Caminhoneiros parados na estrada: eles conseguiram parar o país e emparedar o governo (Adriano Machado/Crusoé)

E agora?

Ainda em transe por causa da da greve dos caminhoneiros, o país se pergunta como serão os próximos meses com um governo fraco, um Congresso que só pensa na eleição e oportunistas que apostam no caos
01.06.18

Nas últimas duas semanas, o brasileiro se deu conta de que está, sim, vulnerável a situações dignas do regime de Nicolás Maduro ou mesmo de países mergulhados em desastres naturais de proporções homéricas. Sem combustível, faltou comida, faltou remédio e, principalmente, governo. Passado o tumulto, a pergunta é o que fazer agora, com um Executivo que se arrasta sem comando, um Congresso com parlamentares que só pensam em se reeleger e oportunistas em geral querendo faturar no caos.

De imediato, a resposta é: aguardar as eleições de outubro e escolher dentre as opções um candidato cujas propostas incluam soluções razoáveis para um Estado inchado, ineficiente e corrupto. Ocorre que, até lá, nesses cinco meses que separam o brasileiro da urna, continuaremos a ter um presidente fragilizado e tutelado por outros poderes — o que, claro, sempre embute risco. Serão meses duros. Pior: apesar da limpeza promovida pela Lava Jato, não parece que haverá uma grande renovação da classe política por meio do voto.

Em Brasília, há um pacto tácito para que o país tente seguir com relativa tranquilidade até outubro. A certeza é de que, tivesse Michel Temer ainda um longo período de mandato a cumprir, as chances de ele cair no curto prazo seriam grandes. É justamente a proximidade das eleições que escolherão seu sucessor que deve garanti-lo no cargo. Mas aqui há outro problema. Como a crise dos caminhoneiros bem mostrou, o simples esforço institucional não é garantia de calmaria.

Assim como nas jornadas de 2013, a crise partiu das ruas. Só que, cinco anos atrás, apesar da violência das cenas, o sistema produtivo não foi afetado. Desta vez, a população demonstrou a sua insatisfação ao apoiar um movimento que lhe retirou o direito de ir e vir e, como há muito não se via, o livre acesso a mercadorias e medicamentos. O sentimento geral foi o de “basta, pagamos muito e recebemos pouco”. Linneu de Albuquerque Mello, professor de direito tributário da Fundação Getúlio Vargas, lembra que foi o aborrecimento com os altos impostos que impulsionou as maiores revoluções mundiais, dos Estados Unidos à Rússia. “Os tributos são pesados e o cidadão não vê retorno. Tem um bom naco do salário abocanhado, mas não pode depender de saúde, educação, transporte ou segurança públicos, e aí tem de gastar o que não tem. É uma equação perigosa”, resume.

O dado surpreendente é que, para que os caminhoneiros voltassem ao trabalho, muitos cidadãos serão ainda mais penalizados, porque os subsídios aos grevistas serão pagos com o sacrifício de programas sociais — ou, no limite, o aumento de impostos, embora o Planalto negue. A verdade é que, com a escassez geral de racionalidade, o equilíbrio é precário. “Nós estivemos muito próximos de atravessar a red line (linha vermelha). Por pouco a situação não saiu do controle”, diz um influente ministro de Temer.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Esqueçam de renovação pelo voto obrigatório. Os currais são os mesmos e os interessados, bezerros, também. O povo, ignorante no sentido de desconhecimento, vota corruptamente, pensando somente em si e em quem pode dar algum benefício direto e pessoal a ele.

  2. Gostando demais da Crusoé. Artigos e entrevistas esclarecedoras, nos ajudam muito a entender e acompanhar a loucura em que vivemos. Tenho vários grupos de WhatsApp, estou compartilhando com eles os textos que têm sintonia com o que conversamos diariamente. Não sei se deu para entender.

  3. O pior e que os togados não param de colocar lenha na fogueira para fritar o Temer mesmo com tão pouco tempo. Parece que querem ver o circo pegar fogo.

  4. Desculpem-me mas quem apoiou os MÉTODOS criminosos desta greve, ou é um imbecil ou um irresponsável. Concordam com o constrangimento moral? Com a ameaça física? Com as vias de fato? Com assassinato? Houve vítimas . . . e ninguém mais fala nada?!? Gente inocente morreu . . . e daí?!? Para daqui a 1 mês tudo voltar a acontecer de novo? Quantas mortes legitimam R$0,46 no preço do diesel . . . 1? 2? 3? Quantas? Parafraseando J.Chaves: o brasileiro comporta-se como hiena . . . como merda e sorri.

  5. Os argumentos são justos. Mas a forma equivocada fizeram-me ser contra a paralisação desde o começo. Impedir o ir e vir, obrigar quem não deseja parar de trabalhar, estudar etc., usando de violência e intimidação, deslegitima qualquer movimento por mais justas que sejam as reivindicações, ponto. E quem acha que sou um babaca, pergunte à família do caminhoneiro assassinado com uma pedra jogada em seu pára-brisa por fugir de um piquete, como ela se sente.

    1. Bem lembrado Dorothy. Tenho pesquisado a carreira politica do Alvaro Dias, pois também vejo nele uma certa confiabilidade. Mas a imprensa não faz referências a ele: nem para o bem, nem para o mal. Está com 5% a 6% na intenção de votos. Não é tão insignificante, quando outros mais noticiados, possuem um pouco mais, por exemplo, o Alkmin. Será que a pauta da mídia é proporcional ao tamanho dos partidos políticos?

  6. Confesso que sentimos na pele essa paralisação. Como trabalhamos com alimentos, a situação foi crítica. Felizmente não paramos totalmente. Mas tivemos que nos sujeitar a pagar um preço absurdo pelo gás.

  7. Caos e baderna não resolvem nada.. só trouxe prejuízo e, mais uns 3 dias sem reabastecimento começaria faltar muita coisa!!!

  8. Que exagero! È uma super-estimaçao das "faltas de remedio e medicamentos", alias, acho que é mais um mimimi manipulador. Onde vivo NAO FALTOU NADA DISTO. So faltou o combustivel.

  9. Porque não reduzir os benefícios de suas excelentíssimas autoridades nas 3 esferas e outros funcionários em vez de repassar os custos para o cidadão comum? Eles tem um limie de salários mas gozam inúmeras rerrogativas.

  10. Direito de ir e vir, esse é o princípio mais lindo da Democracia. Esse movimento de caminhoneiros (com a ajuda de seus patrões para alcançarem maiores lucros) quebrou essa regra e como criminosos devem ser tratados. O povo que apoiou já está pagando pelo apoio dado e muito pior vai ficar, pois com a cambada de políticos ladrões que habitam todas as esferas de poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário) nada de melhor pode se esperar. Que o povo abra os olhos nas próximas eleições.

  11. Podia ter sido pior. Eu que vivo na zona leste da cidade de São Paulo só não consegui comprar queijo fatiado. Mas comprei outros itens de alimentação e medicamento.

  12. O que esperar de um governo sem credibilidade, parlamentares sem moral, nem todos mais a grande maioria, e as pesquisas para presidente indicando Jair Bolsonaro como favorito, o esperar de um país que tem tudo para ser uma grande potência com esses políticos que estão querendo ser eleitos e reeleitos?

  13. A falta de base e vontade política da real cidadania é uma das principais causas deste desastre nacional chamado sistema politico...

  14. O presidente Michel Temer perdeu a credibildade quando do encontro com o Joesley Batista. O povo o considera um sujeito desonesto da mesma forma que a maioria dos políticos brasileiros. Espera-se um governo que diminua o estado, acabe com os penduricalhos dos políticos e judiciário e apoie a lavajato com firmeza. Está na hora de mudar a constituição com um governo unicameral, acabando com o senado, que é um covil, na sua maioria, de ratazanas viciadas e suspender a remuneração de vereadores.

  15. Crusoé, faltou o “curtir” no final das matérias e nos comentários. Também outros ícones de manifestações dos leitores. É um método aprimorado no Facebook que é muito útil. Por que não copiar aqui também.

  16. Pelo menos farei a minha parte. Não votarei em nenhum candidato que tenha denúncia contra ele é muito menos em reeleger ninguém. Penso que temos que renovar e votar em candidatos com propostas consistentes e sem exigir nada pessoal em troca.

  17. Mais do que nunca devemos trabalhar para que nas próximas eleições elegamos candidatos ficha limpa, com planos de governo que ajudem o Brasil a recuperar-se dos desgovernos que temos vivido.

  18. Os manifestantes que aderiram à paralização, poderiam exigir um uso mais eficiente dos serveços publicos prestados. Mas burramente preferiram a baderna e ditadura! Ganharam mais imposto e serveços piores. Mas foi isso que pediram. Por sorte (?) foi só isso.

  19. Frouxidão e bundamolismo é que vão afundar o país. Bloquear estrada é crime e como crime deve ser tratado. No Brasil atual, qualquer um está à vontade pra dar chilique e fazer a baderna que for, pois as autoridades têm mais medo da patrulha do leozinho sakomortto da folha que do caos. Mais do que nunca, precisamos nos orientar pelo princípio que aparece até na bandeira nacional: Ordem e Progresso.

    1. Fico a pensar, TRUMP tomaria qual decisão contra a baderna estabelecida?

  20. A greve foi um fracasso geral. A população será mais triturada, a gasolina subiu, o álcool desapareceu. E o pior: a certeza de que as FFAA estão do lado dos corruPTos. Sem solução!

  21. Acho interessante que NINGUÉM comentou sobre privatização dos serviços de transporte. Ora, viu-se que ESSE, sim, é um setor estratégico. Mais do que a Petrobras, a qualquer-bras, sei-lá-mais-o-quê. Uma paralisação dos caminhoneiros botou o país de joelhos. Porque NÃO TEMOS outro meio de transporte de combustíveis, perecíveis, o "íveis" que for. A esquerdalha deveria reivindicar a estatização dos caminhões. E, aí, sim, vamos para o buraco de vez.

  22. Baaaahhhh!!! Esse povo só fala em militares, sintoma de inépcia, pois estúpidos não sabem oq fazer. Desejam transferir a responsabilidade ao invés de se mobilizar... gentalha disfarçada de patriota, buscam um inimigo interno escondido no meio do povo, erro q retorna... babacas de esquerda, otários de direita, acordem, o Brasil está indo pelo ralo, temos q fazer algo acima das ideologias! URGENTE!

    1. Exatamente.Querem ser salvos para transferir a responsabilidade, desejam um salvador da pátria.

  23. Voto em Bolsonaro. Sem Bolsonaro votaremos no General Ozório. Queremos o Capitão no Planalto e os Generais em todos os Ministérios no Brasil. Fim dos Corruptos.!

  24. Reitero o que comentei no post anterior: Por pouco a situação não saiu do controle. E isso se deveu ao apoio das Forças Armadas.

  25. É o mais próximo que chegamos de uma desobediência civil, recentemente. Não banco estes abusos em meu nome: impunidade e irracionalidade político-tributária.

  26. "Não se faz uma omelete sem quebrar os ovos" "Nada se constrói sem antes descontruir" Não se faz mudanças reais sem descontentamento, sem confronto de idéias, sem abalar as estruturas do que nos causa o descontentamento, sem perdas do conforto estabelecido, mas que custa a dignidade do cidadão. Nada mudará no Brasil com essas eleições, porque a classe média não quer perder seu conforto ilusório e sua falsa crença que se muda algo tão estrutural, pedindo por favor nas urnas fraudulentas.

  27. Menos Estado é Mais Estado. O Estado tem que prover basicamente Segurança, Educação e Saúde públicas de alta qualidade. Não há espaço para gente parasitando o Estado brasileiro como nos dias de hoje : empresas estatais só servem de moeda de troca para manter a Cleptocracia) e a ORCRIM (= o MECANISMO) dos agentes/servidores públicos corruptos ou improdutivos.

  28. A Estratégia de Saúde da Família é uma das políticas mais inteligentes deste país e não tem um plano de alocação de profissionais (exceto o bizarro + médicos), assim como um plano de carreira que atenda às necessidades dos profissionais envolvidos. Precisamos que alguém nos ouça!

  29. Prezados amigos jornalistas. Claro que vocês têm o meu respeito, caso contrário não seria assinante, no entanto gostaria de ver matérias que proponham soluções e não apenas comentem o caos. Como médico da atenção básica, morador da fronteira com o Paraguai (apesar de nascido e formado na zona sul do RJ) peço que dêem espaço e investigação a um assunto solução, sempre relegado ao segundo plano, que é a criação de um plano de carreira para o profissional das equipes de saúde da família.

  30. É por toda essa situação que insisto na Intervenção Militar. Instituições abertas, trabalhando de forma dirigida (Baioneta calada, Bala na Agulha e Dedo nervoso no Gatilho. Uma Pauta para STF, outra para Senado e Câmara, todas voltadas para a Nação Brasileira e nós Cidadãos. Anulando tudo que legislaram a favor do próprio Rabo. E ao STF anulando decisões do Juíz Solta Bandidos e sacramentando Prisão após condenação em 2°grau e acabamento com o Foro Privilegiado.

  31. Mas que governo? o rato de cais de porto governa o que? o Pais esta sem governo faz muito tempo, o que teve foi quadrilheiros LULLA, Dilma, Temer. Chamar essa corja de governo. So se for das empreiteiras.

  32. Eu não senti escassez , não sei outros mas minha família não de privou de nada , acho que estão exagerando com tanta escassez

    1. Será que agi tão errado? Fiquei com pouca gasolina: o carro ficou na garagem, fiz o máximo das tarefas a pé, não enfrentei fila nenhuma. Não tinha o produto no supermercado? Substituí por outro que tinha. Foi a minha maneira de apoiar a greve. Só gostaria de ver todo este aparato das forças armadas para proteger nossos caminhoneiros da bandidagem que assola nossas estradas, assim eles poderiam economizar não contratando escolta armada. Acredito que baixaria até o custo do frete.

    2. Não vi escassez nenhuma. Só quem estava com o tanque do carro na reserva como eu é que teve que andar a pé, ô coisa boa, pois verduras e frutas, simplesmente substitui por outros.

    3. Teve sim. Não foram mercados vazios, mas as seções de frutas e verduras e açougues estavam sim vazios. Tem que fazer uma oesquisa separando caminhoneiros do jeito que a manifestação foi feita. O que fizeram foi uma chantagem com o nosso pescoço que culminou neles pedindo para mudar até a pontuação da carteira.

  33. Temos um governo fragilizado, incapaz de tomar uma decisão e um presidente com baixos indices de popularidade. Temer continuará no "comando" até o fim de seu mandato. Será aliviado após a eleição do seu sucessor, perdeu assim como perdeu FHC a oportunidade de fazer uma reforma fiscal e tributaria bem como da previdência, reformas essas que foram guardadads na última gaveta nos governos lula/dilma. No próximo governo continuaremos a pagar impostos da Noruega e termos serviços públicos do Haití.

  34. Estão de parabéns os idealizadores da Crusoé.! Só um contraponto. Porque não fazer com os generais uma entrevista sobre se eles não vao a público pedir o voto impresso. Com certeza se eles dessem essa garantia o Brasil respiratória mais calmamente.

  35. Subsídios serão retirados dos "programas sociais" - canalhas! Retirem do Fundo Partidário, não? Retirem da diminuição da máquina pública. Ouvi na Globo que retirarão do SUS também. Piada!!

Mais notícias
Assine agora
TOPO