RuyGoiaba

200 livros para entender a sua bolha

20.05.22

No início do mês, a Folha publicou uma lista de 200 livros “para entender o Brasil” — indicados, diz o jornal, por “169 intelectuais da língua portuguesa” (sim, por incrível que pareça encontraram 169 intelectuais por aqui: pelo visto, difícil foi achar esse unzinho que faltou para dar número redondo). O gancho eram os 200 anos da Independência, que serão completados em 7 de setembro se tiver sobrado algo do Bananão até essa data. Aliás, outro dia vi um outdoor com os dizeres “Parabéns, Brasil! – 1822-2022”. Ou seja: o país morreu mesmo, rest in peace, pelo menos ganhamos umas Copas aí. Mas divago, desculpem.

Toda lista desse tipo é feita para, lá vem o clichê, “gerar polêmica” — e, num mundo de internet e redes sociais, estimular cliques e atrair mais acessos para os sites noticiosos. Na da Folha, a própria ideia de “livro” é bastante elástica, já que a lista inclui as letras de “Sobrevivendo no Inferno”, o disco dos Racionais MCs, e o songbook de Tom Jobim. Mas a principal novidade é a forte presença de pautas étnicas/raciais e de gênero: “Quarto de Despejo”, de Carolina Maria de Jesus, aparece em primeiro, à frente de “Grande Sertão: Veredas”. O romance de Guimarães Rosa, por sua vez, empata em indicações com “A Queda do Céu”, livro do líder yanomami Davi Kopenawa e do antropólogo francês Bruce Albert.

Tudo muito bom, tudo muito bem, há livros ótimos na lista, MAS (vocês sabem que o que vem depois do “mas” é essencial) um pedaço considerável do Brasil ficou de fora dela. Um dos problemas de escrever uma coluna semanal é que você se arrisca a ver aparecer outro texto que, publicado antes do seu, diz exatamente aquilo que você estava querendo dizer: no meu caso, a coluna de Gustavo Alonso na própria Folha. Autor de um livro sobre música sertaneja e modernização brasileira, Alonso é uma espécie de “reserva ecológica” do sertanejo em meio a uma pauta cultural geralmente produzida para (e por) gente cool dos grandes centros urbanos. É o mesmo colunista que, em 2021, virou saco de pancada nas redes em razão de seu texto sobre a morte de Marília Mendonça.

“Se nos restringirmos à lista produzida pela Folha”, escreveu Alonso no último dia 13, “(…) vivemos no país do samba, da bossa nova, do tropicalismo e do rap. E só. Seguimos sem entender o país que canta sertanejo, dança axé, rebola com o funk e idolatra o pagode”. Isto é, vivemos no país do “bom gosto” sancionado por uma classe média-alta universitária, que se surpreende (e não me excluo) com a imensa popularidade de cantores como Marília quando algum deles morre. Nem o funk carioca, sobre o qual há produção teórica desde os anos 80, entrou na relação — quanto mais axé, pagode e sertanejo, estilos superpopulares dos quais o pessoal descolado tem nojinho. Você pode até achar que o mundo do neossertanejo e dos agroboys é todo bolsonarista, mas não deveria ter a pretensão de “entender o Brasil” sem incluí-lo na equação (a propósito, a não ser que eu tenha perdido algo, a lista da Folha tem zero livro sobre os evangélicos).

O colunista lembrou ainda “Eu Não Sou Cachorro, Não”, o livro de Paulo César de Araújo sobre as relações entre a música cafona dos anos 70 e a ditadura militar, que desfaz vários mitos: mostra que medalhões da MPB “resistiram” ao regime bem menos do que gostariam de admitir e que alguns artistas ultrapopulares “alienados” sofreram, no mínimo, tanta censura quanto os aceitos pela intelligentsia (Odair José teve mais músicas censuradas que Caetano Veloso, por exemplo). Os “cafonas” de origem periférica também abordavam, em geral mais diretamente que a MPB, temas-tabu, como prostituição (“Eu Vou Tirar Você Desse Lugar”, do já citado Odair) e homossexualidade (Agnaldo Timóteo e sua “Galeria do Amor”). Nem preciso dizer que, na lista da Folha, ninguém se lembrou da obra de Araújo: o universo de Odair José costuma ser barrado pelos porteiros nesses ambientes, exceto quando ele e outros são abraçados por algum artista cult.

Entendo plenamente a depressão de quem acorda cercado de Brasil por todos os lados e procura evitar ao máximo fazer contato visual com o país. Mas não me venham dizer que essa relação de 200 livros é “para entender” o Bananão. Ela é excelente, porém, para entender outra coisa: a bolha em que vive quem a fez.

***

A GOIABICE DA SEMANA

O casamento de Lula (“enlace”, “boda”, aquelas palavras que a revista Caras usa quando precisa escrever “casamento” 200 vezes na mesma página e quer um pouco de variedade) já deu um gostinho do que vai ser a segunda vinda do Deus-Sol. Houve gente escrevendo “deixem Lula se casar em paz”, como se ele mesmo não quisesse fazer do evento um ato de campanha — o “amor” contraposto ao “gabinete do ódio” de Jair Bolsonaro —, e outros repetindo a sacadinha “vocês queriam que ele se casasse na laje, servisse Itaipava” etc., que não fica mais engraçada a cada repetição. Preparem-se: depois de anos de merecidas pauladas na Bolsofamília, outra coisa que retornará triunfalmente será o humor a favor.

Ricardo Stuckert/Twitter/LulaRicardo Stuckert/Twitter/LulaÉ, meus amigos, parece que aquela história de “Lula livre” realmente acabou

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Vou acrescentar um excelente aqui, mesmo que ele apareça 200 vezes nestes comentários. Obrigada pelas risadas desta segunda-feira. 👏🏻👏🏻👏🏻

  2. Excelente artigo, Goiaba! Eles nunca entenderão o Brasil enquanto não olharem para os subúrbios e periferias. E nunca olharão! Viverão sempre entre o Leblon e os Jardins, cultuando e estudando o que pensam ser o Brasil.

  3. O livro do Paulo César Araújo é sensacional. Estamos precisando furar as bolhas e pensar! Deixar de lado amor e ódio e ousar pensar.

  4. Cada um na sua bolha, certo?! Já se apelidou essas plagas de Belíndia, pois é como se tivéssemos 2 países em 1 só: Bélgica - em referência ao vidão dos mais afortunados e Índia - o povão. Suponho q uma atualização dessa alcunha seria Baníndia, uma mistura de Bangladesh com Índia - sem querer ofender ninguém. Nossa sociedade está toda ela empobrecida e sem perspectivas. Só não vê quem não quer.

  5. Hj o seu artigo não ficou tããão engraçado, mas ficou muuuito bom!😊 E a goiabice é pra chorar... Mas é goiabice mesmo😒.

  6. E quem prefere nenhuma das alternativas brasilianeira? E inclusivelmente não gosta nem do gabinete do ódio, nem do enlace paz e amor? O circo, a novela... não têm fim...

  7. É um clubinho em que as regras são se elogiarem mutuamente e pseudo cultuar um tal de “povo” que eles criaram na mente (porque o povo real eles desprezam e punem).

  8. Discordo desta cultura da bolha, do cancelamento. Acho sim que temos que ler a Folha, o Estadão, o Globo, a Crusoé.... E buscarmos o senso crítico ! O que não dá é buscar idéias e conhecimento no aplicativo do Tiozão ...... WhatsApp, Telegram, Get..... etc .... e em alguns Blogs também.

  9. O ativismo pseudo Cult já encheu as medidas. Tudo que é demais produz o efeito contrário. Acaba gerando antipatia, pois põe às claras sua hipocrisia.

    1. Cara Élide, demais ou de menos. Talvez demais no faz de conta.

  10. Toda vez que vejo essas listas me sinto cada vez mais isolada na minha bolha. Mas acho que um país de tamanho continental como o Brasil jamais poderia ser uniforme, unicolor e uníssono. Cada um que procure a sua turma, a sua praia e a sua toca! Desde que respeite a existência de outros, tá tudo certo.

  11. Fui olhar a lista dos 200 livros. Pesquisei os "intelectuais". Talvez por conta da ordem alfabética, deparei-me, de cara, com ADRIANA CALCANHOTO. Fechei a aba do navegador, abri essa e após fazer esse comentário, vou cuidar de outra coisa - qualquer coisa - para tentar esquecer essa lista.

    1. Queriam colocar 171, mas pensaram, pensaram e deixaram com 169. Pensaram novamente e um gaiato gritou: "1, 69, tô dentro".... Ah folha!! Minúsculo mesmo !!!!

  12. Ouso dar um providencial conselho ... se você quer mesmo entender o Brasil não leia a Fôia ... é um ótimo começo.

  13. Lula poderia ter feito um enlace chic para os empresários, políticos de renome e artistas engajados na causa. É um arrasta-pé para reunir os iludidos com sua imagem de metalúrgico. Seria mais uma bela tática para alcançar seu posta tão desejado

  14. Acho que a ideia original deveria ser ouvir 200 intelectuais, para indicar 200 livros, mas... (depois desse mas faltou o essencial).

  15. Você não disse, mas vou dizer: a lista divulgada pela ex-folha foi construida por corações e mentes discricionários, superficiais, pertencentes a fas clubes. Petistas. Relmente é “gente cool” travestida de intelectualizada. Parabéns pela postura ética ao conceder uma parte de sua visão critica ao brilhante Gustavo Alonso. Por isso sou admirador seu que o lê, ávido por se nutrir, nessas redes, de uma luz no túnel.

Mais notícias
Assine agora
TOPO