Reprodução/redes sociaisMaduro entre militares: apesar de apelo por lealdade, levantes têm sido frequentes

Cai, não cai

O ditador venezuelano Nicolás Maduro abafa mais uma tentativa de retirá-lo do poder e manda perseguir seus opositores até no Brasil
03.01.20

Desde que o líder da oposição da Venezuela, Juan Guaidó, foi proclamado presidente interino, há um ano, o ditador Nicolás Maduro tem aproveitado toda e qualquer ocasião para posar para fotos com militares, acompanhar manobras bélicas e elogiar a lealdade de suas forças armadas. Apesar disso, levantes de homens fardados contra a ditadura têm sido recorrentes. O mais recente ocorreu no dia 22 de dezembro.

Batizada de Operação Trilogia, o plano dos rebeldes era realizar sublevações em três pontos da Venezuela. Um deles seria próximo da fronteira com a Colômbia. Outro, em uma cidade costeira. Um terceiro, perto da fronteira com o Brasil.

Na noite do dia 22, dezesseis homens uniformizados e um grupo de indígenas pemones — que vivem em comunidades dispersas na Venezuela e no Brasil — invadiram o Batalhão de Infantaria de Selva Mariano Montilla, a 230 quilômetros de Roraima. Soldados leais a Maduro foram feitos reféns. Segundo o governo, os rebeldes levaram 130 fuzis e mísseis antiaéreos do destacamento.

ReproduçãoReproduçãoTenentes que invadiram Batalhão de Infantaria de Selva, perto de Roraima
Tropas leais ao ditador foram no encalço dos rebeldes, que penetraram em território brasileiro. Na perseguição, nove indígenas foram presos e parte das armas roubadas foi recuperada. Um militar venezuelano foi morto. Em duas comunidades indígenas no Brasil, os moradores avistaram dezenas de homens armados e relataram o episódio por rádio. Eles não sabiam dizer se o que viram eram os rebeldes ou os que estavam tentando capturá-los. O Exército brasileiro afirmou que não localizou militares armados do lado de cá da fronteira.

Os outros dois focos de rebelião que estavam incluídos no plano, contudo, não aderiram. “Em nenhum momento nos últimos doze meses aconteceu o tão esperado ‘efeito dominó’, com o descontentamento que existe no interior das Forças Armadas levando a diversos quartéis a se rebelarem, um após o outro”, diz o analista venezuelano Agustín Blanco Muñoz. No dia 30 de abril, quando Juan Guaidó apareceu dentro de uma base militar em Caracas e anunciou a Operação Liberdade, nenhum outro grupo obedeceu a sua convocação. “Essas coisas acabam tendo um efeito favorável ao governo, que mostra sua força ao derrotar os descontentes.”

Em grande parte, a explicação para o fracasso dos levantes está na eficiência do sistema de inteligência venezuelano, construído com ajuda cubana. Outro ponto a se considerar é que não existem apenas dois lados na crise. Entre grupos irregulares e entre as forças de segurança, há uma fragmentação enorme. Há regiões do país dominadas por paramilitares, por dissidências das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, as Farc, por membros do Exército de Liberação Nacional, por milícias chavistas e por militares ligados ao narcotráfico e à mineração ilegal.

“Mais do que entrar no jogo de poder nacional, eles estão interessados em perseguir seus próprios interesses. Essa diversidade torna muito mais complexa uma ação organizada contra Maduro”, diz o venezuelano Andrei Serbin Pont, diretor de um think tank baseado em Buenos Aires.

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Inacreditável, depois de 60 anos de CUBA FIDEL CHE, os venezuelanos não conseguem enfrentar CHAVES MADURO, e ainda agora os comunistas do CHILE estão queimando 40 igrejas Cristãs exigindo uma Constituição Bolivariana.... Affffff..........

  2. Não existe um governo ditador na Venezuela e sim um grupo q chegou ao poder e este grupo são BANDIDOS DISFARÇADOS de POLÍTICOS. O Exército não se rebeldia pelo fato de q seus líderes estão gozando de privilégios ao dar apoio ao bandidos do poder.

    1. Simples, não há interesse econômico, a Venezuela não significa nada na geopolítica e tem a Rússia apoiando o ditador sanguinário Nicolás Maduro.

  3. garanto que a vida dele deve estar uma maravilha, vinhos, charutos, jantares e outras mordomias comunistas, enquanto as massas, coitados. tem Ptista que adora esse filme.

    1. Também tem PSLista que adora esse filme. Pra ter o que fazer...

    1. Definiçāo de Think Tank: um instituto, corporação ou grupo organizado para estudar um assunto específico (como uma questão política ou um problema científico) e fornecer informações, idéias e conselhos.

  4. Maduro, depois de um ano, prova que é duro na queda! Pior para o povo venezuelano, que deve estar esgotado de presenciar tanta barbaridade!! Fome, destruição, falta de perspectivas, falta de liberdade, isso tudo é alarmante! A pergunta que não quer calar é “até quando?”

  5. A falência econômica, a fome da população, a substituição do império da lei pelo império da corrupção e a fragmentação do poder estatal em vários vários canais paralelos representam o resultado das falidas políticas socialistas, que inexplicavelmente algumas mentes insistem em defender.

    1. Como disse Fernando Gabeira numa edição recente da Crusoé, nos extremos os fatos não importam.

  6. A Venezuela, agora usando criptomoedas, já que o bolívar mal paga o papel que o representa, parece que vai muito bem obrigado.

  7. Além de ter solapado todo o lastro do Tesouro Nacional venezuelano, o marginal maduro é mantido por Cuba, Rússia e, provavelmente também a China incluída. Covardia inominável que nutre ilimitadamente um bandido, para que ele domine e vampirize um povo desnutrido e fragilizado pela fome e pela miséria da ignorância, que os fez optar por mais esse algoz como seu desgovernante!!!

  8. maduro está sendo bem orientado e mantém o exército bem alimentado com comida e dinheiro , e assim se mantém no poder ..e o povo?....que se lasque

Mais notícias
Assine agora
TOPO