Reprodução Facebook Mary del Prior"Ser cidadão hoje é olhar Brasília com o nojo de quem examina um laboratório de répteis"

‘Está na hora de contar como muitos venceram o preconceito’

A historiadora Mary del Priore lamenta a pobreza da visão oficial sobre o Bicentenário da Independência e diz que é mais do que urgente uma pesquisa sobre mobilidade social de afrobrasileiros e afromestiços no período imperial
26.05.22

A historiadora carioca Mary del Priore cumpriu um percurso notável em universidades brasileiras e estrangeiras, como professora e pesquisadora. Há cerca de duas décadas, passou a se dedicar ao trabalho de divulgação histórica, aproximando os leitores de personagens e momentos cruciais do passado brasileiro. Vários de seus livros alcançaram um público amplo. Entre eles, histórias das mulheres, da infância e da violência no Brasil. Mary não é uma especialista na história política da Independência, que completa seu bicentenário em 2022, mas mergulhou no período por um ângulo peculiar: a vida íntima da família imperial. Além de um livro sobre a imperatriz Leopoldina, o imperador D. Pedro I e sua amante Domitila, a Marquesa de Santos, ela acaba de lançar uma narrativa sobre os anos em que a inglesa Maria Graham viveu no Brasil, conviveu com a imperatriz e testemunhou sua solidão. Sobre este período que antecede a data do bicentenário, a historiadora destaca a pobreza da abordagem oficial, que recicla clichês já desmentidos sobre o Grito do Ipiranga (“A Independência do Brasil foi conquistada com um brado. Nossa liberdade, anunciada com uma exclamação“, diz o site produzido pelo governo) e a profusão de informações que têm vindo à tona em novos estudos e permitem falar em “Independências“, no plural. A tarefa que ela considera urgente para os historiadores brasileiros é complementar a história da escravidão com uma história da mobilidade social, que levou homens e mulheres negros ou mestiços a assumir papéis de protagonismo ainda nos períodos da Colônia e do Império. “Desde D. João VI, temos uma Corte ‘mulata’“, diz Mary, que abordou o tema em À Procura Deles (Benvirá), livro lançado em 2021. Ela lamenta, ainda, que duzentos anos não tenham bastado para fazer avançar a cidadania no Brasil.

Muitos historiadores têm dito que é preciso se referir ao Bicentenário como sendo “das Independências”, no plural. A própria Associação Nacional de História (Anpuh) lançou um site com esse nome, Bicentenário das Independências. A senhora concorda com essa ideia?
Sim. Isso não é fruto de voluntarismo, mas do crescimento das pesquisas regionais e da descentralização das pós-graduações. Jovens historiadores do Nordeste, por exemplo, vêm produzindo centenas de teses sobre a situação de suas províncias quando da assinatura da emancipação, mostrando o quanto elas estavam descoladas do Rio de Janeiro. Também são descobertos fatos novos: resistência ou adesão ao império, participação de classes médias e escravos nas lutas, batalhas sangrentas ao contrário de um simples “grito”, o papel das cidades do interior e de suas elites contra os interesses lusitanos no litoral. Em suma: muita informação nova que comprova a necessidade de conhecermos melhor o nosso passado.

Como vê o site dedicado pelo governo federal à celebração do Bicentenário?
Não é de espantar. As efemérides tradicionalmente servem aos interesses de Estado, em qualquer parte do mundo. Práticas, rituais, símbolos servem para a construção da memória de um grupo e usa-se a emoção como um instrumento estratégico. Em geral, com tais encenações promove-se um sentimento coletivo de pertença. No caso do governo atual, elas geram apenas a certeza do remoto conhecimento que seus representantes possuem da História do Brasil.

O Bicentenário ocorre em um momento em que as diferenças ditas “identitárias” dominam muitas discussões e existe a possibilidade de que a própria data se transforme em momento de protesto desses grupos. Como a senhora avalia essa situação? Existe uma perspectiva universalizante sobre o Brasil que deva ser contraposta a essa ênfase nas diferenças?
Há espaço para tudo: para protestos, sempre saudáveis, mas, também, para pensar os estertores do Antigo Regime em toda a Europa, o surgimento das ideias liberais nas lutas de Independência e também no seio de uma sociedade que se transformava. Transformações nascidas do letramento, da presença da imprensa, do nascimento da opinião pública, do consumo de bens que chegavam desde a Abertura dos Portos, em 1808 e, o mais importante e pouco estudado, da inserção de afrobrasileiros e afromestiços no sistema produtivo e no aparelho de Estado. Militares, burocratas, médicos, advogados e futuros conselheiros de D. Pedro I, como o Visconde de Montezuma ou Antônio Rebouças, revelam a mobilidade social que já existia e vem sendo pouco estudada pela dificuldade de documentos mas também pela ênfase quase exclusiva em estudos sobre a escravidão.

Reprodução Facebook Mary del PriorReprodução Facebook Mary del Prior“D. Pedro I morreu nos braços de um médico pardo – hoje, preto”
Em 1823, um ano depois da Independência, houve um longo debate no Congresso para estabelecer os critérios definidores da cidadania brasileira. O problema do status dos escravos, obviamente, servia de pano de fundo a essas discussões. Duzentos anos depois, o que é ser cidadão brasileiro?
Ser cidadão hoje é pagar impostos altíssimos sem ter serviços, é sofrer violência sem ter proteção, é morrer sem remédio e é olhar Brasília com o nojo de quem examina um laboratório de répteis.

Das muitas interpretações que se pode fazer de uma efeméride como o Bicentenário, existe alguma que lhe pareça necessário não apenas descartar — por ser anacrônica, por exemplo —, mas combater ativamente?
A história é um processo. Novas teses apoiadas em descobertas documentais aposentam velhas interpretações. Não quer dizer que elas não tenham valor. Elas representam o momento em que foram concebidas. Nos permitem interpretar a mentalidade de quem as elaborou e as perguntas que eram então formuladas.

A senhora abordou a Independência sob o prisma da vida privada, especialmente da família imperial. O que essa abordagem revela?
A consulta aos arquivos do Museu Imperial de Petrópolis me deixou enxergar com lucidez o grau de abandono em que vivia a imperatriz Leopoldina. Abandono comprovado por viajantes de época, inclusive Maria Graham, protagonista de meu último livro, que compartilhou sua solidão. Depressão, tristeza, isolamento são características de muitas mulheres traídas por seus companheiros, até hoje. Estudar Leopoldina e o enigma da servidão voluntária feminina nos aproxima de nossas contemporâneas.

Como historiadora, existe ainda algum enigma que precise ser desvendado sobre a Independência? Que pesquisa sobre sobre aquele momento a senhora gostaria de ver feita pelos jovens historiadores?
A mais do que urgente pesquisa sobre mobilidade social de afrobrasileiros e afromestiços. A mobilidade já existia nas primeiras décadas do século XIX. Desde D. João VI, tivemos uma Corte “mulata”. D. Pedro I morreu nos braços de um médico pardo – hoje, preto. No Segundo Reinado tivemos ministro das finanças, presidente do Banco do Brasil, diplomatas, Conselheiros do Império, barões, médicos, jornalistas, enfim, todos mestiços. Eles não representam um todo, mas a ponta de um iceberg que Gilberto Freyre já tinha tratado em Sobrados e Mocambos ao analisar os bacharéis mulatos. O historiador Manolo Florentino, que nos deixou precocemente, insistia que, para entender a miscigenação, era preciso estudar a mobilidade social. O tema é esse: fazer a história da mestiçagem e da mobilidade social e não perder tempo com conceitos abstratos. Desde 1988, devido ao centenário da Abolição, estudamos escravidão. Talvez fosse chegada a hora de se debruçar sobre o pós-escravidão. Ninguém nega que a escravidão maltratou e matou de fome e dor milhares de seres humanos. Ninguém nega que escravidão e racismo são duas caras da mesma moeda. Mas os escravizados e seus descendentes também encontraram brechas no sistema que os oprimia. Se continuarmos a consultar apenas listas de escravos nos testamentos e certidões de nascimento dos arquivos eclesiásticos, só veremos escravidão. Está na hora de reunir documentos e construir uma história que conte também como muitos homens e mulheres venceram o preconceito e a desigualdade. 

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Faltou concluir o artigo. O preconceito e a desigualdade só podem ser vencidos com estudo e competência daqueles que sofrem preconceito. É o que nenhum ativista jamais pregou.

  2. Parabéns pela entrevista. Sou leitora assídua de Mary Del Priore e encontro em seus livros informações para tentar entender esse país cheio de contradições em que vivemos. Precisamos resgatar nossa história, sob todos os ângulos, mesmo que não se encaixe nos conceitos que querem nos impor. Precisão cirúrgica para definir o nosso país, guardando, obviamente, o respeito aos répteis que não merecem ser comparados aos seres abjetos de Brasília.

  3. Laurentino Gomes tb escreveu 2 livros de história muito interessantes: 1808 e 1822. No último dá a entender que D. Pedro I matou a imperatriz, homicídio culposo.

    1. Paulo Rezzutti, historiador que participou exumação de D. Pedro I e D. Leopoldina, contesta essa teoria.

  4. Uma das 3 saudades q tenho da minha vida escolar, é da aula de História! Fiz meu ensino médio numa escola q era mantida por um jornal. Eu ñ gostava da escola, mas amava as aulas de História! Esperava c ansiedade pq elas, eram, invariavelmente, excelentes (na minha cabeça de qm saiu de uma escola pública ruim). Ñ sei se é por isso, mas gosto de História e gosto (muito) de historiadores! Então, só posso dizer q, sou suspeita p falar, mas gostei (muito) da entrevista! Obrigada Graieb e Mary!🙂🤗

    1. Leía os livros dela. São muito bons — inclusive de ler. Ah! Não leia com os olhos de hoje. Sinta as especificidades do período e tente entender o porquê de ter sido como foi. Dispa-se.

  5. "Ser cidadão hoje é pagar impostos altíssimos sem ter serviços, é sofrer violência sem ter proteção, é morrer sem remédio e é olhar Brasília com o nojo de quem examina um laboratório de répteis." "...os escravizados e seus descendentes também encontraram brechas no sistema que os oprimia. Se continuarmos a consultar apenas listas de escravos nos testamentos e certidões de nascimento dos arquivos eclesiásticos, só veremos escravidão. ..." Maravilha!

  6. O trabalho da pesquisadora Mary del Priore é robusto. Num país sem Ministro da Educação e sem Ministro da Cultura ( alguém os viu por aí fazendo algo de relevante??), seus livros são fonte de informação e deleite, pois Mary escreve muito bem e com muita propriedade sobre a nossa História! Parabéns à historiadora pela grande contribuição prestada ao nosso país!

  7. Gosto muito dessa historiadora. Porém, discordo q analisar BSB seja como analisar um laboratório de répteis. Ainda q sejam seres rastejantes, escamosos, com aspecto ñ muito simpático, repteis são animais longevos e q economizam energia muito bem. Existem há + tempo q os humanos e seguem perfeitamente sua natureza. Já os nossos governantes são humanos, com um aparato biológico q lhes permitiria inteligência, mas q desprezam a própria natureza racional e se tornam essa aberração desprezível.

    1. Valeu Sofia. Os repteis agradecem. Tenho mais apreço pelos répteis que pelos seres das trevas que habitam a política nacional.

  8. Essa senhora cita dois ou três nomes para relativizar o escárnio da mobilidade social dos negros. No Exército, por exemplo, a imensa maioria era de escravos. Também havia com muita frequência brancos convocados para guerra de Paraguai que ofereciam escravos para lutar no lugar de seus filhos. Os negros iam para morrer simplesmente e os brancos nos postos de comando e oficiais.

    1. Ela não relativiza, ela estuda os fatos e dá uma sugestão: olhar por outro prisma para descobrir mais sobre o assunto.

    2. Sim, tem muito sofrimento racial mas temos que debruçar na construção de sociedade mais justa e não repetir os erros passados. A quem interessa o ódio?

Mais notícias
Assine agora
TOPO