Alan Santos/PR

Quando a realidade se impõe

Em poucos dias o governo se vê diante de crises diversas, do caos na segurança no Ceará à promoção do filho do vice-presidente, e constata que a vida real é muito mais complexa que a bolha de uma campanha
11.01.19

A roda da política gira quase sempre do mesmo jeito. O candidato ganha a eleição com promessas e bandeiras e o otimismo se instala. Mas depois que assume percebe que uma coisa é o discurso, e outra bem diferente é a prática. É quando a realidade de um governo se impõe, com suas batalhas ministeriais, limitações financeiras, constrangimentos e pressões. Nas duas primeiras semanas após Jair Bolsonaro subir a rampa do Planalto, teve um pouco de tudo isso. O presidente se viu diante de crises inesperadas que acabaram por explicitar a desorganização gerencial deste início de gestão. Parte dos problemas se deve à existência de muitos núcleos de poder na Esplanada, que vêm funcionando sem que haja uma coordenação. Caberá ao próprio Bolsonaro, o capitão do time, fazer esse ajuste, sob pena de seguir vivendo uma crise a cada dia. A seguir, vão listadas algumas das confusões mais rumorosas deste início de governo.

A promoção do filho de Mourão

Na terça-feira, 8, veio a público a informação de que Antônio Hamilton Rossell Mourão, filho do vice-presidente, general Hamilton Mourão, havia obtido uma superpromoção no Banco do Brasil após a posse do pai. Ele passou de assessor empresarial da área de agronegócios a assessor especial da presidência do banco. Fora nomeado pelo novo presidente do BB, Rubem Novaes. Com a promoção, o salário do filho do vice triplicou. Passou de 12 mil para 36 mil reais. A notícia ganhou a ribalta logo após ser publicada por O Antagonista. O constrangimento foi geral, da ala civil à militar. Afinal, o fim do empreguismo e da influência política nas indicações para cargos do governo foi uma bandeira da campanha de Jair Bolsonaro. Mourão, contudo, bateu o pé e defendeu a promoção: “Meu filho, Antônio, ingressou por concurso no BB há 19 anos. Com excelentes serviços, conduta irrepreensível e por absoluta confiança pessoal do Presidente do Banco foi escolhido por ele para sua assessoria. Em governos anteriores, honestidade e competência não eram valorizados”, escreveu no Twitter. A justificativa abriria espaço para outra contradição. O filho de Mourão havia sido promovido três vezes durante as gestões do PT. O caso acabou sendo levado para a Comissão de Ética Pública da Presidência da República pelo PSOL. O filho do vice permanece no cargo.

A primeira crise de Moro

Um dos principais desafios de Sergio Moro, o combate ao crime organizado, colocou o ministro diante de sua primeira crise logo nos primeiros dias de governo. Governador de oposição a Jair Bolsonaro, o cearense Camilo Santana, do PT, foi o primeiro a recorrer ao Ministério da Justiça. Ele pediu ajuda da Força Nacional para tentar debelar uma série de ataques em Fortaleza. No total, foram 40 ações de criminosos em cerca de 48 horas, incluindo atear fogo em carros, em um posto de gasolina e até em uma delegacia. A suspeita é de que a origem do caos esteja na promessa do novo secretário de Segurança do estado de conter a disputa de poder entre facções criminosas em presídios. Após receber o pedido de ajuda imediata, Moro decidiu primeiro deixar a tropa apenas de prontidão. Menos de 24 horas depois, ele enviou 300 policiais para o estado. Os ataques, porém, permanecem. É o primeiro grande teste do superministro da Justiça.

As notas seriadas de Onyx

Entre 2009 e 2018, o então deputado Onyx Lorenzoni gastou 317 mil reais de sua verba de gabinete com uma empresa do Rio Grande do Sul cujo dono é amigo e correligionário dele. No total, a firma de consultoria emitiu 80 notas para serem pagas pelo gabinete do agora ministro da Casa Civil. Destas, 29 eram seriadas. Significa que, por um bom tempo, o único cliente da empresa era Onyx. Com sua verve notória, o ministro se esquivou assim da denúncia, publicada pelo diário Zero Hora: “Essa coisa da numeração das notas é problema dele (do amigo)”. É mais uma dor de cabeça para o ministro, que assumiu um dos cargos mais estratégicos da Esplanada com o passivo de, confessadamente, ter feito caixa dois. Onyx recebeu 100 mil reais do frigorífico JBS em 2010, mas não declarou o valor. O inquérito sobre o caso tramita no Supremo Tribunal Federal.

A base americana e os militares

Na primeira entrevista que deu após a posse, o presidente Jair Bolsonaro admitiu a possibilidade de fechar um acordo com os Estados Unidos pelo qual seria permitida a instalação de uma base militar americana em território brasileiro. A informação foi confirmada dois dias depois pelo ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e celebrada pelo secretário de estado do governo Donald Trump, Mike Pompeo. Mas pegou de surpresa um dos principais polos de poder do novo governo, os militares. Foi o primeiro constrangimento do presidente com as Forças Armadas, que correram para desarmar a ideia do comandante-em-chefe. O receio da caserna é de que a concessão aos americanos pudesse ser seguida de uma resposta da Rússia, que detém boas relações com a ditadura venezuelana e poderia reivindicar a Nicolás Maduro uma base no país vizinho. Dias depois da declaração de Bolsonaro, o ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, descartou definitivamente a ideia.

O primeiro demitido não quis deixar o cargo

Mesmo sem falar inglês direito, o publicitário Alecxandro Carreiro, ou Alex Carreiro, foi nomeado pelo chanceler Ernesto Araújo para a presidência da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex). A agência é responsável pela promoção de produtos brasileiros no exterior e por atrair investimentos estrangeiros para o país. Alex Carreiro foi uma indicação partidária. Filiado ao PSL, ele já havia trabalhado na liderança do partido na Câmara entre 2011 e 2013. Com uma semana no cargo, o chanceler percebeu a deficiência linguística. Mas tomou a decisão de mandá-lo embora após Carreiro se desentender com Letícia Catel, ex-dirigente do PSL e nomeada diretora da agência. Quando Alex procurou Araújo para reclamar, sua carta de demissão já estava pronta. Irritado, ele se recusou a assiná-la. O ministro se incomodou. Depois, pelo WhatsApp, conforme revelou o Diário de Crusoé, reafirmou sua decisão: “Caro Alex, estou sendo cobrado. Preciso anunciar (a demissão) agora. Colocarei em termos de seu pedido de saída. Assinei a indicação do seu sucessor”. Sem resposta, Ernesto Araújo fez o anúncio pelo Twitter: “O Sr. Alex Carreiro pediu-me o encerramento de suas funções como Presidente da Apex. Agradeço sua importante contribuição na transição e no início do governo. Levei ao presidente Bolsonaro o nome do embaixador Mario Vilalva, com ampla experiência em promoção de exportações, para presidente da Apex”. Na sequência, Carreiro respondeu a mensagem de WhatsApp do chanceler: “Ministro, não formalizei qualquer pedido”. Havia mais um problema na história. O chanceler decidiu demitir o subordinado à revelia do presidente Jair Bolsonaro. Virou crise. Para piorar, Carreiro recusou a demissão e continuou a despachar de sua sala, ao mesmo tempo em que tentava reverter a decisão do chefe. Não conseguiu. O chanceler saiu chamuscado, mas sua vontade prevaleceu. Na noite desta quinta-feira, 10, o Planalto confirmou a demissão. Foi a primeira baixa do novo governo.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. O Sr. Caio não aprendeu a língua portuguesa? "Não sabe falar inglês "direito". Existe falar inglês "torto"? A crise em Fortaleza NÃO FOI CAUSADA NA GESTÃO BOLSONARO, e sim do Governador Petista. O antecessor do filho de Mourão recebia 100.000 reais.

    1. Caio, vai pru PT, prá Folha ou prá pqp. Vcs querem progresso ou perturbar esse início de governo?! Já tenho motivos de sobra prá deixar de ler essa merda. Talvez, adeus Crusoé.

  2. O problema não é o candidato. Este é velhaco e sabe disso há mais de 28a. O problema são os otários que votam e apostam nele.

  3. Essa Apex devia estar na estrutura do MRE, meu Deus do céu. Um desperdício essa história de analista de comércio exterior em ministério. Sobre o terrorismo no Ceará, seria bom investigar o governador Camilo Santana. Pena de morte para traficante e punição severa para usuários. No mais, acompanhar com lupa o novo governo. Crime é crime e deve ser punido.

    1. Concordo integralmente com você! O governo tem que se definir a este respeito!…O governador deu férias para 40% do efetivo da Polícia, na época em que todo mundo viaja e Fortaleza é uma cidade turística! Isto foi planejado! Só espero que o José Dirceu não esteja envolvido com este terrorismo no Ceará! Se o Governo Federal não deseja fazer uma intervenção militar, tem que procurar uma outra solução: uma GLO ou Estado de Defesa! Ou até mandar muito mais soldados da Defesa Nac com direito de matar!

  4. sonhos de uma noite de verão e o fogo amigo no poder, não é mesmo capitão? Vamos creia ou não, foi escolhido pelo Céu para missão impossível no Brasil, cumpra com honra seu destino E o Eterno lhe proteja e abençoe na vida terrena,,boa sorte e a vida segue

  5. Concordo com o Cássio, é inadmissivel Onyx, mas temo em nâo ter outro nome com experiência política e idéias alinhadas as de campanha.

  6. Onyx tem que ser o próximo a cair, ele é contrário ao discurso do Bolsonaro, tem rolo com JBS e agora esse rolo das notas fiscais, empresa de um cliente só, nesse angu tem caroço.

    1. Samuel, o que você tem que perceber que a galera está acostumada a defender os direitos da bandidagem em nome do bom mocismo oportunista, covardia ou complexo de vira-latas mesmo. Há um esforço enorme para que o Brasil não se fortaleça como nação enquanto a Rússia articula bases na Venezuela, sustenta o governo Maduro e junto com a China usam a AL como parte do xadrez geopolítico com EUA. É a mesma galera que com a venezuelização crescente do país estava com medo do Bolsonaro e de conservadores.

    2. Fora o início de um clima de "guerra fria" (pelo qual nunca passamos), o presidente ao lado ia ter fundamento para as asneiras que fala sobre nós e os militares americanos nunca mais devolveriam essa base para nós. Lembra de Alcântara se ela for neutra ou nossa, vale muito mais que se não for...

  7. Vejo com preocupação que este novo governo não consiga uniformizar seu discurso com sua prática. Sei que ao radicalizar corre o risco de ficar isolado e não conseguir emplacar as reformas necessárias. Porém o caso do Mourão e o da criatura que se recusa a deixar o cargo confrontando sua chefia imediata são um retrato nada convincente da coerência desse governo.

  8. Ao ler os comentários aqui deixados, me choco com a incapacidade das pessoas de tratar a política com imparcialidade, e não como futebol. Pessoal, política não é futebol. Não é pra torcer contra ou a favor de governo. É para criticar o que é ruim e apoiar o que é positivo. Nesse ponto, Crusoé está certíssima em não passar pano no governo. Esse é o papel de uma imprensa realmente LIVRE. Se vocês querem uma imprensa viesada só para aplaudir o governo para o qual vocês TORCEM, procurem uma DITADURA

    1. Concordo Fernando, essa imprensa é LIVRE, tô cansada de ver a infantilidade dos comentários e ameaças que se não melhorar vou sair. Igual criança que pega a bola e vai embora se não está gostando do jogo.

    1. indignação em saber que o chefe de um órgão tao importante nao domina a língua inglesa. O Brasil tem que ter um time competente.

  9. Em qualquer atividade que requeira gestão e não tenha uma equipe formada ocorre desencontros, faz parte. Pior seria se estivessem como a esquerda Petralha arquitetando como assaltar as estatais que foi o que fizeram, mensalão e Pedrógão jamais serão esquecidos.

  10. Impressão minha apenas, ou tem um interesse de novelão mexicano nessa matéria? Acho que não é impressão. Crusoe: conseguem aprofundar?

  11. Acho que esta faltando assunto para a imprensa nacional. Como o Brasil virou um enorme salão de manicures, a legião de jornalistas da Contigo e Amiga está um pouco ociosa ... que coisa cansativa. Até tu, Crusoé?!?!?!

  12. Mais calma, não fácil montar um governo após um país destroçado, humildade e calma, com questionamentos , conversas se ajeita

  13. Todo inicio de governo é cheio de vai e vens. Principalmente, quando é um governo que procura ser eminentemente técnico, sem os conchavos políticos. Há muita resistência até dentro do próprio governo, críticas por todos os lados. Enfim, temos que torcer para que Bolsonaro possa logo fazer o que sempre prometeu em campanha.

  14. Fica evidente a fala do Gen. Emílio G. Médice, o militar foi treinado para gerir OM (Organização Militar) e não civil. Em fim, a grande máquina chamada Brasil começou a se deslocar, o Capitão, comandante desta grande nao, postado na ponte, terá que aprender a dar as ordens mais eficazes possíveis.

  15. O pior cego é aquele que não pode ver, não aquele que não poder enxergar. Batem cabeça, botam parente, engraxam botas de governos estrangeiros, o que mais falta para não ser confundidos com a malta do governo passado?

  16. Os meus colegas leitores ainda não entenderam! Esta edição da Crusoé é uma ação de marketing pra captar clientes petistas. Kkkkkkk

  17. Não sei se é só minha a impressão de amadorismo demonstrada por partes da equipe de Bolsonaro... mas infelizmente eu tenho de admitir a mim mesma que 28 anos de atividade inócua no Legislativo estão cobrando o preço. Espero que Bolsonaro se livre da entourage familiar e dos que querem uma boquinha na burra pública (que, não me engano, não, estes os há em profusão em qualquer faixa do espectro político).

  18. pelos comentarios aqui estamos criando fanaticos pelo Bolsonaro tao chato e cego como os Petistas e esquerdistas. o governo esta indo bem mas em menos de 15 dias vem batendo cabeca retrato da inexperiencia a Crusoe apenas esta relatando fatos e nao criticando o governo

    1. Não concordo , jamais seria como um petista, mas a Crusué está passando dos limites de más intenções .

    2. Leia o texto e entenda que há uma clara narrativa de desnecessária dramaticidade, quase uma literatura apocalíptica, como se o governo estivesse em crise, sendo que estão ocorrendo ajustes normais a um governo que está em seus primeiros dias, e que, até aqui, na balança pesam bem mais acertos do que erros, e os primeiros indicadores já apontam isso claramente. A questão não é o fato, mas como se interpreta e narra este fato. Esperava que a Crusoé fosse diferente do jornalismo que está aí.

  19. Que narrativa chata, já começo a me arrepender de ter assinado a Crusoé, que deveria ser uma ilha no jornalismo, mas já virou mais do mesmo.

    1. Sueli é a fórmula antiga de vender a notícia, mas não entenderam que o mundo mudou, e o jornalismo deveria mudar também. Essa maneira batida e desgastada de tentar tornar um fato normal (ajustes naturais do início de uma nova gestão) em algo quase apocalíptico, para dar extrema relevância ao texto e à edição, já não funciona mais nos tempos atuais, o leitor não é mais um acéfalo que se impressiona com qualquer coisa, temos acesso à informação e queremos análises aderentes à realidade.

    2. Também estou decepcionada com a crusoé, a equipe está se adaptando , e a revista não está ajudando em nada, deveriam dar ênfase nas coisas boas e não tornar algo ruim sempre. Será que a Crusoé é do PT ? Torce para tudo dar errado? Não precisamos disso

  20. Realmente, Crusoé e Antagonista estão vivendo uma crise atrás da outra. Parece que não há mais jornalistas nestes veículos, apenas estagiários com o Google aberto copiando e colando mimimi que encontram na Folha, Estadão, Globo, etc. Onde está a "Ilha"? Se misturou ao mar de porcaria ao redor. Não investigam nada? Não têm nenhuma fonte? É raro ver alguma coisa independente nesta revista. É tudo copiado!

  21. Não vejo “ crises” e sim ajustes necessários . As propostas eleitorais serão mantidas , porém o desmantelamento deixado pelo governo anterior é incalculável .. o que assusta os brasileiros é a cobrança imediatista que a imprensa cobra o que nunca cobrou em 20 anos . Vamos aguardar os ajustes , a troca do ministro da casa civil e da saúde .. higienização petista e aí sim o Brasil iniciará seu grande voo. Vamos ser patriotas .. Brasil acima de tudo

  22. Crise???? Onde? Vcs jornalistas se perderam, padronizaram as informações, ficaram Prepotentes, preguiçosos intelectualmente e repetidores do que todo mundo fala, ou seja: deixaram de ter uma opinião própria sobre os assuntos, viraram também uns cagões.

    1. Muito bem, Xará! Mas o MOURÃO deveria ter ficado de fora nesta questão do Filho. Seja antes das diversas promoções dele, se houve pitaco, seja depois. Deu-me a impressão de que o rapaz é mesmo um bebê que ainda não lava as próprias roupas e que o General é afeito a medalhas e salário...

  23. Teste para Moro? Não vejo que autorizar envio da força nacional de segurança, seja teste pra ninguém. Apenas um ato comum da função de ministro da Justiça. O filho do Mourão é funcionário de carreira. E foi escolhido para um cargo de confiança, provavelmente por competência e confiança. Realmente sinto falta das reportagens investigativas, sobre os filhos do presidiário Lula Quanto ao Onyx. Acho que não dura muito. Ainda mais barrando as ações do Paulo Guedes. (Deixa o Guedes trabalhar!)

    1. Bravo!!! NOMEAÇÃO NÃO É PROMOÇÃO. ELE SOFREU ASSÉDIO PRA NÃO FAZER OS TESTES RESTANTES.

  24. Acho natural pequenos desencontros, nada tão grave como foi nos anteriores ao nomearem ladrões... e tem muita coisa para serem desfeitas e depois fazer direito. Na verdade este governo tem mais pontos positivos do que negativos. Muita critica destrutiva que não ajuda em nada nosso pais! Melhor pegar leve... o povo está governando junto!

    1. Sim! lembro do segundo governo Dilma que teve que fazer uma grande limpa nos meses seguintes de ministros nomeados e envolvidos em problemas jurídicos. Estamos de olho logicamente, Bolsonaro terá que fazer ajustes na equipe sim, que o faça.

  25. Funcionário de carreira do BB (18 anos de casa) não pode ser promovido? Prq não criticam filho de presidente ladrão que tem fazendas milionárias trabalhando com esterco de elefante? Ah ta, quem trabalha, trabalha, quem rouba tá perdoado.

    1. Exatamente, a imprensa brasileira (não me refiro a O Antagonista nem à Crusoé) nunca explorou seriamente o espantoso enriquecimento dos filhotes do Pixuleco mor. Se o Fantástico e o Jornal Nacional, por exemplo, houvessem explanado isso à população o PT não teria tido a longa vida no poder que veio a ter. Sabemos hoje, contudo, as relações espúrias dos canais de TV com a quadrilha que subjugou a nação.

  26. O Antagonista!!! O q está acontecendo??? Estão decepcionando seus leitores...só fofiquinha...notícias tendenciosas...sempre defenderam um jornalismo sério e estão perdendo a linha...

    1. Não estou vendo nada de fofoquinha nesta matéria, apenas o fato sendo descrito, esse é o papel da imprensa. Parabéns Crusue.

    2. Concordo plenamente. Jamais pensei q este mimimi e fofoquinhas fariam parte das reportagens desta revista. Aliás Só assinei pq confiei q seria diferente dos meios de comunicação q sempre criticaram.

    1. Vai entender. .. repetem as mesmas atitudes. Tristes trópicos

  27. Exagerou dizendo que são “crises”. Não fosse isso os leitores não reclamariam tanto. De resto, gostei da matéria. Instrutiva. Só caiu no vício do sensacionalismo com essa de “crise”. Vamos lá , avante. A revista é boa!

    1. Sensacionalismo para mim é irresponsabilidade. Vamos dar mais tempo para se organizar , e fazer críticas construtivas, de nada adianta ficar com jogos de palavras insinuando o mesmo governo anterior. Por favor!!!!

  28. Os leitores da revista são muito ridículos. Certamente renovarei minha assinatura só para poder ler esse povo defendendo qualquer asneira. Desde que venha dos Bolsonaros!

    1. Se você tem a pachorra de afirmar, genericamente, que os leitores da revista são ridículos... E se diz leitor, inclusive declarando intenção de renovar a assinatura, vê se que não consegue enxergar nem o próprio umbigo, pois se assim o fizesse, conseguiria notar quem seria o maior ridículo desta estorinha. Se não tens mais nada importante a fazer, vá procurar sua turma, esta sim, composta por ridículos, já que os iguais se atraem, ao invés de ficar expelindo gases nauseabundos...

    2. Sonia, não discuta, defensor de ladrão corrupto assassino não merece uma linha sequer.

    3. Ivo , muito ridículo , é vc , que está na revista errada . Vá para a Folha !

  29. Infelizmente Crusoe começa trilhar um caminho de fofocas,sem seriedade.Peço a Diego e Mario que reordene a Edição!!!!!!Muitas insatisfações indicam derrocada.EA

  30. Filho do Mourão diz que foi promovido,nunca vi promoção sem ganho salarial ,em fim....se é competente.. criaram uma crise quanto as outras são ajustes nescessárias e se Deus quiser que tenha outras desde que seja pra fazer ajustes e melhorar, o que esse grupo de amadores deveriam entender que rede social não é pra resolver problema já que roupa suja se lava em casa ,e assim evitariam constrangimento pro novo governo quem sabe esse bando de adolescentes apreendem a se comportar

  31. Filho do Mourao e Alex Carreiro nem de longe podem ser descritos como crises. Trapalhada e safadeza e' o que e'. Bolsonaro e seu entorno, incluindo filhos, estao deslumbrados com a possibilidade da "boquinha". Ja' o problema do Ceara' e o Onix sao mais serios. Onix tem que sair. O Sergio Moro, inteligente que e', vai dar um jeito naquela sacanagem armada por PTistas e faccoes criminosas. Sigamos com o novo governo. Temos um Brasil pra arrumar.

  32. Caio Junqueira! Guru urubu! Achava que está revista era séria, paguei à vista a assinatura, me arrependi, minha renovação será muito difícil!

    1. Concordo com vc. Não vou indicar , nem renovar minha assinatura , este jornalismo Nao me interessa

  33. Por que os petistinhas ficam tão inflamados com o assunto do filho do Mourão? Se ele foi promovido 3 ou 8 vezes não importa, o que importa é que a fake news dos fanáticos de que ele era perseguido pelo PT e nunca foi promovido foi desmascarada. São os primeiros a criar e disseminar notícias falsas pra proteger os lobos em pele de cordeiro que assumiram o governo ou denegrir seus adversários, mas reclamam toda hora da "imprensa". São só petistas ridículos que apoiam Bolsonaro.

  34. Esse foi o balanço das "perdas" do novo Governo. E os ganhos, teve algum? O positivo também deve ser mostrado. Não tenho ilusões com esse governo, mas minha torcida é para dar certo.

    1. É isso mesmo! O que mata o nosso jornalismo é o viés negativista. O positivo nunca é falado. Veja o jornalismo da Globo que chatice! Quando falam coisas boas, que deram certo, os autores nunca são citados porque seria propaganda gratuita. Ao contrário, isso mostraria que tem gente fazendo coisa boa, e que isso deveria ser estimulado e alardeado. Prevalece no entanto, o ressentimento e a sensação de inferioridade.

  35. Não assino a Crusoé para ter que checar no Google se a notícia é verdadeira ou não. Assinantes afirmam que foi 3 vezes e não 8 vezes!

  36. Crusoe penso que nos os leitores devemos receber a verdade nas notícias Exemplo 1200.000.00 ou 600.000,00 penso que se Reno 600.000,00 somente posso movimentar 600.000,00 e assim por diante

    1. 600 mil entrando numa conta e saindo dela, até zerar o saldo, geram movimentações de crédito e débito que somadas dão 1.200.000. Se tá difícil entender, liga pra quem te deu aula de matemática no ensino fundamental.

  37. Creio ser muito importante a ação de fiscalização de um governo efetuada pela mídia, pelas associações representativas de grupos da sociedade e pelos cidadãos em geral. O que me chama a atenção é a diferença de postura, principalmente da imprensa, com relação aos governos petistas, os quais cometiam abusos evidentes e a luz do dia e foram poupados vergonhosamente pela dita imprensa investigativa. Nunca um jornalista teve a coragem de mostrar as bizarrices que ocorriam com Lula/Dilma.

    1. Alguns exemplos de escândalos do PT trazidos a público pela imprensa: - Waldomiro Diniz - Mensalão - Caseiro de Pallocci - Triplex do 9 dedos - Consultorias de Pallocci - Pasadena - Gráficas da campanha de Dilma Chega de mi mi mi.

    2. Mesmo que houvesse alguma proteção da imprensa aos governos do PT, essa não justificaria não se cobrar o novo governo. E, de fato, só alega ter havido tal proteção quem não lia jornais ou finge que não lia, para, principalmente, tentar usar o mesmo argumento fraco de perseguição pela mídia. Pretendemos ser a mesma face da moeda do PT?

    3. É ótima essa atitude de uma revista independente como a Crusoé de apontar os problemas do novo governo que se instala. Infelizmente essa revista não existia nos governos anteriores. Mas acho que ela não perderá em nada sua independência se apontar também as coisas que deram certo. Será que não tem nada de positivo para ser divulgado?

  38. A mídia inteira sabe que foram 3 vezes e não 8, como a Crusoé insiste em divulgar, o pulo do filho do Mourão no BB. Quem tal mudar o disco já gasto e partir para assuntos quentes? A política fervendo e vcs aí requentando o prato. Vamos em frente para não sermos atropelados pelos novos episódios políticos. Affffff...

    1. 3 promoçoes e 5 aumentos de salario sem alteracoa de cargo,,,,é possivel

  39. O próprio Banco do Brasil esclareceu que o filho do Mourão foi promovido três vezes e não oito como foi publicado. Já deu essa conversa de O Antagonista.

    1. as estatais estão aparelhadas. é bom um diretor de direita ser promovido, ficar de olho. Tomar muito cuidado com os sabotadores de plantão. Petrobrás deveria fazer o mesmo.

Mais notícias
Assine agora
TOPO