Ricardo StuckertValeska Teixeira, Geoffrey Robertson e Cristiano Zanin: eles emplacaram ação que deveria ter sido arquivada

Que ONU, que nada 

A decisão do Comitê de Direitos Humanos não é um parecer da organização internacional, não inocenta Lula, não condena Sergio Moro e só serve como trunfo político para o petista
12.05.22

Muitas organizações internacionais têm nomes parecidos. Algumas contam com departamentos batizados da mesma forma que outra organização vizinha. E tudo pode ficar ainda mais confuso quando traduzido para idiomas diferentes. Assim, ainda que esses órgãos sejam bem-intencionados, a desinformação em torno deles pode ser manipulada para fins políticos. Foi o que aconteceu no final de abril, quando o Comitê de Direitos Humanos divulgou uma decisão considerando que o Estado brasileiro violou direitos de Lula. A notícia foi dada como se a ONU tivesse condenado o trabalho do ex-juiz Sergio Moro e inocentado o ex-presidente Lula. Não é nada disso. Algumas considerações, portanto, são necessárias.

A primeira é sobre a ideia de que a ONU é que teria se pronunciado sobre o caso levado pelos advogados petistas para o Comitê em julho de 2016, quando Lula ainda não tinha sido condenado. Na verdade, são duas organizações com estruturas distintas. Explica-se. O Comitê foi formado e tem sua atuação com base no Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos, aprovado pela Assembleia-Geral da ONU, em 1966. Esse pacto lista uma série de direitos humanos que devem ser respeitados pelos países. O Comitê foi o órgão administrativo incumbido de monitorar o cumprimento deles pelos Estados do pacto. Sem sede própria, essa entidade se utiliza das instalações do Alto Comissariado da ONU, em Genebra. Além disso, os salários de seus membros são pagos pela ONU.

É a partir daí que começam as diferenças. Somente os estados que assinaram o pacto fazem parte dele. E nem todos o adotaram. Vinte dos 193 integrantes da ONU ficaram de fora. “O Comitê é um órgão com vida própria, uma instituição administrativa que funciona de forma independente da ONU”, diz Wagner Menezes, professor de direito internacional da USP e ex-consultor jurídico da ONU. 

No Comitê, trabalham 18 especialistas em direitos humanos que atuam de maneira independente, apesar de terem sido nomeados pelos governos de seus países. Eles não consultam seus governos antes de votar, como obrigatoriamente devem fazer os representantes dos países nas entidades próprias da ONU, como o Conselho de Direitos Humanos ou o Alto Comissariado para os Direitos Humanos (nomes parecidos, certo?).  Esses 18 especialistas não representam seus países. Eles atuam totalmente no plano pessoal. Desde que acompanho os trabalhos, nunca vi um conflito de interesses por lá”, diz o advogado argentino Fabian Salvioli, que foi o presidente do Comitê de Direitos Humanos até 2016. Por causa da separação entre a entidade e a ONU, inferências de que a chilena Michele Bachelet, do Alto Comissariado para os Direitos Humanos, daria as cartas no Comitê carecem de sentido.

O fato de esses especialistas serem autônomos, contudo, não quer dizer que não sofram influência de terceiros ou que não cometam erros. Um dos casos mais estapafúrdios é o do empresário colombiano Alex Saab, que foi detido no arquipélago de Cabo Verde quando parou para reabastecer seu avião a caminho do Irã. Laranja do ditador venezuelano Nicolás Maduro, ele alegou, sem dar evidências convincentes, que estava sendo torturado na prisão. O objetivo era evitar uma extradição para os Estados Unidos, onde era acusado de lavagem de dinheiro e conspiração. 

ReproduçãoReproduçãoVenezuelana pede libertação de Saab: Cabo Verde ignorou a decisão do Comitê
Seu time de advogados incluía o espanhol Baltasar Garzón, que já defendera o hacker australiano Julian Assange. Garzón e seus colegas apelaram em todas as instâncias da Justiça de Cabo Verde ao longo de 16 meses, até que a Suprema Corte do país decidiu mandá-lo para os EUA, em maio de 2021. No mês seguinte, o Comitê de Direitos Humanos publicou uma nota pedindo que a extradição fosse suspensa, alegando que Saab deveria receber cuidados médicos adequados e que corria o risco de “ser torturado e maltratado em caso de extradição e de ser exposto a novas violações dos seus direitos”.

A hipótese levantada pelo Comitê sobre possíveis torturas em prisões americanas não tem qualquer base nos fatos. “Os advogados de Saab, que receberam milhões de dólares da ditadura venezuelana, foram muito eficientes em convencer os especialistas de que se tratava de um julgamento político, quando era apenas um caso de corrupção”, diz o ex-procurador venezuelano Zair Mundaray, exilado na Colômbia. “Esse Comitê é absolutamente irresponsável. Ainda bem que a Justiça de Cabo Verde ignorou sua recomendação.”

Além do espanhol Garzón, quem também tem bom trânsito em Genebra é Geoffrey Robertson, de cidadania australiana e britânica. Advogado de prestígio internacional, ele foi condecorado com os títulos da Ordem da Austrália e Conselheiro da Rainha britânica. Como Garzón, já deu conselhos para Assange. Seus honorários também não cabem em qualquer bolso e uma de suas especialidades é apresentar denúncias ao Comitê de Direitos Humanos. Robertson tornou-se conhecido dos brasileiros quando foi anunciado pelo PT, em 2016, como o advogado que levaria a denúncia de Lula para esse órgão. Dois anos depois, virou motivo de chacota ao tirar um cochilo nas audiências do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, o TRF-4. Mesmo assim, a aposta nele acabou se pagando.

ReproduçãoReproduçãoGeoffrey Robertson cochila no TRF4: aposta em advogado se pagou
A ação de Robertson pode ajudar a explicar algumas idiossincrasias do processo de Lula. Isso porque o Comitê, a princípio, só deve admitir uma denúncia quando já estão esgotados todos os recursos na Justiça interna dos países. Não foi esse o caso. Em 2016, quando a equipe de Lula enviou a denúncia, o ex-presidente ainda tinha diversos recursos para se defender nas instâncias nacionais, como efetivamente o fez.

Lula foi preso em janeiro de 2018, depois que TRF-4 o condenou em segunda instância. A defesa fez um pedido de habeas corpus, que foi rejeitado pelo STF. Depois de 580 dias em detenção, Lula foi solto após uma decisão do mesmo STF, que passou a rejeitar a prisão em segunda instância. No ano passado, os recursos do time de Lula foram bem-sucedidos quando uma nova decisão do STF favoreceu o petista, ao mandar o caso de volta à primeira instância, em Brasília, onde Lula já tinha sido absolvido duas vezes, depois que Sergio Moro foi considerado suspeito.  

Ao final do ano passado, após as diversas apelações feitas pela equipe de advogados de Lula, a sua situação já era bem confortável. Ele estava livre e apto a se candidatar novamente à Presidência. Ainda que se possa questionar as inclinações e as posições dos ministros que compõem o STF, o fato é que, no Brasil, um país democrático, a instância suprema da Justiça respondeu positivamente aos pedidos feitos por aquele que dizia ter seus direitos desrespeitados. Uma decisão do Comitê, portanto, já não teria validade. A admissão formal da denúncia também perderia o sentido, como afirmam dois dos 18 especialistas que votaram contra a decisão que concluiu que Lula teve os seus direitos desrespeitados. O mais correto seria que o Comitê arquivasse a denúncia. No final, eles deram uma decisão extemporânea, que chegou tarde e não irá mudar em nada o status do Lula. É algo que apenas demonstra o caráter político desse Comitê”, diz Maristela Basso, professora de Direito na USP. “O certo é que Lula pôde usar isso como um trunfo político, e que Robertson poderá cobrar um bônus de êxito por ter obtido essa declaração.”

A decisão do Comitê diz que Lula teve vários direitos violados, inclusive o de se candidatar à Presidência em 2018. Dezesseis dos 18 especialistas apoiaram a conclusão. A rejeição de seu nome, contudo, foi tomada pelo Tribunal Superior Eleitoral, o TSE, que apenas aplicou a lei em vigor, a da Ficha Limpa, que não permite que cidadãos condenados criminalmente sejam candidatos. Ainda assim, o Comitê solicita que o governo brasileiro dê uma “reparação total” ao petista. O país precisa, ainda, traduzir a decisão em até 180 dias e dar ampla divulgação a ela. Medidas também devem ser tomadas para evitar danos no futuro.

Na prática, o que pode acontecer é Lula pedir uma indenização na Justiça e ganhar algum dinheiro. Com relação a Moro, não há consequências diretas. Isso porque quem foi julgado no processo foi o Estado brasileiro, incluindo as várias instâncias do Judiciário, com suas idas e vindas. A defesa foi feita pela Advocacia-Geral da União. “No fundo, toda a prisão do Lula foi um trabalho institucional. Inclusive, quem determinou a prisão do Lula foi o TRF4. A gente apenas cumpriu”, disse Moro para a Crusoé (leia a entrevista).

Em teoria, como o Brasil assinou o Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos, o país estaria obrigado a seguir a decisão dos especialistas. Ainda que o Comitê não seja um órgão jurídico, e sim administrativo, um compromisso foi assumido. Mas há divergências entre os juristas brasileiros sobre o quanto isso deveria ser levado a sério. E vale notar que nem mesmo o minúsculo arquipélago de Cabo Verde, no meio do Oceano Atlântico, importou-se com a decisão do Comitê contra a extradição do colombiano Alex Saab. Ele foi mandado para os Estados Unidos e pronto. EO Estado brasileiro poderia até dar de ombros ao Comitê. A ineficácia da decisão, porém, não invalida a vitória política de Lula, pela qual ele não pagou barato.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Esclarecimentos necessários. Sabia que a decisão não tinha qualquer efeito vinculante, mas ignorava sua extemporaneidade e a total inutilidade do próprio comitê.

  2. espero que tenha sido caro mesmo conseguir esse papel vergonhoso da ONU, mas ele ainda vai ter a chance de continuar roubando para si e seus meliantes.

  3. Quem,como eu, tiver a pachorra de ler as considerações do comitê, notará as notáveis coincidências dos argumentos empregados com todas as alegações já exaustivas do Lula, de que foi grampeado, de que o depoimento do Palocci foi divilgado próxiom ãs eleições, da condução coercitiva. Um dos membros, que divergiu dos demais, escreveu que o caso de suspeição do Moro se deu por julgamento subjetivo, e não objetivo, dada a ausência de fatos concretos

  4. O que Zanini está querendo mesmo com estas acões é ser mais um ministro do Luladrão no supremo caso o energúmeno fosse eleito. Luladrão nunca mais. Ele vai ter que continuar roubando só dos fundos eleitorais e partidário o que já é muita grana em poder deste larápio.

    1. Concordo. Artigo cheio de opiniões e fofocas de terceiros, de pouca solidez estrutural. Não conclui verdadeiramente nada e só insufla os partidários da idéia alardeada na chamada do artigo. Do jeito que está, mesmo que contenha verdades, está mais para uma narrativa de fake news.

  5. Texto esclarecedor! Mas não chega à população, em geral. O que fazer, se até agora a terceira via não aparece? O que vemos é muita ambição pelo poder, e ninguém quer ceder pelo Brasil. Esperar renúncia dos políticos de sempre? Cansaremos. Mas reconheço que lutar é preciso.

  6. Há uma imprecisão de informação na matéria quanto à absolvição de Lula. Esta não correu em nenhum dos processos anulados pelo STF. Nestes, sem exceção, Lula ganhou o status jurídico "sui generis" não formal, de descondenado. Namastê!

  7. Quem pagou os advogados internacionais? O partido? Quem vai pagar o “ bônus de êxito “ , caso exista? O partido? Quem pagou zanin? O partido? Lula coçou o bolso em algum momento? Não deve ter se mexido. Nunca pagou uma conta sequer. Sempre foi um pelego parasita. Nunca deixou de ser. É o seu espírito, sua essência, está no DNA.

  8. Se o Lula teve seus direitos violados eu sou a Penélope charmosa! (Não q não seja charmosa, mas sou a Juliana mesmo...😜). Obrigada pelo esclarecimento Duda! Vou compartilhar c qm puder! A única coisa é q eu fiquei sem entender o motivo da existência de um comitê desses... Pelo q vc escreveu, não tem crédito que justifique sua manutenção...

    1. Concordo. A ONU deveria aplicar melhor o seu dinheiro.

  9. A ONU não se pronunciou a este respeito, nem poderia, visto que se trata de jogada política. Na vdd, LULA foi condenado em 5 instâncias, ele " pode" ser candidato pq é BRASIL.

  10. Trata-se de uma patacoada internacional que a grande mídia conivente e em parte despreparada ( ignorante ) vendeu com uma decisão da ONU favorecendo politicamente o Lularápio e tentando manchar a Lava Jato. Dá engulhos.

  11. Estou esperando somente o Vem pra rua, e isso que nos fara jjustica nos que torciamos pela lava jato,,Agora aqueles que tem problema com a justica estao apavorados pra eles proprios resolverem o comando da futura eleicao, isto esta tao claro que eles conseguiram que se rebaixe a nota pra MORO E SIMONE,como todos sabemos que sao 2 astros pra governar, sem discernimento,nada na cabeca a justica sera esclarecida por nos o povao,DESCULPEM OS QUE SE FAZEM MANDOES SERA ISSO AI O QUE ESPERAMOS,

  12. Eu tinha certeza absoluta de que esse comitê era uma farsa para enganar os trouxas que idolatram esse bandido do Lula. O trabalho da Lava Jato foi correto, o trabalho de Moro foi correto. O STF não provou que Lula era inocente, o STF mostrou que é aparelhado politicamente, nossas Instituições acabaram.

  13. Esse MOLUSCO sempre será culpado por todo mal que causou ao Brasil!!! E o STF, também é responsavel por ter livrado esse mal carater!! Que justiça é essa????

  14. Pode não haver efeito jurídico direto para o Moro, mais tem moral e político, já que as devidas ponderações deste artigo não circulam na grande imprensa.

  15. Maior embromação do PT para aumentar a fumaça no " Lula Livre" mas não inocentado. Considero o maior golpe jurídico já ocorrido. Mas o dinheiro nesse partido sobra , então a apelaçao é constante.

  16. Uma instituição onde países ricos e fortes militarmente criminosos e grandes assassinos da humanidade vetam o que querem não serve para nada ou apenas para dar asas a criminosos ... há muito virou lixo e como fede.

  17. Meu LIVRO “O INROTULÁVEL”. Link de acesso: https://www.amazon.com.br/dp/B09HP2F1QS/ref=cm_sw_r_wa_awdo_PQSA5Z6AXXH2SX16NH87 *ALIADOS do LULA: os EXEMPLOS EXECRÁVEIS que uma SOCIEDADE tão CORRUPTA é capaz de produzir! São DEGENERADOS MORAIS que IMPEDEM o MUNDO de AVANÇAR! Em 2022 SÉRGIO MORO “PRESIDENTE LAVA JATO PURO SANGUE!” Triunfaremos! Sir Claiton

  18. Já fui ácido com diversos artigos de Duda. Neste, receba meus aplausos, especialmente pela última oração, da qual discordo: no final, foi barato.

  19. Infelizmente, essa informação não é sequer referenciada, e muito menos debatida pela dita "imprensa" brasileira. E assim vamos vivendo uma agonia nesses tempos completamente adversos, ao bel prazer das decisões jurídicas de ocasião. É uma vergonha!

  20. Resumindo, um cabide de empregos para "especialistas" corruptos serem pagos por criminosos para tentar legitimar suas ações.

  21. Excelente reportagem. Só não concordo com o final, qdo diz que Lula não pagou barato. Sabemos que quem paga essa conta somo nós.

    1. O sistema corrupto sempre esteve no poder. O idolatrado "mito" é apenas um dos tentáculos do sistema corrupto, assim como também o é o nosso ex-presidente corrupto e cachaceiro. Mas o chefão mesmo é o Gilmar boca mole, esse manda e brinca de marionete tanto com o "mito" quanto com o "cachaceiro".

  22. Apesar de todos esses meandros, a tchurma do lula, esta levando a melhor. Ele esta vestido de coitadinho, de vitima. E quem agiu com correção, sendo enxovalhado por todos os lados. Viva ou morra a tal justiça brasileira, da forma como tem se comportado?

Mais notícias
Assine agora
TOPO