Adriano Machado/Crusoé

O calcanhar de Witzel

O governador do Rio se anuncia como candidato ao Planalto, mas seu discurso esbarra na realidade da velha política
29.11.19

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, atraiu os holofotes nos últimos dias ao protagonizar uma cena grotesca — para dizer o mínimo. Após o triunfo do Flamengo sobre o River Plate, na final da Copa Libertadores, Witzel ajoelhou-se diante do atacante Gabigol no gramado do Estádio Monumental de Lima. O autor dos dois gols da virada rubro-negra até havia cumprimentado o governador, mas quando ele ensaiou lustrar sua chuteira, o craque do Flamengo saiu deixando o governador, como se diz na gíria, no vácuo. O gesto de Witzel soou como o mais puro oportunismo político.

Sonhando com a candidatura à Presidência da República em 2022, Witzel não perde a chance de aparecer. Em agosto, por exemplo, quando a situação exigia compostura, o governador comemorava à la Pelé, com socos no ar e punhos cerrados, a operação policial cujo desfecho terminou com a morte do sequestrador de um ônibus na ponte Rio-Niterói. Witzel quer luzes. Ele imagina que, se conseguir aliar a pauta do fim da criminalidade com a do combate à corrupção, poderá pavimentar seu caminho rumo ao Palácio do Planalto daqui a três anos. O problema é que nem todas as suas ideias correspondem aos fatos.

Documentos obtidos por Crusoé comprometem, por exemplo, uma das linhas mestras da justificativa do governador para a criminalidade no Rio. Segundo ele, a culpa seria de Brasília, que teria sucateado a Polícia Federal e reduzido o número de apreensões de entorpecentes. A explicação não se sustenta. Não faz muito tempo, o estado desprezou ajuda federal em uma importante investigação em curso sobre tráfico internacional de armas e drogas. Pouco antes de o governador tomar posse, em dezembro de 2018, a delegacia responsável pelo caso decidiu enviar o inquérito ao Ministério Público Federal, por não ter estrutura para tocar a apuração com “o número risível” de 18 agentes. Nas primeiras semanas da gestão Witzel, no entanto, a delegacia revogou a decisão, tirando o caso da esfera da Polícia Federal e devolvendo-o ao estado. A quadrilha sob investigação tem uma rede de 10 mil pessoas e empresas para lavar dinheiro, movimenta em média 60 milhões de reais por mês e estabeleceu uma inédita parceria com o PCC, a facção paulista. Sob Witzel, porém, as apurações não puderam seguir na esfera federal.

Reprodução/G1Reprodução/G1A cena com Gabigol em Lima: o jogador deixou Witzel no vácuo
Outro calcanhar de aquiles do governador está na própria condução das operações policiais em áreas dominadas pelo crime. A morte da menina Ágatha por uma “bala perdida” no Complexo do Alemão, Zona Norte do Rio, expõe um fio desencapado que atinge em cheio o comando da PM, subordinado diretamente ao governador.  Os policiais envolvidos na morte de Ágatha, de 8 anos, trabalham na Unidade de Polícia Pacificadora da Fazendinha, uma das áreas mais conflagradas do Alemão, conhecida como a “Zona do Medo”. Crusoé teve acesso a papéis que mostram que o cabo que fez três dos seis disparos de fuzil efetuados na ação queria sair da UPP para o policiamento de rua em Niterói, uma cidade mais tranquila. O Palácio da Guanabara até solicitou a transferência. Dois dias antes da morte de Ágatha, porém, o secretário da PM, coronel Rogério Figuereido, negou o pedido do cabo, alegando falta de efetivo. Na noite em que a menina morreu, a UPP tinha 66 policiais escalados e 40 afastados por férias, licença médica e até devido a prisões por crimes. O grupo estava tenso, ainda abalado por um confronto com bandidos ocorrido alguns dias antes, que deixou um PM morto e outros dois baleados na mesma localidade onde Ágatha morreria. Não se pode desvincular o governador da decisão do secretário da PM de impedir a transferência de um dos cabos que, às vésperas da tragédia, pode ter sido o responsável pela morte de Ágatha. É importante lembrar que uma das primeiras medidas de Witzel, tão logo empossado, foi extinguir a Secretaria de Segurança Pública, criando no lugar as pastas da Polícia Civil e a da PM, o que na prática o colocou no comando direto das polícias.

A segurança foi o pomo de discórdia entre Witzel e o presidente da República. A relação do governador com a família Bolsonaro azedou a partir da investigação do assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista dela, Anderson Gomes. Um dos suspeitos, o sargento PM aposentado Ronnie Lessa, morava no mesmo condomínio do presidente Jair Bolsonaro no Rio de Janeiro. Um porteiro ouvido pela polícia de Witzel afirmou que, na noite do crime, Bolsonaro autorizou a entrada no condomínio do ex-sargento Élcio Queiroz, comparsa de Lessa no assassinato. Bolsonaro na época era deputado e registrara presença no plenário em Brasília naquela noite. Antes mesmo de o Ministério Público descartar a história do porteiro, o presidente acusou Witzel de conduzir o inquérito da Polícia Civil para incriminá-lo por “sede de poder”.

O caso Marielle é um desafio para Witzel. A Polícia Civil ainda não descobriu o mandante e a PM também tem muito a esclarecer. Em julho passado, a Justiça mandou apreender no comando da Polícia Militar — numa operação sigilosa — processos de investigações internas contra os dois ex-policiais acusados de matar Marielle. Oficialmente, eles tinham ficha limpa, sem anotações de crimes e “comportamento bom”. A determinação judicial, porém, fez os comandantes encontrarem ao menos nove homicídios atribuídos ao sargento aposentado Ronnie Lessa, segundo relatório obtido por Crusoé. A PM arquivara os casos sem punição, por considerar que Lessa agiu em legítima defesa, quando fazia operações nos morros nos anos 2000. Agora surgem indícios de que ele é um assassino, envolvido com a milícia pelo menos desde 2009, quando perdeu a perna num atentado a bomba, ao que tudo indica planejado por uma gangue rival.

Danilo Verpa/FolhapressDanilo Verpa/FolhapressPastor Everaldo, o “dono” do PSC, exerce forte influência sobre o governo do Rio
Na seara política, Witzel, que pretende vestir o figurino de representante da nova política, também patina. Ele deveria ser no mínimo mais cuidadoso ao escolher aliados. Entre os homens fortes com influência no governo, está o pastor Everaldo Pereira, ex-candidato à Presidência da República e uma espécie de “dono” do PSC, o partido pelo qual o governador se elegeu. Quatro meses depois da posse de Witzel, em abril passado, Everaldo abriu com o filho, Filipe Pereira, ex-candidato a deputado federal, uma imobiliária que já comprou imóveis no valor de 2,9 milhões de reais. O contador da empresa é o mesmo que presta serviço ao PSC. O negócio da família virou assunto nos corredores da sede do governo por gente que teme alguma repetição dos malfeitos do passado que alçaram a política fluminense ao centro do noticiário policial.

Crusoé identificou ao menos dois negócios da imobiliária. Em julho, o pastor assinou escritura de promessa de compra da casa de dois andares onde funciona a empresa, no Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste. Ele se comprometeu a pagar 2 milhões de reais. Desembolsou 50 mil no ato e parcelou o restante em 20 vezes, no valor de 100 mil por mês, em parcelas garantidas por notas promissórias pagas “no endereço ou local” que os vendedores indicarem. Logo depois, a imobiliária assinou outro contrato de compra de um terreno de 49,7 mil metros quadrados em Barra de Guaratiba, também na Zona Oeste, por 850 mil reais, que serão quitados por meio de 20 notas promissórias. Ou seja, os dois negócios do pastor demandam pagamentos mensais de 140 mil reais para que os imóveis sejam quitados — uma quantia nada desprezível. As transações, em si, não significam necessariamente que a dupla de aliados de Witzel esteja envolvida em encrenca. Mas chamam atenção quando os valores envolvidos são comparados ao patrimônio declarado do pastor e de seu filho. Nas eleições passadas, Everaldo declarou bens de 268 mil reais (120 mil em dinheiro vivo) e Filipe Pereira informou patrimônio de 938 mil reais. Procurado, o pastor afirmou que seus negócios e os de sua família são “assunto privado” e “não dizem respeito à atividade do PSC”.

Witzel se filiou ao PSC em março de 2017, quando ainda era juiz, segundo certidão da Justiça Eleitoral. Ao lado de Pastor Everaldo, presidente do PSC, o então juiz fazia palestras sobre ética, regras eleitorais e participava de reuniões com membros da Assembleia de Deus. Ele aparecia sempre como convidado, uma figura não partidária e até evitava bater palmas após discursos de políticos. Também chegou ir a Brasília ao lado do pastor para uma reunião com o então deputado André Moura, do mesmo PSC, líder do governo Michel Temer. Nessa época, um delator da Odebrecht afirmou que Everaldo recebeu 6 milhões de reais de caixa dois na campanha de 2014, quando disputou a Presidência da República. O executivo disse ainda que foi apresentado ao pastor pelo ex-deputado Eduardo Cunha. A denúncia não andou nos tribunais e Pastor Everaldo se lançou candidato a senador na chapa com Witzel.

Câmara dos DeputadosCâmara dos DeputadosAndré Moura, da tropa de choque de Eduardo Cunha, virou chefe da Casa Civil
Derrotado nas urnas, Everaldo tornou-se um homem forte mesmo fora do governo. Avalizou indicações para postos em órgãos importantes do estado do Rio, como a Cedae, a companhia de saneamento do estado, e passou a ser muito requisitado por deputados estaduais interessados em cargos na máquina administrativa estadual. Seu filho e sócio Filipe Pereira, depois de perder a reeleição para deputado federal, passou a ser assessor especial de Witzel. Em setembro, o pastor emplacou André Moura, o ex-integrante da tropa de Eduardo Cunha com quem tinha se reunido em Brasília, no comando da Casa Civil do governo fluminense. Para além de suas conhecidas ligações com Cunha, Moura não é propriamente um exemplo de político. Bem antes de chegar a Brasília, quando dominava a política no município sergipano de Pirambu, ele já era metido em suspeitas. A certa altura, após deixar o cargo de prefeito da cidade, escolheu um aliado semianalfabeto para sucedê-lo. Pilhado desviando dinheiro, inclusive de merenda escolar, o aliado não só confessou a roubalheira como se disse um “laranja” de Moura, a quem era obrigado a repassar parte do dinheiro. Hoje secretário poderoso de Witzel no Rio, André Moura responde a três ações penais, acusado de formação de quadrilha e peculato.

Pastor Everaldo, o “dono” do PSC e aliado de primeira hora do governador, também é ligado a Eduardo Cunha, que, condenado na Lava Jato, cumpre pena no presídio de Bangu, no Rio. O pastor chegou a ser sócio de Cunha em uma rádio. Não se sabe exatamente por qual razão, mas o governo de Witzel tem se recusado sistematicamente a dar informações sobre como anda a rotina de Cunha no presídio fluminense. Há meses Crusoé tenta obter, pela Lei de Acesso à Informação, a relação de visitas recebidas no cárcere pelo ex-presidente da Câmara. Foram dois pedidos e ambos pararam no gabinete do secretário de Administração Penitenciária, coronel Alexandre Azevedo. Antes de chegar à mesa do secretário, que poderia finalmente liberar as informações, o órgão havia negado os dados. O argumento foi de que a relação de visitas de Cunha é “imprescindível à segurança da sociedade ou do estado” e que sua divulgação “compromete atividades de inteligência”. Em 2017, no governo de Luiz Fernando Pezão, a secretaria liberou a relação de visitas de Sérgio Cabral. A lei do direito à informação continua a mesma, só mudou o governador. Em tempo: Witzel costuma afirmar que “não tem bandido de estimação”.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. O GARANTISMO JUDICIAL é um elemento da REALIDADE CONCRETA, o GARANTISMO CORRUPTO e BANDIDOLATRA é um elemento da REALIDADE APARENTE. É necessário saber-se separar uma REALIDADE da outra, pois os CORRUPTOS, BANDIDOLATRAS e MERCENÁRIOS DO BEM vivem exatamente de fazer parecer que a REALIDADE APARENTE é a CONCRETA e, obviamente, que eles estão sempre do lado do bem, enquanto que os que se guiam pela REALIDADE CONCRETA estão do lado do mal.

  2. Sem nome, sexo, cor, religião, endereço, CPF e os atributos necessário (POBRE e, de preferência, negro) não há como fazer propaganda. Portanto, o tiro na cabecinha não necessariamente é uma política errada diante de um cenário DISTÓPICO, ele só é inefetivo sem outras medidas que não acabem com a distorção entre a REALIDADE APARENTE e a CONCRETA. O tiro na cabecinha é um elemento da REALIDADE CONCRETA, enquanto a BANDIDOLATRIA é um elemento da REALIDADE APARENTE.

  3. Por isto que eles adoram meter a mão no dinheiro do contribuinte para enfiá-lo no bolso, enquanto dão as migalhas para seus devedores, fora aqueles que lhes devem pelo simples fato de que foram defendidos por eles, como todo POBRE e OPRIMIDO. Nem dar algo eles se sentem na obrigação, são todos estes indivíduos que ficam chocados e indignado se um CRIMINOSO portando fuzil for abatido, mas não derramam uma lágrima por 60 mil indivíduos mortos.

  4. Sobretudo, todo CORRUPTO, BANDIDOLATRA e MERCENÁRIO DO BEM sabe que fazendo o "bem" no varejo, ele se torna um credor daquele indivíduo que recebeu o bem, mesmo que às custas de outro que foi prejudicado ou teve que abrir mão de algo que era por direito seu, ou seja, o verdadeiro benfeitor (geralmente o pagador de impostos). Assim como eles tb sabem que todo mal que se faz no atacado é praticamente impossível de ser rastreado e detectado.

  5. Quando é para "defender" os pobres e os oprimidos contra os OPRESSORES, eles são de todo mundo. Quando é para assumir a responsabilidade pelas políticas fracassadas, BANDIDOLATRIA ASSASSINA, corrupção e violência, aí eles são de ninguém. A culpa é sempre dos outros, nunca deles, pq para vender o bem não é preciso que concretizá-lo, mas simplesmente criá-lo e fazê-lo existir no mundo das aparências. Ou seja, o bem é aquilo que eu digo que é bom, não o bem que eu realmente faço.

  6. O que vale mais, a vida do INOCENTE ou a do CRIMINOSO portando o fuzil? Os CORRUPTOS, BANDIDOLATRAS e MERCENÁRIOS DO BEM vão dizer que as duas valem igualmente, mas na hora de subir o morro para combater TRAFICANTES não são eles que vão fazer isto. Na hora que a coisa dá errado, eles ou apontam o dedo para o policial, se este matar um INOCENTE, pro capitalismo, se um INOCENTE for morto por um CRIMINOSO, ou para a GUERRA ÀS DROGA, se forem os números da violência.

  7. Se as leis não impõe o TEMOR necessário, então se faz necessária a violência para impor este. Se as leis não colocam MEDO nos CRIMINOSOS, então faz-se necessário que algo ou alguém além do JUDICIÁRIO CORRUPTO e VICIADO coloque. Se a polícia, ao subir o morro, souber que os TRAFICANTES evitam portar fuzis, mesmo que ainda optem por armas mais leves, isto não daria mais tranquilidade e poderia evitar a morte de INOCENTES em decorrência de erros e excesso de estresse dos policiais?

  8. Isto ocorre pq em decorrência do nível de CRIMINALIDADE e VIOLÊNCIA, é mais efetivo e barato simplesmente impor-se o MEDO em meio aos CRIMINOSOS. Um, dois, três bandidos executados pode ser o suficiente para com a POLÍTICA DO MEDO se implantar o RESPEITO e TEMOR que um SISTEMA JUDICIÁRIO CORRUPTO e VICIADO é incapaz de impor através da aplicação e cumprimento das leis. Ou pq será que as pessoas acham que a polícia reagem com chacinas e execuções quando um dos seus é MORTO.

  9. O PROCESSO DE EROSÃO é lento e gradual, leva anos e inclui uma infinidade de CORRUPTOS todos concorrendo para impedir que o indivíduo tenha saída, a não ser cair na VIDA DO CRIME, em se tornar refém da CRIMIDEPENDÊNCIA. Quando é assim, quando CORRUPTOS, BANDIDOLATRAS e MERCENÁRIOS DO BEM lograram distorcer tanto a REALIDADE APARENTE, que ela se transformou em DISTOPIA PURA, a POLÍTICA DO MEDO por parte do Estado é o caminho mais curto e menos letal.

  10. É fácil achar o indivíduo que dispara uma arma, mas é praticamente impossível se rastrear e detectar o CORRUPTO que criou todas as condições para que o indivíduo sem perceber caísse na TEIA DA CORRUPÇÃO e VIOLÊNCIA, alterando a REALIDADE APARENTE de tal forma que a dissociação entre ela e a REALIDADE CONCRETA criam uma verdadeira DISTOPIA. Isto ocorre inclusive pq em geral não é só um CORRUPTO, mas vários cujas ações se somam para levar ao resultado final.

  11. Basta ver Gilmar Mendes, um câncer, extremamente "CONSTERNADO" pela morte da menina Ágatha. Se ele realmente se preocupasse com a menina botaria tudo que é CORRUPTO LADRÃO DE MERENDA, VERBAS DA SAÚDE e EDUCAÇÃO na cadeia. É assim que Gilmar Mendes faz o "bem" no varejo e a maldade no atacado, pois o caráter difuso desta impede que a ORIGEM DO MAL seja rastreada, é por isto que a corrupção é tão atraente e sedutora, o mal que ela produz tem efeito retardado, permitindo que o CRIMINOSO se evada.

  12. Dentro da estratégia de distorcer a REALIDADE APARENTE ao máximo, o que os CORRUPTOS, BANDIDOLATRAS e MERCENÁRIOS DO BEM fazem todos em conjunto é vender o bem no varejo e o mal no atacado. Quando é para fazer qq "bondade" para alguém (com dinheiro público, claro), eles anotam nome, sexo, cor, religião, endereço, CPF e fazem propaganda para que todos possam ver. Quando é para fazer o mal, eles nunca deixam digitais nem rastros e, assim que alguém descobre o rombo ou crime, gritam PEGA LADRÃO.

  13. Por fim, dentro disto, a política do tiro na cabecinha teria um efeito catalisador. Bandidos conhecem e domina a POLÍTICA DO MEDO, eles sabem que onde há resistência só há uma coisa a se fazer, calar a voz que resiste ou eliminar o elemento de resistência. Só isto é o suficiente para impor o TERROR e o MEDO na população local. Se esta lógica vale para eles, então é razoável supor que ela vale para o Estado, mas este precisa respeitar os direitos humanos.

  14. Ele tem muito mais chances de se cacifar para a presidência sendo senador e obtendo visibilidade em Brasília, do que sendo governador em um estado cuja realidade implica que as probabilidades são totalmente contrárias a qq um que ouse tentar alterá-la. Agora, se a REALIDADE APARENTE for alterada, assim como ele conseguir transformar a REALIDADE CONCRETA, aí é outra história. Mas para isto ele precisa de muita ajuda externa, além de prefeitos que colaborem.

  15. Portanto achar que a REALIDADE CONCRETA será alterada com medidas simples, pontuais e isoladas no tempo, inclusive sem se quebrar a DISTOPIA e a REALIDADE APARENTE que tornam a cidade prisioneira da CRIMIDEPENDÊNCIA, é pura balela ou LOUCURA. Quanto à Witzel, se ele não quiser chafurdar na lama, então o melhor que faz é lavar as mãos. Faça sua parte e trabalhe para se eleger senador em 2022, pq se depender de alterar a REALIDADE do Rio para se eleger presidente, ficará a ver navios.

  16. Isto é factível, plausível, exequível? Depende dos envolvidos, mas a Revolta da Vacina mais de 100 anos atrás mostra qual é o tamanho do problema do Rio. Se para acabar com o crime é necessário transformar a estrutura urbana da cidade, então isto é praticamente impossível de ser feito na marra, no curto prazo, sem ajuda externa e uma estratégia bem formulada que seja constantemente reavaliada. O que o Rio é hj é resultado de pelo menos um século de dessarranjos e erros.

  17. Ao se afastar os jovens do ambiente propicio a CRIMIDEPENDÊNCIA existente nas favelas e garantir que eles terão acesso à educação, quebraria-se a DISTOPIA que mantém o Rio preso à corrupção, violência e criminalidade. A diversificação das cadeias produtivas, incentivando-se o setor tecnológico seria exatamente para se fomentar a atração de indivíduos que seria os propulsores da gentrificação, o pessoal BANDIDOLATRA que só não mora na favela por causa da precariedade e da violência.

  18. Este processo de gentrificação poderia ser estimulado com intervenções pontuais em localidades mais propícias e com desapropriações. Em contrapartida, o estado criaria nos municípios vizinhos a estrutura logística e social para que os moradores das favelas deslocados para estas áreas tivessem opção de transporte rápido para o centro e as praias cariocas, assim como acesso à bens e serviços públicos de qualidade, sobretudo educação.

  19. A lógica é simples, expulsando-se os pobres dos morros, reduz-se a pobreza e, consequentemente, o insumo barato para o tráfico. Além disto, combinando-se o processo de gentrificação com a urbanização das favelas, isto faria com que o estado melhorasse a estrutura e o acesso das forças de repressão nas favelas. Por último, todo mundo sabe que os BANDIDOLATRAS adoram pobreza e crime no quintal dos outros, não do deles. Tiroteio na favela é normal, mas faz um na zona sul.

  20. Ou seja, a economia do estado e das prefeituras fluminenses fica dependente destas duas atividades, havendo toda uma cadeia em torno delas que não demanda realmente um nível de escolaridade mais avançado. Especialmente na cidade do Rio de Janeiro, se fosse possível construir-se um polo tecnológico e iniciar-se um processo de gentrificação da cidade, expulsando os mais pobres, principalmente dos morros e favelas para as cidades em torno da cidade do Rio, isto poderia ser uma solução.

  21. Mas tudo isto é externo a Witzel. De medida prática que ele poderia tomar, em conjunto com todas as outras mencionadas, e que teriam uma perspectiva de longo prazo que excederia até mesmo dois mandatos, caso ele se reelegesse, há tb investimentos em atividades fora do setor petrolífero e turístico. Estas duas cadeias produtivas consistem de poucas vagas de valor agregado, enquanto o restante da estrutura econômica se conforma a elas.

  22. A cidade do Rio de Janeiro é geograficamente e urbanisticamente estruturada para que o crime se instale lá. As favelas são verdadeiros ninhos para CRIMIVICIADOS, pois elas unem pobreza e logística estratégica, de uma lado mão de obra barata e abundante, do outro impenetrabilidade, camuflagem e pontos estratégicos para impedir as ações de combate ao crime. Além disso, há toda a BANDIDOLATRIA e GARANTISMO que dizem defender o pobre e os jovens, mas os cevam para caírem na CRIMIDEPENDÊNCIA.

  23. Além de ações contra a lavagem de dinheiro, deveriam ser adotadas tb ações no sentido de se reduzir paulatinamente a influência de facções no sistema penitenciário e de permitir a coordenação entre estados para que haja integração entre as polícias, assim como de informações. Por óbvio, quando os CRIMIVICIADOS percebem que uma porta se fechou, o caminho natural é buscar outros caminhos e alternativas, assim como mudar de localidade quando a repressão aumentar.

  24. Com isto seria possível que o SISTEMA DE CRIMIDEPENDÊNCIA do qual a criminaldiade e o tráfico fosse esmagado paulatinamente. Mas isto está fora das mãos de Witzel, ele depende de forças externas. Outra coisa que ele precisa desesperadamente é o aumento do custo na cadeia do tráfico de drogas e criminalidade (o que em parte já ocorreria com a moralização do JUDICIÁRIO), o que pode ser feito com uma política de se cortar a cadeia logística do tráfico e sufocar financeiramente o crime.

  25. No entanto, apesar disto, isto não é totalmente imutável, desde que se conheça a REALIDADE CONCRETA e elimine-se os indivíduos que a manipulam para que a DISTOPIA seja a norma e não a exceção, começando pelo JUDICIÁRIO. Este é o maior elemento de distorção da REALIDADE CONCRETA, pois é ele que deveria garantir que as leis virtuais (ou constitucionais) coincidissem com as leis válidas na JURISPRUDÊNCIA da vida real.

  26. Resumindo, Witzel está ferrado, não há a menor chance de ele em 4 anos conseguir mudar a REALIDADE CONCRETA existente no Rio, pois a REALIDADE APARENTE trabalha exatamente para impedir que a REALIDADE CONCRETA seja apreendida e alterada. É isto o que o GARANTISMO faz, ele atua na REALIDADE APARENTE para fazer impedir que a REALIDADE CONCRETA seja percebida e assim o SISTEMA CORRUPTO e VICIADO possa se manter.

  27. Portanto, há todo um SISTEMA RETÓRICO cujo discurso afirma que luta contra a pobreza, a miséria, a desigualdade, a injustiça, mas cuja PRÁXIS e JURISPRUDÊNCIA apontam na realidade que ele se alimenta e retroalimenta a criminalidade, a pobreza, a miséria, a injustiça, a impunidade, a desigualdade. Este sistema existe no PLANO ABSTRATO e APARENTE, ao invés do PLANO REAL, ele consiste em parecer bom, não em ser bom, pq a REALIDADE APARENTE das coisas é diferente da REALIDADE CONCRETA.

  28. Para este processo torna-se necessário que se utilize o DUPLIPENSAR. Alguém já viu um aviãozinho do tráfico que tirasse só nota 10 na escola. Quando o indivíduo entra no crime, ele não está automaticamente abrindo mão de continuar seus estudos e educação? E em um mundo cada vez mais dependente do conhecimento e da tecnologia, quanto menor o nível de educação do indivíduo, mais sujeito à pobreza ele não estará? E se ele estiver sujeito à pobreza, isto não o torna o alvo perfeito para o crime?

  29. Mas o GARANTISMO não pode se restringir somente ao SISTEMA JUDICIÁRIO, ele deve ser convertido em todo um sistema de códigos e valores que seja disseminado por toda a sociedade que pregue a IMPUNIDADE. Este sistema consistem um uma espécie de 50 TONS DE CINZA DA CORRUPÇÃO que no final implica que todos são CORRUPTOS e, portanto, ninguém deve ser punido por seus crimes, só se este for o de se exceder na CRIMIDEPENDÊNCIA. Em resumo, todo mundo é de todo mundo e ninguém é de ninguém.

  30. Se eles forem muito SEVEROS com os CRIMIVICIADOS, a sociedade pode acabar se voltando contra eles e exigir que eles, os CORRUPTOS, passe a ser punidos mais severamente, o que na prática significa que eles devem passar a ser punidos, já que a IMPUNIDADE do sistema é efetivamente estruturada para beneficiá-los, o restante dos CRIMIVICIADOS obtém um efeito marginal em função de uma externalidade decorrente da IMPUNIDADE dos CORRUPTOS.

  31. Afinal, quais são os maiores beneficiários do GARANTISMO? Não são os CORRUPTOS, todo os sistema de CRIMIDEPENDÊNCIA não é na verdade estruturado para protegê-los? Na verdade, os CRIMIVICIADOS são os bodes expiatórios que forma a linha de frente de proteção aos CORRUPTOS. É uma linha tênue, pois os CORRUPTOS precisam ao mesmo tempo trancar os CRIMIVICIADOS, mas sem serem demasiadamente SEVEROS, pois isto pode acabar fazendo com que o feitiço se vire contra o feiticeiro.

  32. Portanto, isto que se chama de GARANTISMO no Brasil é só uma forma de se distorcer mais ainda os INCENTIVOS para a CRIMIDEPENDÊNCIA por meio da INIMPUTABILIDADE e IMPUNIDADE, o indivíduo só é punido se ele exceder a sua quota e ameaçar a estabilidade do SISTEMA CORRUPTO e VICIADO, ou se for um TROUXA e não tiver as costas quentes. Essencialmente, o GARANTISMO se trata de manter a estabilidade do sistema de forma que os CORRUPTOS possam se manter no topo da cadeia predatória.

  33. De um lado o JOVEM vê a trilha que exige PERSEVERANÇA, ESFORÇO, SACRIFÍCIO, DISCIPLINA e SORTE, pq não basta só suor, é necessário SORTE. Do outro ele vê a promessa fácil de uma vida de LUXO, PODER, DINHEIRO, SEXO, CONFORTO, VITIMISMO, INIMPUTABILIDADE, IMPUNIDADE, MALANDRAGEM. Se ele for ESPERTO, qual caminho vai escolher: o do crime ou do estudo e trabalho? Nenhum indivíduo precisa de incentivos para seguir no caminho errado, pq ele é sempre o mais fácil.

  34. Em um ambiente de POBREZA e MISÉRIA, onde não há qq incentivo a se seguir as leis estabelecidas e as normas vigentes, onde imperam a MALANDRAGEM e a ESPERTEZA, TROUXA é todo aquele que tenta minimamente seguir a lei. Se o mundo é dos ESPERTOS e dos MALANDROS, então pq se esforçar, para que ir para a escolar? Isto é coisa de FRACASSADO e TROUXAS, pois em um SISTEMA CORRUPTO, INJUSTO e VICIADO, quem joga pelas regras obviamente sai perdedor.

  35. Este é o círculo de "amizade" e CUMPLICIDADE que atiça a CRIMIDEPENDÊNCIA e é alimentado por um SISTEMA JUDICIÁRIO CORRUPTO que promove a impunidade ampla e irrestrita, pq ele não pune o indivíduo pela violação da lei, mas pelo excesso. Só os TROUXAS vão presos por terem violado a lei, o restante é preso por abuso em virtude da CRIMIDEPENDÊNCIA. Este ciclo que desperta a CRIMIDEPENDÊNCIA inicialmente começa quando o indivíduo ainda é uma criança ou entra na adolescência.

  36. Portanto, estes CRIMIVICIADOS não tem qq motivo para tratarem a sua dependência, eles sofrem de CRIMIDEPENDÊNCIA, o desejo irrefreável de cometer crimes pelo simples fato de que eles podem e não há nada para impedi-los. O tempo que passam na cadeia só faz com que o vício e a dependência aumentem, pq lá eles estão presos com outros CRIMIVICIADOS que entram e saem em um ciclo contínuo que se retroalimenta. O CRIMIVICIADO preso sabe que assim que for solto terá alguém lá fora.

  37. Se acostumaram a achar que uns anos na cadeia valem toda a PUTARIA e SACANAGEM que podem fazer aqui fora, que estão até dispostos a passar uma temporada no xilindró se puderem MATAR, FUMAR, CHEIRAR, INJETAR e TREPAR à vontade. Em essência, o sofrimento de ir preso é só a abstinência que só faz aumentar a COMPULSÃO de cometer crimes, cada dia na cadeia é só um gota que enche o copo da LIBIDO, da TESÃO, da VOLÚPIA, do VÍCIO, pois eles tem certeza que serão soltos mais cedo ou mais tarde.

  38. A JURISPRUDÊNCIA da vida real, que é a que importa para o cidadão, pois é a que ele utiliza para avaliar suas ações, indica que o crime compensa. Pq? Pq os únicos presos são os CRIMINOSOS REITERADOS que se envolvem em crimes de grande potencial ofensivo contra a integridade física alheia e os TROUXAS. Mesmo os CRIMINOSOS REITERADOS DE ALTO GRAU DE PERICULOSIDADE tem boa chance de sair da cadeia em alguns anos, o problema deles é que não tem vergonha na cara e já estão VICIADOS.

  39. Se ASSASSINOS CORPORATIVOS podem agir de forma IRRESPONSÁVEL e NEGLIGENTE, matando mais de 250 pessoas poucos anos depois de um desastre similar, pq qq ASSASSINO no Brasil deveria ir preso? Se um incêndio em uma boate envolvendo IRRESPONSABILIDADE e NEGLIGÊNCIA abrangendo desde AGENTES PÚBLICOS até cidadãos comuns matou mais de 242 pessoas e nem gente presa teve, então pq policiais que agem de forma NEGLIGENTE em um PANCADÃO deveriam ser punidos?

  40. Quando o sujeito começa a perceber que só uma pequena fração dos crimes e dos CRIMINOSOS são punidos, isto o "empodera" para que ele passe a se sentir INIMPUTÁVEL, mesmo que ele tenha cometido o crime, tenha confessado, ainda assim ele se sente injustiçado pq ele é ESPECIAL, está acima dos demais. Se Pimenta Neves, ASSASSINO CONFESSO pode ficar livre durante anos, pq um ASSASSINO que não admitiu seu crime aceitaria ir preso, principalmente se não tiver sido julgado?

  41. Uma lei que não é possível de ser aplicada ou é ignorada tem que valor? Nenhum. Um sistema que cria uma jurisprudência baseada não nas ilegalidades cometidas, mas no perpetrador destas tem que valor? Nenhum. O SISTEMA JURÍDICO brasileiro é essencialmente estéril, ele ensina ao cidadão que a lei vale para alguns, os TROUXAS. Tal como Harry Potter, o judiciário brasileiro separa os cidadãos entre ESPERTOS e TROUXAS. Ou seja, em quem logra escapar, apesar de culpado, e quem é pego.

  42. Mas esta equação é complicada e normalmente o INOCENTE é que acaba pagando o maior preço, seguido pelos CRIMINOSOS e AGENTES DA LEI. Quanto ao CORRUPTO? Ele está no topo da cadeia predatória da corrupção, fica com a maior recompensa e corre o menor risco, pois o SISTEMA JURÍDICO foi todo estruturado para que a IMPUNIDADE possa prevalecer e, assim, os CORRUPTOS possam sempre escapar. Na verdade, toda a jurisprudência é baseada na ilegalidade do SISTEMA JURÍDICO.

  43. Óbvio que o policial OTÁRIO não concorda com ele e pensa que antes dos filhos dele ficarem sem pai, melhor que seja o filho de outro a ficar sem pai. Daí nasce um dilema, pois todos os atores que realmente detém capacidade de prevenir ou produzir um órfão não querem que seus filhos fiquem sem pai, qual a solução? Um bode expiatório, um quarto elemento deve ser adicionado para que os OPERADORES DA REALIDADE não tenham que sofrer as consequências.

  44. Os estertores desta autocomplacência e indulgência se expressam na percepção de alguns cidadãos acima dos demais e de qq suspeita que consideram que o mal está sempre nos outros e que os efeitos da criminalidadesó são ruins quando ocorrem no próprio quintal. A violência é sempre culpa da estado e do capitalismo malvados, nunca da corrupção deles, o policial que sobe o morro pq criminosos que deveriam estar na cadeia estão soltos não pode reagir e deve morrer pela "bem comum".

  45. Se a realidade é o limite e as probabilidades indicam o nível de aderência a estas, então quem escolhe ir contra as probabilidades não pode esperar ser bem-sucedido. Tudo no Rio conspira contra qq indivíduo com boa vontade e o mínimo de compromisso com o estado e a cidade. O Rio é provavelmente a epítome da cultura e da mentalidade perniciosas que permeiam o consciente coletivo brasileiro, a autocomplacência e indulgência com que o cidadão se trata.

  46. Mais uma palhaçada desse governador. Efetivamente não tem SIMANCOL como se diz na gíria. Envergonhei-me pelos cariocas. É o fim da picada.

  47. Mais uma palhaçada desse governador. Efetivamente não tem SIMANCOL como se diz na gíria. Envergonhei-me pelos cariocas. É o fim da picada.

  48. Mal começou o governo e ele já quer ser presidente... o Estado do Rio, então, todo arrebentado, não passa de palanque ou trampolim para ele... deveria focar em fazer um bom governo e aí, quem sabe, ser eleito com louvor em 2026...

    1. Carlon, sem sombra de dúvidas que ele vai conhecer a derrota esmagadora e que cada passo que ele der, inclusive ficar se ajoelhando por aí, não só para jogador de futebol como para outros jogadores como bem disse a matéria da CRUSOÉ. Provavelmente o HOMER vai dar novas mancadas.

    1. Não se esqueçam de quem levou o Witzel pela mão, foi o Flávio Bolsonaro, eu nunca tinha ouvido falar em Witzel e só votei nele pelo o aval do Flávio, errei duas vezes.

  49. Faremos como o Gabigol! Que mico hein?? kkk Traíras queremos longe... na hora da campanha era 'miguxo', após rola até processinho kkk por essas e outras lembrei do PT...

  50. O Witzel representa hoje o estopim que começou mas não pegou fogo. Seu início glorioso com propagandas de Snipers pegou o país inteiro de surpresa. Para a sua propaganda própria saiu comemorando o abate do sequestrador na ponte Rio Ninteroi, porem continua a sua trajetória se transformar em um grande fiasco. Candidato à Presidencia da República !? Tanta pretensão se estampa exatamente o que o povo brasileiro vai fazer caso isto se concretize... como o Gabigol fez com o Witzel ajoelhado e !?

  51. Graças a Deus, elegemos Bolsonaro. Quando se olha a ficha corrida da turma que quer assumir o comando do País, de honesto só sobra Bolsonaro. É por isso que ele é atacado por todos os lados. Com Bolsonaro não tem “articulação política” nem “diálogo cabuloso com o crime”.

    1. Pois é. Esse Witzel já exala o cheiro fétido desses políticos velhacos. Esse sempre foi um político travestido de juiz. Agora sim ele se revela. E pensar que acham que ele é um sopro de ar fresco nessa política mortífera desse país. Que nada! É mais do mesmo.

  52. Coitado do povo ignorante do Rio, com esta mania de votar em pastores que são ladroēs inveterados disfarçados de homens de bem, mas que vivem de roubo: ou roubam dos fiéis; ou roubam dos eleitores. Dinheiro limpo não possuem!

    1. Coitado do povo carioca?....???? Eles merecem !!,!!!Que se danem todos! Deveriam afundar! Só sabem e querem viver às custas do governo e do nosso dinheiro!

  53. Dois atos deploráveis! Aplaudir a morte de um “criminoso” (desequilibrado mental) e ajoelhar-se a uma pessoa igual a si (jogador de futebol)! O ato de ajoelhar-se, de prostrar-se deve ser um ato exclusivo à Deus! Para que eu vote nessa pessoa é preciso que o seu adversário seja uma pessoa condenada, embora, esteja solto!

  54. A gente só ouve falar desse estranho governador em noticias policiais . O que está sendo feito em nosso Estado em matéria de educação, saude, saneamento, recuperação das estradas, desenvolvimento cultural, urbanização das inumeras comunidades carentes ? Nada, o palhaço inventa generais de polícia, comemora tiros de snipes, veste faixas e medalhas e se ajoelha diante de craques de futebol . Não mereciamos algo melhor ?

  55. De fato, Witzel andou dando umas patinadas. Mas ainda o vejo como a melhor ( menos pior ) das opções dos cariocas nas últimas eleições. Fritá-lo neste momento pode abrir portas para muita gente corrupta esperando oportunidade em 2022

  56. Já antes de sua eleição para governador, surgiram histórias de situações irregulares em sua vida. Aonde foram parar essas investigações?

  57. Tem se que estar vigilante para evitar que o RJ torne se um arquipélago isolado. Percebe se a ânsia de poder de Witzel. Ele quer todo o sistema, policial e administrativo, em suas mãos. O texto desnudou o governador, que deve crer, que é dono do RJ e nao4somente administrador por 4 anos. Interessante a ambição de Witzel e Bolsonaro. Ambos querem dominar e não administrar. Por isso, o choque e o rusgar de ambos. Precisa se, com urgência, que tenhamos um líder estadista e brasileiro patriota"raiz

  58. Claro que ele não tem bandido de estimação.... estima igual a todos eles!!! Mais do que um vergonhoso palhacinho delirante, esse sujeito é um perigoso chefe de uma verdadeira quadrilha nomeada por ele ou, aboletada direta e indiretamente no governo do Rio. Como os fluminenses não costumam levar nada sério, a sério, está aí o resultado: a sequência de desgovernadores marginais que os desgovernam. Imagina o que esse néscio deve ter aprontado como juiz!!!

    1. "Esculmalha"??? É típico de maltas analfabetos a generalização infundada. Mais respeito!

  59. Deplorável as ações deste desequilibrado governador Witzel, imaginem então quando as suas proezas como juiz....que ainda não vieram a publico

  60. O carioca é tido como “dedo podre” nas escolhas de seus representantes, mas há tempos não tem um candidato honesto por essas bandas. Acho que o pior produto do Rio de Janeiro é o fluminense (não o time, esse só é ruim de bola)...

    1. Esse babaca enganou todo mundo. O povo do Rio não aceita mas Cabral e afins. Infelizmente o cara não está a altura do que foi pedido.

  61. Nunca soube por onde andava aquela figura tenebrosa do governo Temer - André Moura - até ler essa reportagem. Figura de proa do governo Witzel! Assim não tem futuro.

  62. Olha! Esse Witzel virou uma decepção. Por mim, sua carreira política está acabada. É um grande traidor. Traiu o Governo Bolsonaro , traiu a Nação.

  63. Era uma promessa de afastar os delinquentes, sempre presentes às eleições no Rio. Perdeu a chance ao se mostrar ambicioso demais. Sua estratégia não poderia ser pior.Caiu na vala comum.

  64. Tinha até um bom discurso babando o ovo do Mito mas agr não se elege nem mas para síndico de prédio. Simplesmente ridículo.

  65. Ele quer chegar ao Planalto. Como diz o Bolsonaro, ele pode querer, como qualquer brasileiro apto. Mas vai ficar só no querer. Ridículo!

  66. Está de parabéns esse jornalista pela clara reportagem. Só veio a confirmar e aumentar o conceito negativo que eu tinha desse governador. Palhaço. NUNCA VOTARIA NELE nem para guarda de quarteirão.

  67. É impressionante a capacidade carioca de produzir pilantras em altas posições de comando. É um problema nacional, mas o Rio se destaca com esmero!

  68. Rio de Janeiro é uma cidade maravilhosa, mas com políticos horrorosos, desde sempre... Não só políticos, mas toda a estrutura pública!

  69. Muito boa elucidação dos bastidores da politicagem fluminense e tupiniquim. Os velhos carunchos tentam se passar por borboletas, enquanto roem o erário público

  70. Faltou humildade do governador Witzel. Quis se antecipar aos fatos e, com isso, vai "queimar o seu filme". Poderia esperar até o ano da próxima eleição para avaliar o cenário. Aí sim poderia se candidatar. A vaidade e a ambição são péssimas conselheiras.

  71. O Estado do Rio de Janeiro não consegue encontrar um homem público sério à altura dos desafios a ser enfrentados para a melhoria das condições de vida da população. Fica parecendo que as instituições do estado do RJ são dominadas por pessoas de má índole.

    1. Meu amigo o maior problema do estado do Rio de Janeiro asism como a sua capital são os eleitores.

    2. Fica parecendo???? Kkkkkkkkkkkkk O estado do rio é uma verdadeira Cleptocracia plena, com grupos criminosos rivais brigando entre si... Esse governador aí é mais do mesmo...

  72. Quem conhece a realidade, já sabe que Witzel é a maior decepção e fraude das eleições passadas. Conseguiu, muito bem, enganar o povo e se passar por um politico novo. Agora mostra-se ineficiente na administração e nas reformas que o estado precisa. Na segurança só faz teatro, não investiu nada nas policias, que estão em uma situação muito precária. Não realizou reformas e mudanças necessárias na área e apenas usa as forças na tentativa de fazer seu teatro midiático falso. Mas a verdade surge...

    1. É um completo sem noção geral e moral, do tipo perigoso!!!

    2. Concordo plenamente. Mais um que usou o Presidente Bolsonaro e traiu o eleitor.

  73. Alguém saberia dizer se o Gabigol vai permanecer no Flamengo? Sou torcedor do Galo, mas topo até participar de uma eventual arrecadação para mantê-lo no nosso arqui-rival.

  74. Ele exagera no grotesco e no narcisismo a ponto de causar repulsa no eleitor, que votou nele por causa de Bolsonaro e por falta de opção. Não vai a lugar algum, ele mesmo é o seu pior inimigo.

  75. Esse Witzel estava se cacifando para se tornar um novo Cabral, mas por sorte a máscara dele caiu a tempo e a população não é mais tão boba como antes.

    1. O pior é que o desgraçado do Witzel vai se reeleger. O Rio de Janeiro está totalmente envolvido em coisas ruins e está afundando de uma for que vai ser difícil emergir de toda essa desgraceira.

    2. Governador Witzel e seu sonho de uma noite de verão. mais uma piada no Estado do Rio, depois de Sergio Cabral

Mais notícias
Assine agora
TOPO