em 2002 em parceria com os economistas Marcos Lisboa e José Alexandre Scheinkman). É importante dizer que esse novo trabalho é a nossa visão sobre o país. É uma contribuição e a gente não quer que se discuta nomes, mas ideias, para tirar o país dessa coisa horrorosa em que está. Não existiu filtro político no que nós escrevemos. Estamos aqui para falar a verdade. Não para atrair voto para ninguém. Ninguém pensou em ganhar o eleitor. Nossa experiência indica que estamos indo para um caminho que tende a piorar. Não enxergamos nesse cenário atual nada que nos tire automática e milagrosamente dessa rota de trombadas nas quais nós estamos insistindo há tantos anos. O país regrediu no processo civilizatório, por causa do ‘nós contra eles’ estimulado por Lula e à estridência da extrema direita, sob Jair Bolsonaro. Honestidade, espírito público, respeito à lei e ao próximo viraram valores escassos na vida pública. Com isso, a economia estagnou, a indústria parou de crescer e a responsabilidade fiscal foi abandonada. Então, respondendo à sua pergunta, foi essa constatação que nos norteou para fazer essa ampla análise.

Esse conjunto de sugestões foi colocado à disposição de nomes da terceira via. Alguém já procurou vocês?
Não. Ninguém procurou a gente. É importante dizer que, desde o começo das conversas com o ex-juiz Sergio Moro, imaginávamos que iam sair dois documentos. Nunca pensamos em fazer um programa de governo propriamente dito. Dizíamos ao Moro o seguinte: ‘Se você virar candidato, vai precisar de umas vinte pessoas para fazer um detalhamento maior de cada tema’. Nossa ideia era fazer um panorama geral para discussão. Então, ia ter o documento e, depois, o programa de governo. Era o que estava acertado. Com a indefinição da candidatura, depois que ele foi para a União Brasil, decidimos em comum acordo divulgar o trabalho que fizemos. Se o Moro conseguir viabilizar a candidatura, aí sim ele vai divulgar o programa de governo dele, aproveitando ou não as nossas sugestões.

Vocês já falaram que não pretendem participar de campanhas eleitorais. E se, futuramente, aparecer o convite de algum governo?
Não participamos de governos. Isso é muito claro entre nós, Affonso (Pastore, ex-presidente do Banco Central e marido da economista Maria Cristina Pinotti) e eu. Não temos a intenção de fazer parte de nenhum governo. Nosso lugar é na sociedade civil. Não temos vontade de fazer política nem de fazer campanha. Nosso lugar é do lado de fora, onde achamos que podemos contribuir mais.

Como a sra. analisa esse cenário de dificuldades para que Moro construa sua candidatura e transite no meio político, que quase que por instinto o repele?
O Sergio Moro trafega, de fato, num terreno minado. E não é só o Moro. Qualquer outsider que não compactue com os valores da atual classe política não entra no jogo. É um instinto de autopreservação. Quanto mais o Executivo se enfraquece, mais ele depende do Legislativo. Talvez, o presidente mais fraco de todos seja Jair Bolsonaro. Por isso, o Centrão hoje manda mais do que mandou em qualquer outro momento da história do país. Olha o que aconteceu com o fundão eleitoral, com as emendas de relator… Então, eles não vão querer alguém que colocou integrantes do grupo deles na cadeia. Logo, seria surpreendente um partido tradicional indicar o Sergio Moro. Claro, não quero dizer que Moro está fora. Ele ainda está tentando viabilizar sua candidatura. Mas não há dúvidas de que precisamos de regras partidárias que permitam e facilitem a entrada de pessoas de fora na política.

Adriano Vizoni/FolhapressAdriano Vizoni/Folhapress“Corremos o risco de ver uma perpetuação do encruamento do país”
Uma das linhas mestras do trabalho é o combate à desigualdade. A esquerda fala em distribuir renda, enquanto a direita diz que basta ter eficiência econômica. Qual é a solução?
Não existe incompatibilidade entre distribuir renda e fazer a economia se tornar eficiente. Isso só está na cabeça de quem quer dividir o mundo em dois. Isso é maniqueísmo. Olha, custa muito barato cuidar da pobreza. Falta é vontade política. Um estudo feito na Jamaica diz o seguinte: que uma família com criança pequena que recebeu por dois anos a visita de um assistente social durante uma hora por semana, e esse profissional orientou a mãe no que ela precisava fazer, quais cuidados deveria ter com a saúde, como deveria estimular o desenvolvimento da criança, vinte anos depois os filhos tinham salários pelo menos 50% maiores do que os filhos criados por famílias em condições socioeconômicas parecidas que não receberam a ajuda de nenhum assistente social.

O PT ficou 14 anos no Planalto. Sucedeu o PSDB, depois de oito anos de governo FHC. Somados, são 22 anos no poder da centro-esquerda, que sempre se vangloriou de ter um olhar social mais acurado. A tomar isso por verdade, a questão desigualdade já não era para estar praticamente resolvida?
E vou acrescentar: ainda aumentaram a carga tributária e a dívida pública. Ou seja, dinheiro não faltou. Os gastos sociais estão indo cada vez mais para os não pobres do que para os pobres. Em 2018, o Bolsa Família, por exemplo, custou 30 bilhões de reais, ao passo que a aposentadoria rural, ou seja, aquele benefício para pessoas que nunca contribuíram com a Previdência, custou 124 bilhões de reais. No Brasil, só 30% das transferências de renda vão para os 10% mais pobres. De novo, cuidar da pobreza é barato, caro é dar dinheiro para os ricos. O dinheiro público é do cidadão que pagou imposto. Isso precisa vir para o centro da discussão política. Precisamos recuperar o papel do estado como provedor de serviços públicos de qualidade. Essa espécie de contrato social entre o estado e a cidadão pagador de impostos se quebrou. Sem isso, a população permanecerá sendo usada como massa de manobra de governantes populistas.

No conjunto de sugestões que o estudo traz há a defesa da unificação dos cinco impostos sobre bens e serviços em um IVA nacional, com alíquota única, cobrado no destino. Com tantos interesses em jogo e muita pressão sobre o Congresso, isso é possível?
A gente precisa falar a verdade para a população. Contar quem está pagando mais imposto no país. No Brasil, é a folha salarial e a indústria, o que inviabiliza o crescimento da economia, porque torna o produto brasileiro não competitivo no exterior. Com isso, desincentiva o investimento e a exportação. A sociedade civil é que vai empurrar o Congresso para a decisão certa. Então, precisamos ser claros na mensagem se quisermos aprovar a reforma tributária.

Adriano Vizoni/FolhapressAdriano Vizoni/Folhapress“Temos que mudar o tecido social para não ficarmos propensos a ter pessoas autoritárias no poder”
Durante a pandemia, quando se discutiu muito sobre o papel do SUS, criou-se o clima para a flexibilização do teto de gastos. É possível furar o teto e manter a disciplina fiscal?
Ninguém quer cortar. O Brasil precisa fazer escolhas. Definir o que é prioritário. Enquanto isso não for enfiado na cabeça das pessoas, não teremos futuro como país. Precisamos do teto dos gastos porque o investidor, seja nacional ou internacional, precisa saber que o estado não vai quebrar. Estamos com uma dívida pública de 80% do PIB. É muito alta. Temos que ter limite de gastos.

Ao falar em suposta “frente ampla pela democracia” e se aliar ao ex-tucano Geraldo Alckmin, Lula tenta se apresentar como um candidato capaz de costurar um entendimento nacional. A sra. acredita que ele seja capaz de cumprir esse papel?
Se olharmos para o histórico do Lula, vamos ver que sempre aconteceu o oposto. Ele lançou uma Carta aos Brasileiros para se eleger em 2002 na qual prometeu tudo e depois foi desmontando o que ele próprio havia prometido, como o arcabouço fiscal. Por exemplo, não fossem a imprensa e a sociedade civil, o PT teria aprovado o controle social da mídia. Quem defendia isso era o ex-ministro Franklin Martins, que agora está ao lado do Lula de novo. Temos que mudar o tecido social para não ficarmos propensos a ter pessoas autoritárias no poder. Democracia não cai do céu e não basta escrever na Constituição. Ela é construída no dia a dia por cada um de nós.

Do início do governo Jair Bolsonaro para cá, houve uma série de decisões do STF no sentido não só de anular condenações de políticos, como impor travas ao combate à corrupção. Fala-se em criminalização da política, mas não está havendo uma criminalização da Lava Jato?
Foi um desastre o que aconteceu no governo Jair Bolsonaro. Ele foi o cavalo de Troia que entrou para acabar com a Lava Jato. Prometeu uma coisa e fez outra. Foi a reedição das Mãos Limpas, na Itália. É importante dizer que não existe isso de criminalizar a política. Não cometa crimes que você não vai ser criminalizado. É simples. Não destruíram o legado da Lava Jato, mas houve um grande movimento contra a operação. E a corrupção aumentou.

É o establishment tentando se reorganizar?
Sem dúvida. É uma reação do sistema ao baque que ele levou lá atrás. Mas não acho que dura para sempre. Se durar, o país vai definhar. Corrupção e pobreza caminham juntas. País corrupto não cresce. Enquanto houve corrupção na Itália, o país não cresceu, estagnou. Estamos seguindo os mesmos passos. Estou rouca de tanto falar isso há sete anos. (O preço de) uma obra pública na Itália era três vezes maior do que na França por causa da corrupção. Sem Justiça eficiente não podemos ter desenvolvimento econômico. É a Justiça que vai coibir a corrupção. É preciso um sistema judiciário eficiente que não permita a impunidade. E a pena tem que vir com rapidez, não depois da prescrição.

Há esperança diante de um cenário aparentemente tão desalentador?
Tento me emocionar o mínimo para manter a serenidade. Gostaria de ver algo muito diferente. Até três meses atrás, estava mais confiante numa solução pela terceira via. E acho que boa parte dos eleitores vê isso ainda. Mas o interesse partidário quer manter o que está aí e não ver alguém de fora para acabar com a festa.

Significa que o Brasil está fadado aos extremos?
Política é uma coisa que muda. Já tivemos situações nesse sentido. Não quero fazer um prognóstico fechado. Se formos para isso, teremos um trabalho muito maior na sociedade civil. Corremos o risco de ver uma perpetuação do encruamento do país. O Brasil está involuindo do ponto de vista econômico, social e político. Vivi o regime militar, sei o que é você viver num regime fechado, o que é censura e aquela coisa asfixiante de imaginar que aquilo nunca vai acabar. Mas a sociedade foi às ruas e a ditadura foi vencida. Então, temos que acreditar.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. É muito triste ler uma quantidade tão gigantesca de verdades e saber que elas são ignoradas pela sociedade civil e acobertadas por parte da grande mídia. Além disso, o bolsonarismo e o petismo transformou grupos de cidadãos ordeiros em verdadeiras gangues, que hostilizam qualquer um que ouse questionar seu líder supremo e sua doutrina. A lavagem cebrebral transformou seus cérebros em lavagem.

  2. Excelente entrevista. Poderíamos ter essas ideias refrescando os ares do ministério da economia, mas não, vamos com a do Mantega ou do Guedes mesmo. Pobre Brasil!

  3. José Maria Eymael tem seu Partido e, em todas as eleições concorre. Sugiro que SÉRGIO MORO faça seu próprio Partido. Estarei entre o primeiros a assinar a Ficha de Filiação.

  4. Nesse país, ainda, há vozes da razão. Parabéns Maria Cristina. Temos a certeza que esse Plano, excelente, não será implementado, pois as elites dos Partidos não aceitam ser alijados do Poder, para continuar a roubalheira.

  5. Ninguém procurou nem vai procurar nada que mude o que aí está. A política e a governança são controladas pela ladroagem geral da nação, que já decidida, vai ganhar a eleição com quem for o pior disponível. #desordemeregresso

  6. excelente entrevista, ma snada de novo. os corruptos sempre conseguem se manter no poder. isso só muda com revolução.nao com discurso.

  7. Ótima entrevista. Que Deus nos dê forças para resistir aos abusadores do poder no Brasil. Vamos vencer, mesmo que não seja agora.

  8. Não há extremista na direita!!! O que há de verdade é uma máfia de sanguessugas na política que estão impossibilitados de armar aquele circo de horror e corrupção como era anteriormente.

  9. Excelente entrevista! Como é bom ouvir pessoas sensatas em meio ao mar de desinformação, radicalismos e inversão de valores que vivemos atualmente!

  10. Gilmar e Levandovsk deveriam pensar mais no povo que no povo corrupto rico A corrupção está matando o pobre,nas filas dos ossos ,da saúde,falta de educação criminalidade etc etc etc

  11. Esse país não tem futuro, o sistema mostra que o que a classe política quer poder e dinheiro, o povo é massa de manobra para sustentar esse poder. Não há interesse em mudanças nesse sistema, Lula e Bolsonaro são habilidosos na oratória, mas mentem descaradamente.

  12. A nossa sociedade parece estar anestesiada. Nem indignação sentimos mais. Eu perdi a esperança de ver um Brasil melhor, mais seguro, ético e honesto.

  13. Tenho perguntas à dra. Pinotti e ao próprio Sérgio Pardella. Vamos repetir as manifestações públicas como feitas em 2013 ou 1964? Sem elas involuiremos ao início da civilização? Lembre-se a história do padre Giordano Bruno e a sua morte na fogueira da inquisição...

  14. TEMOS DE VOTAR EM FICHA LIMPA, VAMOS ESCOLHER SENADORES E DEPUTADOS MELHORES. PORQUE PARA PRESIDENTE A 3A VIA DESAPARECEU. VOTO NULO.

  15. A entrevistada não respondeu à pergunta dos 22 anos, tergiversou. É culpa de Bolsonaro o STF enterrar a lavajato? Não compreendo. Parece leviano.

  16. São esses depoimentos que fazem com que ainda acreditemos em um Brasil melhor, jamais deixaremos de lutar por um país sério.

  17. Nos anos 80 a Itália era uma bagunça. Uma colega de descendência italiana contou o caso de uma cidade, polo de compras de confecções, sem uma única firma registrada deste ramo. Veio a Operação Mãos Limpas nos anos 90. Apesar do desmonte desta, a articulista dá a entender que corrupção baixou bastante. Tendo como futuro presidente o ocupante atual do governo, em que não houve um único caso de corrupção, ou Lula, o homem mais honesto do Brasil, vai demorar para acontecer o mesmo no Brasil.

  18. Uma utopia: Ruptura já Voto distrital Fim senado/stf Estado mínimo Voto aos 25 anos Parlamentarismo Privatização total Fim das bolsas-voto Fim cargos vitalícios Prisão em 2ª instância Lei da ficha limpa plena Foro privilegiado restrito Fim estabilidade funcionalismo Candidato qq cargo político acima de 50 anos Fim das indicações monocráticas de servidores Quarentena 1 ano após fim da legislatura p nova candidatura Perda direitos politicos 2 legislaturas se renúncia ou n cumprir promessa campanha

  19. Sou um papagaio. Repito o que a Sra Pinato disse há anos. Não haverá desenvolvimento com a cleptocracia. Não há mistério, apenas tolice demais com pessoas que acham que sabem tudo, e apoiam qualquer atual partido político.

  20. Infelizmente as instituições desse país foram completamente desconstruídas pelo molusco e pelo Bozo nesses últimos 20 anos e agora oferecem espaço para todo o tipo de bandido a nos governar a partir do executivo, do legislativo e do judiciário, com garantias de não ser molestado. Com uma maioria bandida solidamente assegurada na governança do país, pessoalmente não sei se há alguma saída para essa banânia festiva que se preocupa mais com o pão e o circo do dia do que com a sua involução.

  21. Excelente entrevista, revela que existem pessoas inteligentes e com capacidade para mostrar o caminho certo para o Brasil! infelizmente, essas pessoas, como a entrevistada, não são ouvidas por nossos mandatários!

  22. 1. A sociedade foi às ruas, houve o impeachment da Dilma e a prisão do Lula. Voltou tudo, mas isso não é razão para desanimar. 2. Quando o Collor confiscou as poupanças e a inflação continuou, além de o país estar falido, parecia não haver esperança, mas hiperinflação e endividamento foram resolvidos.

  23. Discordo veementemente da afirmação de que destinar 120 bi para aposentadoria rural seja destinar dinheiro aos ricos. Será que o estudo se debruçou sobre os 300 bi de benefícios/renuncias fiscais por ano? Isso, sim, é dinheiro dado aos ricos. Aposentado rural e beneficiário de bolsa família são quase a mesma pessoa.

    1. Conheço a realidade dos aposentados rurais e não acho que estejam no mesmo nível de pobreza dos que precisam de ajudas governamentais como o bolsa-família.

  24. Vocês nos dão esperança!!! Maria Cristina e quem se debruçou nesse estudo. Sabemos dos males que nos asfixia precisamos lutar para expor isso, para levar essa esperança e sair dessa situação que nos legou o Bolsonarismo e o Petismo.

  25. Infelizmente a sociedade de hoje é imensamente corrupta, o que não era tanto no regime militar. Por isso conseguiram derrubar a ditadura. os jovens daquela época eram também muito mais politizados e instruídos que os bitolados de hoje.

    1. A corrupcao na era militar tb foi enorme, ou se esqueceram de Maluf, Shigeaki Ueki etc. .. So nao havia era divulgacao

  26. 👏👏👏👏👏👏👏Primeiramente palmas para todas as autoridades que trabalharam para a exclusão de Sérgio Moro das eleições,que pelo visto iria ter uma excelente ferramenta de gestão e ,em seguida palmas para a sociedade que assistiu a essa manobra escandalosa , passivamente. Indignação individual não gera resultados

  27. Excelente! Gostaria de ter acesso aos estudos. É uma ótima fonte de aprendizado e de civilidade, também.

    1. A "Crusoe" poderia contatar com os autores para liberar os estudos para os interessados.

  28. Excelente entrevista. A Crusoé deve divulgar amplamente, inclusive para não assinantes, juntamente com o link para o documento elaborado pelos economistas. Será uma contribuição inestimável.

  29. MEU LIVRO “O INROTULÁVEL”. Link de acesso: https://www.amazon.com.br/dp/B09HP2F1QS/ref=cm_sw_r_wa_awdo_PQSA5Z6AXXH2SX16NH87 ..............................................……. #ÉMOROouNULO: o ACORDÃO dos DEGENERADOS MORAIS para EVITAR o IMPEACHMENT do BOLSONARO e TIRAR LULA da CADEIA! os EXEMPLOS EXECRÁVEIS que uma SOCIEDADE tão CORRUPTA é capaz de produzir! Em 2022 SÉRGIO MORO “PRESIDENTE LAVA JATO PURO SANGUE!” Triunfaremos! Sir Claiton

  30. Concordo com todos os argumentos da economista, o Brasil fracassa a cada dia, a polarização entre um líder da corrupção como Lula e um presidente insano como Bolsonaro é de tirar quaisquer esperanças. Levi Strauss tinha razão, vamos passar da barbárie a decadência sem conhecer a civilização!

  31. No fundo no fundo da minha alma ainda tenho esperança de um candidato da terceira via. O que está acontecendo com o Moro é o que acontece ano após ano com o povo Brasileiro. Somos manipulados e governados por medíocres. Os mesmos medíocres de sempre.

    1. Eu também tenho esperança. Não consigo me conformar que o Brasil seja mais uma vez refém do bel prazer do ex-presidiário e desse incompetente que temos hoje na presidência.

  32. Entrevista alentadora por vermos que há ainda cabeças pensantes e, ao mesmo tempo, desanimadora por mostrar para onde o país está caminhando.

    1. NA MESMA EDIÇÃO A EDUCAÇÃO NO FUNDO DO POÇO UM PAÍS QUE NÃO INVESTE NA EDUCAÇÃO UM PAÍS DE ANALFABETO FUNCIONAIS PARABÉNS CRUSOÉ SHOW TIME ESSA EDIÇÃO

Mais notícias
Assine agora
TOPO