Foto: Roque de Sá/Agência SenadoBiblioteca em Brasília: menos de 10% dos brasileiros são leitores

A literatura engajada e a evasão de leitores

Livros com uma "proposta do bem" querem educar os brasileiros e construir uma sociedade melhor, mas ignoram que a literatura deveria servir para divertir, para despertar curiosidades e para apresentar a arte
24.06.22

O Brasil é um país com pouquíssimos leitores. Pesquisas sobre os hábitos dos brasileiros indicam que, ao longo dos últimos vinte anos, não saímos da casa dos 50% de leitores. Esse número significa que apenas metade das pessoas que respondem às enquetes afirmam ter pegado em um livro nos últimos três meses. Mas esse é um dado enganador. Se tirarmos desse grupo as pessoas que abriram livros didáticos, as que leram obras religiosas e as que mentiram nas pesquisas para não passar vergonha, não temos mais de 10% da população que poderia ser considerada leitora de livros não didáticos ou não devocionais.

Ao buscar uma explicação para essa realidade, muitos caem na percepção equivocada de que o livro no Brasil é caro. Em primeiro lugar, não acredito que existam evidências para sustentar tal afirmação. Além disso, ignora-se a participação que as pessoas que comandam e influenciam o mercado editorial têm nesse problema. Por décadas, tem se priorizado a literatura engajada no país, aquela com uma “proposta do bem”, o que faz com que a formação de leitores e escritores patine no país.

É uma grande falácia dizer que o livro no Brasil é caro, e esse argumento é simples de desmontar. Uma pesquisa da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, a Fipe, calculou o preço médio do livro ao longo de treze anos. Desde 2006, esse valor tem caído ano após ano, de 19 reais para 12 reais. Qual foi a mágica por trás dessa estagnação de preços? As editoras e as gráficas reduziram suas margens de lucro e o mercado focou em livros de tiragens maiores, onde há ganho de escala.

Para não falar de abstrações, trago um exemplo prático. Em 2002, fui gestor na editora Francis. Lá, publicamos a saga arturiana O Único e Eterno Rei, de T. H. White, um clássico da literatura juvenil. Na época, o livro era vendido a 39,90 reais, preço de capa. Dez anos depois, relancei o livro pela Lafonte. O preço de capa foi de 29,90 reais. Se o valor tivesse sido atualizado pelo IGPM, o livro deveria custar 87,90 reais, já que a inflação no período foi de 119,35%. Esse caso ajuda a colocar uma pá de cal nessa história de que o livro é caro no Brasil. E não é uma história solitária. O livro não é caro, a questão é que ele é considerado um artigo sem valor. Então, qualquer preço pode ser alto para quem acha que ele deveria ser gratuito.

Mas, enquanto essa bobagem é repetida, o problema real não é examinado. Não é o preço que faz as pessoas não lerem mais, o problema é mais profundo.

No Brasil, é oferecida ao público uma literatura que não estimula a leitura. O problema começa nos dogmas sobre qual literatura deve ser considerada boa e premiada. É preciso repensar os critérios que definem qual livro deve ser publicado com destaque, oferecido pelas escolas e indicado nos circuitos vestibulares e cursos superiores.

Da minha experiência com prêmios literários, posso afirmar que os especialistas acadêmicos das áreas de literatura adulta ou infantil não são os melhores juízes quando se pensa na formação de leitores. E são as opiniões deles que acabam sendo consideradas para definir as políticas culturais.

O problema é que prêmios e cadernos culturais, que refletem a forma como a elite cultural pensa, servem como indicadores para toda a cadeia de leitura. Eles estabelecem os critérios que definem qual livro deve ser indicado na escola privada, qual deve entrar nas compras governamentais, nos editais de promoção da literatura no Brasil e no mundo. Também são poderosos sinais para editoras, autores e professores, que se baseiam neles para saber o que devem produzir, promover e oferecer nas salas de aulas.

Todos os envolvidos nesse processo argumentam que é preciso ampliar o número de leitores. Mas se trata de um discurso da boca para fora. O processo está viciado para evitar que as coisas mudem. Até porque seus atores perderiam relevância se isso ocorresse.

Os livros recomendados no Brasil são focados numa cartilha de ideias que podemos chamar de “literatura de proposta”. Em uma subversão do antigo romance de tese do século XIX, o qual era escrito para defender uma ideia do autor, a literatura de proposta busca “educar” os leitores com alguma ideia anterior. O texto assume, então, a batuta de condutor da verdade, da bondade, da construção de uma sociedade melhor. Mas ignora-se que a literatura deveria servir para divertir, para despertar curiosidades, para apresentar uma arte.

Esse conceito nunca desapareceu do cenário cultural e ganhou força com a oposição política após 1964. Desde então, as desgraças foram muitas.

Qualquer um que procure grandes autores brasileiros para indicar a um amigo estrangeiro terá dificuldade em encontrar algum nome de 1980 em diante. Isso ocorre porque passamos a produzir uma literatura que é valorizada pelo tema: é quase sempre denúncia. A ideia, ventilada por todos os cantos, é que literatura é resistência. Antes não era assim. Falava-se, principalmente, de arte. O corolário disso é que, enquanto a arte pode durar para sempre, como os clássicos, a literatura de resistência tem a perenidade de uma matéria jornalística.

O leitor brasileiro que busca títulos nas livrarias e acompanha as notícias sobre o meio pode observar claramente que, todo ano, um novo autor é incensado pela indústria. No ano seguinte, porém, ele desaparece. Ao final, apesar dos esforços para forçar uma literatura engajada, o público não se engana. E essa obrigação de passar uma mensagem não aconteceu apenas na literatura: a Tropicália e o Cinema Novo, ainda revisitados, são outras versões do mesmo fenômeno.

Daí termos uma literatura brasileira contemporânea irrelevante também no cenário internacional. Basta olhar que exportamos com destaque de nossa arte literária muito pouco além de Machado de Assis e Clarice Lispector. Nas premiações internacionais, os mais novos são autores como Adélia Prado.

Quando um livro ruim é enaltecido por ter uma “proposta do bem”, uma reação em cadeia acontece. Outros autores passam a produzir obras similares. Editoras alimentam o mercado com essa literatura, deixando de publicar autores com histórias universais. Professores não conseguem animar as salas de aulas com esses livros. As crianças, público final, aprendem desde cedo que livro brasileiro é chato.

Hoje, as livrarias vendem cinco livros de um autor internacional desconhecido para cada livro de autor nacional conhecido, do mesmo gênero. Acontece que o leitor aprendeu a desconfiar da qualidade do autor nacional. Parte da desvalorização do livro acontece pelo desinteresse que essa literatura com proposta provoca nos leitores. A outra parte é provocada por uma educação escolar de baixa qualidade, que transmite mensagens frágeis sobre a importância da cultura para a vida.

Quebrar esse ciclo é uma tarefa para décadas. Milhões de reais já foram gastos em campanhas para expandir a base de leitores, mas nada mais fizeram do que desperdiçar dinheiro público. Felizmente, o país começa a entender o problema.

Pedro Almeida foi, por 20 anos, publisher em grandes casas editoriais e curador de prêmios e clubes de literatura. Atualmente é sócio-proprietário da Faro Editorial.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Muito bom, o artigo! E, em que pese a urgência e magnitude das questões políticas e econômicas, também gosto muito do espaço aberto pela Crusoé para a Cultura.

  2. os livros publicados no Brasil são um desperdício de árvores tombadas para esse mister...a literatura engajada,ridícula,pobre,ignara e datada está tomando o lugar da boa literatura universal, rica,divertida,deleite para a alma e prazer do espírito

  3. Bom artigo, mas necessário considerar que o desinteresse maior pelos livros está na ignorância dos jovens, analfabetismo e por último o custo dos mesmos em relação ao poder aquisitivo da população carente

    1. Suas excelências os ministros de tribunais não recebem bolsa livro?

  4. Como professora aposentada do Ensino Médio e ávida leitora, há muito não lia uma análise tão lúcida e profunda da situação do mercado editorial no Brasil. Penso que o texto reflete com exatidão as causas e consequências da nossa baixa produção literária e deficit de revelações nas novas gerações.

    1. Muitissimo bem citado, prezada Silvana. Infelizmente o sapiens adora fofocas, banalidades e o que não estimula a energia cerebral. Também são fissurados em maldades. Veja o consumo de bíblias no mundo. Não é o livro da humanidade?

  5. Artigo substancioso, elegantemente correto nas afirmações ricas de evidências. Sobretudo no que toca à falácia do "livro caro". Em primeiro lugar nada que amplia horizontes ( e bota imagens sonhadas e criadas nisto!) no coração e na mente dos sapiens é caro. Este é um país ideologicamente anti-educacional. Aos 74 anos- com 47 como Professor de Universidade Pública- não tenho medo (mas muito constrangimento em dizer que além, do analfabetismo abundandissimo. somam-se muitos milhões de

    1. analfabetos funcionais-até professores doutores- ou copiadores coladores!!-. DNA não transfere analfabetismo mas uma elite poderosa e "escravagista" (isso mesmo!) estimula este mal (não impedi-lo) utilizando o poder de, tal cupins, desconstruir o sofrido Sistema Educacional Brasileiro. Sem palanque, é o que acontece nesta Nação. Há mais de 500 anos!

  6. Felizmente, também, aparece alguém para expor o problema do desinteresse do público brasileiro pela leitura. A proposta das escolas do Brasil é formar cidadão e o resultado é que temos cidadãos votando e defendendo criminosos.

    1. Isso mesmo, caro Darcy! A mediocridade é tanta no meio “intelectualoide” ( a surrada academia) que, sem dúvida, farão cara de paisagem ou tentarão trata’-lo com desdém. Como diria Salieri em Amadeus: “Medíocres do mundo: eu os abenço-o”.

  7. É verdade, Pedro! E ainda tem mais um detalhe: de 30 anos pra cá, popularizou-se a ideia equivocada de que os livros clássicos são muito "difíceis". Então, as editoras começaram a lançar versões mais "palatáveis" desses livros, os tais "paradidáticos", resumos chatíssimos de obras incríveis de nossa literatura, que perderam, assim, seu estilo peculiar, seu linguajar original e todo o encantamento que as popularizou inicialmente... Deveria ser considerado crime inafiançável contra a cultura, kkk!

  8. Em todos os natais costumo presentear com livros minha mãe, minha cunhada e meus sobrinhos. Minha mãe lê tudo, até livro ruim. Meus sobrinhos não faço ideia o que fazem com meus presentes, mas acho que não leem nada, apesar de eu buscar leituras compatíveis com seus interesses. Vou continuar a presentear assim nos próximos natais. Na pior das hipóteses eu ajudarei aos editores e os escritores.

  9. Pedro, ótimo artigo! A literatura é fundamental para o Brasil sair do atraso de décadas! Há muita gente trabalhando para que isso não aconteça, principalmente nas escolas desde a pré- escola! O bom livro deve fazer parte desde o período de gestação!

  10. Pedro, eu amei o seu artigo! Amo ler e falar sobre os livros q leio, é um prazer! E vivo agoniada pq não consigo ler td q quero! Só tem um ponto q discordo: o valor do livro 😬. Não vou dizer q acho q livros são caros, mas, olha só: se "O único..." deveria custar, hj, R$ 87,90, as remunerações deveriam seguir, pelo -, nesse estilo. Particular/te, preciso fazer opções (do ano passado p cá isso piorou🙄). Minha "biblioteca" e das minhas pekenas é essencial, mas o termo não é, exata/te, "barato"...

    1. Nem todas as cidades tem bibliotecas públicas... A minha não tem há um tempão...

    2. E as bibliotecas públicas!Quem ñ pode comprar vai lá.Felizmente eu posso comprar meus livros e,depois de lê-los,vou à biblioteca da minha cidadezinha e os dôo.Dôo pq ñ vou relê-los,ainda há milhares de livros à minha espera e eu já estou c/ 71.Adoro biografias.Além do biografado elas mostram um mundo ao redor dele: geográfico,histórico,econômico,político,religioso.Foi assim q fiquei sabendo q Karl Marx morava em Londres a poucos km de Darwin.Trocaram UMA correspondência,mas nunca se encontraram.

  11. Excelente artigo Pedro. Eu escrevo sem compromisso de doutrinar e espero que meus livros encontre o público que goste de uma jornaaa do personagem .

    1. Como consegue “assassinar” a língua portuguesa em tão poucas linhas?

    2. Vejo que a falta de concordância entre o sujeito e o verbo já não incomoda mais ninguém.

    3. Você é escritor e não usa vírgula pra separar o vocativo? Já não se fazem mais escritores como antigamente... 🙄

  12. Essa cultura "do bem" causa mais mal do que gostam de acreditar. E como vemos, ela infiltra todas as esferas, as quais, por sua vez, a fomentam; e assim, temos um ciclo vicioso.

  13. Nao creio que já se começou a entender o problema. Basta ver o que aconteceu com os mais tradicionais pontos de vendas de, não só livros, mas revistas também. Evaporaram e não voltarão.

  14. Perfeito. E tem outro ponto, Pedro. Autores bons de verdade acabam esquecidos, como o José Geraldo Vieira ou o Murilo Rubião, desprezado por não aderirem a causas e tais.

  15. Comigo aconteceu exatamente isso. Os livros brasileiros que eu tinha que ler no colegial para o vestibular eram um sono, as páginas restantes custavam a diminuir, e eu cheguei a achar que livros, em si, eram chatos. Felizmente a ficção científica e a não-ficção histórica gringas vieram me salvar.

  16. Ótimo artigo. Embora não seja do ramo editorial, o texto me parece realista e atual! Uma curiosidade, que confirma a tese... um empresario de Manaus, que se tornou escritor depois de aposentado, Ilko Minev, se tornou autor de best-sellers no Brasil, com livros leves e despretenciosos.

  17. Verdade. Quando apresentam livros às crianças geralmente são livros chatos, mas que atendem à literatura. Senhora, "A viuvinha"de José de Alencar não é exatamente um livro divertido...Fui adquirir algum gosto por literatura brasileira com Machado de Assis. Parti para Júlio Verne, R L Stephenson, Orwell, Dumas por conta própria. Apenas a coleção vaga-lume era interessante para mim. Hoje apresento a minha filha obras mais palatáveis.

    1. Não deve haver crase nos livros que compõem algumas bibliotecas pessoais.

  18. Dizer que a literatura é predominantemente para divertir, é a melhor explicação dada por nossa imprensa, para nos encontrarmos expostos nas eleições presidenciais deste ano, a ter que optar entre a cruel realidade e a insuportável mentira. Namastê!

  19. Alguém já pensou em perguntar aos leitores o que eles desejam ou cabe aos tais "críticos literários " pseudo-influenciadores determinar o que devemos ler? Uma forma que popularizou a leitura eram os contos, folhetins e crônicas publicadas nos jornais, assim surgiram Machado de Assis, Nelson Rodrigues entre outros e quais jornais hoje tem tal tipo de literatura? Público, escritores, meios existem, porém desalinhados, descoordenados, míopes, sem sentido ou direção.

  20. Explorar a arte, infinita, faz falta! Inspiração para nossas vidas! Como diz o autor, nossas elites olham somente para seus próprios bolsos e umbigos! Somos mais que isso!

  21. Literatura universal portuguesa contemporânea vende bem e é excelente, não? Valter Hugo Mae, Jose Luis Peixoto, etc. Mesmo latino-americana recente com Vargas Llosa, Juan Gabriel Vasquez. A fórmula parece simples e funciona bem em outros lugares.

Mais notícias
Assine agora
TOPO