ReproduçãoBolsonaro com Biden: brasileiro faltou na abertura do evento

O quintal da China

Sem ligar para as palavras empoladas de Joe Biden em prol da democracia, governantes se esquivam da Cúpula das Américas. Expansão econômica chinesa é parte da explicação
09.06.22

Políticos americanos do Partido Democrata sempre tiveram inclinação por mesclar política externa com valores democráticos, como direitos humanos e eleições livres. Em 1994, logo após o fim da Guerra Fria, o então presidente americano Bill Clinton convidou chefes de governo das Américas para um evento em Miami, a primeira Cúpula das Américas. Os 34 que compareceram assumiram compromissos com os valores democráticos. Pouco depois, em 2001, os participantes da Cúpula adotaram a Carta Democrática Interamericana, afirmando que o regime que garante as liberdades deve ser o de todos os estados da região. Na 9ª Cúpula das Américas, que termina em Los Angeles nesta sexta, 10, o também democrata Joe Biden tentou articular sua política externa em torno dos mesmos princípios. Mas ele falou para poucos — uma repetição do passado já não é mais possível.

Nas mais de duas décadas que separam o primeiro encontro do de agora, uma reviravolta geopolítica alterou profundamente o vínculo entre os Estados Unidos e os demais países do continente. Na economia ou na política, não se pode mais falar em quintal dos EUA. A menor dependência econômica em relação aos americanos, com a entrada pesada da China, faz com que os governantes atuais sejam menos receptivos às declarações democráticas dos ocupantes da Casa Branca. “O comércio com a China e os seus investimentos na região fizeram com que o apelo em demostrar alinhamento com Washington diminuísse bastante. Ao mesmo tempo, o custo político de se colocar contra os Estados Unidos também caiu”, diz Evan Ellis, professor de América Latina no Instituto de Estudos Estratégicos da Escola de Guerra do Exército americano, em Washington.

Enquanto os Estados Unidos buscam fazer negócios com países que apoiam a democracia e respeitam os direitos humanos, a China faz comércio com qualquer um, sem se importar com o regime em questão. O Partido Comunista em Pequim só se incomoda quando seus parceiros descumprem os acertos com as suas estatais ou tocam em temas sensíveis para o regime chinês, como os campos de concentração dos uigures na província de Xinjiang, a repressão em Hong Kong ou a soberania de Taiwan. Se essas questões não aparecem na pauta, não há qualquer impedimento.

ReproduçãoReproduçãoO primeiro encontro, em 1994: compromisso com a democracia
Foi com essa abordagem “inclusiva”, muito acolhedora para ditaduras, que a China se tornou o maior parceiro comercial da América do Sul. Atualmente, o gigante asiático é o principal aliado econômico de Brasil, Chile, Peru e Uruguai. Quando se considera toda a América Latina, incluindo os países da América Central e do Caribe, mais próximos dos americanos, a China fica em segundo lugar. Mesmo assim, o avanço foi gigantesco:, em 2000, apenas 2% das exportações latino-americanas tinham a China como destino.

O outro lado desse fenômeno é o declínio da fé na democracia e do alinhamento com os Estados Unidos. O fato de Joe Biden ser aprovado por apenas 41% dos americanos também não ajuda. Qualquer presidente latino-americano hoje, de esquerda ou de direita, sente-se à vontade para afrontar a Casa Branca. O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, o da Bolívia, Luis Arce Catacora, e a de Honduras, Xiomara Castro, recusaram-se a participar da Cúpula, dizendo que só compareceriam a ela se as ditaduras de Venezuela, Cuba e Nicarágua fossem integradas ao encontro. A lista de convidados, contudo, é de responsabilidade do país anfitrião — no caso, os Estados Unidos.

Além deles, o presidente de El Salvador, Nayib Bukele, também preferiu não ir, por ter ficado ofendido com as críticas do governo americano ao seu autoritarismo. O da Guatemala, Alejandro Giammattei, não gostou de ser acusado de minar investigações de corrupção.

Para todos, contestar as posições americanas nos fóruns internacionais não causa qualquer estorvo. Brasil, Cuba, El Salvador, México, Nicarágua, Suriname e Trinidad Tobago não condenaram a Rússia no Conselho de Direitos Humanos da ONU, após a invasão da Ucrânia. Na Organização dos Estados Americanos, OEA, que organiza a Cúpula das Américas, Brasil, Bolívia El Salvador, Honduras, São Vicente e Granadinas e Nicarágua se esquivaram de assinar uma resolução condenando a intervenção militar russa no país vizinho.

ReproduçãoReproduçãoBolsonaro em Los Angeles: “Em alguns momentos, nos afastamos”
Da parte dos políticos brasileiros, a relação com os Estados Unidos beira o desrespeito. Jair Bolsonaro, que ameaçou não ir a Los Angeles, voltou a botar em dúvida a vitória eleitoral de Biden, em 2020, dois dias antes de embarcar para a Cúpula. “Quem diz é o povo americano. Agora, o (Donald) Trump estava muito bem (na campanha eleitoral) e muita coisa chegou para a gente que a gente fica com o pé atrás“, disse Bolsonaro, que pretende usar o imbróglio criado pelos trumpistas nas eleições americanas, coroado pela invasão do Capitólio, para causar confusão semelhante no Brasil. A Embaixada dos Estados Unidos em Brasília reagiu em menos de 24 horas: “As eleições são a expressão mais visível de uma democracia, e os Estados Unidos têm orgulho da longa história de eleições livres, justas e confiáveis que passam por um processo minucioso e resistem ao desafio do tempo“. No final de maio, o brasileiro já tinha reclamado por ter sido ignorado por Biden no encontro do G20: “Passou como se eu não existisse. Foi tratamento dele com todo mundo. Não sei se é a idade”. Biden fará 80 anos em novembro.

O brasileiro ainda faltou na abertura da Cúpula, na noite de quarta-feira, 8, em claro recado ao presidente americano. Antes do encontro bilateral com Biden, afirmou que há disposição para estreitar laços. “Vivemos há quase duzentos anos em parceria. Em alguns momentos, nos afastamos por questão ideológica. Mas tenho certeza que, com nossa chegada ao governo, nunca tivemos uma oportunidade tão grande pelas afinidades que nosso governo tem“, disse Bolsonaro.

O petista Lula, pré-candidato à presidência, também fustiga os Estados Unidos sem cerimônia, a ponto de condenar o apoio americano à Ucrânia. “Não é possível que eu veja na televisão o presidente Biden, que nunca fez um discurso para dar um dólar para quem está morrendo de fome na África, anunciar 40 bilhões de dólares para ajudar a Ucrânia a comprar armas. Não é possível”, afirmou em um discurso em Porto Alegre.

É um panorama desalentador para os Estados Unidos, muito distante daquele de 1994. Se na primeira Cúpula não havia um presidente de uniforme verde-oliva e vários deles estavam ajudando a reerguer seus países após períodos de trevas, como a nicaraguense Violeta Chamorro e o chileno Eduardo Frei, hoje são poucos os que se importam com a democracia e condenam as ditaduras. A China, obviamente, não está preocupada com isso. Ela só quer manter o seu quintal satisfeito. Para sorrir, é preciso fazer sorrir.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. O Mundo deveria se unir pela Democracia e a melhor forma seria justamente boicotar os países ditatoriais, minando sua força.

  2. Será que a dívida perdoada por Lula a um país africano mudou a vida da população? Tenho certeza que não, em troca deve ter ganho alguma coisa em uma jazida de diamantes por lá… não foi porque ele estava preocupado com a fome do povo, foi para matar a fome do seu próprio projeto de poder e dinheiro. De onde o PT tem tanto dinheiro até hoje?

  3. o mundo em prol da ganância e de um capitalismo distorcido , faz qualquer coisa pelo lucro , alimentam a ditadura chinesa, fazem vista grossa a monstruosidade que o genocida russo vem cometendo na Ucrânia, mesmo sabendo que logo a China também começará a impor sua ditadura, talvez até junto com a Rússia, logo que os americanos deixarem de ser o unico país que conseguiu manter o equilíbrio após a segunda guerra. a conta virá para todo o planeta.

    1. PARABÉNS LUIZ. Excelente análise. Nunca gostei dos Estados Unidos e sua hegemonia, MAS O MOMENTO MUNDIAL de crescimento de ditaduras pelo mundo afora me apavora. Sem dúvida tem haver um equilíbrio imposto pela potência norte americana. É claro que o capitalismo NÃO ENGANA MAIS NINGUÉM e tem que distribuir mais rendas, porém mais ditaduras distorce o próprio conceito de sermos seres humanos.

  4. Adoram posar esses que não foram ou foram porque "tinha um bilateral" de "anti-americanos", mas são de araque e populistas a fazer media com os "apoiadores", mas na hora de gastarem o rico dinheirinho amealhado "del pueblo" nenhum deles vai passear na China, todos preferem o "american way of life" e fazer compras em Miami, Orlando e New York...ou ainda variar e usar os "trans europe express" ou "Japan Railways", além de iates e jatinhos de "compradres"...

  5. A China só se interessa por dividendos. O mundo passa por uma crise séria em todas as áreas e os governantes e governados necessitam trabalhar juntos para encontrar soluções viáveis de sobrevivência.

  6. A higiemonia americana ainda é uma realidade. Bem ou mal sabemos como começa e como termina uma relação com os EUA. Quanto a China ainda é uma incógnita com todo o seu poderio econômico, vem como uma grande onda de oportunidades porém, expõe essa relação de uma forma pouco clara: vide a restrição da carne brasileira no último boicote.

  7. A abertura para o diálogo pode até existir, mas a depender da capacidade cognitiva e de análise geopolítica desses “líderes” sul-americanos, duvido q a disposição para aceitar $ chinês seja alterada. Ainda mais qdo parte dele está indo para o bolso de alguns. Alguém duvida?

  8. Extremamente preocupante esse cenário. Tudo começou quando, após os atentados de 2001, a prioridade da politica externa americana passou a relegar a AL para terceiro plano. Com isso radicais populistas à direita e esquerda se sentiram encorajados e a China se aproveitou disso. A cereja do bolo foi a tentativa de golpe com a invasão do Capitólio, incentivada por Trump, o homem que balançou a robustez das instituições democráticas americanas . E deixou adeptos no Brasil.

  9. O PGR capacho , não teve culhao , para responder as solicitações legítimas dos brasileiros , agora de modo covarde manda outra capacho acionar a PF , poderia responder aos acusados , já imaginaram a PF agindo para sufocar as manifestações individuais por críticas aos contrários contra o governo?

  10. O Bolsonaro é um presidente nefasto ao Brasil. Idem ao Lula, chefe da gangue corrupta que presidia o país entre 2002 e 2010.

  11. Em que mundo estes srs vivem? esquecem que o mundo sempre foi dominado por cruéis "romas"? a própria dominou o mundo por mais de mil anos e depois veio a Inglaterra império nunca o sol nunca se punha ... depois da 2ª guerra os EUA salvadores da Europa sob o nazismo e bombas atômicas mostraram a prepotência da nova Roma e os EUA esmagaram nações até surgir o gigante de 1,5bilhão de almas ávidas por comida e produtos sem questionar e volta Odoacro de olhos puxados novo dono que paga tudo à vista.

    1. Souza quadrúpede é a tua mãe que gerou cruzando com uma cobra peçonhenta um cérebro pôdre que não se importa de ser entrabado de quatro por um ladrão assassino .. vá pastar imbecil.

    2. Sim, concordo com a Maria. Qualquer um desses dois aí só tem como meta conseguir a chave do cofre. Não entedem nada o que é ser um governante comprometido com seus país. Só querem saber de grana.

    3. Qualquer um que se torne presidente tanto o Lula como o Bolsonaro,nossa política externa será um desastre . Esses dois são incompetentes como já mostraram só não vê quem é fanático.

    4. Para de mugir Amaury quadrúpede. Seu minto e a familícia roubam o país há décadas. Muuuuuuuuuuuuu

    5. Só não é ladrão como o seu sábado nove dedos ... haja cinismo.

Mais notícias
Assine agora
TOPO