RuyGoiaba

O Brasil precisa de um coach desmotivacional

09.06.22

Tenho zero espírito empreendedor, o que absolutamente não me orgulha. Mas posso listar, como argumento em meu favor, todas as contribuições que dei à sociedade com os negócios que NÃO abri: nunca tive paleteria mexicana, nem academia de crossfit, nem food truck, nem barbearia hipster, nem doceria especializada em banoffee, nem quadra de beach tennis. Aliás, a moda das paletas mexicanas em São Paulo é hoje mais antiga que o primeiro espartilho da Sarah Bernhardt, e não deve demorar muito para que o beach tennis siga o rumo do limbo das modas passadas. De todo modo, não tenho timing para essas coisas nem antena para captar “tendências” — ao contrário, tendo a fugir delas.

Um amigo que frequenta lugares barra-pesada e insalubres como o LinkedIn, porém, diz que a rede social profissional tem hoje mais influenciadores digitais do que dentistas. Fiquei encantado com o senso de prioridade — claro, é muito mais importante influenciar e ser influenciado digitalmente do que não ter dentes podres — e intrigado com as possibilidades financeiras do negócio. Como é que a gente faz para virar influencer? Tem concurso? Aceitam velho de mais de 50 anos na profissão (influencer sênior, talvez)? Qual é o mínimo de pessoas que precisamos influenciar para sermos considerados influenciadores? Logo lembrei que não consigo influenciar nem minha namorada e desisti do empreendimento.

“Desistir”: essa palavrinha mágica acendeu uma luz aqui, como aquela lâmpada que aparece ao lado de um personagem de quadrinhos quando ele tem alguma ideia luminosa. Como é que um país como o Brasil, cheio de gente muito proativa que só faz besteira — burros com iniciativa, na feliz expressão desse grande brasileiro que é Paulo Maluf —, ainda não tem um mercado de coaches desmotivacionais bombando? Alguém que ensine às pessoas que nunca é cedo demais para desistir e que não sair da cama é mil vezes melhor do que “encarar o mundo aí fora”, fazendo uma burrada atrás da outra. Com muitos memes (“não sabendo que era impossível, foi lá e se ferrou”) e exemplos concretos das virtudes da desistência (“vejam, se o Brasil tivesse se empenhado mais em perder do Chile na Copa de 2014, não levaria aquele 7 a 1 da Alemanha lá na frente”).

Já escolhi até algumas citações perfeitas para atrair potenciais clientes que precisem muito ser desmotivados. Para o pessoal mais cultão, temos este trecho da Clarice Lispector, lembrado por uma querida amiga: “A insistência é o nosso esforço, a desistência é o prêmio. A este só se chega quando se experimentou o poder de construir, e, apesar do gosto de poder, prefere-se a desistência. A desistência tem que ser uma escolha. Desistir é a escolha mais sagrada de uma vida. Desistir é o verdadeiro instante humano. (…) A desistência é uma revelação”. Para quem for mais pop, é só exibir aquele trecho da série Friends com o seguinte diálogo entre Rachel Green e (o sábio) Joey Tribbiani: “Greens não desistem nunca!” “Bom, eu sou um Tribbiani, e os Tribbianis desistem.”

Find a need and fill it, como dizia Ruth Stafford Peale, mulher de Norman Vincent Peale, aquele de O Poder do Pensamento Positivo: na ausência do Ministério do Vai Dar Merda, medida urgente e sempre adiada no Bananão, precisamos de uma cultura do coach desmotivacional. Um campeão da desmotivação não faria como Pablo Marçal, cujo currículo inclui se perder com 32 pessoas no Pico dos Marins e, depois disso, virar pré-candidato à Presidência pelo PROS — ao contrário, evitaria que as pessoas entrassem nesse tipo de roubada premium. O problema é que, para dar o exemplo e seguir fielmente meu próprio conselho, terei que desistir de ser coach. Quem sabe eu escreva um livro sobre as vantagens da procrastinação. Mas não hoje: como dizia Santo Agostinho antes de renunciar ao pecado, “dai-me a castidade e a continência, mas não para já”.

***

A GOIABICE DA SEMANA

Escrevo esta coluna no fim de semana, antes de fugir do Bananão por uns dias, mas já arrisco dizer que o Troféu Goiaba da semana vai para José Luiz Datena. No sábado (4), o apresentador, que lidera as pesquisas para o Senado em São Paulo, indicou que deixaria a disputa — como em 2016, quando desistiu de se candidatar a prefeito, em 2018, quando desistiu de disputar o Senado, e em 2020, quando desistiu de ser vice na chapa de Bruno Covas. A cada uma delas, o apresentador mudou de partido, mas jamais abandonou seu compromisso com desistir. Não resta a menor dúvida: Datena é nosso grande herói da desistência.

Reprodução/Redes SociaisReprodução/Redes SociaisDatena: o nosso grande herói da resistência

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. já que deus é brasileiro, ele poderia ter desistido do Bananal e ter pelo menos dado acesso ao mar à Bolívia e ao Paraguai.

  2. Goiaba, você é um brasileiro down-to-earth, como dizem os americanos. Enquanto a maioria se gaba de repetir o mantra “brasileiro não desiste nunca”, você é mais realista e corta o mal pela raiz. To contigo e não abro!

    1. Brasileiro que nao desiste nunca é o que passa fome, é o que pede esmola no semaforo, é o que perde o barraco num desmoranamento, é o que trabalha na informalidade, é o que ganha salario minimo e ainda doa para o pastor, padre. etc para nao ir para o inferno. Enfim, é fácil achar graça quando se tem dinheiro para assinar a Crusoé.

  3. Não há de se estranhar, que o coach Pablo Marçal, perdido no Pico dos Marins, com outras 32 pessoas, se aventure em ser presidente, pois temos um outro, que destituiu Alberto Fernandes e deu posse a Emmauel Macron como presidente da Argentina.

  4. Isso não é nada, pois temos até um candidato que destituiu o atual presidente da Argentina, Alberto Fernandes e deu pose a Emmanuel Macron.

  5. Parabéns! Sempre preciso e inigualável. É um prazer e uma honra poder ler estes artigos. Iluminam nossos dias, agora tão escuros pela ignorância presidencial sem fim.

  6. Use a frase que circulou por aí: todo cadáver encontrado no Monte Everest já foi um dia alguém motivado, proativo e fora da sua zona de conforto.

  7. Muito boa Ruy Goiaba! De uma olhada nesse perfil no insta : @pedrovinicio80 um adolescente que tem essa pegada coach desmotivacional. Sensacional hahah

  8. Hahaha muito bom Ruy Goiaba! Siga o perfil desse menino https://instagram.com/pedrovinicio80?igshid=YmMyMTA2M2Y= Um exemplo de coach desmotivacional ! @pedrovinicio80

  9. Goiaba, só não desista de nós aqui hahaha. Ah, os único que não me fazem desistir é você, Sabino e Mainardi. O resto, eu desisti faz tempo. E volta logo!

  10. Dizem por aí que o slogan que define o brasileiro é "sou brasileiro e não desisto nunca". Taí explicado porque o Brasil não deu certo.

  11. Pronto - Vc encontrou seu nicho " influencer " - pena que desistiu. Mas me deu a ideia - se eu cair em desgraça e não tiver como pagar minhas contas. Sou uma desistente sênior. Meu pai , na minha adolescência, me carimbou de volúvel que não leva nada pra frente. Comecei, na juventude, desistindo de ser jornalista. Isso foi nos anos 60, imagine agora se não tivesse desistido! Como boquirrota, que perde a liberdade mas não perde a palavra, quero nem pensar! Já desisti de lamentar!

  12. Você deveria conhecer o Coach de Fracassos, que faz sucesso relativo nas redes. Ficou meio assim usar a pauta e não citar o cara. Foi mal, Goiaba.

  13. Eu me sinto uma influencer para meus poucos grupos sócias. Faço tudo para desmotivar o uso do Facebook, LinkedIn, Instagram, Pinterest etc, e faço tudo isso via WhatsApp.

  14. Apenas para reforçar a tese exposta pelo Ruy Goiaba. Santo Agostinho não estava peregrino no seu apelo para abandonar a deliciosa vida dedicada à esbórnia. Santo Inácio de Loyola também apelou ao Criador ao pedir fazei-me santo, mas não já.

  15. A melhor opção desmotivacional seria: " Desistir de desistir a caminho de uma desistência obrigatória final por uma derrota externa." Quem não desistir de ler e compreender a observação acima, não desistiu.

  16. Sinto-me, enfim, desmotivado. Obrigado! Acho que vou desistir. Ops! Já ia esquecendo que sempre preferi o pessimismo e a limitação. Mudando de assunto, excelente coluna, como tem sido a cada semana. Sempre melhor!

Mais notícias
Assine agora
TOPO