O beneficiário é outro

03.01.20

Um despacho recente do Conselho Nacional do Ministério Público, o CNMP, ordenou que a Promotoria de Fundações do Rio de Janeiro deixe de punir entidades cujas contas foram reprovadas e, além disso, suspenda a análise de balancetes de outras fundações que possam resultar em novas reprovações. A decisão, do conselheiro Luciano Nunes Maia Freire, foi tomada a partir de um recurso movido por uma agremiação ligada à área de educação. Os promotores que atuam na área estranharam a extensão da medida. E desconfiam que seu objetivo real seja bem outro: travar as investigações que envolvem algumas frentes de operação da Fundação Getúlio Vargas, em especial a FGV-Projetos, intimamente ligada a importantes magistrados de Brasília.

A sede da FGV no Rio: contratos sob investigação

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. Pouca vergonha! Até quando vamos ter de aguentar altas cortes do judiciario praticando atos a favor de bandidos e corruptos, escondidos atras de sua vitalicidadade e da leniencia do PRESIDENTE DO senado?

  2. Entendam o que pensam os nomeados para o CNMP: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2019/06/25/ccj-aprova-quatro-indicacoes-para-compor-o-conselho-nacional-do-ministerio-publico

  3. É preciso esclarecer que Luciano é juiz e não membro do MP. Vejam quem é ele e o que defende e entenderão sua nomeação e aprovação política: https://blogdoedisonsilva.com.br/2019/08/juiz-cearense-luciano-nunes-maia-fica-no-conselho-do-ministerio-publica-e-a-desembargadora-iracema-do-vale-deixa-o-cnj/

  4. Luciano Nunes Maia Freire, que tal investigar quem patrocinou a sua indicação e o tipo de interesses que ele tem, dentro e fora do CNMP?

  5. Todos os órgãos superiores do MP e judiciário são aparelhados por políticos corruptos. O problema está no processo de indicação e nomeação pelo chefe do executivo, com sabatina no legislativo. Precisamos tirar nossos tribunais, cortes superioras e conselhos nacionais das mãos dos políticos.

  6. O Maia e o Alcolumbre deveriam pensar numa PEC da Opacidade obrigando o Executivo a criar um Ministério da Opacidade; qualquer coisa um pouquinho mais transparente o Toffoli dava uma liminar. MO, mó legal. rs

  7. Viva a transparência. O CNMP que deveria defender a transparência parece ter sido devidamente aparelhado para proteger todo tipo de ilicitude. Claro que tem gente muito graúda que trabalha contra a transparência.

    1. Que decepção!!! Justo o MP, uma instituição que ainda tem alguma credibilidade neste País. Mandar parar investigação??? Cumprindo ordem manifestamente ilegal??? Acabou o País!!!

Mais notícias
Assine agora
TOPO