Sem memorial

30.08.19

Assessor do Planalto, Arthur Weintraub procurou o governo do Distrito Federal em busca de um lugar para sediar um memorial em homenagem a militares mortos em combate. O irmão do ministro da Educação, Abraham Weintraub, tinha a ideia pronta na cabeça: queria um lugar privilegiado, bem na Praça dos Três Poderes. Uma das opções era o Espaço Oscar Niemeyer, vizinho ao Panteão da Pátria. A autorização era necessária porque o local, tombado, é administrado pelo governo local. Não deu certo. Para evitar que a intenção prosperasse, os funcionários aceleraram a reforma do espaço, que estava fechado, e o reabriram às pressas, com uma exposição do artista goiano Siron Franco. Foi a forma encontrada para responder ao Planalto que não seria possível ceder o lugar para o memorial.

Adriano Machado/CrusoéAdriano Machado/CrusoéO Palácio do Planalto: plano de fazer um memorial para militares na Praça dos Três Poderes

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
    1. O Haddad era o do Lula... O Mercadante era o da Dilma.... Realmente o nível piorou muito. Pega o currículo do atual e comprar com o desses dois larápios. Só se tu for petista para achar que está pior.

  1. E assim é: a terroristas, assassinos e assaltantes de bancos todas as dádivas da nação. Aos que combateram seus crimes, o ostracismo.

    1. Pois é... surpreendente que o governo Bolsonaro aceite isso. Vai ver ainda não desaparelharam esse setor!

    1. Isso sim é uma fala de patriota que se importa com o Brasil. Não de isentões que ,AINDA, acreditam que parte da esquerda brasileira possui boa intenção. Os que a tinham não são mais de esquerda.

    2. Tenho esperança . Queremos um novo Brasil!!! Chega de comunas travestidos...

  2. Este é um governo que se empenha em criar crises, distribuir medalhas e mesmo sem ter dinheiro pro básico pretende construir o primeiro memorial (primeiro de muitos, podem apostar e todos para militares). O Vereador Jair sentado na cadeira presidencial está nos mostrando que o Brasil não precisa de um presidente, funciona melhor sem ele já que o indivíduo trabalha só até as 3/4 da tarde. Imaginem só o dinheiro economizado com essa extinção, nossos ouvidos tb deixariam de ouvir tanta merda.

    1. É, nesta democracia existe pessoas que adoram ditadores, terroristas, assassinos, criminosos, hackers, ladroes, populistas, criadores de fake, ensacadores de vento, e, aqueles que prestam homenagem a homens que desempenham sua função com ética, coragem, responsabilidade moral e amor à pátria. Que bom que cada um pode escolher o herói que o representa.

    2. Certíssimo, Chris. Só agora, entrando em 9 meses de governo, se começa a ver uma mísera melhora da economia... e não foi graças ao Executivo. Se algo andou, foi graças ao malfalado Congresso.

    3. Chora mais viúva de ladrao. Te mais 7 anos, no mínimo pra depois vc poder cultuar seus ladroes e corruptos de estimação.

    4. Desde as primeiras horas de sua posse esse ministro da Educação se mostrou que o forte dele é ser um marketeiro picareta do tipo pau mandado. Ainda bem que a Educação se faz nas escolas, nas plataformas de aprendizagem e nos estudos dedicados de cada aprendiz.

Mais notícias
Assine agora
TOPO