Foto: Clauber Cleber CaetanoDiplomatas durante apresentação de Bolsonaro contra as urnas eletrônicas

O olhar dos embaixadores

Bolsonaro não conseguiu mudar a opinião dos representantes de outros países em seu ataque contra as urnas eletrônicas, mas talvez esse nem sequer fosse o seu objetivo
22.07.22

Se Jair Bolsonaro esperava convencer o mundo de que há uma conspiração para tirá-lo do poder por meio de fraudes nas eleições de outubro, sua ideia de reunir mais de 40 embaixadores para apresentar sua teoria deu muito errado. Sem que fosse apresentada uma única prova das “denúncias”, ninguém saiu do Palácio do Alvorada acreditando que há problemas de segurança nas urnas brasileiras. Pelo contrário, o encontro serviu para consolidar a expectativa internacional de tensão nas eleições de outubro, com percepção de alto risco de ruptura democrática.

A impressão externa deixada pelo “brienfing” (sic) de segunda-feira foi a de um presidente que quer se manter no governo a qualquer custo e que está preparando o terreno para tentar reverter uma possível derrota nas urnas. Para os embaixadores, jornalistas e analistas estrangeiros, o encontro foi como um prenúncio do golpe que o presidente quer dar, caso venha a perder o poder.

Isso ficou muito evidente no posicionamento público de quem acompanhou o encontro. Um dia depois da apresentação de Bolsonaro, a Embaixada dos Estados Unidos em Brasília publicou um comunicado defendendo que as eleições brasileiras são um modelo para o mundo. A nota dizia, ainda, que o governo americano confia na força das instituições do Brasil — reiterando o pensamento da administração de Joe Biden.

A Transparência Internacional, ONG que tem muito mais credibilidade no mundo do que o atual governo brasileiro, também rejeitou as bravatas do presidente e publicou um desmentido mostrando as informações falsas apresentadas por ele. Além disso, embaixadores ouvidos pela imprensa após o evento tornaram público o seu desconforto com o clima de ameaça à democracia, especialmente pela menção do presidente às Forças Armadas.

A imprensa internacional refletiu bem a falta de credibilidade de Bolsonaro na cobertura do encontro. O jornal francês Le Monde disse que o presidente tenta torpedear o sistema eleitoral. O diário britânico The Guardian e a agência de economia Bloomberg deixaram claro que as acusações sem base apresentadas pelo presidente já foram desmentidas. O New York Times falou sobre o medo internacional de que Bolsonaro rejeite o resultado das eleições. O Washington Post também apontou que o presidente está preparando o terreno para rejeitar o resultado das urnas. Em todos os relatos estava presente o fato de pesquisas de intenção de voto apontarem uma possível vitória de Lula nas eleições.

É interessante notar como essa cobertura externa tem sido repetitiva. Qualquer busca por notícias em inglês, francês e espanhol mostra que é fácil confundir os títulos das reportagens desta semana com centenas de outras publicadas desde 2020. “Bolsonaro escala a retórica sobre fraude eleitoral“, dizia a agência Reuters, há quase dois anos. “Bolsonaro é investigado por alegações de fraude sem provas“, deram a CNN e o Financial Times, em agosto de 2021. Em maio deste ano, a revista Vanity Fair chamava Bolsonaro de “fan-boy” do ex-presidente americano Donald Trump e dizia que ele estava se preparando para rejeitar uma derrota eleitoral.

Ao organizar sua apresentação de segunda, Bolsonaro minimizou a inteligência dos diplomatas e analistas internacionais. Até porque todos já acompanham os ataques do presidente ao Tribunal Superior Eleitoral, o TSE. Por causa disso,  consolidou-se a percepção de que o presidente brasileiro tentará repetir a insurreição liderada por Donald Trump no dia 6 de janeiro, quando seus apoiadores invadiram o prédio do Capitólio, em Washington. Esses estrangeiros acompanham o noticiário tanto no Brasil quanto no resto do mundo e já sabem das mentiras que o presidente propaga como conspiração contra ele.

A postura da imprensa estrangeira neste caso se junta a uma visível deterioração da imagem internacional do Brasil, desde 2013. Nesse ano, os protestos que ficaram conhecidos como as Jornadas de Junho romperam a narrativa internacional de emergência do Brasil. A crise econômica da década passada enterrou a visão de que o país era a “bola da vez”.

Hoje, é a imagem específica do presidente que é muito negativa. Desde que o atual governo tomou posse, o Brasil perdeu prestígio internacional ao se tornar mais um país governado por um líder que fazia parte de uma onda global iliberal. O país abandonou uma postura construtiva em fóruns internacionais, perdeu o status de ator importante na defesa ambiental, deixou de ter relevância na política regional da América Latina, foi visto como um dos maiores negacionistas durante a pandemia, comprou brigas desnecessárias com parceiros comerciais importantes e perdeu o apoio americano após a chegada de Biden à Casa Branca. O Brasil parece de fato ter aceitado se tornar um “pária”, como defendeu o ex-chanceler Ernesto Araújo.

Ao contrário do que Bolsonaro tentou vender durante recente viagem aos Estados Unidos, o Ocidente não acredita em sua retórica reciclada da Guerra Fria e não vê no ex-presidente Lula uma ameaça comunista. Há fortes críticas a Lula, que o ex-presidente Barack Obama associou à máfia em sua autobiografia, mas há também a lembrança de um período de relações saudáveis e de estabilidade do Brasil. O PT ainda guarda uma retórica antiamericana, mas no passado Lula se deu muito bem com George W. Bush e com o próprio Obama, que o chamou de “o cara”.

Em entrevistas recentes, pesquisadores de think tanks americanos deixaram claro que os Estados Unidos esperam o início de um novo governo — seja ele qual for — para definir os rumos das relações bilaterais. O mesmo vale para a União Europeia, cujo acordo com o Mercosul foi travado especialmente pela postura de Bolsonaro em relação ao meio ambiente. Até potências lideradas por governos autocratas, que não teriam motivos para defender a democracia brasileira, como Rússia e China, tampouco teriam razões para se associar agora a um presidente que não inspira confiança.

Está posto que essa provável tentativa de reverter o resultado das urnas não deve ter apoio internacional. Apesar da empolgação recente do apresentador americano Tucker Carlson, da Fox News, e do apoio que Bolsonaro pode ter dos poucos governos iliberais que ainda se sustentam, como os da Hungria e da Polônia, o retrato que se pinta do Brasil e do seu presidente no mundo é majoritariamente negativo.

Bolsonaro, portanto, fracassou na tentativa de angariar apoio global à narrativa de que é perseguido e de que haverá um complô para que ele não vença as eleições.

Mas achar que esse era o objetivo de Bolsonaro ao reunir os diplomatas pode ser uma interpretação equivocada. Talvez Bolsonaro já não esperasse mesmo convencer ninguém e estivesse preocupado apenas em reforçar o discurso para seus apoiadores dentro do Brasil. A esse grupo pequeno, mas persistente, ele se coloca como o verdadeiro defensor da democracia, alegando desde já que tentou mostrar a “verdade” ao mundo, e passando até a incluir a comunidade internacional dentro do que vê como conspiração contra ele.

Pode parecer um projeto insano, mas é algo que pode manter viva a chama do bolsonarismo, mesmo com uma possível derrota nas urnas. Esse modelo já está funcionando com Donald Trump, que planeja se candidatar novamente em 2024. Mesmo derrotado e ignorado pelas grandes figuras da política global, o republicano continua propagando a “grande mentira”, batendo na tecla da fraude eleitoral de 2020. Desse jeito, Trump está conseguindo se manter como força política de peso nos Estados Unidos. Não seria estranho se este fosse também o projeto de Bolsonaro.

Daniel Buarque é especialista em relações internacionais e tem pesquisado o status internacional do Brasil. É autor dos livros O Brazil é um país sério? (Pioneira) e Brazil, um país do presente (Alameda Editorial)

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Esses episódios deprimentes só mostram o quanto Bolsonaro é um péssimo presidente. Sua preocupação não é com o país, é somente com seus interesses.

  2. Ninguém, em São consciência, acredita que Bolsonaro é liberal. Portanto classificá-lo como um governo liberal é um erro, ou ato de má fé com o liberalismo.

    1. Você está certo não é tão liberal mas também não tem algo antigo tradicional na politicalha brasileña derna Cabral ... não é ladrão.

  3. Sem dúvida que a intenção é atiçar revolta do gado após as eleições. Não conseguindo dar um golpe, tentará se manter relevante após a derrota. É o script todinho do Trump. E para isso ele fez o país ser humilhado no plano internacional novamente. Um autêntico patriota, de fato

  4. EU TAMBÉM NÃO ACREDITO QUE O EX-PRESIDIÁRIO SEJA UMA AMEAÇA COMUNISTA. ELE SÓ VAI "ARREGAÇAR MAIS" A PETROBRÁS E OS FUNDOS DE PENSÃO. TENHO PENA DOS SERVIDORES COS CORREIOS, DA CEF, DO BB, DA PETROBRÁS POIS DESSA VEZ ELE VAI QUEBRAR TODAS ESSAS EMPRESAS.

  5. Bolsonaro não é representante de um povo é representante de uma característica psicológica chamada Narcisismo. O Narcisista acredita ser ele a única pessoa capaz de corrigir o defeito dos outros já que se considera perfeito. Nesta ótica o Narcisista desenvolve, rancor, mania de perseguição, e uma enorme capacidade de vender ilusões, isso foi o que o centrão não percebeu e mergulhou de cabeça, o Temer enxergou.

    1. Cara, fui casado 24 anos com uma psicóloga e digo que Vc entende de psicologia, parabéns!

    1. Pois é temos um doente mentalizar com vários distúrbios no poder, e vamos retroceder ao colocar no poder o maior corrupto da história e ex presidiário… o que esperar mais desse país?

  6. É lógico q não acreditariam no psicopata, sobretudo depois de terem assistido previamente ao selvagem espetáculo do ""eu sou você amanhã"" no Capitolio, c/ as tristes mortes, c/ os protagonistas em cana e c/ os insufladores ""subindo no telhado"" embora as tentativas alegóricas, ridículas e inócuas de mostrarem o contrário. Era só o q faltava, os embaixadores - q também assistem aqui cotidianamente os vergonhosos episódios desse desgoverno - levarem em conta e a sério os seus arroubos doentios.

  7. Gente, parem de discutir. STF ao anular as provas contra Lula, conseguiu o único candidato para enfrentar Bolsonaro, caso contrário teríamos que “engolir” Bolsonaro, sem nenhum oponente de peso. Não sou lulista, mas entre um e outro, ainda voto em Lula. Pelo menos os menos favorecidos terão pelo menos como se alimentar. Bolsonaro acha que nenhum brasileiro passa fome. Quem votar em branco ou nulo, estará aumentando a chance de Bolsonaro.

    1. Por favor, não pule direto pro segundo turno! Ainda temos o primeiro turno e podemos colocar o terceiro colocado nas pesquisas de setembro no segundo turno e desbancar essas duas pestes! Seja lá quem for, será muito melhor do que Lula e Bolsonaro!

  8. Bolsonaro nunca governou de verdade pois não sabe o que é isso. Passou mais de três anos fabricando crises ou as acentuando, envolveu-se em escândalos, falou somente asneiras e criou cortina de fumaça. Não terá sucesso, nem nas urnas, nem em eventual tentativa de golpe. Quanto ao texto em tela, é brilhante, esclarecedor e reflexivo.

    1. ainda acredito numa terceira via. apesar de não sermos a maioria que faz diferença na eleição presidencial. Tudo pode ocorrer até a eleição. Considero o candidato do partido novo muito qualificado, Felipe.D`Ávila, votarei nele no primeiro turno. Temos acreditar numa solução melhor.

  9. Como um presidente deixa tanto furo idiota?? Erros de grafia na língua inglesa? Erros de português?? Erros de tradução?? Não tem um tradutor profissional e competente nesse governo? Não podia chamar um funcionário do Ministério das Relações Exteriores para ajudar a fazer a apresentação? Muito furo perfeitamente evitável!

    1. Essa "obra de arte" deve ter saído da cabeça do Bananinha, o aspirante a embaixador do hambúrguer frito...

  10. Acho q o governo Bolsonaro acabou faz tempo, está nas mãos do Lira e de uma galera "seleta", mas de todo o episódio ridículo dessa semana, o pior, na minha irrelevante opinião, é q nada tenha sido feito, de novo! Bolsonaro tripudia do país e nossas instituições (q funcionam perfeitamente, segundo a lenda), dão prazo p q ele se explique e criam grupos de discussão! Essa semana, senti vergonha alheia outra vez, mais pelo Fux do q pelo Bolsonaro...

  11. Uma pergunta , se o nosso presidente mais uma vez mente e não apresenta provas , sobre as Urnas Eletrônicas , porque os embaixadores permaneceram na reunião , o rega bife foi bom ?

    1. Foi apenas uma questão de educação, assim como os aplausos protocolares ao final. Para informações sobre Urnas Eletrônicas, consulte uma fonte confiável para não passar vexame!

  12. LIVRO “O INROTULÁVEL” do Sir CLAITON *VERGONHA INTERNACIONAL, RACHADINHAS, CORRUPÇÃO nas VACINAS e MANSÕES para o 01 e 04! BOLSONARO é um DEGENERADO MORAL que IMPEDE o BRASIL de AVANÇAR! MORO Senador/DELTAN Deputado! Triunfaremos👊

    1. Apoio essas mudanças no congresso Moro e Deltan e mais valores em cada estado, poderá fazer a diferença.

  13. Em tempo Danilo : votei em Bolsonaro ( na realidade votei no Paulo Guedes ) que fez tudo como PT faria . Liberal ? Furou teto de gasto, inchou ainda mais i estado e para quem ia privatizar 1 Trilhao ( privatzou uma parte da Eletrobrás por alguns milhões !!!!) Votarei em Branco !!!!

  14. Quem é esse cara? Mais petista, impossível. Quem te viu, quem te vê! Diogo e Mário agora dando voz a petralhada.. Lamentável.

    1. Acho que você inseriu seu comentário no local errado!

  15. São incontáveis as declarações idiotas de Bolsonaro desde que assumiu a Previdência . Vão desde a mentira do desabastecimento no início da pandemia, passando pelos inacreditáveis comentários sobre a pandemia , vacinas ,uso de máscaras , mas nada comparável a está convocação de embaixadores para lavar roupa suja perante o mundo . Pouco se fala do equilíbrio psicológico de Bolsonaro !! Para mim e um débil mental !!!!

    1. que bom seria se fosse só débil mental!!! pior é ser sociopata-psicopata, como dia meu professor de psiquiatria, é "caso de livro"...

    2. Não sou psiquiatra, mas PARECE evidente que o Presidente Bolsonaro tem graves problemas mentais.

  16. Esse artigo está mais para um panfleto petista do que uma análise crítica. Aqui no Brasil todos sabem que o golpe em nossa democracia já foi dado e não foi por Bolsonaro mas pelo STF, ao anular 07 anos de combate à corrupção lançando Lula às eleições com a "fantasia de mártir," sob a qual padecemos todos por suas danosas e imprevisíveis consequências. Namastê!

    1. Quem anulou 7 anos de combate à corrupção foi o mentecapto que nos desgoverna, acabando com a parceria entre o COAF e o Ministério da Justiça, sancionando todas as leis que tornaram a investigação e punição de corruptos impossível e, por fim, acabando literalmente com a Lava-jato, sob o pretexto absurdo de que seu governo acabou com a corrupção!!!! Esse canalha merece que a Justiça seja feita!

    2. Era só o que faltava. A Crusoé e o Antagonista darem voz à petralhada.

  17. Dizia Einstein que há duas coisas que são infinitas: o Universo e a Estupidez Humana. Bolsonaro, em sua arenga aos Embaixadores, provou mais uma vez que Einstein estava certíssimo. Não só revelou que sua estupidez é realmente infinita, como também que sua burrice é monumental. Em matéria de tiros no pé, seu sucesso foi absoluto e conseguiu desmoralizar-se totalmente perante o Mundo.

  18. Nossos ditadores do STF em ato público no exterior denegriram criminosamente o país e num claro movimento de desestabilização ao presidente da república AINDA maior mandatário da nação queira ou não esta gente que se imagina Zeuses e bastava o Senado ter dignidade e cumprir seu papel colocando-os no devido lugar e sob terror não o faz ... fazendo o mesmo aqui dá um tiro no pé inútil e desgaste na suja guerra em curso quando devia firme avocar o Art 142 da CF pacificando a nação em desespero.

    1. O problema da falta de transparência do nosso sistema eleitoral nunca esteve nas urnas mas na etapa final de apuração, sem exagero procedida numa sala secreta. Elevaram-no ao patamar da única coisa inquestionável na história da humanidade. Até a existência de Jesus o Cristo foi questionada, sem êxito mas foi. Namastê!

    2. Nossos Senadores são dependentes, o STF irreverente à democracia e o Chefe do Executivo insubordinado ao sistema. Que Deus nos ilumine a todos e abraços fraternos em agnósticos e ateus! Namastê!

  19. Faz sentido esse ponto de vista. Como é provável que os problemas do país se agravarão com a possível eleição do corruptor-mor Bolsonaro se colocará novamente como alternativa viável nessa bipolarização nefasta. O Brasil precisa construir uma saída para essa armadilha. Estamos vendo que a bipolarização PT x PSDB não teve uma saída feliz, não podemos continuar errando assim

  20. É simples. Desde que sentou na cadeira de presidente, o Capetão tenta desesperadamente achar alguma fraude e não conseguiu! Mesmo torrando o dinheiro suado dos impostos dos brasileiros para descobrir alguma mísera fraude! Mas o gado amestrado acredita no seu Minto… Fazer o quê! O país tem que investir em Educação. Só assim o povo deixará de ser massa de manobra desses políticos do submundo!

  21. O Brasil deu muita sorte. quando os EUA não reelegeu o cowboi americano. Senao teriamos os USA e as forças armadas contra os verdadeiros Democratas Brasileiros- os que não irão votar. Basta de enganação. Não somos uma verdadeira Democracia. Pela revisão constitucional da atual Política da “politica”. Contra a hipocrisia.

    1. O nobre Ary simplesmente quer inverter o ônus da prova. Quem acusa é q tem q provar.

    2. Ary, não é seu mantra. Você só adotou o mantra do bolsonaro e que seus "ingênuos" seguidores também repetem. Informe-se, consulte uma fonte confiável!

    3. Estamos debatendo a muito a confiabilidade das urnas eletrônicas : façamos o seguinte , sugestão , levem uma urna para um grande esperto neste setor , façam todas as possibilidades de fraudes que possam ocorrer, mostrem a inviabilidade de fraude perante a nação e fim de papo . Continuo com minha mantra , se tão eficientes e confiáveis , porque nenhum outro país adotou este engenho brasileiro????

  22. Faz sentido, mas espero que seja o último suspiro do Bolsonaro e que ele seja banido da vida pública pelo mesmo povo que o elegeu.

    1. E quando ao não saber ler , leio em quatro idiomas fora o português

    2. Não é lorota , e uma sugestão , consultei o Google e vê se consegue uma resposta também sugestão

    3. Essa lorota de que só o Brasil usa urnas eletronicas já foi exaustivamente desmentida. 46 países adotam esse sistema, só quem não sabe ler acredita no contrário.

Mais notícias
Assine agora
TOPO