AlexandreSoares Silva

O Haka de Carosella

26.05.22

Alguém discorda de você. O que é mais gostoso: persuadir essa pessoa, ou xingar essa pessoa?

Não sei dizer, já que nunca persuadi ninguém de nada, mas vendo pelo comportamento das pessoas às vésperas de uma eleição parece óbvio que o segundo é bem mais gostoso do que o primeiro.

O primeiro é um desejo vago, um ideal, algo que todos concordam que seria bom e bastante útil se acontecesse. Mas o segundo é uma tentação tão irresistível quanto dormir vinte minutos a mais no dia da sua prova do Enem.

Paola Carosella, a chef argentina, youtuber, ex-apresentadora de TV, mulher entojadamente politizada e sósia mais bem-apessoada do falecido governador paulista Orestes Quércia, causou uma certa celeuma este mês por ter dito em um podcast que quem vota em Bolsonaro é “escroto ou burro”.

Gente como Carosella têm todo o interesse em chamar mais pessoas para o seu lado, mas quando chega o momento não se aguentam, não se seguram — o eleitor ex-bolsonarista estava até pensando em se filiar ao seu partido, perguntando como fazer e tal, mas assim que estava tirando a caneta do bolso para preencher o formulário é xingado pela mesma pessoa que estava dois minutos antes tentando recrutá-la. Apenas porque sim. Leva cuspida na cara, mostram-lhe o dedo do meio, é mandado de volta pra casa.

O que acontece? Que fenômeno é esse? Possessão demoníaca? Sabotagem inconsciente? Tourette?

O que Paola Carosella conseguiu com isso? O prazer do insulto, que é um prazer que eu entendo muito bem. Mas entenderia muito mais se ela também estendesse o insulto a si mesma e aos eleitores do seu próprio candidato favorito.

Paola Carosella ainda tem que aprender que o prazer de um xingamento é muito maior quando o xingamento é completamente universal. O xingador deveria sempre se incluir no próprio xingamento, como um homem-bomba. Quando você não se inclui num xingamento se torna vulnerável a que respondam com a simples verdade: “É, sou sim. Mas não somos todos?”

Mas além da compulsão de xingar existe outra motivação: não queremos ganhar ou perder, queremos pertencer a tribos. Queremos fazer uma dança tribal, pular pra cima e pra baixo com os nossos amigos enquanto cantamos uma canção gutural e sincopada sobre cortar a garganta dos inimigos. Toda discussão partidária equivale ao Haka dos jogadores de rugby da Nova Zelândia.

O naturalista, botânico e explorador inglês Sir Joseph Banks descreveu assim o Haka, que testemunhou na sua primeira viagem à Nova Zelândia em 1769:
“…uma dança guerreira que consiste de várias contorções dos membros, durante as quais a língua é com frequência expelida até ficar com um comprimento incrível e as órbitas dos olhos crescem tanto que é possível ver um círculo de brancura em volta da íris…”

Nos próximos meses vamos ver muitas danças de contorções dos membros e olhos arregalados, feitas com o propósito duplo de intimidar os inimigos e de fortalecer o laço com os amigos. Praticamente é só o que vamos ver: dois grupos dançando um na frente do outro com toda a capacidade de intimidação das gangues dançarinas e piruetantes do musical West Side Story (o de 1961).

Mas eu não reclamo, eu não reclamo nunca. Vai ser divertido. Eu gosto de musicais.

***

Para quem acorda todos os dias com a esperança de finalmente ver o primeiro sinal da derrocada do movimento woke — será hoje? Ou em oitenta anos? — o novo especial de stand-up de Ricky Gervais, “SuperNature”, tem causado alguma alegria. “Ricky Gervais acaba com o feitiço dos woke”, exagera um pouco a revista Spiked. Ou, na verdade, exagera muito. Mas 1) o especial de Gervais, mais 2) o de Dave Chappelle, mais 3) Bill Maher dizendo algumas coisas levemente anti-woke (nos alegramos com tão pouco), mais 4) o recente memorando interno da Netflix dizendo, aos próprios funcionários woke, que se eles se sentem incomodados com algum produto da empresa podem muito bem ir embora; tudo isso seguido da 5) notícia do cancelamento de vários shows woke (sugestão de jogo: tome um shot de tequila cada vez que eu usar a palavra “woke” neste texto), além é claro do 6) affaire Musk-Twitter, tem dado alguma esperança aos meus amigos reacionários e a mim também.

Mas da minha parte só queria ver um show, um show só, de stand-up politicamente incorreto em que o comediante não se visse obrigado a falar várias vezes que “é só uma piada”, “é só uma ironia”, “sabe o que é ironia?”, “pessoal não sabe mais o que é ironia” etc; um show em que o comediante não se sentisse obrigado a colocar uns avisos de que, na verdade, é uma boa pessoa, como Dave Chappelle faz no final do seu especial “The Closer”, contando uma história longuíssima do seu amigo trans.

São só piadas”, diz Gervais, no seu especial. “Eu vou falar umas coisas em que eu não acredito de verdade…

O fato de nenhum comediante conseguir falar piadas politicamente incorretas sem meia-hora de preâmbulos e rapapés prova que, infelizmente, ainda não assistimos ao começo da derrocada do movimento woke (último shot de tequila).

Não ainda. Não exatamente. Mas amanhã, quem sabe.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Coitada da Paola! De tanto ser encurralada pelos fanáticos do inquilino do momento, não aguentou e soltou umas palavras, nada mais que isso. Já os que a agridem não apenas ofendem, ameaçam de morte e até tocar fogo em seu restaurante.

  2. Alexandre você é ótimo. Adorei o entojadamente politizada ,Seus textos me cativam expressam o que penso mas que jamais teria capacidade para descrever, Obrigada sempre obrigada,

  3. Veja pânico! jovem pan Recebem todos e sem medo de STF de bolsominions de lulistas vão de rabino a ex-BBB, E.CONDE A MARCO A MELLO, CHAMAM A MORAIS DE CARECA E ELOGIAM CABELEIREIRA RA DO FUX

  4. Veja PÂNICO NA JOVEM PAN JÁ FIZ 3 COMENTÁRIOS SOBRE A VERSATILIDADE E BRINCADEIRA DA TURMA COM TUDO E TODES CHAMAM CUNHA, NOBLAT, RABINOS, DELEGADOS, LEIFERT,

  5. TEM SIM: PÂNICO NA TV: RIEM,CRITICAM, DE NOBLAT A CONSTANTINO, EX BBB A CORTELLA E PONDÉ, RABINOS E PADRES E PASTORES, LEIFERT E MAURÍCIO VÔLEI, SÃO ÓTIMOS! FALAM DE TUDO E TODES

  6. Existe sim! PÂNICO DA JOVEM PAN! FALAM DE TUDO E TODOS E TODES E TEM CUNHA , TEM PETISTA, BOLSONARISTA, TERCEIRA VIA, NENHUMA VIA… AR FRESCO CONTRA ESTA TOLICE .. FALAM BEM E MAL DE TD

  7. Assista PÂNICO NA JOVEM PAN! FALAM TUDO CORRETO, INCORRETO, DEBOCHAM , RIEM, LIVRES COM CUNHA CORRUPTO E EDUARDO BOLSONARO! CHAMARAM PETISTAS Q NÃO QUISERAM IR! BRINCAM ENTRE ELES E COM TODOS! EXISTE ESTE LUGAR

    1. Na verdade, Renato, descobri na pandemia e foi muito bom! E gostei tanto q compartilhei com vc! Divirta-se!!!

    2. Nossa! Ela descobriu o Pânico na TV na semana passada kkkkk

  8. Ontem, ou anteontem, uma repórter foi admoestada por ter usado o termo "denegrir", o qual, do latim, surgiu muito antes de questões racistas (e, aliás, toda raça humana é só isso: humana) e outros quetais. A melhor saída, entre preambular uma piada (o que seria do Costinha, - o cara mais engraçado que já vi -, cujos preâmbulos gestuais na verdade só acentuavam a própria natureza politicamente incorreta de suas piadas?

    1. Isso mesmo. Porque dar bola a uma pessoa insignificante como a P C,?

Mais notícias
Assine agora
TOPO