MarioSabino

O Brasil no divã

06.09.19

Há vários indícios de que você está ficando velho, além dos óbvios sinais corporais e mentais. Um deles é, vou colocar desse modo, a crença na psicanálise. Eu acredito em Freud. O Charlatão de Viena nunca foi unanimidade, claro, mas ele influenciou muita gente no século passado — e teve importância decisiva na minha vida do século passado e adjacências. Meus romances e livros de contos, por exemplo, têm forte componente psicanalítico. A psicanálise é uma aventura intelectual que requer mais do que a simples anuência de quem se dispõe a deitar no divã. Exige uma entrega quase inaceitável. É como pôr fogo na própria casa com você dentro, para usar a imagem de Freud. É bem mais fácil fazer como hoje: tomar remédio e fazer terapia cognitiva para cancelar sintomas de mecanismos psíquicos doentios que não são da conta de ninguém, nem mesmo de você próprio. Afinal de contas, para que perder tempo com a história familiar? Se os sintomas voltam a manifestar-se, repita-se o tratamento breve.Todos temos mais o que fazer, inclusive conhecer cem ou mil lugares antes de morrer. Entre tantas geografias, a pessoal é a menos agradável ou interessante. Não é um julgamento, como pode parecer, mas só uma constatação de um homem próximo dos sessenta anos.

A psicanálise pretende ser a cura pela fala — e pela escuta de alguém capaz de devolver interpretações que descortinem um sentido para o que você sente ou o paralisa. Uma reconstrução conjunta da história do paciente. A psicanálise saiu de moda, mas nunca se falou tanto no Brasil, em busca de uma cura nacional, embora não se escute o que é dito ou, no máximo, escute-se apenas o que se quer. Fico espantado com a quantidade de palestras organizadas no país — palestras de verdade, não como as de Lula. Toda sexta-feira, por exemplo, há ministro do Supremo Tribunal Federal dando palestra, embora dificilmente a cura nacional passe por essa instância. No começo de O Antagonista, uma alma caridosa propôs que até eu virasse palestrante remunerado. Eu, com a minha voz monótona e permanente cara de enfado, pois é. Ele simpaticamente fez até um media kit sobre mim.

O plano não foi adiante porque igualmente logo se descobriu que eu não tinha nada para falar. Apesar da minha absoluta falta de graça e assunto, aceitei fazer algumas palestras gratuitas, convidado por institutos liberais. Achei que seria bom para divulgar o site. Eu não conhecia o universo dos institutos liberais, e eles certamente também não me conheciam. Numa dessas palestras, eu disse que o Estado era uma boa invenção humana, desde que mínimo, e o constrangimento foi grande, porque excepcionalmente fui escutado. Acho que foi aí que ganhei a fama de socialista fabiano. O socialista fabiano deixou de receber uma montanha de convites e passou a recusar os poucos que ainda lhe são feitos. No final do ano passado, participei juntamente com colegas meus de um encontro com leitores de O Antagonista, mas aquilo foi mais celebração do que palestra.

Fala-se muito no Brasil, eu ia dizendo. Nunca tivemos, aliás, um presidente da República que falasse pelos cotovelos como Jair Bolsonaro, ou um condenado preso que abrisse tanto a boca como o chefão petista. Há uma infinidade de programas com gente falando o tempo inteiro.  E eu nem vou entrar no âmbito da gritaria nas redes sociais. Ao meu espanto com a falação, acrescente-se a minha admiração genuína por gente tão articulada. Fala-se tanto que, às vezes, é o filósofo que entrevista o jornalista. Dá para entender: existe atualmente um monte de jornalistas que mais falam do que reportam. Fala-se tanto que, com frequência, não se pensa antes de falar. Outro dia, assisti a um programa no qual uma moça dizia que as raízes da soja plantada no Cerrado eram a causa da seca que ocorreu na cidade de São Paulo. Eu escutei, ao contrário dos seus interlocutores anestesiados, e espero que ela não tenha pensado antes de falar. Não pensar antes de falar passou a ser desimportante, visto que não se escuta o que é dito ou, no máximo, escuta-se apenas o que se quer, como já afirmei. Escutar apenas o que se quer é prazeroso. Eu também pratico esse esporte. Concordo, estou falando demais de mim, daquela forma condenada por Marcel Proust: “Ao mau hábito de falar de si e dos seus próprios defeitos, é preciso acrescentar esse de denunciar nos outros defeitos análogos aos nossos. É sempre desses defeitos que estamos falando, como uma espécie de desvio para falarmos sobre nós mesmos, em que se juntam o prazer de confessar e o de absolvermo-nos”.

Vamos deixar o mau humor de Proust à sombra das raparigas em flor. Ele odiava barulho de qualquer tipo, a ponto de forrar com cortiça as paredes do seu apartamento. Em meio à cacofonia brasileira, há muitos falando de si próprios, mas poucos falando dos seus defeitos — ou reconhecendo que, ao denunciarmos os defeitos alheios, confessamos as nossas próprias falhas numa tentativa de absolvição. O Brasil é sempre os outros, quando na realidade o Brasil é todos nós, reconheçamos. Ele deveria ser queimado conosco dentro. Premidos por circunstâncias exteriores, só delatores trilham esse caminho da imolação, para quem sabe renascerem como fênix. Eles são obrigados a pensar antes de falar e são os únicos que dizem algo que realmente precisa ser escutado. E incendiado para o bem comum.

Talvez haja uma palestra a ser feita sobre a necessidade de colocar a sociedade brasileira no divã e cessar as terapias cognitivas que apenas eliminam momentaneamente os sintomas do mecanismo psíquico doentio que adquirimos através da nossa história impregnada de fatalismos. Para além de todos os seus benefícios visíveis, a Lava Jato forneceu um divã coletivo para a nossa imolação curativa, e espero que não o retirem do consultório. Lá estou eu querendo ressuscitar o Charlatão de Viena. Sou mesmo um velho sem noção.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Passado quase um mês desde a publicação deste ótimo artigo as tentativas de destruir o melhor divã do país -- a Lava Jato -- continuam a pleno vapor em Brasília, para desgosto e revolta dos 50 milhões de antagonistas e outros cidadãos de bem.

    1. Mas não desanimemos, a partir de 2013 e mais acentuadamente a partir da deflagração da Lava Jato o Brasil entrou num processo de "awakening político". Hoje motorista de Uber assina O Antagonista para acompanhar o noticiário e ouve as sessões do STF no rádio do carro enquanto dirige. Só pra citar um exemplo que testemunhei semana passada. O que vai acontecer d'agora pra frente nesse "awakening" não dá pra saber mas que vai ser interessante eu não tenho dúvidas!

  2. A melhor idéia do seu texto inteiro e insistir nas palestras de ESTADO MÍNIMO. Talvez a melhor idéia, digo até que é uma idéia a ser implementada a partir de já, como Paulo Guedes está tentando e vai fazer, mesmo com os do contra que querem manter o feudo a qualquer custo.

  3. Sr.Mario, posso afirmar que não entendo nada de psicanálise, mas entendi perfeitamente o conteúdo, é clara sua leitura da situação política/social atual, confesso que perdi a esperança de ver coisas diferentes nos noticiários e nos programas de falatório... todos têm sempre muito a dizer, ainda que não entendam do assunto. E os que entendem então... dureza ter de ouvir um lado e outro, o grande dificultador é que além de não termos um denominador comum, NUNCA temos um mediador imparcial abraços!

  4. Mario, sua análise de um recorte de nosso tempo político/social, carregado com fortes pinceladas de nossa estranha psiquê, traz leveza, humor e boa dose de sabedoria. Mistura da experiência e inteligência do ainda jovem jornalista com a lucidez e ironia do sessentão que se anuncia. Belo mix!

  5. boa noite, Você não é jornalista? Um bom jornalista, ironia socrática! Gostei muito de seu artigo e gostaria de imprimir. Filosófico. Mas, estou achando que não posso ou não devo... É proibido, norma da casa? Não tenho a menor idéia se é possível ou não... é p o meu arquivo pessoal! Estudei muito tempo filosofia e acho q vc escreve como ninguém, nos tempos atuais. Obrigada pela resposta, Heloisa

    1. Eu também gostaria de imprimir esse texto. Pede para abrir para os leitores, Mário.

  6. Excelente. A Psiquiatria (fenomenologia) desbancou os excessos da psicanálise. Mas se a psicanálise não fosse tão cara gostaria de continuar a fazer essa viagem para dentro.

  7. Admiro muito a equipe Antagonista e Crusoé. E é por um único motivo:- desde o nascimento e batendo de frente contra toda a supremacia jornalística fajuta que ocupava 100% dos meios de comunicação voces resistiram e tornaram únicos. Temos oportunidades infinitas de interagir e as nossas opiniões, quais sejam são publicadas respeitando os limites da ética . Tratar os assuntos do país com serenidade e seriedade não é para qualquer um... Estão de parabens.

  8. Falar em falação o brasileiro só perde pra italiano, que fala com a língua, boca e, principalmente com as mãos. Nossa justiça fala pouco, mas permite que um sentenciado fale pelos "cotovelos", com quem e à hora que quiser, o que não deveria por estar encarcerado. Assim, só Freud explica.

  9. Assustou-me! Falando de Freud q.eu amo e tenho raivinha mas,ele tem grde razão de repente cai no Brasil (mas, algo por dentro me alertava,rsrs) . Fabuloso terminar com o divã L J. Quem já fez psicanálise dela não se esquece jamais. E viva a L.J. e Freud e Mario Sabino ! Parabéns!

  10. E eu cá com meus botões Tico e Teco na mais jeca típica dos pensamentos humano - política nacional. Isso tem me causado sérias disfunções erétil.

  11. Longa vida a Crosue´.Ha varios...... ¨IPSE SENECTIS MORBUS EST¨.Eu acredito........da para ver que vc ama Freud apesar que KKraus disse que a psicanalise e´a juncao de uma demencia concava com uma locoura convexa!Freud inventou o novo Leitor que interpreta o sinificado das palavras e pregunta quem escreve e o que escreve!Cervantes diz que todos temos uma zona delirante que mais ou menos logramos controlar para navegar neste zoologico apelidado de ¨Sociedade¨. Bolsonaro e´¨Homo Faber¨. meditar !

  12. Sabino, gosto dos seus textos. Espero q tenha estudado Freud em profundidade para chamá-lo de Charlatão, ou apenas uma ironia sua de como se referem a ele. Estou tbem um pouco cansado dos que dizem "não li e não gostei". Um dos problemas q vejo no pensamento moderno é a facilidade de excluir os clássicos como ultrapassados, sem aprofunda-los. Freud ao final sabia q influenciou muito mais outras ciências do q a própria Psicologia. Charlatão? Só se for por ironia ou desconhecimento.

    1. Lembrando que Freud tb tinha seu remedinho para a melancolia( cocaína) e que o prescrevia. Hoje, tenta-se fazer algo similar com remedinhos menos letais.

    2. Acredito que ele usou essa expressão, tendo em vista as pesquisas que mostram que os Casos Clínicos são, em gde medida, uma ótima ficção, como sempre me pareceram. Não boto fé na psicanálise, mas acredito que Freud foi um pensador da cultura genial e que, se vivo fosse, faria uma análise muito perspicaz do Brasil. E não me parece que teria qq tipo de desdém pelos remedinhos, já que na Interpretação dos Sonhos, demonstrava gde interesse pela neurofisiologia. Já os psicanalistas atuais.🙊...

  13. Muito bom, como sempre, Mário. Mais alguns anos e você verá a maravilha que é viver sem aqueles hormônios todos que nos impelem à reprodução, nos empurram para seduções fugazes e nos adiam projetos. Ficam o analista, a alta produção intelectual (e a montanha de livros), o ceticismo absoluto e a companhia muda do gato e do cachorro. E algumas dores no corpo e na alma, é claro.

    1. Tão boa de escrita quanto Sabino , é vc, Maria. Lindo o que dissestes.

  14. Mário me identifico com seu olhar sobre as coisas, não sou articulada,nem instruída como vc,admiro o entusiasmo do Diogo,a facilidade de esclarecer do Cláudio,mas é com sua sensibilidade e do seu enfado q eu me identifico. Acho q tô ficando velha....

  15. Nós e nossos perfunctórios egos... Envelhecemos os mesmos bobos de sempre. Bem dizia Fernando Pessoa, que só tinha duas datas. Assim como todos nós.

  16. Texto perspicaz, mordaz, espirituoso e necessário. Acredito que se todos os brasileiros "ouvissem" atenciosamente as suas pílulas de lucidez, o divã se propagaria aos quatro cantos da terra Brasilis e, diferentemente do TCC, a transformação nacional seria nuclear e não maqueada.

  17. Regras do bom dialogo: Ouvir, escutar, compreender, interpretar, refletir, absorver e introspectar. Depois dessas sete etapas bem cumpridas devemos nos fazer duas perguntas sobre um posssivel comentário a ser externado: A opinião emitida será útil ao emissor da mensagem? Será útil ao receptor (ou receptores)? Entendendo como útil algo que, de alguma forma, contribua com alguma das sete etapas listadas inicialmente. Se o seu comentário (ou opinião!) dificultar alguma delas, simplesmente cale-se!

  18. "Os delatores são os únicos que dizem algo que realmente precisa ser escutado." Grande verdade isso. Eu acrescentaria à fala dos delatores, as últimas palavras dos condenados no corredor da morte, as falas dos pilotos nas caixa pretas dos aviões antes do desastre e as primeiras palavras dos suicidas frustrados ao recuperarem a consciência, por exemplo. O resto é words, words, words.

  19. O brasileiro foi junto com o seu país ao fundo do poço e, dessa sofrida e lenta viagem de retorno, surgiu um povo bem mais aguerrido e consciente!!

  20. Esta coluna de hoje valeria tanto compartilhar! Podem liberar? Afinal, um texto como este certamente traria novos assinantes. Ao menos aqueles que lêem.

  21. Sabino se refere de forma contraditória com sua inteligência e cultura à Psicanálise.Freud é autor de uma enciclopedia de 23 volumes seguido pelas de Yung e Lacan.Ademais,segundo aquele, a Psicanálise é,sobretudo,a terapia do Amor ao Proximo.Quem ainda não entendeu isso nunca fez,jamais leu ou compreendeu a Psicanálise.Que Deus nos ilumine a todos e um abraço fraterno em agnósticos e ateus!

  22. O MARIO E OS DOIS BRASIS Se o Brasil se olhar no espelho, verá que é duas nações refletidas na proporção 55% contra 45%. É chegado o momento da catarse frente ao fracasso de grande parte da organização institucional do estado nos três níveis de poder. Os cidadãos de boa vontade, talvez 55%, desejam a evolução construtiva. Os demais podem ter pouco tempo para a conversão a esse grupo do bem. A sorte do país parece depender da essência que todos carregamos sem saber e nem Freud ousou explicar.

    1. Faço,com a devida permissão, deste comentário meu.Que Deus nos ilumine a todos e um abraço fraterno em agnósticos e ateus!

  23. Mário , nunca me interessei por psicanálise mas Moisés e o Monoteísmo e Totem eTabu são obras primas do velho. Um abraço.

  24. Primeiramente Caro e Querido Mário Sabino, você não é velho! Seu intelecto refloresce a cada dia,é sempre um mestre nas sua observações, sempre coerentes e cada vez mais interessantes. Eu com quase 78 anos me acho hoje mais conhecedora do ser humano. Não vamos menosprezar Sigmund Freud,nós que conhecemos a grande ajuda que um divã nos dá,para sobrevivermos a essa cultura atual. Um 💋no seu 💖! AMO TUDO QUE ESCREVE!!,

  25. Suas crônicas são muito boas! Gostei muito das, em que vc relembrava os bastidores da grande imprensa brasileira e suas mazelas em conluio com o poder vigente. Mas esta, excedeu as anteriores . Sabedoria dos 60 anos?

  26. Mário, gosto de td q você escreve. Me encanta sua erudição e seu admirável senso de oportunidade. Acredito q você seja um excelente palestrante. Concordo c a parte de botar fogo...

  27. Admirável a lucidez e a leitura firme e centrada dos fatos que nos assolam que vocês fazem. Por isso, sou leitor assíduo do Antagonista e da Crusué.

  28. Por falar em psicoterapia cognitiva, há quem jamais a ela se submeterá: Me refiro aos grupos e indivíduos partícipes da corrupção sistêmica e endêmica que vem, há décadas, principalmente durante os últimos vinte anos, anemizando o Brasil, bem como aos alienados mentalmente persuadidos pela aplicação das cinco fases da imunização cognitiva...

    1. O Brasil tem passado por governos que se parecem mais a cultos ortodoxos, cheios de fiéis de olhos vidrados e performance agonizante.

    2. Será que ficariam curados de seus "desvios mentais"? Duvido...

  29. Sou Heloisa, sua admiradora. Seus comentários de hoje são perfeitos... você é o melhor de todos, inteligente, culto sensato , patriota etc etc

  30. e temos que nos preparar, quando um presidente começa a falar bobagem fora do contexto, contamina todo mundo, até o Guedes, resolveu sair da casinha; por isso sempre imploro: Moro Presidente e Deltan Vice em 2022, pela preservação do restinho de nossos neurônios.

  31. Formidável! Quem não conhece o poema “Se (If)” de Rudyard Kipling? Tem gente que o emoldurou e colocou na parede da sala para ser lido também pelas visitas. O seu texto merece o mesmo destino, para que leiam e em seguida pensem no que leram, e voltem para exercitar o que pensaram, já que pensar é difícil e – segundo Karl Jung – é por isso que muitas pessoas apenas julgam (Pensando melhor: estampa-lo como "capa" no Facebook).

  32. É sempre um prazer esperar a sexta feira para ler seus artigos. Gostei especialmente de " O Brasil é sempre os outros, quando na realidade o Brasil é todos nós. Ele deveria ser queimado conosco dentro...".

    1. Ele não chamou. Está implícito que há quem o acuse, como se fosse um anacronismo ou a psicanálise como um todo fosse uma farsa ultrapassada.

  33. no Brasil, cara de pau é pré-requisito para o sucesso. É o país dos embusteiros deslumbrados que não têm vergonha de parecerem ridículos.

  34. Palestra serve só pra ganhar dinheiro. Ninguém ouve nada. Já os jornalistas globais, estes não são mais redatores, âncoras, editores, etc. Agora são todos comentaristas, até os repórteres de rua! Insuportáveis! Eles falam tanto que "apresentadores" repetem o nome e a cidade do repórter apesar disto estar na legenda. Se a Globo espera que todos os seus jornalistas sejam comentaristas de política, acabem de uma vez com essas trocentas novelas diárias! E volte com a FofocaNews para a GloboNEWS!

  35. Assino a Crusoe por vc Excelente texto Não consigo expressar em palavras Li e Reli para digerir cada pensamento,palavras escritas por vc 👏👏👏👏👏

    1. Perfeito. Esse rapaz vai longe. Ainda não cancelei a revista, principalmente... por ele.

    2. Jornalistas de microfone na mão são meros serventes de pasquins ! São do tipo;vai lá e provoca o fulano pra irritar e traz qualquer coisa negativa. Precisamos faturar !

  36. Seus artigos da Crusoé deveriam ser publicados em um livro , não é só jornalismo ou história mas literatura , prazeroso de ler

  37. O brasileiro está em choque, ele jamais acreditou que algo poderia mudar no “Sistema”, e quando percebeu que uma leve brisa começou a arejar os palácios e presídios, busca um Porto Seguro na psicanalise ou na religião.

  38. Além do ótimo ensaio, como sempre, gostei do "à sombra das raparigas em flor"; prefiro-o (à portuguesa) que "à sombra das moças em flor", à brasileira.

  39. Parodiando Umberto Eco: "as redes sociais deram ao idiota da aldeia a condição de sábio". A cacofonia do brasileiro é resultado de duas coisas: 1 - falta de conhecimento balizado do assunto (que viria achometria); 2 - a impotência política (ou covardia) para mudar o que precisa ser mudado. Resta apenas o cacarejar histérico das galinhas quando as raposas se servem no galinheiro.

  40. Eu sou um discípulo do charlatão de Viena. Um charlatão que se decepcionou e se inspirou estudando hipnose e cocaína. E nunca mais aceitou terapia com anestesia. Sobreviveu ao “século da anestesia” e se mantém modesto no espaço para nossa delação de nós mesmos. Não é por nada que uma forma de atacar a Lavajato é acabando com delatores. Essa ambiguidade com a verdade sustenta nossa paz morfética onde não há espaço para sonhos nem desejo pelo futuro. Que lindo teu artigo. Parabéns, Mario.

    1. Maravilhoso.sempre me deliciando com suas cronicas.adoro sua cara e sua voz

    2. Sempre brilhante Mario! Sua escrita é uma grande alegria da minha semana.

Mais notícias
Assine agora
TOPO