Reprodução"Eles o deixaram totalmente abandonado. Che foi sacrificado. Queriam se livrar dele."

‘Che não tinha nada de heroico’

O militar boliviano Gary Prado Salmón, que capturou o argentino, conta qual era o estado de ânimo do guerrilheiro nesse momento e por que ficou com o seu relógio Rolex
09.06.22

Aos 29 anos, o capitão Gary Prado Salmón comandou a operação que capturou o argentino Ernesto Che Guevara, ícone esquerdista, perto do vilarejo de La Higuera, na Bolívia, em 8 de outubro de 1967. “No momento da captura, ele era um homem acabado, desmoralizado. Alguns me perguntam o que eu senti quando fiquei frente a frente com Che Guevara. O que eu senti foi pena, lástima. Che não tinha nada de heroico”, diz Gary Prado. Sob custódia, o guerrilheiro pediu que o capitão guardasse dois relógios Rolex que levava consigo. Horas depois, o então presidente boliviano, René Barrientos, ordenou a execução do prisioneiro. “Abriram a porta e atiraram. Não teve nenhuma despedida ou explicação”, diz Prado.

Um dos relógios Rolex permaneceu com o militar por vários anos, até que Bolívia e Cuba reataram relações diplomáticas, em 1982. Ele então mandou a peça para a família do guerrilheiro, acompanhado de uma carta, mas não recebeu nenhum retorno para saber se o relógio chegou mesmo ao seu destino.

General aposentado, hoje com 83 anos, Gary Prado dá aulas de relações internacionais na Universidade Tecnológica Privada de Santa Cruz, no leste da Bolívia. No começo desta semana, ele esteve na Feira Internacional do Livro daquela cidade, para lançar a quinta edição de sua obra A Guerrilha Imolada, que inclui atualizações sobre as razões que empurraram Che para o interior da Bolívia. Segue a entrevista:

Como explicar que, 55 anos depois da morte de Che Guevara, ainda haja interesse em saber como ele foi morto?
Muitas pessoas agora estão se dando conta do significado daqueles eventos e pensam o que poderia ter acontecido com a Bolívia se a revolução tivesse triunfado por aqui. Estaríamos como Cuba, como a Venezuela, em uma situação extremamente difícil. Nossa democracia e nossa liberdade teriam sido seriamente afetadas. Muitos jovens estão comprando o livro e pedindo algumas explicações históricas. Eu tenho falado com eles e eles ficam fascinados.

Esse interesse histórico tem relação com a atual situação da Bolívia, em que a democracia também está sob ameaça?
Claro. É possível fazer uma comparação entre a nossa realidade e a daqueles dias. Mais uma vez, temos pessoas querendo fazer do país um aliado de Cuba. Desejam ficar bajulando o russo Vladimir Putin, assim como acontecia com a União Soviética. Muita coisa mudou em meu país desde que o Movimento ao Socialismo, o MAS, partido de Evo Morales, chegou ao poder, em 2006. Nossas relações exteriores foram destruídas. Perdemos totalmente nossa independência e demos de obedecer às ordens de Havana. Mas as pessoas que fizeram essas coisas não representam o sentimento da população nacional.

ArquivoArquivoO agente da CIA Félix Rodriguez, à esquerda, com Che Guevara, em 1967
Nesta quinta edição do seu livro, o sr. acrescentou alguma coisa?
Sim. Agora ficou mais claro que Che Guevara foi enviado para fazer uma revolução no Congo, na África, porque não o aguentavam mais em Cuba. A Cúpula do Partido Comunista pressionou Fidel Castro para que fizesse isso, porque Che era considerado um elemento nocivo. Quando ele estava na África, Fidel tornou pública a carta de renúncia de Che, falando que ele abria mão formalmente dos cargos no Partido Comunista, do posto de ministro, da patente de comandante e da cidadania cubana. Fidel fez isso em uma daquelas reuniões grandes que aconteciam nessa época. Um dos guerrilheiros que estava com Che na África nesse momento, Daniel Alarcon, comentou a jornais europeus que Che ficou furioso quando ouviu Fidel lendo sua carta na rádio Havana. Alarcon considerou que foi uma traição e contou que Che deu socos no aparelho e falou: “Veja até onde vai o culto à personalidade“. Depois que saiu do Congo, Che foi para a Tanzânia e para Praga, na então Tchecoslováquia. Ele fez esse giro todo porque não podia voltar para Cuba. Depois de muito insistir, ele conseguiu que Fidel o aceitasse. Mas voltou clandestinamente, com outra identidade. Então, mandaram ele para a Bolívia, com uma equipe de profissionais cubanos. Mas os cubanos sabiam que o grupo não teria chances de sucesso na Bolívia. Ao chegar aqui, a pessoa que era o contato do guerrilheiro em La Paz foi para Cuba. Eles o deixaram totalmente abandonado. Em resumo, Che foi sacrificado. É por isso que meu livro se chama A Guerrilha Imolada. Queriam se livrar dele.

Por quê?
Os cubanos entenderam que Che teria mais serventia morto do que vivo. Queriam explorar sua figura como mártir, ídolo. E o argentino também sabia que suas condições militares eram praticamente nulas. Em1961, ele publicou um livro chamado Guerra de Guerrilhas. É a Bíblia dos guerrilheiros, em que ele descreve quais devem ser os seus princípios e as suas técnicas. Quando se olha o que o grupo de Che realizou por aqui, fica claro que eles fizeram exatamente o contrário do que ele pregava. Estavam condenados ao fracasso.

Eles tinham consciência de que não tinham chances?
Quando o grupo de Che já estava bem reduzido, com poucos sobreviventes depois de vários combates, seus membros disseram para Che que era melhor acabar com aquilo e dispersar, com cada um indo para o seu lado. Che então disse: “Não há razão para continuar sem sentido”. A verdade é que ele não tinha para onde ir. Quem poderia recebê-lo? Em qual país? Ele achou melhor marchar para o sacrifício.

O que ele disse no momento de sua morte?
Não foi nada como: “Pátria ou morte, venceremos”. O que falou foi: “Não me matem, sou o Che. Valho mais vivo do que morto”. O instinto de sobrevivência foi mais forte.

O que ele levava consigo?
Tinha uma carabina, inutilizada por um disparo. Também levava uma pistola sem munição. Não tinha armas, portanto. Carregava ainda uma bolsa de couro com documentos, um diário e algum dinheiro. Quando eu me aproximei dele, ele me disse que lhe tinham roubado dois relógios Rolex. Eu chamei o soldado que o tinha ajudado a andar e pedi que ele devolvesse os pertences. Che olhou as peças e falou: “Você sabe que a qualquer momento vão roubar de novo esses relógios. Então é melhor que você os guarde”. No dia seguinte, ele foi executado.

Reprodução/Agencia PlanoReprodução/Agencia Plano“O que eu senti foi pena, lástima”
O que aconteceu com os relógios?
Depois de alguns anos, quando foram retomadas as relações entre Cuba e Bolívia, em 1982, recebi uma visita do cônsul cubano. Nós conversamos e eu disse a ele que estava com um dos relógio de Che e gostaria de enviá-lo a sua família. Escrevemos uma carta para um ministro e mandamos o relógio para a ilha.

E o relógio chegou até a família de Che?
Não sei se cumpriram com o prometido. Não recebi qualquer informação.

Então o sr. se arrependeu de ter mandado o relógio?
Não. Eu não precisava de um troféu.

Por que eram dois relógios, não um?
O outro pertencia a Tuma, um guerrilheiro que tinha morrido em um combate anterior. Mas eu só fiquei com o do Che. O outro eu dei a um coronel.

Che mostrou alguma coragem ao ser pego?
No momento da captura, ele era um homem acabado, desmoralizado. Alguns me perguntam o que eu senti quando fiquei frente a frente com Che Guevara. O que eu senti foi pena, lástima. Che não tinha nada de heroico. Nós o tratamos bem. Demos comida e alguns cigarros. Conversamos com ele. Não era necessário fazer nenhum interrogatório. Então, ele melhorou um pouco e perguntou o que aconteceria com ele. Eu disse que ele seria julgado em um tribunal militar, na Oitava Divisão, em Santa Cruz. Isso melhorou seu estado de ânimo, pois antes estava completamente deprimido. Ao amanhecer, eu saí de La Higuera porque ainda havia um grupo de guerrilheiros na região. Quando voltei, depois do meio-dia, já o tinham executado. Abriram a porta e atiraram. Não teve nenhuma despedida ou explicação. A ordem chegou do comandante das Forças Armadas, pelo rádio.

O sr. foi acusado de terrorismo e separatismo durante o governo de Evo Morales na Bolívia. O que houve?
Isso aconteceu porque Morales era um fanático por Che Guevara. Em 2009, teve início um processo contra um grupo de pessoas acusadas de terrorismo. Um ano depois, eles me incluíram entre os acusados, por ordem de Evo Morales. O presidente queria que eu fosse colocado como um dos cabeças de uma organização criminosa. Mas eu nem sequer conhecia as outras pessoas envolvidas. Aquilo foi uma vergonha para a Justiça. Fiquei dez anos em prisão domiciliar, até que o Judiciário entendeu, em 2020, que a acusação não fazia sentido e me absolveu totalmente.

O sr. não tem medo de sofrer outra acusação como essa?
Não. Eles sabem que não vão me subjugar. Eu sigo na minha linha de conduta, a mesma que sempre mantive. Sou crítico quando é preciso ser crítico. Eu escrevo, publico, comento. Não tenho medo algum.

Qual é hoje o objetivo de Evo Morales?
Ele está desesperado, porque é um sujeito doente da cabeça. Evo está preocupado com a possibilidade de perder o controle de seu partido e, com isso, não poder se candidatar para a eleição presidencial de 2025. Mas, dentro do MAS (o partido de Evo Morales), ele já está sendo marginalizado, isolado. Evo está buscando manter alguma autoridade de qualquer jeito. Mas o presidente Luis Arce Catacora não se importa mais com ele, nem os demais ministros. Seus antigos colaboradores na polícia, que foram nomeados para combater o narcotráfico, foram presos justamente por tráfico de drogas. Morales é o cabeça dessa rede criminosa, que tem contatos no Brasil e no Peru. Há uma pressão muito grande dos Estados Unidos para que seja feita uma acusação contra ele. Evo Morales está desesperado.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Che Guevara tinha muito mais projeção do que Fidel Castro, por isso ele foi sacado do poder e enviado para morrer na Bolívia, além disso, Che começou a cortejar Mao Tse Tung, enquanto Fidel abanava o rabo para Moscou.

  2. Sobrevivem do culto aos pseudorrevolucionários! Uma titica essa esquerda que em mais de um século não acrescentou nada de bom aos seres humanos!

  3. Relógio Rolex… já vimos esse filme… Texto muito elucidativo! Mandem para as escolas! A garotada precisa saber a verdade!!

  4. Destruir biografias convenientes à luta pelo poder com o testemunho de quem vivenciou o fato é necessário. Revelar as reais intenções de Fidel e seu grupo e as suas ligações com o PT e Lula, idem.Não mostrar que abaixo da capa de herói, nada há além de um ser humano, medo, pavor da morte e disposto a tudo, inclusive trazer a verdade dos fatos escondidos pela narrativa do Partido Comunista Cubano e Fidel. A carapuça servirá a Lula? A ver…

  5. Evo na Bolívia, Maduro na Venezuela, Kirchner na Argentina, Lula no Brasil, etc O retrato da falência de nossas instituições e da ignorância do nosso povo.

  6. Crusoe, libere esse texto pra mandar pra amigos que ainda cultuam a memória de "El chancho", um assasino psicopata que virou foto em camisetas.

  7. Lula "doou" propriedades da Petrobrás p/ a Bolívia de Evo Morales sem consultar o povo brasileiro. Todos brasileiros ficaram indignados, só os petistas bajuladores de Lula é que não se indignaram. Lula deveria ter usado o exército contra Evo Morales mas, em nome da "ideologia", Lula traiu seu país! Quanto será que Lula recebeu nessa mutreta?

  8. EL Comandante era infiel aos parceiros revolucionários, tornou o homem um apátrida e o jogou aos leões. Che não faria diferente com Fidel. Mas o mito persiste.

    1. Eita adorei a Maria acho que ando exagerando com ela .. beijo fia kkkkkkk.

    1. Muito engraçado mas compreensível! Eram de famílias abastadas

  9. Tudo é contexto, o lunático herói do passado hj é uma tosca lembrança com sua cara em anisetas de R$ 10,00. Porém este tipo de lunático ainda existem, veja Putin, Trump, Bolsonaro, e mais um curta lista de idiotas querendo entrar para a história. Serão todos julgados pelo tempo e esquecidos como as baratas.

    1. Rogério aço teu comentário muito simplista! Não tem comparação à época os fatos e o que citaste! Mas talvez devas ter mais relação de byte contexto histórico e ideologia como era e como estamos agora! Antes era tudo esperança ! Agora vemos tudo virou corrupção e sede de poder e usura!

    1. Cara vc deve ser adorador do Malafaia! Vai catar coquinho!

  10. Gostaria que os “Petistas Nutella” lessem essa entrevista para acabar de vez o encanto por Che, Cuba e Morales. Artistas, intelectuais especialmente, pois supõe que estes sejam inteligentes.

  11. Foi apenas um cruel assassino que sob a covardia de Fidel Castro fuzilou 10mil cubanos condenados à tarde e trucidados por ele na manhã seguinte sem piedade ... pela primeira vez na história um canalha autorizou que seu povo fosse fuzilado por um estrangeiro psicopata ávido por sangue e no seu afã insano invadiu nações e teve o seu derramado num erro tolo pois deveria permanecer preso punido dentro da lei por seus hediondos crimes contra povos .. em 2023 um argentino ou venezuelano nos fuzilará?

    1. Foram segundo registros oficiais 8.160 fuzilados pelo regime comunista cubano noves fora outro tanto muitos mortos nos cárceres da ditadura que ainda hoje tem presos políticos (o Brasil tem 3) a mando da corte solta ladrão ... pesquisas sérias feitas por cubanos estimam que os mortos ultrapassam 13mil e Ernesto Guevara comandou os fuzilamentos nos primeiros meses do governo ... esta a verdade que idiotas fanáticos fingem não ver... até chegar a vez destes imbecis.

    2. Marilia, foram 176 fuzilados na Fortaleza de Las Cabañas por ordem de um tribunal revolucionário comandado por Che. Sem direito a defesa legal.

    1. Che não tinha nada de herói , mas o que é ser herói??? E morrer por uma causa na qual acredita ? Prefiro a segunda , mas temos também o herói no nosso dia sentados assistindo assassinatos na guerra , nas ruas , nas casas e nosso gesto heroico e trocar de canal ou desligar e ficamos na indiferencia . Nada fazemos muito comentamos e isso ser herói dos nossos dias a inércia , a indiferença o conformismo ,

    2. O assassinato do assassino argentino invasor da nação boliviana com criminosos rejeitados por Cuba não foi anônima e mostrada ao mundo minutos depois ... coitado de quem com cérebro pôdre idolatra assassinos pois deles será vítima ... aguardem.

Mais notícias
Assine agora
TOPO