Ricardo Stuckert/PTAlckmin e Lula: o ex-governador paulista na vice não equivale a uma nova Carta ao Povo Brasileiro

O PT sem bússola na economia

Lula manda emissários para falar com o mercado, mas não se compromete com a responsabilidade fiscal. Não adianta dizer "la garantia soy yo" a gente que prefere os números ao pensamento mágico
12.05.22

Desde o começo do ano, o PT vem fazendo esforços para derrubar a rejeição a Lula entre o empresariado. O ex-presidente não abriu muito espaço em sua agenda para o “mercado”, mas alguns nomes têm ajudado nessa aproximação. Os petistas Jacques Wagner, senador, e Alexandre Padilha, deputado federal, são dois deles. O ex-governador baiano e o ex-ministro das Relações Institucionais conquistaram bom trânsito em diversos setores produtivos, ao longo de suas trajetórias políticas. O economista Gabriel Galípolo, ex-presidente do Banco Fator, é outro personagem que vem tentando construir pontes entre empreendedores e o PT. Semanas atrás, ele acompanhou a presidente da legenda, Gleisi Hoffmann, em um tenso jantar com empresários reunidos pelo think tank liberal Esfera. Galípolo serviu de algodão entre cristais. Ele também deve tentar auxiliar Geraldo Alckmin, agora sacramentado como vice de Lula, a evangelizar o PT a respeito das virtudes de bons programas de concessões e parcerias público-privadas (PPPs). Quando Alckmin estava no governo de São Paulo, o banqueiro ajudou a formatar os principais projetos desse tipo realizados pelo Estado – alguns deles de interesse social, como a PPP Habitacional da Luz, que combinou a construção de um complexo de mais de 3.500 apartamentos populares com obras de revitalização da região central de São Paulo. Uma frase de Alexandre Padilha resume a mensagem que se tenta transmitir nesses encontros com a iniciativa privada: “Lula têm um histórico de realizações econômicas e não precisa de Posto Ipiranga. Ele mesmo é a garantia de que a gestão da Economia será feita com responsabilidade.” O problema é que esse discurso não casa com aquilo que o próprio candidato vem dizendo. 

Lula tem sido vago ao falar de economia, a ponto de ultrapassar o limite do absurdo. “A gente não discute política econômica antes de ganhar as eleições”, disse ele, na entrevista à revista americana Time. Os momentos assertivos são ainda mais inquietantes. Nesta semana, ele voltou a afirmar que não haverá teto de gastos em seu governo e que isso não vai aumentar ainda mais o rombo fiscal do país. “Não que eu vá ser irresponsável e gastar para endividar o futuro da nação. Não. É porque nós vamos ter que gastar naquilo que for necessário, na produção de  ativos rentáveis. Quem vai derrubar o gasto em relação ao PIB é o crescimento econômico, não é o corte orçamentário.” Esse é um raciocínio que economistas e empresários não engolem. Não porque não gostariam de ver atendidas as muitas necessidades sociais brasileiras, mas porque estão certos de que o plano é furado.

Mesmo quem acha que o teto de gastos tem data para acabar, recomenda que isso seja feita gradualmente e a partir de 2027, desde que o crescimento da economia seja, no mínimo, de 3% ao ano até lá. As previsões de crescimento da economia nacional nos próximos anos são pífias – vão da titica para a titica e meia. Em 2022, o índice deve ficar próximo de zero. Estima-se algo como 1,5%, em 2023, e 2%, em 2024, quando o próximo presidente já estará na metade do mandato. Está longe de ser um espetáculo de crescimento. Lula quer turbinar esses índices adicionando incerteza – ou seja, gastos públicos sem nenhum parâmetro – a um cenário que já está repleto dela, por causa da guerra na Ucrânia e da inflação global em alta. Gastar à vontade e crescer, nesse cenário, equivale a chupar cana e assobiar ao mesmo tempo. São coisas incompatíveis. As chances de fortalecer o PIB viriam, na verdade, de uma inversão de fatores: primeiro o governo põe ordem na questão fiscal, para, aí sim, sonhar com uma economia mais pujante. 

“A desconfiança em relação ao PT se reduziria caso houvesse um compromisso firme com as agendas de estabilidade e modernização da economia”, diz um personagem do mercado financeiro que se diz agnóstico em termos eleitorais. Não há sinal nenhum desse compromisso. E não adianta dizer que a presença de Alckmin na posição de vice equivale a uma nova Carta ao Povo Brasileiro, enquanto Lula continuar tripudiando não exatamente sobre o teto de gastos, que é uma ferramenta, mas sobre a própria ideia de contenção fiscal. Se perguntarem a Alckmin, ele também dirá que não gosta do teto de gastos – porque acredita que ele teria de ser antecedido por um drástico enxugamento do aparelho do Estado, como ele fez quando governou São Paulo. Mas não é Alckmin quem vai governar, caso Lula ganhe. O ex-tucano pode até estimular uma atitude mais favorável do PT às parcerias com a iniciativa privada, além de facilitar contatos com alguns empresários. Mas, sem uma declaração inequívoca de Lula sobre responsabilidade com o dinheiro público, nada disso basta. Não adianta dizer “la garantia soy yo”, como o petista tenta agora, para pessoas que preferem números ao pensamento mágico. 

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Vejam o Sr Paulo Maluf disse uma vez: Se você tiver uma fazenda e, na hora da colheita, tiver que optar entre um administrador petista e uma nuvem de gafanhoto, fique com os gafanhotos, salve-nos Deus.

  2. Semana passada vcs publicaram uma reportagem excelente sobre as falas e os atos do Lula e PT; a matéria dessa edição é muito boa, mas ñ é novidade😬. Tem muitas coisas importantes acontecendo q estão ficando de lado... Particularmente, acho terrível q o Lira fique cd dia menos acanhado de mostrar q manda no país, o Pacheco pratcamnt anunciando q pretende comprar os magistrados (pelo menos eu entendi dessa forma🤔)... Estou sentindo falta da Helena Mader, do Pardellas, Vassalo... Ñ me levem mal🤷

    1. Concordo com você Juliana. Acho que a revista caiu de qualidade sem a Helena Mader e os outros...

  3. Com o Lularápio a única certeza é a de que o buraco em estamos será aumentado e aprofundado. A expertise dos ptralhas é gatunar cofres públicos e considerando que o centrão=podridão estará a plena também, o futuro seria tenebroso.

    1. Hans, ele nao é mais candidato... infelizmente. Então agora é correr atrás do prejuízo

    2. Caros Paulo e Helene, o massacre que vimos tanto do Judiciário quanto do Legislativo sobre o Moro foi a resposta dos poderosos do "Sistema" corrupto brasileiro que não só quiseram acabar com a Lava Jato, mas sobretudo vingar-se de quem ousou mexer com eles. Lembrem-se das pérolas proferidas durante o jantar oferecido ao Lula pelos advogados do Grupo Prerrogativas (quem não viu procure se informar). O Sistema é poderoso meus amigos ...!!!

    3. bom conselho ao Moro, de faro, fez melhor serviço como juiz...

    4. Mr. Zollinger. Sergio Moro, no qual eu confiei um dia para depositar o meu voto, como candidato, foi um fracasso surpreendente. Não mostrou absolutamente um mínimo minimorum em relação à expectativa que seus eleitores tinham nele, o que nos obriga a construir o seguinte corolário euclidiano: um mau candidato a presidente, certamente, daria um mau presidente. Como juíz, foi um péssimo candidato à política. Que ele faça novos concursos para juíz. JAMAIS DEVERIA TER DEIXADO A TOGA.

  4. Compartilhe esse conteúdo utilizando as ferramentas de compartilhamento oferecidas na página ou pelo link: https://crusoe.uol.com.br/edicoes/211/o-partido-militar-veio-para-ficar/. Nossos textos, fotos, artes e vídeos são protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo da revista em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização da Mare Clausum Publicações Ltda.

  5. Que moral tem esta quadrilha tem para isto? somos uma nação de ignorantes mas não de cegos que em insano ódio divididos se deixa levar por criminosos que o aparelhamento de estado feito criminosamente por anos em suprema humilhação um poder já ditador descondenou de hediondos crimes a um ladrão que perpetrou o maior assalto de toda história .. o pior sem um líder capaz teremos mais quatro anos de violência contra uma nação estupefata cordata e submissa ... e se nada for feito dias piores virão.

  6. Meu LIVRO “O INROTULÁVEL”. Link de acesso: https://www.amazon.com.br/dp/B09HP2F1QS/ref=cm_sw_r_wa_awdo_PQSA5Z6AXXH2SX16NH87 *LULA: os EXEMPLOS EXECRÁVEIS que uma SOCIEDADE tão CORRUPTA é capaz de produzir! São DEGENERADOS MORAIS que IMPEDEM o MUNDO de AVANÇAR! Em 2022 SÉRGIO MORO “PRESIDENTE LAVA JATO PURO SANGUE!” Triunfaremos! Sir Claiton

    1. Pobre país que os dois candidatos mais cotados são: um ex presidiário que só foi solto por manobras espúrias do STF é o outro é um insano. Qualquer um o país estará perdido. M. Fabiola

Mais notícias
Assine agora
TOPO