Foto: Bruno Rocha/Fotoarena/FolhapressO escritório da Eletrobras no Rio de Janeiro: risco de perder com as ações é muito baixo

Seu FGTS na Eletrobras: boa decisão

Existe um grande potencial de alta das ações de uma Eletrobras privada. E um risco muito baixo de perder, mesmo se a empresa for “desprivatizada"
09.06.22

Terminou nesta quarta-feira o prazo para a reserva de compra de ações da Eletrobras. De acordo com o divulgado pela imprensa, o processo de capitalização da empresa de eletricidade deve alcançar 34 bilhões de reais, dos quais 9 bilhões são provenientes do FGTS. O trabalhador pôde usar até metade do total da sua conta no fundo para investir na Eletrobras, cujas ações começarão a ser vendidas efetivamente na segunda-feira, na B3, ao preço estimado de 42 reais cada uma.

A privatização da Eletrobras não se dará pela venda das ações do governo para investidores. Serão emitidas novas ações e o dinheiro amealhado será utilizado pela empresa para reduzir dívidas e aumentar investimentos. Como o governo não comprará essas novas ações, ele passará a deter 45% do capital e, assim, perderá o controle da Eletrobras. Ou seja, ela será privatizada.

O grande risco de entrar nessa operação é que o candidato que lidera as pesquisas de intenções de voto diz que, se vencer a eleição, vai reverter a privatização. Na gestão atual, a empresa já fez uma série de ajustes na operação e passou a operar com lucro. O quadro de funcionários, por exemplo, caiu de 23 mil para 12 mil. Mas considero que ainda existe muita coisa a ser feita. Compare-se a Eletrobras com a Engie, privatizada em 1998. Enquanto a Eletrobras gera 25% da eletricidade do país, com um quadro de 12 mil funcionários, a Engie gera 6%, com apenas 1.250. Fazendo uma cálculo simples, a Eletrobras poderia cortar ainda 75% dos funcionários atuais para atingir o padrão privado, sem perder a eficiência, pelo contrário.

Empresas privadas são, em geral, mais eficientes do que estatais, por qualquer métrica que se utilize. Utilizemos, então, outra. Desde a privatização da Engie, tivemos um IPCA de 337%, média de 6.4% ao ano. Nesse período, as ações da Eletrobras subiram 775% (10% ao ano) e as da Engie, 9.759% (22% ao ano). Por quê? Um dos motivos principais é que, como a Eletrobras não conseguiu investir o suficiente para acompanhar o crescimento da demanda nacional, a sua participação na geração total de eletricidade caiu de 40% para os atuais 25%, nos últimos 24 anos, enquanto a da Engie, que nasceu da Gerasul, saiu de 2% para os atuais 6%.

Quem investiu dinheiro do FGTS na privatização de empresas estatais nunca se arrependeu. As ações da Petrobras renderam 1.300%, desde agosto de 2000 (13% ao ano), e as da Vale, 4.170%, desde março de 2002 (20% ao ano). Quando se compara esses rendimentos com os 3% ao ano do FGTS, que hoje não cobrem nem a metade da inflação, não resta dúvida da boa decisão do trabalhador de investir parte do seu FGTS na compra de ações.

E se Lula “cancelar” a privatização, caso seja eleito presidente da República?

Não é certo que ele irá fazer isso, apesar da retórica radical, até porque Lula não cancelou nenhuma enquanto era presidente. Mas, se ele decidir fazê-lo, terá que comprar ações no mercado, para o governo voltar a ter 51% das ações votantes. E, conhecendo o político, Lula não irá prejudicar os milhões de cidadãos que colocaram dinheiro do FGTS nessa operação. Tenho muita convicção de que, se ele tomar essa decisão, não deixará que a aquisição das ações implique perdas paras os trabalhadores que investiram.

Em resumo, existe um grande potencial de alta das ações de uma Eletrobras privada. E um risco muito baixo de perder, mesmo num cenário onde a empresa seja “desprivatizada“.

Pedro Cerize é investidor, fundador e gestor do fundo Skopos e conselheiro de grandes empresários.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Minha experiência com as ações da Vale, nesse mesmo modelo, foi muito positiva. Não esquecer que o tempo faz a diferença nesse modelo de aplicação. O fator político é uma condição que não pode ser ignorada mesmo com a opinião do autor que o ex presidente, se eleito, procurar reverter o processo de privatização, não irá "prejudicar" os investidores. Até porque, os investidores nesse modelo, não pertencem a base da pirâmide. É um dado que não pode ser ignorado.

  2. temos wue pensar então d. aumento dr impostos e aumentar o valor das bolsas, pois é, esses 75% dos trabalhadores que serão demitidos o que farão -bols de auxílio para eles.

  3. DEMOROU! Essa decisão de privatizar a Eletrobrás já deveria ter sido tomada há décadas, pois, certamente, estaríamos em uma situação energética muito melhor.

    1. O ministro Paulo Guedes disse que após privatização da Liquigás o preço do botijão de gás cairia pela metade. Não foi o que ocorreu, pois o valor do botijão mais que dobrou. Espero que não ocorra o mesmo com a energia. O aplicador financeiro em Off Shore, filhote de Pinochet, só pensa nele.

  4. A gestão da iniciativa privada deveria ser aplicada na máquina pública. Câmara e Senado, unificados e com o máximo de 100 integrantes. Juntar Municípios com menos de 300 mil habitantes e colocar um administrador para todos eles. Ou dividir o País em 100 partes colocando um Diretor Regional, como fazem os bancos. Eliminar 5.575 prefeitos, 5.575 vice prefeitos, eliminar suplentes de vereadores, deputados etc

    1. Por que não privatizar também o Exército? Ou então fazer como Alemanha e Japão logo após a segunda guerra mundial. Por exemplo, cuidar de nossas fronteiras, da segurança onde não há presença do Estado, como nos lugares onde atuam milicianos narcotraficantes no Rio de Janeiro e na floresta amazônica.

    1. A solução então não é aprimorar o funcionamento e sim acabar com o pouco que ainda nos resta, ou seja, piorar ainda mais? Pelo visto quando privatizarem tudo seremos privados de tudo. Como dizia Raul Seixas, será que a solução é alugar o Brasil?

  5. Uma questão principal que deve ser colocada é: A quem interessa a privatização da Eletrobrás? Outra pergunta: A Petrobrás privatizada teria interesse em baixar o preço da energia ou ia visar o lucro cada vez maior? Última pergunta: A Eletrobrás está sendo vendida por um preço justo ou estão entregando nosso patrimônio a preço de "batata podre"?

    1. As privatizações, às quais sou plenamente favorável, só irão de fato dar certo se o mercado for aberto à concorrência. Senão, de nada vai adiantar trocar monopólio público por privado.

  6. Lula não gosta de nada privatizado pois, assim, deixa de existir o cabide de empregos para os cumpanhero e ainda não há brexa para os desvios para a quadrilha.

    1. Essa é uma narrativa questionável. A privatização da Eletrobrás será feita porisso ou porque ela está funcionando bem, dando lucro e é um excelente investimento para os estelionatários do Brasil?

  7. Artigo embasado e esclarecedor, porém, deveria ter sido publicado na edição anterior da Crusoé, enquanto ainda era tempo de aderir ao plano de privatização.

    1. Há controvérsias sobre esse processo de privatização, com o ministro Guedes à frente do processo. Primeiro, não tenho conhecimento de nenhum país do mundo onde o serviço essencial de energia é totalmente privatizado. Segundo, parece que os grandes tubarões, constituídos por bancos, donos de grande capital financeiro e os pequenos do FGTS, têm que comprar migalhas nos bancos. São pobres sardinhas sendo engolidas e distraindo os estelionatários do nosso país.

Mais notícias
Assine agora
TOPO