Delatei, mas…

08.06.18

Um dos dirigentes da Odebrecht mais próximos da cúpula do PT, Alexandrino Alencar admitiu à Polícia Federal que delatou a ex-ministra Miriam Belchior mesmo sabendo que ela não tinha cometido crime. Ele explicou que incluiu no rol de delatados o nome de todos os políticos do PT com os quais manteve agenda oficial, independentemente de haver irregularidade na relação. Em sua delação premiada, Alexandrino listou as negociações de que participou, em nome da Odebrecht, com dirigentes do governo. No caso de Miriam Belchior, ele mencionou as obras sobre as quais tratou com ela nos tempos em que foi ministra do Planejamento e, depois, presidente da Caixa.

“O nome de Miriam Belchior surgiu em anexo introdutório que trata do relacionamento com agentes políticos e públicos do PT. Perguntado se quando da apresentação do anexo 5 o colaborador tinha consciência de que não havia fato crime envolvendo tais reuniões, respondeu que sim. Perguntado então por que foi apresentado o anexo 5 como fato de interesse para a colaboração, respondeu que todos os contatados do Partido dos Trabalhadores constantes da agenda institucional do colaborador, que fossem agentes políticos, geraram anexos”, diz um trecho do depoimento.

O anexo sobre Miriam Belchior acabou virando um inquérito, no qual o executivo foi ouvido recentemente. Como ele declarou que não houve crime nos contatos com a ex-ministra, a PF pediu o arquivamento do procedimento. A Crusoé, o advogado do delator, Alexandre Wunderlich, afirmou que era da Procuradoria a tarefa de avaliar os fatos relatados – e que não cabia a Alexandrino mencionar apenas as situações em que acreditava haver alguma conduta criminosa.

A ex-ministra Miriam Belchior: citada em delação, mas sem cometimento de crime (Adriano Machado/Crusoé)

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Queria saber por que o delegado Tuma Jr. afastou - se do caso Celso Daniel logo após o crime, tendo antes declarado que o fato abalaria os alicerces da nação.

  2. Duvido que seja limpinha, ex-mulher do eterno defunto do PT Celso Daniel, foi presidente da CAIXA, precisa de mais? A Caixa só tem roubalheira.

  3. Custo muito a crer que essa senhora seja uma santa. Que a PF procure bem direitinho que algo há de encontrar. Ninguém participa do governo do PT impunemente.

    1. Também acho, na minha opinião, quem anda com porcos também deve deitar na lama...

  4. Essa senhora é ex-mulher do insepulto Celso Daniel, esteve no governo de Lula, daquela sumidade "Dilma Rulssef", imagina o que ela sabe de podre, valeria uma apertadinha nela, pra vim à tona um monte de m......

    1. Sempre pensei o mesmo que você, Milton. Esta mulher teve o marido assassinado pelo PT e se juntou aos assassinos. Crusoé, acho que aí há uma história escabrosa a ser esclarecida.

Mais notícias
Assine agora
TOPO