A estratégia de Marcelo Odebrecht

20.12.19

As recentes manifestações públicas e privadas de Marcelo Odebrecht com ataques ao pai e ao novo presidente do grupo, Ruy Sampaio, fazem parte de uma estratégia: responsabilizar seus adversários pela crise que levou a corporação a entrar em recuperação judicial. Assim, Odebrecht espera angariar apoio interno para retomar o controle da gigante nacional. Marcelo ainda goza de prestígio junto aos diretores da construtora do grupo, hoje comandada por Juliana Baiardi, amiga dele e mulher do ex-executivo Fernando Reis, um dos delatores da empreiteira. O problema é que quem conhece bem os personagens da guerra envolvendo o controle da Odebrecht acredita que Marcelo tem munição limitada contra o novo presidente do grupo, Ruy Sampaio, aliado do pai Emílio Odebrecht. Ex-diretor financeiro e de investimentos, Sampaio estaria blindado porque não teria se envolvido nos esquemas de corrupção. O novo presidente da empreiteira teria como único passivo legal o fato de ter recebido bônus por meio do caixa 2 da empresa, em conta no exterior, quando era diretor.

Bruno Poletti/FolhapressBruno Poletti/FolhapressMarcelo Odebrecht quer transferir responsabilidades pela crise na empreiteira

Já é assinante?

Continue sua leitura!

E aproveite o melhor do jornalismo investigativo.

O maior e mais influente site de política do Brasil. Venha para o Jornalismo independente!

Assine a Crusoé

CONFIRA O QUE VOCÊ GANHA ASSINANDO O COMBO

  • 1 ano de acesso à CRUSOÉ com a Edição da Semana: reportagens investigativas aprofundadas, publicadas às sextas-feiras, e Diário, com atualizações de segunda a domingo
  • 1 ano de acesso a O ANTAGONISTA+: a eletrizante cobertura política 24 horas por dia do site MAIS conteúdos exclusivos e SEM PUBLICIDADE
  • Artigos Exclusivos de Diogo Mainardi, Mario Sabino, Ruy Goiaba, Carlos Fernando Lima e equipe
  • Newsletters Exclusivas

Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.

500
  1. O que falta para esse governo permitir que empresas estrangeiras participem de licitações públicas ? Quem sabe acaba , ou pelo menos diminui, a mamata das empreiteiras brasileiras corruptas.

  2. Quem, como os Odebrecht, sendo proprietário ou sócio de uma empresa envolvida em corrupção, deve ser totalmente removido da direção da mesma, como é o caso do Emílio e do Marcelo. Assim acontece nos países do 1º mundo. Durante a 2ª Guerra Mundial, a família francesa dona da fábrica de automóveis Renault, foram colaboracionistas do inimigo nazista e como traidores da França, perderam a posse da Renault que foi estatizada na época pós guerra e até hoje não pertence mais à família Renault.

  3. Essa Odebrecht não passa de uma organização criminosa fantasiada de empresa. Seus credores devem se perguntar todo dia se receberão dela algum dia!

Mais notícias
Assine agora
TOPO