Divulgação"Em termos de ganhos institucionais, os militares se favoreceram muito nos primeiros governos do PT"

A república dos generais

O pesquisador alemão Christoph Harig diz que os militares continuarão a se beneficiar com Lula ou com Bolsonaro e que a sociedade brasileira não tem coragem de confrontar o poder da caserna
22.07.22

Cidadão de um país em que os militares são totalmente subordinados às autoridades civis, a Alemanha, o especialista em estudos de segurança Christoph Harig é fascinado pelo papel que os militares exercem na sociedade e na política brasileiras. Para aprofundar-se em seus estudos, ele aprendeu português. Em 2017, sua tese de doutorado no King’s College, em Londres, foi sobre a conexão entre as missões de paz na ONU e as operações militares internas no Brasil.

Professor e pesquisador do Instituto de Relações Internacionais da Universidade Técnica de Braunschweig, em Hamburgo, Harig acredita que os generais brasileiros terão dias tranquilos a partir do ano que vem, independente do resultado da eleição. Com Lula ou com Bolsonaro, ele acredita que a caserna conseguirá extrair novas vantagens. “As instituições democráticas e grande parte da sociedade não querem ou não se atrevem a confrontar as Forças Armadas”, diz ele. Pode-se discordar de Harig em relação a um episódio relativamente recente, como no caso do recado que o general Eduardo Villas Bôas enviou, via Twitter, ao STF e à caserna, antes do julgamento de um HC de Lula, em 2018, que poderia ter evitado a prisão do petista, mas é indubitável que a sua visão geral é bastante interessante.  Segue a entrevista:

Se Lula vencer a eleição e Bolsonaro acusar que houve fraude nas urnas eletrônicas, o sr. acha que os militares poderiam fazer algum movimento?
Há muita incerteza sobre isso. Para mim, o resultado mais provável da eleição é uma vitória de Lula, com Bolsonaro acusando fraude nas urnas com a ajuda dos generais de seu governo. O ministro da Defesa, Paulo Sérgio Nogueira, já tem se destacado nisso. Mas acho pouco provável que as Forças Armadas, como instituição, metam-se nisso. Em parte, isso não acontecerá porque a corporação ainda quer resgatar a fama de ser a “salvadora da pátria“. Acho provável que, depois do pleito, os comandantes publiquem notas dizendo que não querem interferir no processo democrático. Assim, as corporações militares poderão passar a impressão de que solucionaram um problema criado por um grupo que apoiou Bolsonaro.

Se Lula for eleito, como o sr. acha que será a relação dele com os militares?
Acho que Lula e seu governo não terão muita oportunidade de comprar briga com as Forças Armadas. Já nos primeiros mandatos, ele preferiu evitar confrontos com a instituição, e o poder político dos militares só aumentou desde então. Em termos de ganhos institucionais, os militares se favoreceram muito nos primeiros governos do PT. A única opção de assegurar um mandato sem muita interferência dos militares é apaziguando-os. Meu palpite é que o Brasil poderia voltar a mandar um número significativo de tropas para operações de paz da ONU.

Por quê?
Assim como a Missão de Estabilização da ONU no Haiti, a Minustah, a participação em larga escala em outras missões de paz garantiria benefícios institucionais para os militares. Eles teriam a oportunidade de treinar tropas, desenvolver e testar a doutrina, ganhar prestígio internacional e deixar os soldados receberem pagamentos extras da ONU. Ao mesmo tempo, isso também traria ganhos para o governo Lula, pois marcaria um retorno do Brasil ao cenário global como um “ator responsável” em assuntos globais.

Lula teria como retirar alguns benefícios concedidos aos militares?
Duvido. Tenho certeza de que os famosos “interlocutores” dos militares vão deixar claro que os oficiais da reserva não querem abrir mão de furar o teto salarial do funcionalismo.

ReproduçãoReprodução“Os militares seguem tutelando a democracia brasileira”
E se Bolsonaro for eleito? A relação dele com os militares poderia mudar?
Uma vitória de Bolsonaro poderia abrir ainda mais oportunidades para os militares garantirem benefícios a longo prazo. Por outro lado, também existe a possibilidade de eles intensificarem um esforço para mostrar que estão se dissociando de Bolsonaro, porque sabem que ele não poderá ser candidato outra vez.

Quais foram os militares que mais se beneficiaram no governo de Bolsonaro?
Em termos financeiros, personagens como o general Braga Netto e o general Augusto Heleno certamente se beneficiaram muito. Isso porque, desde o ano passado, o governo liberou a remuneração acima do teto salarial para funcionários públicos. Outros militares usaram o palanque do governo Bolsonaro para começar a sua própria carreira política. Embora isso pareça inacreditável, dado o seu desempenho como ministro de Saúde, o general Eduardo Pazuello poderia entrar no Congresso.

Por que os militares têm ganho influência política nas últimas décadas?
Há várias razões. Por um lado, governos sucessivos não conseguiram realmente reduzir a influência política, formal e informal, dos militares. Isso também incluiu o governo de Michel Temer, que marcou um grande retrocesso em termos de influência institucional. Ele recriou o Gabinete de Segurança Institucional, o GSI, e nomeou um general como ministro de Defesa. Também há o problema de que as instituições democráticas e grande parte da sociedade não querem ou não se atrevem a confrontar as Forças Armadas.

Que consequências isso tem?
Uma delas é a de que os militares seguem tutelando a democracia brasileira. Eles possuem um poder estrutural que lhes garante impunidade e restringe a livre competição política. Quando há comportamentos que desagradam aos generais, sempre pode aparecer um general Eduardo Villa Bôas para interferir em outras instituições, como quando ele publicou mensagens sobre o julgamento de Lula no STF. Mas não é dever do comandante do Exército comentar tais coisas, assim como não é papel do ministro de Defesa falar sobre a segurança das urnas. A questão toda é que, na verdade, não é possível construir uma política de Defesa no Brasil ou fazer uma reforma das Forças Armadas que seja contra os interesses particulares dos generais.

A sociedade brasileira deveria confrontar o poder das Forças Armadas?
Não será possível reduzir o poder dos militares sem um esforço da sociedade e dos políticos brasileiros. Enquanto for socialmente aceito que ruas ou pontes tenham o nome de figuras do regime militar ou que as Forças Armadas celebrem o golpe de 1964, é improvável que os militares se comportem de forma diferente. Sem serem confrontados e sem que lhes seja mostrado seu legítimo lugar em uma sociedade democrática, os militares vão perpetuar sua autoimagem como salvadores da pátria, o que alimenta a sua interferência na política.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Este senhor conhece de Brasil o mesmo que eu conheço de missa. Está por fora um "eito" como diria o sertanejo, não sabe de onde vem e nem pra onde vai a nossa política, nem a maneira como a população está reagindo às práticas corruptas dos nossos lesa Pátria. O povo está de olhos bem abertos e não vai votar nos ladrões de sempre, nem que eles prometam que não vão enganar o povo novamente, ou seja, podemos interpretar isso com a leitura seguinte: vão nos roubar de novo.

  2. Acho que o alemãozinho precisa aprender mais sobre o Brasil. Está bem por fora. As Forças Armadas só aparecem no quadro político atual porque o Bolsonaro vive o delírio de dar um golpe de Estado com o apoio do Exército. O alemão está ingenuamente caindo na armadilha infantil lançada pelo Demente.

  3. A república foi instalada com um golpe militar e, desde então, as FA são força atuante na política brasileira com muito mais força do que o saudável. A única maneira de os manter na caserna tem sido comprar a sua obediência com excelentes privilégios, especialmente para os escalões mais elevados. Lula ou Bolsonaro dominam bem a arte de comprar apoio/conivência, pelo que certamente as FA não embarcarão em aventuras.

  4. É mentira que o teto de gastos foi liberado para funcionários públicos! Sou filha de militar e sei , na carne que isso é uma inverdade. Tive que abrir mão da minha aposentadoria. Se abriu é para esses corruptos do Judiciário que ganham rios em penduricalhos fora da lei.

  5. Acho estranho a afirmação de que, as força militares, têm influenciado os governos desde a retomada do governo civil. Se não estou enganado, as forças militares, salvo algumas exceções, receberam menos investimentos e os soldos ficaram muito abaixo do setor público civil. Vários comandantes de unidades militares se queijavam dos baixos soldos e o desprestígio que a categoria vinha tendo dos governos Civis. De fato, o Gen Villa Boas foi o primeiro, da alta patente, a se manifestar politicamente.

    1. acredito que você está certo em parte. O orçamento das forças armadas é grande,mas acaba indo quase todo para pagar despesas de custeio, salários e pensões, sobrando muito pouco para investimento e pesquisa.

  6. Como vai, 🇧🇷🇧🇷🇧🇷 Sr. GENERAL CARLOS ALBERTO DOS SANTOS CRUZ? 🇧🇷🇧🇷🇧🇷 NÓS OS DECENTES aguardamos ansiosamente a SUA candidatura!!! O BRASIL precisa que CIDADÃOS BRASILEIROS DECENTES candidatem-se para que assim possamos promover a faxina nas funções que devem ser ocupadas por estes e, que atualmente estão - tragicamente - ocupadas por marginais de todos os naipes.

  7. Nada acontecerà cim Forças Armadas brasileiras quem seja eleito em Outubro. Se Bolsonaro conseguir reeleição o regime de mordomia se acentuará. Caso se confitme vitoria do Lula, tambem pouci se acresentará ais quarteis. Lula, viciado em politica saberá alimentar e deixar bem gordinhos nosdos heróis da Frças Armadas

  8. Guerra contra quem? Bolívia? Peru? Defesa da democracia? Que democracia? Teta! Corte ! Corporação! E não fazer nada.

  9. É simples: os BRASILEIROS tentam se ancorar na instituição q for - atualmente - mais confiável ou menos humilhante embora imperfeita nos quesitos racionalidade, uso desastroso e incoerente do erário e ineficácia na guarda do país. Isso pque as demais lhes parecem uma geléia geral de corrupção ilimitada, incompetência e inconsistência, qdo deveriam ser tb exemplares. A hora em q as FFFAAA degradarem-se geral, sobrará apenas o CORREIO saneado p/ q sonhemos c/ uma instituição confiável e funcional

  10. Quando se comenta por pedaço, não se conclui nada. É só fazer o diagnóstico do legislativo e sua manipulação em causa própria, o judiciário e suas vantagens pecuniárias e o teatro que é à aplicação das leis, o executivo incompentente e corrupto! O exército, assim como tantos outros, olham somente para si mesmos. Aí temos a sociedade que temos, é muita gente, no fundo no fundo, só querendo garantir o seu! Democracia brasileira = vampiro brasileiro!

  11. Para diminuiríamos gastos seria muito diminuir o número de soldados que ingressam no serviço militar,não há motivos para sustentar isso? Nem material de ponta temos para treinamento. Então porque manter?

  12. Crusoé decepcionando mais uma vez. Devia escolher melhor o entrevistado, pois tem uma visão errônea das nossas FFAA. Num cenário onde temos uma suprema corte ativista, um CN inepto e covarde, uma mídia militante e uma ameaça socialista real (vejam como está a América do Sul atualmente);só nos resta a proteção das nossas FFAA. É a Instituição de maior credibilidade no Brasil, a esperança do povo brasileiro e com certeza não se omitirá neste momento difícil da nossa história. Tudo tem seu momento!

  13. Infelizmente estamos fu…; sem investimento em saúde e educação, a cada dia estamos mais próximos da Venezuela, irmanados com a China,Coréia do Norte,Cuba e Arábia Saudita.

    1. Por que alguém acha que num regime socialista os investimentos em segurança nacional e armas serão menores ? Faz-me rir! Qualquer país de expressão e com fronteiras e riquezas cobiçadas tem de ter defesa. Vide Amazônia!

    1. As próteses penianas e viagras superfaturados que o digam

    1. Digamos que seguem a regra geral ! Tal congresso, tal Suprrmo por wue o exército seria diferente?

  14. Parabéns à Crusoé, e particularmente ao Duda Teixeira! Entrevista bastante esclarecedora! 👏👏👏👏👏

  15. só prestar atenção na letra da música Podres poderes de Caetano Veloso: Será que a America Carolica não pode viver sem ridículos tiranos Será que essa minha estúpida retórica terra que se ouvir por mais ZIL anos

    1. Mas o exército nacional que se formou vom mercenarios trazidos da Europa da Alemanha principalmente para sustentar nossa independência, t em M no Brasil uma estruturação particular e sociológica diferente do resto da América Latina! Seria bom estudar as origens ! Só opinam sem conhecimento

  16. Um teórico alemão que estuda na Inglaterra e se acha autoridade para falar do Brasil. É o fim! Me surpreende a Crusoé dar voz a um pseudo-especialista como esse!! Acorda, Crusoé!

    1. E você que não existe teóricos brasileiros dando palpites sobre a política na Inglaterra? Ou em outro país?

    2. Francisco bairrista. Temos ou não temos liberdade de expressão, além da liberdade acadêmica?

  17. Penso que o prof. Harig nunca ouviu falar em António Gramsci e sua concepção de Revolução Cultural. Parece que nunca conheceu detalhes da Teologia da Libertação na América Latina. A concentração de renda torna o país um barril de pólvora em que se tem a elite política fumando charuto sentada em cima. Essa figura parece crível, caro Duda Teixeira.

  18. Penso que o prof. Harig nunca ouviu falar em António Gramsci e sua concepção de Revolução Cultural. Parece que nunca conheceu detalhes da Teologia da Libertação na América Latina. A concentração de renda torna o país um barril de pólvora em que se tem a elite política fumando charuto sentada em cima. Essa figura parece crível, caro Duda Teixeira.

    1. Nossa amigo !! Para vai .. a concentração de renda so vai aumentar ! Com Lula mais ainda .. vai aumentar p ele ; Ze Dirceu ; Cunha ; Odebrech e Cia

  19. Oportuna e proveitosa entrevista com um pesquisador que sabe o que fala. A sociedade civil tem que se preocupar com esse protagonismo dos militares. Não conheço nenhum importante país DEMOCRÁTICO que seja governado por militares(da ativa). Na reserva são cidadãos como todos nós.

    1. errado luiz nao tem regime no mundo q nao seja mantido pelos militares. ou acha q a maior democracia do mundo EUA é mantida pela imprensa ?

  20. Muito interessante os posicionamentos , só resta acrescentar ,que nossos atuais militares de altas patentes , estão preocupados com as boquinhas, hoje os quartéis estão no bagaço , falta munição para treinamento , uniformes adequados , combustíveis para deslocamento de marchas , instruções noturnas e até falta de rancho para alimentar os soldados que são dispensados antes do almoço , batalhões são transformados em campanhas. Soldados e baixas patentes desvalorizados . O EB não é só de Generais

    1. Mais não falta viagra e prótese peniana a custa da população brasileira. Nunca vi nessas ultimas décadas a Forcas Armadas tao queimadas quando agora. Fora chiclete, bacalhau, picanha e etc, voce acha que esse luxo vai para os soldados ou oficiais de alta patente, lembrando que oficial militar faz o supermercado dentro do quartel.

    2. Fazer uma comparacao com um desfile militar do día da patria com qualquer otro país , nosso exercito e inferior ao de Brancaleone.

  21. ... uma coisa é certa: esse cara entende muito do Brasil. Realmente uma ditadura de esquerda após 19 64 seria ainda mais retrógrada. Mas vale a pena ouvir esse cara com atenção! Parabéns à Crusoé pela entrevista muito bem feita!

  22. LIVRO “O INROTULÁVEL” do Sir CLAITON *MILITARES BOLSONARISTAS: os EXEMPLOS EXECRÁVEIS que uma SOCIEDADE tão CORRUPTA é capaz de produzir! São DEGENERADOS MORAIS que IMPEDEM o MUNDO de AVANÇAR! MORO Senador/DELTAN Deputado! Triunfaremos👊

  23. Vamos botar números nas coisas compradando o Brasil com as duas nações mais bem armadas da Europa. Força aérea brasilera: 80 937 ativos Força aérea britânica: 33 240 ativos Força aérea francesa: 43 597 ativos Marinha francesa: 39.000 ativos Marinha inglesa: 33 280 ativos Marinha do Brasil: 81 040 ativos Dá para entender porque somos atrasados?

    1. Concordo com Joao Lopes, sim o Brasil e gigante, território continental, mas essa tropa imensa não esta na Amazonia, esta aonde? a sensação que tenho e que esta tomada por contrabandistas, drogas, garimpos, invasões de terra e derrubada de arvores ilegal. Então uma tropa gigante, sem munição, equipamento e quando um general assume uma posição no governo da vexame ela falta de competência, mas não faltam viagra e próteses peniana para os oficias gorduxos pagos por nos cidadãos brasileiros.

    2. Você foi muito infeliz na sua comparação. Nosso país é um continente. A França tem território equivalente a Minas Gerais.

    3. alo meu amigo. e voce ? conhece algum brasileiro com culhao suficiente pra prender e condenar um milico ? general ? um pazzuello ... um heleno nunes ? deixa de ser burro homi ..

    4. A sua comparação e bem infeluz. Compara o tamanho do território brasileiro com os dos países citados. Dá para manter essa comparação? O Brasil é muito maior em população e também em território. Precisamos, inclusive , de mais militares na defesa da Amazônia.

    5. Comentário preconceituoso e imoral. Mesmo cometendo alguns erros vez em quando, não tem sentido assacar acusações contra as Forças Armadas, símbolo de moralidade e respeito constitucional. Esse comentarista cometeu um julgamento insidioso e avacalhado. Alguém conhece algum General de Exército preso ou condenado por corrupção. Tu és um “leso” rapaz.

  24. Discordo de alguns pontos levantados pelo entrevistado. O que tem de mais ter ruas nomeadas com personalidades do regime militar? Eles fazem parte da história do país, goste-se disso ou não. A postura do entrevistado me pareceu excessivamente anti-militarista. É certo que o regime militar cometeu crimes violentos, mas mesmo assim, creio que ainda foi melhor ter tido o golpe de 64 do que deixar o Brasil virar mais uma ditadura falida de esquerda, como tantas há neste mundo.

  25. Retrocesso no governo Temer? Foi um governo em que houve avanços em todas as áreas. Esse cara pode entender da Alemanha, mas do Brasil...

  26. O Bolsonaro, hoje, não poderia se candidatar novamente, mas quem disse que isso não pode ser mudado. O Chavez mudou com seus militares, por que Bolsonaro não mudaria com os dele?

  27. Artigo excelente, que desnuda uma das grandes mazelas da democracia brasileira, a cintínua tutels dis militares sobre a vida política do país.

  28. Matéria perfeita. Concordo com todo teor da matéria que retrata a verdade que poucos ousaram mostrar. Para mudar o conceito que as Forças Armadas impõe ao povo artificialmente, necessário mostrar a verdade da verdadeira intenção dos membros da mesma, os quais militam em benefícios próprios e não da nação. Vislumbro haver lideres que não sejam bolsonaristas e nem petista para exercer tal missão. Bolsonaristas e petistas não possuem capital ético e nem mesmo interesse em executar missão virtuosa.

  29. Só vocês, Antagonistas, para ter a coragem em colocar este debate no rol das preocupações deste país. Nota dez à condução da entrevista e as corajosas respostas do entrevistado que mostrou, realmente, conhecer profundamente as relações politicas, dominadoras desde sempre, dessa classe que, entre outras, pelos temores da Sociedade em relação a ela, tem o condão de dar palpites e definir temas que não lhes referenciam como tarefa. Espero um debate sobre a missão ideal delas num pais pacifista.

  30. O que fazem os militares no Brasil? A última guerra em que participaram acabou há quase 80 anos. E assim mesmo só na retaguarda. Na linha de frente foram os pracinhas. Civis pobres. Sem ter o que fazer na sua missão constitucional se metem na politica.

    1. Mauro, o Suriname não sei, mas o Peru já invadiu e, com certeza, derrama enorme quantidade de mercúrio nas águas dos rios que correm para o Brasil. Isso sob os olhos bem fechados de nossas FFAA.

    2. acaba com as FA e vc verá até o Suriname invadir o nosso país. Câncer, na minha visão, no nosso país, são a maioria dos nossos políticos.

  31. Diante do descalabro político e judicial em que se encontra hoje o Brasil, necessário se faz que as forças armadas participem do processo de moralização, o qual compreende todas as áreas da organização do estado e da sociedade, afinal, todos somos cidadãos brasileiros e desejamos e agimos para que o Brasil se torne a nação que sonhamos para nossas gerações de filhos e netos, mas sob a égide do respeito moral, da ordem e do progresso para todos indistintamente.

    1. Com licença, os militares até arranjarem o que fazer de bom, e há tanta coisa boa a se fazer para honrarem o salário que recebem, vão continuar a fofocar, conspirar e intrometer em tarefas que nada tem de ver com a missão que lhes é atribuída. Trabalham silenciosamente e nunca na superfície (não há transparência) e quando alguma coisa mal feita aparece há medo de debate público e, em auxilio, a própria mídia a enterra. Infelizmente, a credibilidade dos caserneiros foi para os ares com a ditadura

    2. Concordo com Mauro.Câncer nesse país são mesmo os políticos sem querer atingir a todos. Porém a maioria são verdadeiros câncer

  32. Referente ao governo Temer, não sei o porquê do uso de "retrocesso" em termos de influência institucional. Seria adequado "incremento", "recrudescimento". É grave Bolsonaro ter liberado a remuneração acima do teto salarial para funcionários públicos, pensando no alto oficialato, deixando-os em iguais condições do judiciário e do ministério público, notórios desrespeitadores do teto.

Mais notícias
Assine agora
TOPO