A tabela ruiu

31.01.20

Uma das principais conquistas da greve que provocou uma crise de desabastecimento no país no governo de Michel Temer, o tabelamento do frete, alvo de queixas do setor produtivo, dá sinais de não foi um bom negócio nem para os próprios caminhoneiros. A cooperativa comandada por um dos líderes do movimento, Wallace Costa Landim, o Chorão, está à beira da bancarrota — ele até deixou o posto de presidente no último dia 11, em razão do que classifica como “momento muito difícil”. Ainda neste início de ano, o plenário do Supremo Tribunal Federal deve julgar ações movidas por associações empresariais que contestam a validade do tabelamento, sob o argumento de que estabelecer um preço mínimo para o frete viola o princípio da livre-concorrência e prejudica o consumidor.

Adriano Machado/Crusoé Adriano Machado/CrusoéA tabela do frete foi uma das conquistas dos caminheiros na greve de 2018

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. A boa e velha lei da oferta e da procura se impôs. E a tabela virou peça ficção. Até as grandes empresas que foram obrigadas a usá-la optaram por comprar frotas próprias.

    1. Quer aparecer, Rui(m)? Compre uma melancia, pendure no pescoço e saia por aí.

    2. Rui , vc de novo ! ainda não cancelou , faça o cancelamento ... Kkk. Cão q ladra não morde. cansa.

    3. Assista a Record, vai ficar bem informado ( leva o cartáo)

    4. Rui larga a mão de ser miserável você é de direita e não vai assistir GLOBOLIXO

    5. Antes de cancelar, vá a merda. cara chato da porra.

    1. A rede ferroviária está afundada num mar de corrupção, desde o governo Sarney. E a rede fluvial sempre tem uma barreira no caminho: até uma queda d'água de centímetros ou poucos metros é empecilho para um projeto de navegação. Se precisar dragar os rios para garantir calado, nem se fale. E transposição entre rios, então, é o fim do mundo. O motivo e sempre o mesmo: interesses escusos e corrupção. Conclusão: continuamos alimentando este modal rodoviário, esburacado e obsoleto.

  2. É o mercado , idi..ot,,as , é o mercado , o grande chefe é o mercado , quem se adpta vive , quam não morre , o mercado é justo. Boquinha governamental é para incompetentes.

  3. Só se fala ainda nos caminhoneiros porque um espertalhão sequestrou o movimento como seu MST, e até hoje uns tontos fazem a ameaça da paralisação dos caminhoneiros nas redes sociais quando querem protestar contra os "inimigos" desse espertalhão. Quem foi 30 anos sindicalista não vai deixar de ser sindicalista só porque a moda hoje é falar em liberalismo.

  4. Onde estão os projetos das ferrovias? Esse governo fará como os outros que ficaram no blá-blá-blá e no fim cederam ao lobby das montadoras de caminhões. O país não pode continuar refém de uma categoria.

    1. Oh, Chris... não se constroem ferrovias em uma semana, um mês ou um ano!!! Leva tempo, e o Tarcísio começou "ontem" ...

  5. Fiquei confuso quando, diante de promessas vagas e frágeis por parte do governo, um movimento fortíssimo como a greve dos caminhoneiros, foi encerrado. Pensei que talvez a causa do fim da “greve” fossem os mais de 60 inquéritos abertos contra empresários donos de transportadoras por prática de Lock Out. A inércia atual dos caminhoneiros e o silêncio sobre os tais inquéritos reforçam a suspeita de que a força daquela greve veio mesmo de empresários e não dos motoristas.

Mais notícias
Assine agora
TOPO