ReproduçãoReunião do Brics organizada pela China: Brasil começou com a ideia no governo Lula, mas agora não tem como controlá-lo

A ampliação do Brics e o interesse nacional

Grupo de países foi dominado pela China e poderá incluir novos membros para se contrapor à hegemonia americana, arrastando com ele a diplomacia brasileira
01.07.22

A 14ª Reunião de Cúpula dos Brics, organizada por Pequim, marcou uma mudança importante na natureza e no funcionamento desse grupo de países. Em sua declaração final, com a data de 23 de junho, seus membros afirmaram que apoiavam a discussão para um processo de expansão. O efeito foi rápido. Esta semana, Irã e Argentina apresentaram formalmente seus pedidos de ingresso. Senegal, Nigéria, Arábia Saudita, Cazaquistão, Egito, Emirados Árabes Unidos, Indonésia e Tailândia podem aderir mais adiante. À falta de um acrônimo que possa incluir tantos integrantes, uma hipótese é que a instituição ganhe o nome de Brics+. Mas o problema não é só de ordem alfabética. A ampliação em curso serve principalmente aos interesses da China e da Rússia, que buscam uma plataforma para se contrapor ao mundo dominado pelos Estados Unidos. Trata-se de um perfil muito diferente daquele de quando o grupo foi criado, em 2009, o que obrigará a diplomacia brasileira a tomar decisões mais delicadas.

O Brics expandido é mais um sintoma da mudança geopolítica que está revertendo a ordem criada logo no início da Guerra Fria. Em 1947, o Conselho de Segurança Nacional dos Estados Unidos tomou a decisão de manter uma inquestionável supremacia estratégica em termos militares e operacionais. Isso se deu não apenas no confronto com possíveis adversários, mas também em relação aos seus próprios aliados. A postura foi mantida nas décadas seguintes, atravessando desde a fundação da Otan, em 1949, a adoção da doutrina da destruição mutuamente assegurada (MAD), nos anos 1950, a negociação de acordos de limitação de proliferação atômica, a partir de 1968, e até a implosão do antigo inimigo de 45 anos, a União Soviética. Nos anos 1990, os Estados Unidos se encontravam no ápice de seu momento unipolar. O Muro de Berlim caiu, a URSS se dissolveu em mais de uma dúzia de repúblicas independentes e os americanos deram uma extraordinária demonstração de força na primeira Guerra do Golfo, em 1991, expulsando as tropas iraquianas de Saddam Hussein do Kuwait.

Os americanos ainda obtiveram um feito extraordinário: separar a China da União Soviética. A visita do presidente americano Richard Nixon ao chinês Mao Tsé-Tung e a subsequente ascensão da China comunista à cadeira da República da China no Conselho de Segurança da ONU, em 1971, consolidaram a ruptura entre os dois grandes inimigos do capitalismo e das democracias de mercado: a China se tornou uma aliada estratégica, ainda que disfarçada, dos Estados Unidos, contra a União Soviética, em relação à qual ela apresentava várias diferenças antigas e recentes nos milhares de quilômetros de fronteiras e de terras roubadas em séculos passados.

Essa conquista extremamente significativa no quadro do seu planejamento foi completamente perdida no curso dos mesmos anos 1990, quando os Estados Unidos, depois de terem patrocinado a incorporação da China à economia global, passaram a tratá-la como adversária estratégica. Essa inversão de política motivou uma pequena revolução na política externa e na postura global da China, que passou a encarar os Estados Unidos, não como um aliado, num eventual confronto com a confusa Rússia desse período, mas como uma potência hegemônica. Os americanos passaram a ser vistos como um obstáculo à irresistível ascensão econômica e política da China, o grande Império do Meio, temporariamente diminuído e humilhado pelas grandes potências ocidentais e pelo Japão.

A China incorporou o Brics neste contexto. De início, havia a iniciativa de Rússia e Brasil de transformar um exercício intelectual articulado em torno do acrônimo BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China), criado pelo economista Jim O’Neill do Banco Goldman Sachs, em um grupo diplomático com uma “carteira de negócios”. Assim, provavelmente, o Brics deve ter sido o primeiro grupo de países que não nasceu em torno de um projeto deliberado e racionalmente articulado pela vontade de seus membros constitutivos – com vistas a objetivos comumente determinados, em função dos interesses nacionais de cada um deles –, mas que foi induzido externamente, com base unicamente em projeções de retornos ampliados a partir de quatro economias então relativamente dinâmicas (Rússia e Brasil degringolaram em seguida).

Não demorou para que a pegada chinesa fosse sentida. Desde o início do grupo, a China já representava mais da metade do seu peso total, em termos de PIB, comércio, finanças, capacidade de investimento, infraestrutura e demais indicadores econômicos. De certo modo, Pequim já podia determinar para que direção caminharia o novo grupo, muito artificial sob todos os demais aspectos políticos, diplomáticos, culturais e, sobretudo, geopolíticos. A oportunidade não foi desperdiçada. Na primeira reunião de cúpula dos quatro dirigentes, em Ecaterimburgo, em 2009, a China buscou uma aproximação com países africanos, pois tinha enormes projetos de investimentos no continente. Em 2011, por sua influência, a África do Sul foi admitida no bloco, que se converteu em Brics. O acrônimo foi preservado, mas já indicava um grupo que pouco tinha a ver com o espírito inicial do seu “projetista” de investimentos, Jim O’Neill.

A criação do New Development Bank, o banco dos Brics, e do mecanismo de empréstimos contingentes, na cúpula de Fortaleza, em 2014, pareciam sinalizar uma maior adequação dos Brics aos seus objetivos originais. Falava-se em promoção do crescimento econômico, em promover intercâmbios comerciais e financeiros e em incorporar os cinco países de maneira mais ou menos coordenada aos grandes circuitos da economia mundial.

Essa tendência positiva e pró-globalização sofreu uma quebra em 2014, quando a Rússia de Vladimir Putin invadiu a Ucrânia oriental e anexou a península da Crimeia. A Rússia passou a sofrer sanções dos países ocidentais, mas os demais membros do grupo permaneceram estranhamente silenciosos em face dessa violação flagrante da Carta da ONU e do direito internacional. Além disso, a China, totalmente empenhada na realização da sua nova Rota da Seda, trilhando caminhos nas antigas satrapias da União Soviética, começou a reforçar sua cooperação com a Rússia, a fim de superar os obstáculos colocados pelos americanos para conter o que eles consideram uma ascensão irresistível.

A ampliação dos Brics é parte desse esforço. A China quer articular uma coalizão suficiente de países para se contrapor às manobras americanas. Esse é o ponto fulcral. A expansão também contempla os interesses da Rússia, que precisa escapar do isolamento conduzido pelas principais potências ocidentais após a invasão da Ucrânia. O Brics, portanto, passou a ser usado para fins diversos daqueles concebidos inicialmente.

Não se sabe ainda como a futura diplomacia brasileira – a atual já quase não conta mais – vai reagir ante à incorporação de novos membros ao Brics. Outro ponto a acompanhar será se nossos representantes continuarão demonstrando a mesma indiferença em relação a uma guerra cruel na Ucrânia, que claramente afronta todos os valores e princípios da política externa e diversas cláusulas constitucionais das relações internacionais.

Esse é o quadro que se apresenta ao Brasil. Durante o governo de Lula, quando o Itamaraty era chefiado por Celso Amorim, o país patrocinou, como um aprendiz de feiticeiro, uma aventura diplomática, ao lado da Rússia de Vladimir Putin e Sergey Lavrov. A ideia foi aceita quase que de imediato pela China e pela Índia, cada um deles de acordo com suas próprias razões. A África do Sul entrou de arrasto, para atender aos desejos chineses, e outros países estão batendo à porta.

O que o Brasil pode pretender no Brics agora, quando o grupo está sendo claramente manipulado pela China e pela Rússia, em função de interesses exclusivamente nacionais, tanto no plano estratégico, quanto no dos seus objetivos táticos? Essa é uma pergunta que não terá resposta imediata, nem pode ter, em virtude da conjuntura eleitoral brasileira, mas que permanece como uma das definições de grande diplomacia a serem equacionadas no futuro de médio prazo.

O fato é que o Brics se tornou um animal muito grande para ser encabrestado por um país de recursos limitados como o Brasil. Não temos claramente como controlar a direção desse grupo, para satisfazer objetivos puramente nacionais de crescimento econômico e de desenvolvimento social, os quais deveriam ser as molas básicas da nossa política externa. A questão de quem manda no Brics está posta. O Brasil saberá respondê-la?

Paulo Roberto de Almeida é diplomata e autor do livro A grande ilusão do Brics: e o universo paralelo da diplomacia brasileira

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. O Brasil 🇧🇷 é um país sempre ligado aos interesses ocidentais, e assim deveria continuar, não se ajoelhando aos interesses de domínio do mundo patrocinados por China 🇨🇳 e Rússia 🇷🇺, dois países com vermelho na bandeira. É isso quê queremos? Abra o olho 👁 👁 Brasil. Esses países não têm nada a ver conosco, a não ser interesses comerciais.

  2. desse grupo cada um puxa o peixe para si, melhor ver com o centrão que vai ganhar essas próximas eleições, eles é quem vão definir onde o dinheiro da corrupção estará melhor escondido.

  3. Logo o Brasil pode sair do BRICs para ser o líder do BALtrina o bloco da lizeira comuno-nazista cucaracha iniciado no MerDosul do Sarney acabando no Fórum de São Paulo dos ladrões assassinos ... é mera questão de data pois a ignorância hoje diplomada e até doutorada em sua insanidade prefere comer muita merda e se contentar com as sobras do butim dos novos donos da lixeira latrino-americana ... se o vizinho também comer merda isto basta à estupidez dos algozes de si mesmos nas urnas do Xandão.

  4. Análise interessante e realista, perante a alteração dos pólos geostratégicos o Brasil tem um enorme desafio pela frente.

    1. Já somos subjugados a muito tempo. País sem destino, sem projeto e sem futuro.

  5. A liberdade política e econômica do Brasil poderá degrimgolar com a esquerda no poder. Claro com adesão célere ao autoritarismo dos parceiros atômicos.

  6. o mundo em nome do capitalismo e do lucro , foi alimentando o dragão chinês, que infelizmente tem a mesma mentalidade da Rússia com putin, e a conta vai chegar sem que o planeta consiga pagar. a escolha sempre foi fácil, entre o respeito a democracia, direitos e liberdades representado pelos americanos , ou o contrário disso tudo , representado por China e Rússia.

    1. O problema, Luiz, é que o principal alimentador do dragão comunista chinês, foi exatamente o Tio Sam, apesar da China ser uma ditadura pesada e cruel. Agora que o dragão está grande demais e faminto, fica difícil controlar. A grande democracia deveria ter pensado nisso antes da aventura. Quanto ao Brasil, seguiremos satélites insignificantes do mundo, como sempre, seja com qualquer um desses candidatos favoritos.

    2. Luiz. Belo resumo. Falou pouco mas disse tudo. Visão Macro. Os detalhes é para desviar a atenção dos desavisados.

  7. Excelente análise, xará. Vale uma sequência para avaliar as alternativas que teria o Brasil? Afinal, lá já estamos e virar pedrinha no sapato de China e Rússia não convém.

Mais notícias
Assine agora
TOPO