Reprodução/redes sociais"Que não entre comida nas cidades. Vamos bloquear, fazer um cerco de verdade", diz Evo Morales em gravação

A mão invisível de Evo Morales

De seu asilo no México, o ex-presidente ordena que sindicalistas e narcotraficantes promovam o caos na Bolívia
22.11.19

Com o celular colado à orelha, o sindicalista boliviano Faustino Yucra escuta atentamente as ordens do ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, do outro lado da linha. “Dividam o sindicato em quatro ou cinco grupos. Assim dá para ficar mais tempo. Se as pessoas não se juntam, ficam cansadas e vão embora. Se estão em grupos, elas se revezam em turnos. Vamos manter o bloqueio”, diz Morales, que obteve asilo político no México. “Que não entre comida nas cidades. Vamos bloquear, fazer um cerco de verdade.”

Divulgado pelo governo transitório da Bolívia na quarta-feira, 20, o vídeo da conversa entre Faustino Yucra e Morales é a evidência mais cristalina de como o ex-presidente, que renunciou ao poder no início do mês, está orientando sindicalistas e narcotraficantes a instalar o caos na Bolívia. Estradas foram bloqueadas e as maiores cidades do país estão sitiadas pelas tropas de choque de Morales. Moradores estão sem gás, gasolina e comida. Desde o primeiro turno das eleições, no dia 20 de outubro, 32 pessoas já morreram. O objetivo é enfraquecer a presidente interina, Jeanine Añez, e abrir caminho para um retorno triunfal. “Se a Assembleia recusar minha renúncia, vou tentar voltar de qualquer jeito, mesmo que me prendam. Vamos batalhar firmemente contra a ditadura fascista, racista, irmão”, disse Morales a Yucra.

Após a polêmica desatada pelo vídeo (assista abaixo), Morales disse que se trata de uma montagem. Mas as circunstâncias indicam que a conversa é muito real. Faustino Yucra já foi condenado por narcotráfico e está foragido desde 2016. Ao final da gravação, ele admite ter falado com “o presidente” — cuja voz na Bolívia todos conhecem. O vídeo estava no celular de seu filho. O aparelho foi confiscado pela polícia boliviana na terça-feira, 19, após uma operação para desbloquear uma estrada em Cochabamba, a dezenas de quilômetros do Chapare, a região que exporta cocaína e a pasta-base do crack para o Brasil e onde Morales segue como presidente de seis federações de cocaleiros.

As primeiras vítimas fatais ocorreram quando a população ainda protestava contra a fraude nas eleições. Contudo, assim que Jeanine Añez foi proclamada presidente na terça-feira, 12, a oposição a Evo Morales retirou-se das ruas. A partir desse momento, foram as turbas do ex-presidente que passaram a  promover distúrbios.

 

Uma das estratégias já conhecidas para estrangular La Paz, com seus 2 milhões de habitantes, é impedir que caminhões-tanque deixem o depósito da estatal petrolífera, YPFB, na cidade vizinha de El Alto. Foi o que ocorreu em outubro de 2003, quando o local foi cercado pelo bando de Morales, que ainda não tinha sido eleito presidente. Na ocasião, um comboio conseguiu deixar a instalação escoltado por militares. Os manifestantes atiraram contra os soldados, que reagiram. Em um único dia, 27 pessoas morreram.

Desta vez, os manifestantes cercaram a unidade da YPFB, cavaram trincheiras e ergueram barreiras com pneus para impedir a saída dos caminhões-tanque. Durante a madrugada, os militares tiraram as barreiras e taparam as trincheiras. Com o caminho livre, trinta caminhões deixaram o depósito em direção a La Paz. Enfurecidos, os apoiadores de Morales tentaram ocupar e destruir a unidade. Com dinamites, derrubaram uma passarela de pedestres e abriram dois buracos no muro. O sistema contra incêndios foi acionado. “Uma explosão neste depósito poderia destruir todos os prédios em um raio de 5 quilômetros. É como se fosse uma Usina de Chernobyl esperando pela catástrofe”, diz o jornalista boliviano Humberto Vacaflor. Os militares que estavam presentes agiram para impedir a entrada dos vândalos. Oito pessoas morreram na confusão.

Os partidários de Morales rapidamente culparam os militares pelas mortes. Na terça-feira, 19, o ministro da Defesa, Fernando López, negou as acusações e disse que as forças de segurança não dispararam um único tiro no local. Dos oito corpos, seis tiveram as autópsias concluídas. As análises revelaram que eles foram feridos por balas de baixo calibre, disparadas por armas pequenas, que não são empregadas por policiais e militares. “É bem possível que o ministro esteja falando a verdade. Nos confrontos, os partidários de Morales costumam atirar, para depois usar politicamente as mortes e influenciar a opinião pública”, diz o advogado boliviano Carlos Sánchez Berzaín, que era o ministro da Defesa em 2003, ano em que ocorreu o conflito anterior no depósito de El Alto.

Para cada dia de protesto contra Jeanine Añez, os manifestantes cobram 50 bolivianos (a moeda local). É o equivalente a 30 reais. Com a mudança de governo após a renúncia de Morales, a torneira oficial de recursos fechou. A principal fonte para os protestos agora é o narcotráfico. Os bloqueios nas estradas afetam o escoamento da produção de abacaxi e de banana de Chapare, mas não atrapalham os voos que saem com drogas das dezenas de pistas clandestinas. O negócio do narcotráfico não foi afetado.

Comboio de caminhões-tanque deixa El Alto escoltado por militares e policiais
Além do narcotráfico, as hostes de Morales são financiadas com recursos do exterior. Na segunda,18, quatro cubanos que tinham sido presos em La Paz foram enviados para Havana em um avião com outros 207 integrantes de uma espécie de programa Mais Médicos. Os quatro eram funcionários da Embaixada de Cuba na Bolívia e faziam parte também da tal “brigada médica”, apesar de apenas um deles ter diploma de doutor. Eles foram detidos na Praça Murilo, onde ficam a sede do Executivo e do Legislativo. Com uma mochila cheia de dinheiro, eles distribuíam notas para os manifestantes.

Nos protestos em Santa Cruz de la Sierra, a polícia feriu a bala um argentino, Facundo Moreno Schonfeld, que entrou em estado de coma. Moreno tornou-se membro do grupo terrorista Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), em 2002. Foi um dos que se recusaram a aderir ao processo de paz por causa da sua proximidade com o narcotráfico. Conhecido pelo apelido de Camilo, ele vivia na Colômbia. Em mensagens que mandou pelo celular, Moreno ia atualizando seu pai sobre suas conquistas. “Já tomamos a ponte”, escreveu ele, referindo-se à Ponte da Amizade de Yapacaní, onde ocorreram confrontos com as forças de segurança.

Apesar da ação das tropas de choque de Morales, a presidente interina, Jeanine Añez, tenta seguir adiante. Na quarta-feira, 20, ela apresentou um projeto de lei no Congresso para convocar eleições. Cidades como La Paz, Cochabamba e Sucre seguem sitiadas por ordem do ex-presidente. Uma ponte aérea foi criada para levar carne, leites e ovos em cargueiros das Forças Armadas. Policiais e militares protegem as instalações do depósito de gasolina em El Alto, para impedir que uma explosão coloque em risco a vida de 200 mil pessoas. “Há quase trinta anos, Morales tem ensanguentado nosso país. Este é o momento de a Bolívia dar um passo adiante”, diz o ex-ministro da Defesa Carlos Sánchez Berzain, ainda exilado nos Estados Unidos.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. A evolução da esquerda se deu pelo mesmo caminho do Islã radical. Enquanto o mundo omitia-se, esses grupos ideológicos que pregam aparentemente o bem, com discurso de luta revolucionária, na verdade, orquestram ações de sede ao dinheiro e poder. Distribuem migalhas, prosperando a miséria. Oferecem a desinformação, prosperando a ignorância. Adoecem a massa, prosperando a fragilidade. O Foro de SP, é a base dessa ideologia na América do Sul. Ideologia essa que matou mais que o nazismo de Hitler.

  2. Retrato da situação da América Latina e tem tudo para piorar. Logo teremos esse mesmo cenário no Brasil. A classe média "coxinha" gosta mesmo de manifestações nos domingos a tarde depois da macarronada ou do churrasco. Os mercenários (em troca de 30 moedas) da esquerda são mais eficientes e numerosos. Vem aí a velha e tradicional GUERRA agora não nos campos de batalha, mas nas ruas das grandes cidades da nossa querida América Latrina.

  3. Quanto à Evo e os seus? Não podem reclamar, se tivessem escalado a situação e atirado o país no precipício, uma saída razoável e moderada poderia ser muito mais difícil, inclusive devido à própria insatisfação popular que tenderia a crescer.

  4. É com o "está vendo, eu não falei, se eles fizeram X, então agora vão fazer Y" que eles vão só escalando a situação. O remédio para isto é baixar a temperatura aos poucos e ceder exatamente onde? Nos pontos de convergência que, neste caso, é a eleição e a possibilidade de o MAS participar. O que deveria até mesmo incluir um candidato à presidência. Se diante da insatisfação generaliza e eleições limpas os opositores de Evo não forem capazes de se organizar, então merecem perder.

  5. Quando estão no poder, está tudo perfeito, mesmo que seja uma Venezuela de Maduro. Se são removidos, de repente o paraíso se torna no inferno na terra, mesmo que seja uma Suécia. É assim que os elementos mais radicais estão sempre distorcendo a realidade para tentar desgastar os adversários e se tornarem a menos pior das opções, nunca a melhor. No entanto, basta não fazer exatamente aquilo que os radicais pregam que vai acontecer, pq isto só serve para eles dobrarem a aposta.

  6. A Evo restaria se indignar e protestar pelo abuso e covardia, pois ele não está na Bolívia para se defender. Mas como dos males o menor, nem tudo seriam lágrimas, já que com seu partido participando das eleições, o capital político que ele ainda detém seria mantido junto à sua base. O problema em si não é a massa, mas os radicais, pois são eles que se valem da indignação e do discurso do FIM DO MUNDO para insuflar os mais "moderados".

  7. Se não vai pela "vontade", então recorre-se à coerção, psicológica em um primeiro momento e física em um segundo. Como é preciso conciliar interesses e "volúpias" diferentes, é sempre bom dar uma no cravo e outra na ferradura, a mão que bate é a que tb afaga. Se o partido de Evo puder participar das eleições, então não faz mal nenhum ele tomar umas bordoadas para não ficar parecendo que se está cedendo demais e abrindo brechas para o "inimigo".

  8. Com o processo se dando de forma mais fluída no centro, cada ator do processo político cuida da sua base política e, ao invés de se basear em criar problemas para os adversários, pode passar a dedicar sem tempo em construir soluções para os problemas reais enfrentados pela sociedade. Nada até hj na história da humanidade confirma a ideia de uma sociedade homogênea e sem divergências, nem mesmo em autocracias, já que nestas a homogeneização não passa de pasteurização.

  9. Se Evo e seu partido forem esvaziados, isto acabará criando um vácuo de poder que terá que ser ocupado. Este novo ator pode muito bem ter muito menos disposição de dialogar e mais de criar atritos para gerar desgaste. Há que se separar a superfície, que é exatamente o nível onde se dá a polarização, e o centro do poder, que é onde as coisas realmente acontecem. Se na superfície houver polarização, mas no centro houver um entendimento mínimo, então os atritos se dissipam.

  10. Sendo assim, quem é melhor ter na oposição? Um inimigo desconhecido ou um conhecido? Não se trata de fazer as pazes e juras de amor, mas de que se colabore nos pontos de convergência e se discorde nos de divergência. Nenhum governo vai resolver os problemas da Bolívia, até mesmo pq basta resolver um para logo aparecerem mais 10. A própria dinâmica do progresso e desenvolvimento humano não permitem que ninguém possa dormir sobre os louros do sucesso.

  11. Tem-se um processo onde não são os melhores, mas sempre os menos piores que chegam o poder, sendo que a situação logo se inverte, pois o grupo que saiu logo começa a sabotar para voltar a ser o menos pior. Por mais defeitos que Morales possa ter e erros que tenha cometido, ele ainda parece alguém bem mais razoável e "confiável" do que outros atores dentro da Bolívia, além de sem dúvida ser um político cuja habilidade está mais do que comprovada.

  12. Na superfície tb às vezes é melhor que as coisas continuem acirradas, do contrário o que poderia ocorrer é um vácuo de poder que poderia ser ocupado por um ator novo e que, ao invés de tentar reduzir o atrito, valha-se exatamente dele para criar desgaste e, com isto, chegar ao poder. É praticamente um círculo vicioso, ao invés de colaborar, os atores do processo político se revezam na sabotagem um do outro buscando enfraquecer o adversário para obter o poder.

  13. Pelo contrário, ela deveria focar em coordenar o processo e harmonizá-lo, para que se concorde nos pontos de interseção e se discorde nos pontos de divergência. É óbvio que os defensores de Morales agora se encontram do lado que os críticos dele se encontravam antes e, portanto, são o lado insatisfeito. Não se trata de contemporizar e colocar panos quentes para deixar tudo como está, só se invertendo o sinal sem que nenhum avanço significativo seja realizado.

  14. Apesar da democracia ser um regime que teoricamente visa permitir ao povo que exerça o poder de forma direta ou indireta, a realidade não é bem assim, já que a própria diversidade e debate político que a democracia pretende estimular tb serve para que múltiplos interesses sejam gestados no interior desta e acabem por gerar grupos com objetivos divergentes. Uma democracia efetiva não deveria tentar acabar com este turbilhão que se processa dentro do organismo social.

  15. Esse maldito Lhama de Franja deveria ser erradicado do gace da terra. Uma boa ideia seria jogá-lo de um avião no meio do oceano.

  16. O governo Brasileiro tem que se preparar urgente .E Caso venha ocorrer baderna aqui tem que prender os cabeças LULA GLEICE ,BOULOS,DICEU E E O BARDENEIRO DO MST E CUT .

  17. Acho que o título tem um engano. Deveria ser "a mão grande" de Morales. Lembrem-se da refinaria que ele tomou da Petrobrás e o novededos ficou calado...

  18. Evo LULA Morales! É esse NARCO TRAFICANTE, pé de chinelo e semianalfabeto, igualzinho o CHEFE da QUADRILHA Petista LULA, cafajeste e corrupto, que os babacas Haddad, Gleise, Maria Rosário, Paulo Pimenta e tantos outros elementos da quadrilha DEFENDEM. Vão morar na Bolívia idiotas.

  19. Este fdp deste esquerdopata merece prisâo perpétua, 14 anos no poder e fraudou as eleições pra ficar mais um período só que quebrou a cara teve que sair fugido. Este verme de democrata não tem nada era mais um ditadorzinho de quinta que nem o outro verme do Maduro

    1. O preço da liberdade é a eterna vigilância. Pode prender 1000 por dia, sempre aparece mais. Vigilância colegas!

    2. Esquerda é e sempre será Canalha e Rasteira!!!!! Te cuida Brasil de brasileiros!!!

  20. Disse noutro comentário para não dá espaço para o delinquente e seus comparsas de carteirinha. São inimigos declarados do Brasil. Juntando-se a eles os seis do STF.

  21. O mundo precisa entender que a natureza da esquerda é fundamentalmente destrutiva, e desttruí-la, antes de ser destruído. O governo interino da Bolívia deveria pedir ajuda aos Governos dos EUA e do Brasil, para atacar militarmente o narcotráfico boliviano. Os três Países ganhariam muito no combate ao tráfico de cocaína e sufocariam o financiamento criminoso dos criminosos esquerdistas.

    1. Sim. Pedir o apoio sim. Para começar, procurar neutralizar o que já se sabe, de uma indigência estratégica de dar dó, nem por isso, menos letal.

  22. Igualzinho ao seu escaralhado amigo e ex presidiário, organizar não é com eles, mas desorganizar e botar fogo no país é com eles mesmo.

  23. Esses picaretas são especialistas em desordem e em comprar as instituições pra se manter no poder. O BRASIL ainda não se livrou desses bandidos.

  24. Pobre povo boliviano. Se souberem entender o que está acontecendo em seu país, certamente saberão como se livrar dessa blefe esquerdopata, Evo Morales.

  25. Esse capeta me dá medo! Tem dinheiro demais com o narcotráfico e é capaz de tudo pelo poder. Está escrito na cara! Igual ao molusco das trevas.

  26. E por aqui a ORCRIM brasileira apoia totalmente esses criminosos e narcotraficantes. O cachaceiro só tá que instiga a baderna!

  27. Tudo igual, só muda o endereço! Esquerda nojenta e bandida! Tem que ser tratada como terrorista! Banida, exterminada! Que o Brasil veja como seria se o pt conseguisse seus intentos!

    1. É a mesma coisa que a CARNIÇA DO LULADRÃO está tentando promover no Brasil.......Agitação,discórdias,lutas de classes,,......... Só dessa forma vão poder retomar as "tetas" que perderam.... A volta do país ao crescimento econômico, desenvolvimento social,aumento da taxa de emprego,para eles seria como uma pá de cal em sua sepultura, que já está fedendo.......!!!!!

  28. Como é difícil se livrar destes corruptos terroristas que tomaram a América Latrina, a Argentina é um exemplo triste onde o próprio povo escolhe seu algoz mesmo sabendo de todo mal que já causou. O Brasil teve a Lava Jato comandada por gente competente que foi ganhando a batalha até onde pode, agora seria a hora do povo insurgir contra este STF e a banda podre do Congresso, apoiando a Lava Jato...não podemos esmorecer,entregar a batalha, tomemos fôlego e vamos a luta por um país justo para todos

  29. E o foro de Sp? Ah esqueci é teoria da conspiração... e o mais médicos aqui no Brasil? Ah era pra colocar médicos onde os profissionais brasileiros não queriam? Ué, pra mim era pra bancar a ditadura cubana e utilizar os oficiais médicos como promotores da revolução brasileira. Acho que estou enganado.

    1. Inclusive o valor pago aos "manifestantes" é equivalente ("trinta real"). Será que lá também dão pão com mortadela e tubaína?

  30. Se sabe quais são as regiões onde se produz pasta base de cocaína... Porque o mundo que quer combater as drogas não faz nada ????? Já passou da hora de transformar esta região em campo de testes de mísseis...

  31. Além de cubanos, deve ter a mão de algum país extracontinental com capacidade e interesse para coordenar essas ações. Chile, Equador, Peru e Bolívia já foram atacados. Hoje, a Colômbia. O Brasil deve colocar as barbas de molho e AGIR.

  32. Infelizmente o pessoal do Putin, Sputinik, Rússia Today, Intercept, estão convencendo o público estrangeiro que o Morales é um santo.

  33. A mão oculta ou não tão oculta do Fórum de SP e agora, mais recente, do grupo de Puebla. Narco-Politicos se aproveitando da ignorância dos seus países, que foi gestada durante anos de falta de educação desse coitados ignorantes-úteis que geraram. Nós custa voltar a usar a palavra TERRORISTAS, pois é, usemos então Fórum de SP, que vai dar no mesmo.

    1. E a primera vez que faltan com conhecimento de causa sobre a Bolívia .evo morales era um ditador e ele so tinha directo a ser uma vez aser presidente Mais tinha os 3 poderes na sua mao e realmente tem muito dinheiro que robot do estado e como presidente das 6 federacoes cocaleras ele manda a no cartel levando cocaina durante eses 14 años e se calculan que ele tem no banco do Vaticano ,en cuba enterrada como 3;5 bilhoes de dólares e tem en Espanha os seus amigotes milhionarios . Isabel

Mais notícias
Assine agora
TOPO